Olhar para a outra margem do rio

Imagem: João Nitsche
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ALEXANDRE ARAGÃO DE ALBUQUERQUE*

Para sair da demência bolsonarista é preciso romper a ideologia da classe dominante, e toda manipulação política

Como se faz para olhar a realidade concreta? A partir de que sensibilidades, de quais conhecimentos, de quais fontes de informação e de quais análises dos fatos? Como tomar posse de um objeto pensado, sem deixar-se manipular pelos meios de comunicação, nem pela mistificação dos aparelhos do Estado, e assim observá-lo de diversas perspectivas, para obter algum conhecimento verdadeiro? Afinal, a verdade possui em si uma típica força libertadora que nos faz mudar o rumo ou ampliar nossa convicção. Como pode uma democracia sobreviver se as instituições republicanas não forem garantidoras da verdade dos fatos e da lei?

As respostas a tais questões apresentam-se com a necessária gravidade em função das tensões sociais comprovadas, cada dia mais radicalizadas, oriundas de amplos movimentos de pós-verdade (fake news) e de algoréticas (uso ético ou não ético da tecnologia) condicionadores de comportamentos e percepções dos indivíduos e grupos.

Um exemplo clássico recente no Brasil foi a construção, pelo conglomerado jurídico-midiático, do “objeto Sérgio Moro”. O objetivo visava torná-lo percebido como uma espécie de super-homem, acima do bem e do mal, no combate a corrupção pública. Eu recordo vivamente de diálogos travados, entre 2014 e 2018, com alguns amigos do campo religioso cristão católico, com nível de escolaridade superior, que o consideravam “o paladino da justiça”, aquele que finalmente iria colocar o país nos trilhos da decência.

Esses amigos cristãos católicos tinham como sua fonte principal, de informação e observação do objeto Sérgio Moro, a Rede Globo (Jornal Nacional, Fantástico, Globo News etc.). Destaque-se que a Rede Globo era simultaneamente a força mentora e propulsora do desenvolvimento conceitual do referido objeto (Sérgio Moro) e de divulgação publicitária do antipetismo. Além disso, esses amigos dialogavam com outros formadores de opinião que comungavam das mesmas motivações globais. Portanto, o seu campo de visão estava racional e emocionalmente condicionado; acreditavam piamente que o objeto Sérgio Moro era uma espécie de salvador da pátria.

Ocorre que, na outra margem do rio, a defesa técnica do presidente Luiz Inácio Lula da Silva já havia apresentado gigantescas provas documentais denunciando a corrupção (lawfare) do sistema de justiça brasileiro, pelas mãos de Sérgio Moro, com o objetivo explícito de aprofundar o Golpe de 2016, visando à prisão ilegal do presidente Lula em 2018 (e à criminalização dos partidos de esquerda), retirando-o da disputa presidencial, para viabilizar a eleição do capitão de extrema-direita Bolsonaro. Ou seja, o lavajatismo construído por Moro-e-Globo foi a incubadora do bolsonarismo militarizado atual.

Essa imposição à opinião pública da visão dominante na construção do objeto Sérgio Moro nos remete ao pensamento gramsciano sobre ideologia. Para Gramsci, as ideologias dominantes e dominadas são estruturadas pela luta de classe. As ideologias são experiências de mundo que se formam em relação à dominação e ao conflito social. Ideologias ditas subalternas são aquelas que incorporam a dominação na sua sujeição à ideologia dominante. O senso comum seria então a assimilação do discurso ideológico dominante pelas classes subalternas, ao procurar submetê-las a uma determinada concepção particular de mundo imposta como universal. No caso em questão, incorporar a percepção universal do objeto Sérgio Moro como sendo um agente do bem.

A classe dominante, com o seu poder político-econômico-cultural-institucional, procura instituir como universal algo que é particular (a sua ideologia) por meio de uma malha de instituições com efeitos normativos e repressivos. A hegemonia na sociedade civil é assegurada pela difusão de práticas sociais que configuram representações e valores de classe. Sua metamorfose em universais dificulta a identificação e a sinalização da dominação de classe. Portanto, a hegemonia não é uma coisa vazia, abstrata ou só relacionada a ideias; possui materialidade e expressão institucional por meio dos aparelhos da hegemonia: escolas, igrejas, meios de comunicação etc.

Dito isto, somente depois da imprevista ação de Walter Delgatti Neto, o hacker que mudou a história do país, há uma mudança de rota. Delgatti teve a coragem de olhar para a outra margem do rio ao denunciar, por meio de suas interceptações, incialmente acidentais, as trocas de mensagens dos procuradores da dita Operação Lava-Jato, comprovando o que a defesa técnica do presidente Lula já havia documentado amplamente nos autos: que o presidente Lula foi alvo de corrupção judicial (lawfare), num processo conduzido por um juiz corrupto e por procuradores dissolutos, conforme sentenciado posteriormente pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Indaga-se: e se Delgatti não tivesse conseguido sucesso em seu intuito, como estaria hoje a realidade política do Brasil? Continuaria a cumplicidade do sistema de justiça brasileiro com o lavajatismo, como ocorreu no início daquela operação?

O filme Não olhe para cima, do diretor Adam MacKay (A grande aposta), é uma metáfora que vem ao encontro do tema acima exposto: diante da ameaça de desaparecimento da Terra por um cometa destruidor de planetas, descoberto acidentalmente por uma dupla de cientistas astrônomos, que a partir daí procuram a presidenta dos EUA para alertar o mundo e tomar as devidas providências, encontra-se uma população envolta na media-life: memes, lacrações, celebridades, polarizações constantes em seus celulares.

No filme, tal condição cultural produz pós-verdade (derrota da verdade científica) no mar turbulento de vieses, de narrativas deturpadoras dos fatos, de opiniões que se impõem como verdades, relativizando a realidade. A manipulação política (conclamando as pessoas a olharem para baixo) somada ao alheamento civil em não querer olhar para cima (ou não olhar para a outra margem do rio) permitem a destruição do planeta Terra pelo cometa.

O diretor do filme, Adam MacKay, apostou que a proximidade do cometa seria a possibilidade de mudança de rumo e tomada de atitude da população em relação à pós-verdade a que está submetida. Errou. No Brasil, teremos uma grande oportunidade nas eleições de 2022. Será que conseguiremos olhar para a outra margem do rio? Nesses dias, numa margem, Bolsonaro está se divertindo com seu jet-ski em Florianópolis; na outra margem, a população baiana está padecendo pela inundação das águas em seus lares. O que todo esse acúmulo de descaso, negacionismo, insensibilidade e perversidade bolsonarista continuam a nos dizer?

*Alexandre Aragão de Albuquerque é mestre em Políticas públicas e sociedade pela Universidade Estadual do Ceará (UECE).

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Alexandre de Lima Castro Tranjan Jean Pierre Chauvin Luís Fernando Vitagliano Fábio Konder Comparato Chico Alencar Luciano Nascimento José Geraldo Couto Ricardo Abramovay Anselm Jappe Mariarosaria Fabris Afrânio Catani Lucas Fiaschetti Estevez Rafael R. Ioris Dennis Oliveira Francisco de Oliveira Barros Júnior Marcus Ianoni Eleutério F. S. Prado Fernando Nogueira da Costa Juarez Guimarães Flávio Aguiar Sandra Bitencourt Érico Andrade Dênis de Moraes João Lanari Bo Luiz Bernardo Pericás Everaldo de Oliveira Andrade João Adolfo Hansen Rodrigo de Faria Thomas Piketty Ricardo Antunes Berenice Bento José Micaelson Lacerda Morais Marcos Silva Priscila Figueiredo André Márcio Neves Soares Valerio Arcary Leonardo Avritzer Boaventura de Sousa Santos João Feres Júnior Luiz Renato Martins Andrés del Río Alexandre Aragão de Albuquerque Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Luiz Carlos Bresser-Pereira Heraldo Campos Rubens Pinto Lyra Yuri Martins-Fontes Bento Prado Jr. Daniel Afonso da Silva Salem Nasser Carla Teixeira Renato Dagnino Elias Jabbour Denilson Cordeiro José Dirceu Ronald Rocha Celso Frederico Antonino Infranca Gabriel Cohn Valerio Arcary Igor Felippe Santos Julian Rodrigues Osvaldo Coggiola João Paulo Ayub Fonseca Gerson Almeida Celso Favaretto Vinício Carrilho Martinez Walnice Nogueira Galvão Chico Whitaker Luiz Marques Bernardo Ricupero Antônio Sales Rios Neto Marilena Chauí Slavoj Žižek Henri Acselrad Luis Felipe Miguel Eleonora Albano Leonardo Sacramento José Machado Moita Neto André Singer Tales Ab'Sáber Otaviano Helene Gilberto Lopes Andrew Korybko João Sette Whitaker Ferreira Luiz Eduardo Soares Manuel Domingos Neto Lincoln Secco Remy José Fontana Marcelo Guimarães Lima Lorenzo Vitral José Raimundo Trindade Eugênio Bucci Tadeu Valadares Mário Maestri Francisco Fernandes Ladeira Kátia Gerab Baggio Ari Marcelo Solon Ladislau Dowbor Paulo Capel Narvai José Costa Júnior Liszt Vieira Carlos Tautz Marcelo Módolo Flávio R. Kothe Daniel Costa Eliziário Andrade Luiz Roberto Alves Paulo Sérgio Pinheiro Luiz Werneck Vianna Henry Burnett Samuel Kilsztajn Atilio A. Boron Marcos Aurélio da Silva Plínio de Arruda Sampaio Jr. Jorge Branco Paulo Nogueira Batista Jr Jean Marc Von Der Weid Michael Roberts Airton Paschoa Leonardo Boff Annateresa Fabris Fernão Pessoa Ramos Marilia Pacheco Fiorillo Milton Pinheiro Ronald León Núñez Alysson Leandro Mascaro José Luís Fiori Michel Goulart da Silva Jorge Luiz Souto Maior Eugênio Trivinho Ricardo Fabbrini Gilberto Maringoni Michael Löwy João Carlos Loebens Bruno Machado Maria Rita Kehl Armando Boito Marjorie C. Marona Tarso Genro Ricardo Musse Bruno Fabricio Alcebino da Silva Antonio Martins Matheus Silveira de Souza Sergio Amadeu da Silveira Leda Maria Paulani João Carlos Salles Vanderlei Tenório Benicio Viero Schmidt Claudio Katz Manchetômetro Alexandre de Freitas Barbosa Caio Bugiato Paulo Fernandes Silveira Francisco Pereira de Farias Eduardo Borges Daniel Brazil Paulo Martins Ronaldo Tadeu de Souza Vladimir Safatle

NOVAS PUBLICAÇÕES