Benjamin Netanyahu e a extrema direita global

Imagem: Sera Cocora
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JORGE BRANCO*

Uma vitória eleitoral ou mesmo um ciclo de governos progressistas, não são suficientes, ainda que sejam importantíssimos, para derrotar a extrema direita global

O governo de Benjamin Netanyahu é hoje a maior referência política para a extrema direita global, cumprindo um papel de reorganizá-la. As derrotas eleitorais de Donald Trump e Jair Bolsonaro foram derrotas parciais para a extrema direita mundial, mas insuficientes para inabilitá-la definitivamente. A ofensiva militar do governo de Benjamin Netanyahu sobre a população e o território palestinos deu forma a uma política que alinhou diversas correntes de extrema direita pelo mundo.

Política é também contexto. Desde seu primeiro governo em 1996, na esteira da crise política que atingiu Israel após o assassinato de Yitzhak Rabin – primeiro-ministro que comandou os acordos de cessar-fogo entre judeus e palestinos nos anos 1990 –, Benjamin Netanyahu se constituiu como o líder das facções que negam a coexistência de dois Estados na região. E também de qualquer concessão por parte de Israel a fim de materializar algum pacto de paz, tal como o Acordo de Oslo, seu grande alvo no primeiro governo.

A crise política global de 2010 para cá, deu à Benjamin Netanyahu o ambiente, as condições políticas, para uma radicalização de sua política de extrema direita. Com a eleição de 2022, Benjamin Netanyahu chegou a seu sexto governo. Neste governo as políticas de segregação social e étnica contra o povo árabe avançaram solidificando sua política colonial sobre os territórios palestinos, inclusive sobre a Cisjordânia e não somente sobre Gaza. Israel caminha, pelas mãos da extrema direita, para afirmar-se como um Estado étnico-religioso e não como um Estado nacional e democrático.

Acusado de corrupção e liderando um governo de frente de extrema direita, composto por partidos sionistas radicais, partidos religiosos fundamentalistas e ampliando a força dos militares e das polícias, Netanyahu consolidou leis de discriminação étnica, políticas de anexação territorial e propostas desdemocratizantes. Se de um lado tem sido muito criticado e vem sofrendo a resistência da oposição democrática israelense e de organizações de defesa dos direitos humanos – que o caracterizam como um governo de apartheid social – de outro se transformou em referência das organizações e partidos de extrema direita pelo mundo.

No Brasil, por exemplo, após a derrota eleitoral para Lula no final de 2022 e a debelação da tentativa de golpe de Estado em janeiro de 2023, a extrema direita, liderada pelo bolsonarismo, reencontrou um ponto de unidade na defesa da política colonialista e religiosa de Benjamin Netanyahu. A ideia, ainda que difusa, de um Estado religioso, militarista, com eliminação de direitos sociais e que combata as premissas dos direitos humanos, funcionou com um toque de corneta para a remobilização de sua base social, conservadora e suscetível aos esquemas operativos das redes sociais bolsonaristas.

O provocativo encontro do embaixador de Israel no Brasil, Daniel Zonshine, com parlamentares de extrema direita e com o ex-presidente Jair Bolsonaro, demonstra que o governo israelense está, objetivamente, disposto a se relacionar com a extrema direita mundial e ultrapassar os limites diplomáticos das relações entre estados. Este mesmo embaixador já havia atacado o PT, partido principal da coalização do governo Lula, em uma atitude incomum para representantes de Estados estrangeiros.

A ofensiva militar de Israel provocou, após várias derrotas políticas e eleitorais, uma reanimação da extrema direita mundial. No Brasil, Estados Unidos, Argentina, Portugal, Espanha e Alemanha, a extrema direita procura empreender um novo movimento ofensivo. A tentativa de lawfare contra o governo de centro–esquerda em Portugal, as candidaturas de Javier Milei e Donald Trump, na Argentina e nos EUA respectivamente, a força da pressão da oposição de direita no Brasil e na Espanha, o ativismo e representatividade do neofascismo na Alemanha, se juntam aos governos da Hungria, Polônia e Itália em uma frente ultrarreacionária.

Uma vitória eleitoral ou mesmo um ciclo de governos progressistas, não são suficientes, ainda que sejam importantíssimos, para derrotar a extrema direita global. É a crise econômica global e a alta concentração de riqueza e poder em mãos dos super-ricos que alimentam essa conjuntura de ódio e escassez, ambiente propício ao ativismo da extrema direita. A disputa de valores, o que passa por denunciar a extrema direita pelo que é e pelo que faz sem rodeios ou tergiversações, é decisivo para um confronto sobre a continuidade das conquistas sócias das últimas décadas.

*Jorge Branco é doutorando em ciência política na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Leonardo Avritzer Osvaldo Coggiola Bruno Machado Luis Felipe Miguel José Micaelson Lacerda Morais Sandra Bitencourt Eleutério F. S. Prado Gilberto Maringoni Leonardo Sacramento Salem Nasser Antonino Infranca Afrânio Catani Thomas Piketty Priscila Figueiredo Vanderlei Tenório Jorge Luiz Souto Maior Lorenzo Vitral Eliziário Andrade André Márcio Neves Soares Luiz Bernardo Pericás Sergio Amadeu da Silveira Airton Paschoa Francisco de Oliveira Barros Júnior Leda Maria Paulani Luciano Nascimento Ari Marcelo Solon José Costa Júnior Benicio Viero Schmidt Ricardo Musse Yuri Martins-Fontes Alexandre de Lima Castro Tranjan José Geraldo Couto Paulo Martins Ricardo Fabbrini Tales Ab'Sáber João Adolfo Hansen Milton Pinheiro Caio Bugiato Matheus Silveira de Souza Rodrigo de Faria Eleonora Albano Ronald Rocha Vinício Carrilho Martinez João Feres Júnior Eugênio Trivinho José Dirceu Mário Maestri Samuel Kilsztajn Renato Dagnino João Carlos Loebens Marcelo Módolo Fernando Nogueira da Costa Luiz Renato Martins Maria Rita Kehl Remy José Fontana Chico Whitaker Paulo Nogueira Batista Jr Andrés del Río Mariarosaria Fabris Annateresa Fabris Heraldo Campos Luiz Roberto Alves Armando Boito Gerson Almeida Liszt Vieira Manuel Domingos Neto Eugênio Bucci Luís Fernando Vitagliano Denilson Cordeiro Antônio Sales Rios Neto José Raimundo Trindade Andrew Korybko Walnice Nogueira Galvão Ladislau Dowbor Celso Favaretto José Luís Fiori Michael Löwy Érico Andrade Tarso Genro Tadeu Valadares Marcos Silva Francisco Pereira de Farias Gilberto Lopes Anselm Jappe Flávio Aguiar Marcus Ianoni Eduardo Borges Marcos Aurélio da Silva Fernão Pessoa Ramos Julian Rodrigues Alexandre de Freitas Barbosa Flávio R. Kothe Igor Felippe Santos Jean Marc Von Der Weid Luiz Marques Plínio de Arruda Sampaio Jr. Marcelo Guimarães Lima Ronaldo Tadeu de Souza João Sette Whitaker Ferreira Otaviano Helene Claudio Katz Henry Burnett Carla Teixeira Paulo Capel Narvai Vladimir Safatle Fábio Konder Comparato João Lanari Bo Elias Jabbour Marjorie C. Marona Valerio Arcary Michael Roberts Chico Alencar Luiz Eduardo Soares Luiz Carlos Bresser-Pereira Bento Prado Jr. Jean Pierre Chauvin Carlos Tautz Alexandre Aragão de Albuquerque Daniel Costa José Machado Moita Neto Ronald León Núñez Berenice Bento Ricardo Abramovay Dennis Oliveira André Singer João Carlos Salles Antonio Martins Atilio A. Boron João Paulo Ayub Fonseca Lincoln Secco Marilia Pacheco Fiorillo Alysson Leandro Mascaro Henri Acselrad Bruno Fabricio Alcebino da Silva Rafael R. Ioris Lucas Fiaschetti Estevez Slavoj Žižek Bernardo Ricupero Daniel Afonso da Silva Leonardo Boff Michel Goulart da Silva Celso Frederico Paulo Sérgio Pinheiro Valerio Arcary Dênis de Moraes Daniel Brazil Boaventura de Sousa Santos Luiz Werneck Vianna Everaldo de Oliveira Andrade Gabriel Cohn Jorge Branco Rubens Pinto Lyra Francisco Fernandes Ladeira Manchetômetro Paulo Fernandes Silveira Kátia Gerab Baggio Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Ricardo Antunes Juarez Guimarães Marilena Chauí

NOVAS PUBLICAÇÕES