As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Basta!

Foto de Christiana Carvalho
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por MARGARIDA BULHÕES PEREIRA GENEVOIS, JOSÉ CARLOS DIAS & PAULO SÉRGIO PINHEIRO*

O presidente Jair M. Bolsonaro tem incorrido de forma clara em diversos delitos comuns e de responsabilidade.

Desde sua posse, o presidente Jair Bolsonaro tem violado, reiteradamente, seu juramento de preservar, proteger e defender a Constituição do Brasil. Como se não bastasse sua obsessão em subverter a ordem democrática e as regras básicas do estado de direito, o presidente tem negligenciado suas responsabilidades políticas e jurídicas no enfrentamento da pandemia da Covid-19, contribuindo, por meio de suas ações e omissões, para o adoecimento de milhões de brasileiros e para a morte, até o presente momento, de mais de 215 mil pessoas.

O presidente Bolsonaro vem se empenhando desde o início de seu governo em aprofundar a polarização política, dividindo o país entre amigos e inimigos. Com uma retórica truculenta, baseada na crueldade com os mais vulneráveis, no racismo, no obscurantismo e na exaltação da violência, das armas e da ditadura, atenta diariamente contra os pilares fundamentais da nossa República, tais como estabelecidos pelo artigo 1º da Constituição.

O presidente não tem poupado esforços para desestabilizar nossas instituições. Participou de atos e fomentou grupos que propugnam o fechamento do Congresso Nacional e do Supremo Tribunal Federal, o que constitui crime de responsabilidade previsto pelo no artigo 6º, 1 e 5, da Lei 10.079, de 1950. Igualmente grave têm sido suas insidiosas manifestações incitando a animosidade entre as classes armadas e as instituições civis, que configuram mais um crime de responsabilidade, previsto no artigo 7º, 8, da Lei 10.079, de 1950.

O presidente Bolsonaro também vem subvertendo a Constituição por meio de nomeações incompatíveis com as funções a ser exercidas, pela expedição de decretos, regulamentos e atos administrativos e pela intimidação de servidores. Essa estratégia para frustrar a vontade constitucional fica patente no campo ambiental, no indígena, no controle de armamentos, na política de direitos humanos, educacional, cultural, de segurança pública e de inteligência.

A instrumentalização do aparato de segurança para atender a interesses pessoais do presidente, assim como a constrangedora omissão do procurador-geral da República em investigar crimes comuns atribuídos ao presidente da República, também apontam para esse grave processo de erosão de nossas instituições.

Em decorrência de uma desastrosa política externa, refratária à cooperação internacional, aos direitos humanos e ao meio ambiente, o Brasil vem se colocando numa posição de verdadeiro pária internacional. Isso com graves consequências para a nossa economia e prejuízos catastróficos para o enfrentamento da pandemia. O atraso na obtenção de vacinas é uma decorrência direta da política internacional desastrosa liderada por Jair Bolsonaro e seus auxiliares.

Ao negligenciar sistematicamente a gravidade da pandemia; fomentar aglomerações; desdenhar e descumprir medidas de prevenção determinadas por autoridades sanitárias; boicotar a produção e a obtenção da vacina; desacreditar as próprias vacinas; determinar a fabricação, a distribuição e o tratamento por meio de fármaco comprovadamente ineficaz no combate ou prevenção da Covid-19; assim como ao deixar de envidar todos os esforços financeiros e logísticos para assegurar o atendimento emergencial de enfermos, o presidente Bolsonaro tem incorrido de forma clara em diversos delitos comuns e de responsabilidade, tais como os previstos nos artigos 132 e 268 do Código Penal, artigo 85, inciso III, da Constituição Federal, e 7º, 9, da Lei 10.079, de 1950.

Conforme já havíamos afirmado em nota pública da Comissão Arns, de 19 de maio de 2020, Jair Bolsonaro perdeu as condições mínimas para exercer legitimamente o mandato presidencial que lhe foi atribuído, por absoluta incapacidade, vocação autoritária, insubordinação constitucional e constante ameaça à democracia e à vida das pessoas. Desde então, a situação apenas se agravou.

Por essas razões, a Comissão Arns chama a todas e todos aqueles verdadeiramente compromissados com a democracia e o direito à vida — cidadãos, organizações da sociedade civil, partidos políticos, organizações empresariais, religiosas e, sobretudo, instituições fundamentais da República, como Congresso Nacional, Supremo Tribunal Federal e Procuradoria-Geral da República — a assumir sua parcela de responsabilidade na defesa do regime democrático e da Constituição, contra os ataques que lhes têm sido endereçados pelo presidente da República. É preciso dizer um basta a esse desgoverno que tanto mal tem causado à vida dos brasileiros e à nossa democracia.

