As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Por que os cristãos apedrejam?

Imagem_Paulinho Fluxuz
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ÉRICO ANDRADE*

Quando optam por condenar uma criança de dez anos os cristãos não apenas atiram a primeira pedra como reservam para si o monopólio da hipocrisia

Só há uma palavra para descrever a postura dos fundamentalistas evangélicos no ato de extrema direita realizado no hospital CISAM em Recife: violência. Gritar a plenos pulmões que uma criança brutalmente violentada durante anos é assassina por decidir interromper uma gravidez, que lhe foi violentamente imposta, é mais um sinal de que não há mais um solo comum entre as pessoas no Brasil.

E quem retirou esse solo foi o lado direito do cristianismo. Não apenas os protestantes. Os católicos vociferaram e praguejaram contra a menina. A crença de que a verdade cristã está acima de todos e, sobretudo, de todas governa essas pessoas para uma radicalidade que dilacera o Brasil.Trata-se de uma concepção da verdade que recusa a validade de qualquer contexto. Ela é, portanto, absoluta.

Desse caráter absoluto da verdade se segue uma estrutura argumentativa cuja estrutura é a falsa simetria. Nessa perspectiva, esse tipo de cristianismo sectário compreende que o feto teria o mesmo patamar de direito que a criança violentada; como se se tratassem de posições simétricas, iguais.Por conseguinte, a criança deveria ser obrigada, mesmo que corra risco de morte, a parir a materialidade da violência que sofreu. Essa postura por não admitir exceção não se conforma a um ambiente democrático porque não se dispõe a nenhuma negociação.

No entanto, a radicalidade dessa posição sectária não exime os moralistas, que a sustenta, de errarem. Aliás, a falibilidade é constituinte do ser humano, segundo o próprio cristianismo. Então, o erro irá acontecer. E, por isso, o perdão foi criado como uma categoria teológica fundamental para lidar com as nossas falhas, mas também para evitar que a condenação moral seja uma forma de discriminar as pessoas como se algumas delas fossem essencialmente más e, portanto, pudessem ser condenadas de modo definitivo com a morte por apedrejamento.

Quando optam por condenar uma criança de dez anos os cristãos não apenas atiram a primeira pedra como reservam para si o monopólio da hipocrisia porque longe de combaterem as clínicas particulares de aborto (que seguem sendo operadas por católicos) reservam para si o direito de destruir vidas fragilizadas pela violência – muitas vezes praticadas na própria Igreja –do estupro.

*Érico Andrade é professor de filosofia na Universidade Federal de Pernambuco.

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Celso Favaretto Rafael R. Ioris Luiz Renato Martins João Sette Whitaker Ferreira Milton Pinheiro Paulo Nogueira Batista Jr Alexandre Aragão de Albuquerque Marcos Aurélio da Silva Walnice Nogueira Galvão Igor Felippe Santos Rodrigo de Faria Ricardo Abramovay Antonino Infranca Dênis de Moraes Mariarosaria Fabris Jean Marc Von Der Weid Henry Burnett Thomas Piketty Paulo Fernandes Silveira Airton Paschoa Eleonora Albano Daniel Costa Bento Prado Jr. Flávio R. Kothe Leonardo Avritzer Gilberto Lopes Bruno Fabricio Alcebino da Silva Jorge Branco Ronald Rocha Luiz Costa Lima Renato Dagnino Luiz Werneck Vianna Jean Pierre Chauvin Ricardo Antunes Bernardo Ricupero José Costa Júnior Priscila Figueiredo Armando Boito Fernão Pessoa Ramos Ricardo Fabbrini Julian Rodrigues Paulo Capel Narvai Luiz Bernardo Pericás André Márcio Neves Soares João Paulo Ayub Fonseca Lucas Fiaschetti Estevez José Dirceu Boaventura de Sousa Santos Daniel Afonso da Silva Yuri Martins-Fontes Atilio A. Boron Denilson Cordeiro Marilia Pacheco Fiorillo Marcelo Guimarães Lima Slavoj Žižek Luiz Eduardo Soares Andrew Korybko João Carlos Salles Leonardo Sacramento Manchetômetro Liszt Vieira Fábio Konder Comparato Eugênio Bucci Eliziário Andrade Francisco Pereira de Farias Osvaldo Coggiola Carlos Tautz Salem Nasser Dennis Oliveira Anderson Alves Esteves Marcos Silva Eugênio Trivinho Vanderlei Tenório Luiz Roberto Alves João Feres Júnior Maria Rita Kehl Henri Acselrad Lorenzo Vitral Alexandre de Lima Castro Tranjan Tales Ab'Sáber Tarso Genro Eduardo Borges Vinício Carrilho Martinez Bruno Machado Sergio Amadeu da Silveira Francisco de Oliveira Barros Júnior José Geraldo Couto Lincoln Secco Heraldo Campos Luciano Nascimento Gilberto Maringoni Kátia Gerab Baggio Marcelo Módolo Paulo Sérgio Pinheiro Paulo Martins Flávio Aguiar André Singer Michael Löwy Plínio de Arruda Sampaio Jr. Manuel Domingos Neto João Adolfo Hansen Roberto Bueno Benicio Viero Schmidt Caio Bugiato Jorge Luiz Souto Maior Marilena Chauí Marjorie C. Marona Afrânio Catani Roberto Noritomi Berenice Bento Samuel Kilsztajn Alysson Leandro Mascaro Remy José Fontana José Micaelson Lacerda Morais Ronaldo Tadeu de Souza José Raimundo Trindade Everaldo de Oliveira Andrade Michael Roberts Annateresa Fabris Francisco Fernandes Ladeira Luiz Marques Chico Whitaker Rubens Pinto Lyra Alexandre de Freitas Barbosa Antônio Sales Rios Neto Leda Maria Paulani Vladimir Safatle Anselm Jappe Luís Fernando Vitagliano Tadeu Valadares Érico Andrade Mário Maestri Claudio Katz Antonio Martins Valerio Arcary Valério Arcary João Carlos Loebens José Machado Moita Neto Ladislau Dowbor Elias Jabbour Daniel Brazil Leonardo Boff Luiz Carlos Bresser-Pereira Gabriel Cohn Luis Felipe Miguel Juarez Guimarães Ricardo Musse Carla Teixeira Marcus Ianoni Celso Frederico Chico Alencar Gerson Almeida Ari Marcelo Solon Fernando Nogueira da Costa Sandra Bitencourt João Lanari Bo Eleutério F. S. Prado José Luís Fiori Ronald León Núñez Otaviano Helene

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada