As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A cena brasileira – XII

Foto de Christiana Carvalho
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por BENICIO VIERO SCHMIDT*

Comentários sobre acontecimentos recentes.

A CPI da Covid-19 continua concentrando as atenções. O depoimento do diretor-geral da Anvisa, o contra-almirante Antonio Barra Torres, confirmou aquilo que se suspeitava, uma tentativa criminosa de alterar a bula de um remédio para incluir indicação no combate ao Covid-19. A médica principal implicada nega a sua colaboração. Mas o diretor-geral da Anvisa foi enfático e, diga-se de passagem, bastante convincente.

Antonio Barra Torres também foi convincente quando disse que não concorda com as medidas protelatórias do governo, encabeçadas pelo presidente Jair M. Bolsonaro – como a postura negacionista, a não aceitação das restrições impostas por prefeitos e governadores, a defesa de aglomerações e a despreocupação com a vacinação em geral. Um excelente depoimento que vai ajudar a CPI a apurar as devidas responsabilidades.

O jornal O Estado de S. Paulo, em uma série de reportagens, continua desvendando o “orçamento secreto” de 3 bilhões de reais usados diretamente por indicação de parlamentares. A maior parte dos recursos foi alocada na Codevasp, uma instituição que cuida do Vale do São Francisco e cujos quadros comissionados foram indicados por deputados do Centrão. Essas verbas – inconstitucionalmente alocadas sem limites por parlamentar – beneficiaram principalmente as lideranças da Câmara e do Senado ou que foram, no caso de Davi Alcolumbre.

Esse tipo de operação dificulta o controle por parte do Tribunal de Contas da União (TCU). Já veio a lume os primeiros indícios de superfaturamento; em tratores comprados para atender projetos clientelistas, no mais puro sentido da palavra, dos congressistas junto ao seu eleitorado. Um problema grave porque – como se trata de um orçamento paralelo – impossibilita a fiscalização imediata.

Nesta quarta-feira a Câmara de deputados aprovou o Projeto de Lei 3729/2004, a lei geral de licenciamento ambiental, na versão modificada pelo relatório do deputado Neri Geller (PP-MT). O deputado propõe a liberação total de licenciamento para dezessete tipos de empreendimentos. Isso significa que a legislação vigente será praticamente anulada depois de muitas lutas e conquistas dos ambientalistas.

Alguns deputados têm chamado atenção para a inconstitucionalidade da proposta do deputado Geller, pois ela fere certas cláusulas pétreas da constituição. De qualquer forma, mais um desgaste do Brasil na área ambiental diante do conjunto das nações que pressionam o país para a adoção de políticas consuetudinárias coerentes com a lei de licenciamento ambiental de 2004.

Cabe destacar, embora tenha ocupado lugar secundário na imprensa nacional, as novas ações de desmonte do Ministério da Educação. Dois fatos a destacar: a nomeação da atual presidente da CAPES, proveniente de um curso que foi aprovado com nota 2 pela própria CAPES na última avaliação e a fraude que está sendo apurada pela Polícia Federal relativa à realização do ENADE de 2019. Trata-se de um desmonte de duas instituições importantes para a educação brasileira construídas devido a décadas de luta visando a independência da avaliação da performance dos cursos e da avaliação dos alunos. Dois acontecimentos graves na gestão do atual ministro da Educação, o pastor presbiteriano Milton Ribeiro.

Na terça-feira, na Câmara de Deputados, aconteceu uma audiência referente à reforma administrativa. Antes da conclusão dos trabalhos, o ministro Paulo Guedes se retirou da reunião, deixando sem respostas as questões da maioria dos parlamentares presentes na reunião. Pergunta-se: o que Paulo Guedes teme? A deputada Maria do Rosário (PT-RS) acusa a atual proposta do Governo Federal para a reforma administrativa de evasiva e negacionista frente aos princípios – cláusulas pétreas – da Constituição, que garantem a imobilidade e a perenidade dos cargos administrativos obtidos por concursos públicos. Tudo leva a crer que a reforma administrativa será ainda palco de muitas polêmicas.

Ainda na terça-feira noticiou-se a suspeição, decorrente do depoimento de “delação premiada” do ex-governador Sérgio Cabral, sobre um possível recebimento de propinas por parte do ministro do STF Dias Toffoli, numa operação que envolveu o escritório de advocacia de sua esposa. Trata-se de uma acusação grave que deverá trazer muita tensão ao STF, ao mundo jurídico e político, de modo geral.

*Benicio Viero Schmidt é professor aposentado de sociologia na UnB. Autor, entre outros livros, de O Estado e a política urbana no Brasil (LP&M).

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Daniel Brazil Ronald León Núñez Ricardo Fabbrini Priscila Figueiredo Mariarosaria Fabris João Carlos Loebens Thomas Piketty Flávio Aguiar Anderson Alves Esteves Lucas Fiaschetti Estevez Samuel Kilsztajn Bento Prado Jr. Henry Burnett Eleutério F. S. Prado Caio Bugiato Eugênio Bucci Yuri Martins-Fontes Érico Andrade Atilio A. Boron Eduardo Borges Ricardo Abramovay Michael Löwy Fábio Konder Comparato Leonardo Avritzer Claudio Katz José Raimundo Trindade Eliziário Andrade Rafael R. Ioris Airton Paschoa Francisco Pereira de Farias Manuel Domingos Neto Bruno Machado Bernardo Ricupero Sandra Bitencourt Antonino Infranca Valério Arcary Kátia Gerab Baggio Ari Marcelo Solon Marcelo Módolo Vladimir Safatle Luiz Carlos Bresser-Pereira Marcos Aurélio da Silva Eleonora Albano José Luís Fiori Vanderlei Tenório Eugênio Trivinho Dênis de Moraes Everaldo de Oliveira Andrade Paulo Nogueira Batista Jr Ricardo Antunes Marilia Pacheco Fiorillo Celso Favaretto André Singer Valerio Arcary José Micaelson Lacerda Morais Leonardo Boff Roberto Bueno Fernando Nogueira da Costa Ricardo Musse Jorge Luiz Souto Maior Francisco Fernandes Ladeira Rodrigo de Faria Paulo Sérgio Pinheiro Leonardo Sacramento Vinício Carrilho Martinez Slavoj Žižek Berenice Bento Alexandre de Lima Castro Tranjan Marcos Silva Antonio Martins Dennis Oliveira Tadeu Valadares Walnice Nogueira Galvão Alexandre Aragão de Albuquerque Francisco de Oliveira Barros Júnior Andrew Korybko Tarso Genro Luciano Nascimento Gilberto Maringoni Luiz Eduardo Soares Alexandre de Freitas Barbosa André Márcio Neves Soares Michael Roberts Afrânio Catani Henri Acselrad Gilberto Lopes Flávio R. Kothe José Dirceu Manchetômetro Salem Nasser Lincoln Secco Daniel Afonso da Silva Anselm Jappe Ronald Rocha Boaventura de Sousa Santos Daniel Costa Milton Pinheiro Jean Marc Von Der Weid Denilson Cordeiro Carla Teixeira Carlos Tautz Luiz Roberto Alves Armando Boito Maria Rita Kehl Paulo Fernandes Silveira Bruno Fabricio Alcebino da Silva Roberto Noritomi Antônio Sales Rios Neto Mário Maestri José Machado Moita Neto Julian Rodrigues Liszt Vieira Plínio de Arruda Sampaio Jr. João Sette Whitaker Ferreira Ronaldo Tadeu de Souza Paulo Capel Narvai Marcelo Guimarães Lima Ladislau Dowbor Luís Fernando Vitagliano Marjorie C. Marona Celso Frederico Chico Alencar João Feres Júnior Chico Whitaker Luiz Marques Jorge Branco Luiz Werneck Vianna Jean Pierre Chauvin Renato Dagnino Juarez Guimarães João Paulo Ayub Fonseca Fernão Pessoa Ramos Marcus Ianoni Igor Felippe Santos Gerson Almeida Elias Jabbour Marilena Chauí Gabriel Cohn Luiz Renato Martins Sergio Amadeu da Silveira Otaviano Helene Heraldo Campos Benicio Viero Schmidt João Adolfo Hansen Annateresa Fabris Luiz Bernardo Pericás Alysson Leandro Mascaro Leda Maria Paulani Tales Ab'Sáber Luis Felipe Miguel Osvaldo Coggiola Paulo Martins João Lanari Bo João Carlos Salles José Geraldo Couto Lorenzo Vitral Luiz Costa Lima José Costa Júnior Rubens Pinto Lyra Remy José Fontana

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada