As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Bertha Lutz

Marco Buti, Curso Elementar
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por WALNICE NOGUEIRA GALVÃO*

Comentário sobre o filme dirigido por Guto Barra e Tatiana Issa.

Dois diretores brasileiros, Guto Barra e Tatiana Issa, tiveram a boa ideia de filmar Bertha Lutz: a mulher na Carta da ONU. As câmeras seguem duas pesquisadoras na faixa dos 20 anos, uma argelina e outra norueguesa, quando topam com documentação em Londres que as levou a “descobrir” Bertha Lutz. A cientista brasileira, afora ser bióloga e diretora do Museu Nacional, foi também sufragista e fundadora de uma associação feminista pioneira, com sede no Rio de Janeiro, tão cedo quanto 1919.

Delegada do Brasil, Bertha Lutz participou das reuniões que criaram a Organização das Nações Unidas (ONU), em 1945, em São Francisco, ao fim da Segunda Guerra. O filme mostra o papel relevante que teve ao reivindicar que a igualdade das mulheres figurasse na Carta da ONU. Dos 850 delegados apenas 8 eram mulheres, mas assim mesmo ela insistia que os direitos das mulheres deveriam ser mencionados separadamente. E que, como mostrava a experiência, quando se falava em direitos “humanos”, passava-se a entender que eram só dos homens e não das mulheres também. Outras delegadas lhe disseram que deixasse de apelar para argumentação feminista, que era um comportamento vulgar…. Na continuação, depois de muita luta e muita discussão, conseguiu impor seu ponto de vista e a mulher aparece separadamente na Carta, com paridade de direitos explícita.

Mas as coisas não ficaram por aí. O filme mostra como Bertha foi posteriormente apagada da memória da ONU, esse momento crucial da luta por emancipação ficando creditado às americanas e inglesas, que à época eram contra o que ela queria impor. As posições avançadas vinham do hemisfério Sul e eram sistematicamente contraditadas pelo hemisfério Norte, a política imperialista predominando.

Aumenta o interesse do filme sua atualização, com o foco narrativo centrado no presente, ou seja, nas duas pesquisadoras e em sua via crucis por Genebra, Nova York, Brasília e Rio de Janeiro, procurando consertar o erro histórico e reabilitar Bertha. Ninguém liga a mínima, nem na ONU nem na diplomacia brasileira, todos escudados em conversinhas simpáticas e absolutamente inoperantes, todos treinados em enganar os outros com promessas vazias, que não pretendem cumprir.

As duas pesquisadoras espantam-se por não encontrar em lugar nenhum uma menção especial ao nome dela, um busto, um retrato que fosse, naquela imensidão de representações masculinas. Mas todos respondem que é muita gente ilustre, que não daria para contemplar todo mundo etc. Elas têm um objetivo prático: corrigir o site da ONU, que mostra quatro mulheres (a brasileira, a dominicana, a chinesa e a americana) assinando a Carta da ONU.

Como se não bastasse, a americana é aquela que se manifestou contra a inclusão de vulgaridades feministas… E o site ainda traz uma enorme fotografia de Eleanor Roosevelt, esposa do presidente americano F. D. Roosevelt, segurando a Carta, como se fosse sua autora – e ela sequer esteve na Conferência de São Francisco. Assim o imperialismo foi usurpando a grande jornada militante de Bertha e atribuindo seus feitos às americanas.

As duas pesquisadoras ficam perambulando por três anos, sem convencer ninguém. Entretanto, seus esforços tiveram final feliz. No embalo de movimentos como Me Too (Eu também) e Time’s Up (Agora chega), conseguiram que o desempenho crucial de Bertha fosse reconhecido, embora com relutância e em pequena medida, tanto pela ONU como pelo Brasil.

De passagem, é com dor no coração que vemos as duas pesquisando o acervo de Bertha por ela legado ao Museu Nacional, para em seguida vermos imagens do criminoso incêndio de nosso principal museu, em que esse acervo inteirinho, e da importância desta extraordinária pessoa, foi reduzido a cinzas, juntamente com os tesouros ali guardados.

Fazem falta mais filmes mostrando mulheres que sirvam de modelo para as novas gerações, mulheres que foram tornadas invisíveis para a memória coletiva por ações de silenciamento deliberado, como é o caso de tantas delas em vários setores da vida cultural e política do país. Constata-se mais uma vez que o trabalho corrosivo do patriarcado, e ainda mais quando reforçado pelo imperialismo, consegue usurpar a militância das mulheres mesmo a posteriori.

*Walnice Nogueira Galvão é Professora Emérita da FFLCH da USP. Autora, entre outros livros, de Lendo e relendo (Senac/Ouro sobre azul).

Referência


Bertha Lutz: A mulher na Carta da ONU
Brasil, documentário, 2020.
Direção: Guto Barra e Tatiana Issa.
Disponível na plataforma de streaming HBO GO

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Jorge Luiz Souto Maior Michael Löwy José Dirceu Eleutério F. S. Prado Otaviano Helene Paulo Sérgio Pinheiro Gabriel Cohn Luiz Werneck Vianna Lincoln Secco Roberto Bueno José Luís Fiori Milton Pinheiro Ricardo Antunes Daniel Afonso da Silva Remy José Fontana Claudio Katz Lucas Fiaschetti Estevez Marcus Ianoni João Carlos Salles Francisco Pereira de Farias João Paulo Ayub Fonseca Érico Andrade Celso Favaretto Thomas Piketty Daniel Costa Alexandre de Freitas Barbosa João Sette Whitaker Ferreira Michael Roberts Luiz Bernardo Pericás Mário Maestri Ronald Rocha André Singer Rubens Pinto Lyra Liszt Vieira Luiz Marques Anselm Jappe Rodrigo de Faria Marcelo Guimarães Lima Alexandre Aragão de Albuquerque Sergio Amadeu da Silveira Flávio R. Kothe Marilia Pacheco Fiorillo Benicio Viero Schmidt Sandra Bitencourt Slavoj Žižek Salem Nasser Valério Arcary Fernando Nogueira da Costa Francisco Fernandes Ladeira Valerio Arcary Samuel Kilsztajn Dennis Oliveira Manchetômetro Fernão Pessoa Ramos Eliziário Andrade Caio Bugiato Denilson Cordeiro Airton Paschoa Vladimir Safatle Paulo Capel Narvai Walnice Nogueira Galvão Luciano Nascimento Maria Rita Kehl José Machado Moita Neto Bruno Fabricio Alcebino da Silva Ronald León Núñez Gilberto Maringoni Elias Jabbour Berenice Bento Heraldo Campos Carlos Tautz Leonardo Boff Ricardo Musse André Márcio Neves Soares Bruno Machado João Carlos Loebens Mariarosaria Fabris Marilena Chauí Henri Acselrad José Raimundo Trindade Antonino Infranca Alexandre de Lima Castro Tranjan Leonardo Avritzer Luiz Eduardo Soares Alysson Leandro Mascaro Luiz Costa Lima Paulo Martins Tadeu Valadares Francisco de Oliveira Barros Júnior Marcos Silva José Geraldo Couto Antonio Martins Yuri Martins-Fontes João Adolfo Hansen Paulo Fernandes Silveira Everaldo de Oliveira Andrade Eleonora Albano Gerson Almeida Jorge Branco Carla Teixeira Flávio Aguiar Vinício Carrilho Martinez Eduardo Borges Luis Felipe Miguel João Feres Júnior Plínio de Arruda Sampaio Jr. Marcelo Módolo José Costa Júnior João Lanari Bo Chico Alencar Priscila Figueiredo Dênis de Moraes Jean Pierre Chauvin Juarez Guimarães Luiz Roberto Alves Osvaldo Coggiola Manuel Domingos Neto Paulo Nogueira Batista Jr Ari Marcelo Solon Leda Maria Paulani Ricardo Fabbrini Celso Frederico Ronaldo Tadeu de Souza Daniel Brazil Ricardo Abramovay Luís Fernando Vitagliano Luiz Carlos Bresser-Pereira Tarso Genro Leonardo Sacramento Tales Ab'Sáber Vanderlei Tenório Antônio Sales Rios Neto Gilberto Lopes Annateresa Fabris Boaventura de Sousa Santos José Micaelson Lacerda Morais Luiz Renato Martins Bento Prado Jr. Marjorie C. Marona Igor Felippe Santos Chico Whitaker Julian Rodrigues Armando Boito Marcos Aurélio da Silva Eugênio Bucci Atilio A. Boron Andrew Korybko Jean Marc Von Der Weid Henry Burnett Rafael R. Ioris Fábio Konder Comparato Bernardo Ricupero Lorenzo Vitral Eugênio Trivinho Afrânio Catani Kátia Gerab Baggio Renato Dagnino Ladislau Dowbor Roberto Noritomi Anderson Alves Esteves

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada