Vacinas, 5G e tutela

Imagem: Anderson Antonangelo
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JORGE ALMEIDA*

Indefinições quanto à internet 5G são marcadas por disputas e interesses dentro e fora do governo

Diante do impasse para a chegada das vacinas, Jair M. Bolsonaro nomeou uma comissão para negociações com o embaixador da China, composta pela Ministra da Agricultura, o das Comunicações e o da Saúde.

Ernesto Araújo, das Relações Exteriores, ficou fora por não ser considerado qualificado para representar o Brasil, muito menos para recompor o diálogo com embaixador da China, com quem teve vários atritos públicos.

A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, representa os latifundiários do agronegócio e os capitalistas de sua cadeia produtiva, que são bem favoráveis a boas relações comerciais, investimentos e financiamentos chineses.

O ministro das Comunicações, Fábio Faria, está diretamente ligado ao certame da Internet 5G, cujo edital é esperado para março e o leilão em junho.

Bolsonaro gostaria de vetar a chinesa Huawei e o relator do leilão, Carlos Baigorri, chegou a declarar que o 5G “exige fornecedores confiáveis e transparentes” na “parte financeira, na governança e na estrutura societária”, o que são indiretas contra à Huawei, que é acusada de espionagem, mas é a empresa que tem a melhor e mais barata proposta. Eduardo Bolsonaro, respaldado por Ernesto Araújo, também tem atacado sistematicamente o 5G da Huawei e a China.

Mas o lobby a favor das relações com a China é fortíssimo no Brasil, especialmente no empresariado dos setores primário exportador e de comunicações, assim como numa rede de influência no parlamento, judiciário, entre militares, nos meios acadêmicos, na grande mídia e dentro do próprio governo federal, incluindo o vice-presidente General Mourão.

Providenciando as Vacinas e o 5G

Antes da reunião da comissão de negociação com o embaixador, Bolsonaro tinha procurado, pela terceira vez em seu governo, o presidente chinês para pedir favores.

Da primeira vez, em novembro de 2019, pediu, de última hora, durante reunião presencial com Xi Jinping, que a China investisse no leilão de petróleo do Pré-Sal, pois nenhum investidor estrangeiro estava interessado. O presidente chinês atendeu o pedido e uma estatal chinesa entrou no leilão.

A segunda, foi para apagar um incêndio depois da primeira onda de ataques de seu filho Zero Dois à China, em março de 2020, quando Xi Jinping o deixou esperando o retorno de um pedido de telefonema por alguns dias.

Agora, Xi Jinping não atendeu. E dificilmente atenderá antes que os termos da conversa e as questões em jogo sejam previamente definidos.

Assim, a escolha dos ministros da comissão foi uma demonstração de boa vontade do governo brasileiro diante das escaramuças sobre o 5G e para facilitar a importação de insumos para as vacinas.

Tutelado de vários lados, Bolsonaro é guiado pelos chamados “militares do governo”, que conseguiram reduzir sua verborragia e orientam as decisões governamentais que mais importam ao grande capital, à própria corporação militar e à sobrevivência do Presidente. Não por acaso, dois dos grandes articuladores dos acordos com o Centrão foram os generais Ramos e Braga. E, fora do governo, está cercado pelo Congresso Nacional, o STF, setores do MPF e a maior parte da grande mídia comercial e do grande capital.

Enfim, o grande empresariado já disse a Bolsonaro que quer a vacinação em massa e o 5G. E que está com pressa. Ele relutou, mas está providenciando. Enquanto isso, os chineses negociam.

A elite política e o empresariado chineses são bem preparados, têm interesses claros, atuam estrategicamente e são pragmáticos. Não importa o regime político ou a ideologia de governantes ou empresários.

O que importa é o que eles chamam de “win-win”, o “ganha-ganha”, quando todos ganham em termos imediatos, na lógica do mercado capitalista. Mas, eles ganham também estrategicamente, como no caso do 5G, e vão avançando como potência capitalista na disputa tecnológica e geopolítica mundial.

No meio da competição interimperialista entre EUA e China pela vanguarda tecnológica do capitalismo mundial, o Brasil não tem um projeto nacional. Apenas assiste a disputa como um consumidor comum escolhe entre a Amazon e a Alibaba.

O fato é que, depois da reunião da comissão dos ministros com o embaixador chinês, as coisas destravaram. Os insumos começaram a chegar e o processo do leilão começou a andar sem ferir os interesses dos chineses.

Mas ainda existem alguns mistérios a serem decifrados.

Mistérios a serem decifrados

No final da semana passada (29/02), foram divulgados o relatório de Baigorri para a Anatel e uma portaria do MCom que convergem em não criar vetos à Huawei. Mas trazem uma série de condições para as operadoras, como uma rede específica para o governo (operada pela Telebrás), supostamente para garantir a segurança dos dados, e uma série de outras especificações que encarecem e atrasam a implantação do 5G. Também diminuem a arrecadação da outorga para cerca de zero e, ao impedir o uso das redes de 4G já existentes, reduzem as vantagens competitivas da Huawei, que forneceu a maior parte da infraestrutura do 4G no Brasil.

Há muitas pressões e lobbies das operadoras contra estas exigências. Além disso, o ministro Paulo Guedes também estaria contra estas exigências da portaria, pois isto levaria a um fortalecimento da Telebrás, colocando dificuldades para sua privatização.

Por isso, no meio da reunião da Anatel (1º fevereiro) que iria aprovar o edital, e depois de já haver uma maioria de três votos favoráveis ao relatório de Baigorri, o presidente da Agência pediu vistas ao processo, adiando a decisão para o dia 24. Este pedido de vistas foi respaldado pela Conexis Brasil Digital, que é a associação das grandes empresas operadoras de telecomunicação, e por Paulo Guedes, que quer evitar um reforço da Telebrás. Então, ainda há mistérios não desvendados.

Outro mistério é o futuro dos Ministérios de Pazuello e Ernesto Araújo. Ao contrário do que Bolsonaro divulga nas mídias, ambos não tiveram nenhum protagonismo na questão das vacinas e do 5G.

Araújo parecia em queda, depois de tantos atritos com os chineses, outras trapalhadas e a derrota de Trump, de quem é ardoroso adepto. Bolsonaro teria, inclusive, sondado Temer para a função. Mas este não teria aceitado, porque prefere sua função atual de lobista da Chinesa Huawei.

Mas, depois de uma declaração imprudente de Mourão à imprensa insinuando saída de Araújo, Bolsonaro não quer dar o braço a torcer. Até quando?

Quanto a Pazuello, o Centrão tá de olho nisso, “talquei”?

*Jorge Almeida é professor do Departamento de Ciência Política da UFBA.

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Tales Ab'Sáber Bruno Machado Airton Paschoa Samuel Kilsztajn Valerio Arcary Claudio Katz Daniel Costa Vinício Carrilho Martinez Julian Rodrigues Anselm Jappe Andrés del Río Luiz Bernardo Pericás Antônio Sales Rios Neto Eliziário Andrade Daniel Afonso da Silva Alexandre de Lima Castro Tranjan Vladimir Safatle Marilena Chauí Henry Burnett Luiz Werneck Vianna João Lanari Bo Fernão Pessoa Ramos Eleonora Albano Ricardo Musse Antonio Martins Fernando Nogueira da Costa Jean Marc Von Der Weid Eugênio Bucci Eugênio Trivinho Annateresa Fabris Luís Fernando Vitagliano José Machado Moita Neto Maria Rita Kehl Luiz Marques Ricardo Fabbrini Lorenzo Vitral Caio Bugiato Mário Maestri Marjorie C. Marona Marcos Aurélio da Silva Marilia Pacheco Fiorillo Liszt Vieira Plínio de Arruda Sampaio Jr. Yuri Martins-Fontes Osvaldo Coggiola Fábio Konder Comparato André Singer Henri Acselrad Marcos Silva João Paulo Ayub Fonseca Luis Felipe Miguel Armando Boito Salem Nasser Kátia Gerab Baggio Francisco Pereira de Farias Milton Pinheiro Vanderlei Tenório Boaventura de Sousa Santos Sandra Bitencourt Gilberto Maringoni José Luís Fiori Michael Löwy Carlos Tautz Gerson Almeida Thomas Piketty Leonardo Avritzer Ladislau Dowbor Alysson Leandro Mascaro Carla Teixeira Leda Maria Paulani Bernardo Ricupero Flávio Aguiar João Feres Júnior João Carlos Loebens Celso Favaretto Eleutério F. S. Prado Luiz Eduardo Soares Michael Roberts Lincoln Secco Renato Dagnino Jorge Luiz Souto Maior José Costa Júnior José Raimundo Trindade Ronaldo Tadeu de Souza Marcus Ianoni Rafael R. Ioris Chico Alencar Atilio A. Boron Matheus Silveira de Souza Gabriel Cohn Paulo Fernandes Silveira Alexandre de Freitas Barbosa Remy José Fontana André Márcio Neves Soares Luiz Carlos Bresser-Pereira Paulo Martins Leonardo Sacramento Michel Goulart da Silva Everaldo de Oliveira Andrade Walnice Nogueira Galvão Benicio Viero Schmidt João Sette Whitaker Ferreira Tarso Genro Denilson Cordeiro Bruno Fabricio Alcebino da Silva Elias Jabbour Heraldo Campos Érico Andrade Paulo Capel Narvai Ricardo Abramovay Slavoj Žižek Rodrigo de Faria Paulo Sérgio Pinheiro Eduardo Borges Lucas Fiaschetti Estevez Manchetômetro Dênis de Moraes Berenice Bento Antonino Infranca Tadeu Valadares Luciano Nascimento Andrew Korybko Ronald Rocha Juarez Guimarães Jorge Branco Marcelo Módolo Jean Pierre Chauvin Priscila Figueiredo Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Rubens Pinto Lyra Leonardo Boff Gilberto Lopes Otaviano Helene Chico Whitaker Valerio Arcary Sergio Amadeu da Silveira Mariarosaria Fabris Ari Marcelo Solon Manuel Domingos Neto Luiz Renato Martins Bento Prado Jr. Ronald León Núñez Igor Felippe Santos José Micaelson Lacerda Morais João Adolfo Hansen Dennis Oliveira Paulo Nogueira Batista Jr Daniel Brazil Luiz Roberto Alves Afrânio Catani João Carlos Salles Marcelo Guimarães Lima Francisco de Oliveira Barros Júnior Alexandre Aragão de Albuquerque Ricardo Antunes José Geraldo Couto José Dirceu Francisco Fernandes Ladeira Celso Frederico Flávio R. Kothe

NOVAS PUBLICAÇÕES