*Margarida Bulhões Pereira Genevois é presidente de honra da Comissão de Defesa dos Direitos Humanos Dom Paulo Evaristo Arns (Comissão Arns).

*José Carlos Dias é presidente da Comissão Arns. Foi ministro da Justiça.

*Paulo Sérgio Pinheiro é professor aposentado do Departamento de Ciência Política da USP e ex-ministro dos Direitos Humanos.

Publicado originalmente no blog da Comissão Arns.

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Celso Favaretto Jorge Branco Juarez Guimarães Boaventura de Sousa Santos Otaviano Helene Dênis de Moraes Julian Rodrigues Antonino Infranca Chico Whitaker Leonardo Avritzer João Carlos Salles Luiz Werneck Vianna Henry Burnett Marcos Silva Paulo Sérgio Pinheiro Luiz Marques Antonio Martins Benicio Viero Schmidt Sergio Amadeu da Silveira Eugênio Trivinho Elias Jabbour Slavoj Žižek Celso Frederico Lorenzo Vitral Ricardo Antunes Ronald Rocha Dennis Oliveira José Raimundo Trindade Yuri Martins-Fontes José Geraldo Couto Ari Marcelo Solon Flávio R. Kothe Alexandre de Freitas Barbosa Sandra Bitencourt Afrânio Catani Renato Dagnino Salem Nasser Jean Marc Von Der Weid Rodrigo de Faria Eugênio Bucci Alexandre de Lima Castro Tranjan José Dirceu Eduardo Borges Fernão Pessoa Ramos Paulo Martins Bernardo Ricupero Michael Roberts Marjorie C. Marona Bruno Machado Francisco de Oliveira Barros Júnior Flávio Aguiar Luiz Roberto Alves Leonardo Boff Carla Teixeira Milton Pinheiro Paulo Capel Narvai Marcus Ianoni Liszt Vieira Paulo Fernandes Silveira Roberto Noritomi Vinício Carrilho Martinez Anselm Jappe Atilio A. Boron Ricardo Musse Daniel Brazil Alysson Leandro Mascaro José Micaelson Lacerda Morais Luiz Carlos Bresser-Pereira João Feres Júnior Leda Maria Paulani Tarso Genro João Sette Whitaker Ferreira Vladimir Safatle Henri Acselrad Caio Bugiato Maria Rita Kehl Kátia Gerab Baggio Fábio Konder Comparato Manchetômetro Eliziário Andrade Daniel Afonso da Silva João Paulo Ayub Fonseca Carlos Tautz Fernando Nogueira da Costa André Márcio Neves Soares Tadeu Valadares Mário Maestri Gilberto Maringoni Antônio Sales Rios Neto Ladislau Dowbor Vanderlei Tenório Marcelo Guimarães Lima Everaldo de Oliveira Andrade Ricardo Abramovay Claudio Katz Anderson Alves Esteves Igor Felippe Santos Francisco Fernandes Ladeira Lucas Fiaschetti Estevez Manuel Domingos Neto Berenice Bento Remy José Fontana Roberto Bueno Luis Felipe Miguel Rafael R. Ioris Luiz Bernardo Pericás Luiz Renato Martins Rubens Pinto Lyra Luiz Costa Lima Gilberto Lopes Marilia Pacheco Fiorillo Plínio de Arruda Sampaio Jr. Luciano Nascimento Priscila Figueiredo Gerson Almeida Valerio Arcary Heraldo Campos Eleonora Albano Lincoln Secco Tales Ab'Sáber Paulo Nogueira Batista Jr José Costa Júnior Osvaldo Coggiola João Adolfo Hansen Valério Arcary Luiz Eduardo Soares José Machado Moita Neto Ronald León Núñez Marcelo Módolo Michael Löwy Luís Fernando Vitagliano Denilson Cordeiro Airton Paschoa Eleutério F. S. Prado José Luís Fiori Walnice Nogueira Galvão Mariarosaria Fabris Ricardo Fabbrini Annateresa Fabris Ronaldo Tadeu de Souza Armando Boito Gabriel Cohn Francisco Pereira de Farias Jorge Luiz Souto Maior Marcos Aurélio da Silva André Singer Samuel Kilsztajn Marilena Chauí Leonardo Sacramento Bento Prado Jr. Chico Alencar João Lanari Bo Andrew Korybko Bruno Fabricio Alcebino da Silva João Carlos Loebens Alexandre Aragão de Albuquerque Daniel Costa Jean Pierre Chauvin Thomas Piketty Érico Andrade

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada