O que fazer com o militar

Cecil Collins, Cabeça, 1963
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por GILBERTO MARINGONI*

Comentário sobre o livro recém-lançado de Manuel Domingos Neto

Um preocupante consenso de elites ronda a democracia brasileira: o de que as Forças Armadas nada tiveram a ver com a escalada golpista dos últimos quatro anos, cujo ponto culminante foi o terror de 8 de janeiro, em Brasília. Governo, Judiciário e a maioria do Legislativo irmanados com boa parte da mídia apressam-se em construir orações sem sujeito diante de um histórico de ordens do dia, acampamentos em frente a quartéis e participação de altos oficiais em articulações para desacreditar urnas, instituições e organizações da sociedade. Uma passação de pano ampla, geral e irrestrita busca convencer a opinião pública de que sem os fardados, a legalidade teria ido à breca.

Inúmeras vozes se insurgem contra esse acordão. Uma das mais qualificadas é a de Manuel Domingos Neto, no recém lançado O que fazer com o militar – Anotações para uma nova defesa nacional. Professor aposentado da Universidade Federal do Ceará e ex-deputado federal, o autor apresenta uma espécie de síntese de quase meio século de pesquisas, incontáveis contatos com oficiais e refinada análise do passado recente. Não faz rodeios em seu raciocínio: “Escrevi este livro para os que acham possível apaziguar o quartel com atendimento às demandas corporativas. Lula acreditou nisso e foi preso. Voltou ao governo contingenciado pelo fuzil. Dilma também acreditou e perdeu o cargo”.

Para Domingos Neto, o problema essencial é o que chama de transtorno de personalidade funcional do militar. Toda a pregação dos comandos superiores exalta a defesa da soberania e de um difuso conceito de Pátria. Contudo, desde a independência, os soldados são majoritariamente treinados para outra atividade, o combate ao “inimigo interno”. Isso teria se concretizado na manutenção do sistema colonial-escravista, na repressão a movimentos separatistas no Império e a qualquer tipo de rebelião popular na República.

Na Guerra Fria, a partir de 1945, a missão foi embalada pelas teorias de contra-insurgência e no combate à chamada subversão. A partir daí o soldado se percebe como “político, policial, empresário, assistente social, administrador público, construtor de estradas, perfurador de poços no semiárido, guarda florestal, vigia de fronteira, entendido em Segurança Pública, controlador dos tráfegos aéreo, costeiro e fluvial, supremo avaliador da moralidade e planejador do destino nacional”, escreve o autor. Incapazes de desempenhar sua função essencial, a defesa contra a agressão externa, as Forças arrogaram-se o papel de interventoras frequentes na vida política.

Domingos Neto avalia que o Brasil possui um arremedo de Defesa. “Neste domínio, a República fracassou. Para a afirmação da soberania brasileira, precisamos de uma nova Defesa, que revise as funções, a organização e a cultura das Forças Armadas. Chamo essa revisão de reforma militar”, afirma.

A partir daí o livro esboça bases de uma profunda mudança na organização e nos objetivos da caserna. O passo inicial seria o rompimento das Forças com a grande indústria transnacional de armas e com os desígnios das potências hegemônicas.

A reforma proposta deveria rever o número excessivo de generais sem função e a distribuição das tropas pelo país, além de abrir caminho para que mulheres e negros tenham ascensão hierárquica. O trabalho exalta a necessidade de maior investimento estatal em ciência e tecnologia, para dotar o setor de capacidade operacional diante das novas características da guerra. Por fim, deve-se abrir um grande debate nacional sobre Defesa. Trata-se de articulação eminentemente política, que não pode se restringir aos muros da caserna. “Comandantes precisam ser consultados sobre a Defesa, mas a sua concepção e condução cabem ao político”, sublinha Domingos Neto.

Dois pontos buscam amarrar o conjunto de proposições feitas no livro. O primeiro é acabar com a ideia de que as Forças Armadas seriam um poder moderador, com capacidade de intervir na vida política do país, como estabelece o artigo 142 da Constituição. O segundo aponta para uma política abrangente de Defesa, que precisa incluir a coesão social e cidadã do país. Isso implicaria redução da pobreza e da desigualdade, de toda ordem de preconceitos e das disparidades regionais, além da consolidação do regime democrático.

O que fazer com o militar é obra de intervenção e quase um libelo pela mudança do lugar das Armas nas políticas de Estado. O apelo é enfático: “Hoje, os generais tentam administrar perdas e danos por seu envolvimento direto e indireto na baderna golpista. Lula persiste no apaziguamento: comemora o Dia do Exército, ritual enaltecedor da índole colonial da corporação e exalta o Exército de Caxias, expressão que legitima as intervenções domésticas da Força Terrestre”.

Tudo indica haver uma oportunidade histórica para se promover uma grande reestruturação nas forças de Defesa e segurança. O livro de Manuel Domingos Neto é um poderoso alerta de que essa oportunidade não dura para sempre.

*Gilberto Maringoni, é jornalista e professor de Relações Internacionais na Universidade Federal do ABC (UFABC).

Referência


Manuel Domingos Neto. O que fazer com o militar – Anotações para uma nova defesa nacional. Parnaíba, Gabinete de Leitura: 2023, 224 págs.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • Andes x Proifes — a disputa no sindicalismo docentegreve educação 28/05/2024 Por VALTER LÚCIO DE OLIVEIRA: O sindicato sai enfraquecido quando sua direção parte do princípio de que as únicas posições verdadeiramente esclarecidas e legítimas são aquelas que respaldam a suas orientações
  • A hora da estrela – trinta e nove anos depoisclareice 20/05/2024 Por LEANDRO ANTOGNOLI CALEFFI: Considerações sobre o filme de Suzana Amaral, em exibição nos cinemas
  • O bolsonarismo pode voltar ao poder?Valério Arcary 24/05/2024 Por VALERIO ARCARY: O lulismo, ou lealdade política à experiência dos governos liderados pelo PT, permitiu conquistar o apoio entre os muito pobres. Mas a esquerda, embora mantenha posições, perdeu a hegemonia sobre sua base social de massas original.
  • A “multipolaridade” e o declínio crônico do OcidenteJosé Luís Fiori 17/05/2024 Por JOSÉ LUÍS FIORI: A defesa da multipolaridade será cada vez mais a bandeira dos países e dos povos que se insurgem neste momento contra o imperium militar global exercido pelo Ocidente
  • Um alvo perfeitocultura Poemas 27/05/2024 Por ANTÔNIO DAVID: Considerações sobre o ataque de Jair Bolsonaro a Marília Moschkovich
  • Realizando a filosofia — Marx, Lukács e a Escola de…toca discos 25/05/2024 Por ANDREW FEENBERG: A filosofia da práxis é significativa hoje como a tentativa mais desenvolvida dentro do marxismo de refletir sobre as consequências da racionalização da sociedade sob o capitalismo
  • O legado de uma década perdidaRenato Janine Ribeiro 22/05/2024 Por RENATO JANINE RIBEIRO: A esquerda é inteiramente representativa do senso comum de nossa sociedade – tudo de bom que acontece, e tudo de ruim, é só do Presidente
  • O agonizante fim do sionismodistante 22/05/2024 Por SAMUEL KILSZTAJN: O judaísmo não pode ser protegido por furiosos militares israelenses, pois tudo o que os militares fazem é semear tristeza e colher ódio
  • Guaíba – rio ou lago?Rio Guaíba 24/05/2024 Por JOÃO HÉLIO FERREIRA PES: É importante definir juridicamente se o Guaíba é rio ou lago para fins de uma eficaz implantação das políticas públicas de proteção de suas margens
  • Tensões da composição policlassistaMike Chai 27/05/2024 Por ANDERSON ALVES ESTEVES: Greve nos Institutos e Universidades federais desnuda a frente amplíssima

AUTORES

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES