Jorge Seif & Luciano Hang

Imagem: Markus Winckler
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LUIS FELIPE MIGUEL*

Conter a força corruptora do dinheiro é um dos mais importantes desafios para a democracia no Brasil

Começa hoje o julgamento no TSE que pode cassar o mandato do senador Jorge Seif (PL), de Santa Catarina.

Exemplo retumbante das nulidades que o bolsonarismo levou ao topo da política brasileira, ele está sendo julgado por abuso de poder econômico – junto com seu patrocinador, Luciano Hang, conhecido como “véio da Havan”.

Há boatos de que o julgamento de Sergio Moro, sujeito a cassação por motivo similar, no Paraná foi interrompido à espera do resultado do caso de Jorge Seif no TSE.

Isso porque o PSD tenta emplacar a tese de que, sendo Jorge Seif cassado, em vez de convocadas novas eleições deve ser empossado o segundo colocado em 2022 – o ex-governador Raimundo Colombo. Cria da oligarquia Konder Bornhausen, que tenta controlar Santa Catarina desde o começo do século passado, Raimundo Colombo é hoje um bolsonarista tão tosco como Jorge Seif.

O impacto no caso do Paraná é óbvio. Caso o TSE abrace a tese a favor de Raimundo Colombo, o que é improvável, a cassação de Sérgio Moro levaria ao Senado o bolsonarista, monarquista e propagador de fake news Paulo Eduardo Martins.

Como se vê, na política brasileira, em especial no Sul, não há muito para onde correr.

No PL catarinense mesmo, a torcida pela cassação do correligionário Jorge Seif é grande. Gente como a deputada federal Carol de Toni e a deputada estadual Ana Caroline Campagnolo estão se assanhando para disputar a vaga.

É necessária uma palavra também sobre o corréu de Jorge Seif, o “véio da Havan”. Luciano Hang nunca respeitou qualquer limite legal ou moral no uso de suas empresas – seja para seu próprio enriquecimento, seja para ter influência política. Protagonizou os maiores espetáculos de assédio eleitoral de que se tem notícia.

Se não estivesse no Brasil (e mais precisamente em Santa Catarina), estaria na cadeia.

Em vez disso, a pena a que está sujeito, caso condenado, é a inelegibilidade. Duplamente inútil, conforme seu advogado mesmo (sutilmente) debochou. Primeiro, porque Luciano Hang já está inelegível, por uma condenação anterior. Depois, porque ele não quer ser candidato. O que ele quer é influenciar – podemos trocar por “corromper” – as eleições com a força do dinheiro.

Há muitos desafios para a democracia no Brasil – tantos que a gente mal sabe por onde começar.

Conter a força corruptora do dinheiro é um dos mais importantes.

*Luis Felipe Miguel é professor do Instituto de Ciência Política da UnB. Autor, entre outros livros, de Democracia na periferia capitalista: impasses do Brasil (Autêntica). [https://amzn.to/45NRwS2]

Publicado originalmente nas redes sociais do autor.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • Como mentir com estatísticascadeira 51 18/05/2024 Por AQUILES MELO: Os números apresentados pelo governo federal aos servidores da educação em greve mais confundem do que explicam, demonstrando, assim, desinteresse na resolução do problema
  • A “multipolaridade” e o declínio crônico do OcidenteJosé Luís Fiori 17/05/2024 Por JOSÉ LUÍS FIORI: A defesa da multipolaridade será cada vez mais a bandeira dos países e dos povos que se insurgem neste momento contra o imperium militar global exercido pelo Ocidente
  • Razões para o fim da greve nas Universidade Federaisbancos 16/05/2024 Por TADEU ALENCAR ARRAIS: A nova proposta do Governo Federal anunciada dia 15 de maio merece debate sobre continuar ou não a greve
  • A hora da estrela – trinta e nove anos depoisclareice 20/05/2024 Por LEANDRO ANTOGNOLI CALEFFI: Considerações sobre o filme de Suzana Amaral, em exibição nos cinemas
  • A greve nas universidades e institutos federais não…caminho tempo 17/05/2024 Por GRAÇA DRUCK & LUIZ FILGUEIRAS: As forças de esquerda e democráticas precisam sair da passividade, como que esperando que Lula e o seu governo, bem como o STF resolvam os impasses políticos
  • A liberdade fake e o Marquês de SadeEugenio Bucci 18/05/2024 Por EUGÊNIO BUCCI: A liberdade fake, a liberdade sádica, que no fundo é a negação de toda liberdade, está levando o Brasil ao naufrágio total
  • De Hermann Cohen a Hannah Arendtcultura barcos a vela 18/05/2024 Por ARI MARCELO SOLON: Comentário sobre o livro de Miguel Vatter
  • A universidade operacionalMarilena Chauí 2 13/05/2024 Por MARILENA CHAUI: A universidade operacional, em termos universitários, é a expressão mais alta do neoliberalismo
  • O cavalo Caramelocavalo caramelo 15/05/2024 Por LEONARDO BOFF: Há que se admitir que nós não temos respeitado os direitos da natureza com seu valor intrínseco, nem posto sob controle nossa voracidade de devastá-la
  • Depois do dilúvioTarso Genro 20/05/2024 Por TARSO GENRO: Um cavaleiro apocalíptico, três negacionismos e muitos funerais

AUTORES

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES