As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Brasil 200 anos – democracia é exceção

Imagem: Jonny Lew
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por FRANCISCO FERNANDES LADEIRA*

Nossa história é marcada por longos períodos autoritários com hiatos democráticos

Nesta quarta-feira (7/9), o Brasil celebrou duzentos anos de independência política em relação a Portugal. Uma frase do historiador Sérgio Buarque de Holanda define bem nosso país nesses dois séculos: “a democracia no Brasil foi sempre um lamentável mal-entendido”. Isso significa que, por aqui, a democracia foi mais “exceção” do que “regra”.  Nossa história é marcada por longos períodos autoritários com hiatos democráticos.

Conforme é do conhecimento de todos, após sua independência, o Brasil se constituiu como a única monarquia da América do Sul (seus vizinhos subcontinentais adotaram o sistema republicano). Não obstante, o império brasileiro possuía caraterísticas típicas dos regimes absolutistas europeus, pois a adoção do Poder Moderador colocava o imperador acima dos outros poderes.

Esta realidade não mudaria até 1889, quando um golpe militar colocou abaixo o Império, inaugurando o sistema republicano. Os dois primeiros presidentes do Brasil – Deodoro da Fonseca e Floriano Peixoto – não foram escolhidos pela população.

Somente em 1894, o Brasil teve o primeiro presidente por eleição direta: Prudente de Morais. No entanto, o pleito em que Morais saiu vencedor (e todos os outros realizados durante a República Velha, que durou até 1930), foi marcado pelo chamado “voto de cabresto”, quando os eleitores eram obrigados a votar no candidato indicado pelos grandes proprietários de terra. Definitivamente, isso não pode ser classificado como “democracia”.

Entre 1930 e 1945 o Brasil teve um único presidente, Getúlio Vargas, que, assim como Deodoro e Floriano, também não foi escolhido pela população.

Em 1945, passados longos cento e vinte e três anos após a independência, ocorreu, enfim, a primeira eleição presidencial minimamente democrática da história do Brasil. Como “alegria de pobre dura pouco”, o primeiro hiato democrático brasileiro não chegou a duas décadas; foi interrompido por um golpe militar, em março de 1964.

A partir de então, tivemos aquilo que Chico Buarque (filho do historiador citado no início do texto) intitulou como “página infeliz da nossa história”: um tenebroso período ditatorial, de 1964 a 1985.

Com a queda dos militares, surgiu a “Nova República”, que também teve vida curta. Quando todos achavam que ruptura democrática era coisa do passado, em 2016 um golpe parlamentar derrubou a presidenta Dilma Rousseff. Os motivos para a retirada da primeira mulher a ocupar a presidência da República foram basicamente os mesmos para o golpe contra João Goulart, cinco décadas antes. Como bem aponta o sociólogo Jessé Souza, no Brasil, um governo pode até ser eleito pelo povo, mas, se colocar em prática algum tipo de política que minimamente beneficie os pobres, será deposto.

Nesse contexto golpista, em 2018, pela primeira vez na história do Brasil, foi eleito um presidente de extrema direita: Jair Bolsonaro. Não podemos dizer que se tratou de um pleito democrático, haja vista que um dos candidatos (Lula) foi preso justamente para não participar da corrida presidencial. Portanto, vivemos mais um período autoritário.

Em suma, a matemática não falha: em dois séculos de história, tivemos somente cinquenta anos que podem ser considerados minimamente democráticos.

Esse é o (triste) quadro que nos é apresentado neste bicentenário da independência.

*Francisco Fernandes Ladeira é doutorando em geografia na Unicamp. Autor, entre outros livros, de A ideologia dos noticiários internacionais (CRV).

 

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores. Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Mário Maestri Leonardo Boff Lincoln Secco Yuri Martins-Fontes José Micaelson Lacerda Morais Henry Burnett Plínio de Arruda Sampaio Jr. José Costa Júnior Luiz Marques Otaviano Helene Benicio Viero Schmidt João Feres Júnior Jean Marc Von Der Weid Marilia Pacheco Fiorillo Berenice Bento Eleonora Albano Carlos Tautz Paulo Sérgio Pinheiro João Adolfo Hansen Eugênio Trivinho Henri Acselrad Alexandre de Freitas Barbosa Marcos Aurélio da Silva Chico Whitaker Rodrigo de Faria Eleutério F. S. Prado João Sette Whitaker Ferreira Rafael R. Ioris Armando Boito Anselm Jappe Afrânio Catani Paulo Martins Ladislau Dowbor Salem Nasser Luiz Carlos Bresser-Pereira Boaventura de Sousa Santos Vanderlei Tenório Daniel Costa José Luís Fiori Lucas Fiaschetti Estevez Gerson Almeida José Raimundo Trindade Antonio Martins Alexandre Aragão de Albuquerque Ari Marcelo Solon Paulo Nogueira Batista Jr Samuel Kilsztajn Claudio Katz Heraldo Campos Fábio Konder Comparato Antonino Infranca Leonardo Avritzer Slavoj Žižek Walnice Nogueira Galvão Luiz Costa Lima Ricardo Abramovay Vladimir Safatle Alysson Leandro Mascaro Ricardo Fabbrini Luiz Bernardo Pericás Remy José Fontana Leonardo Sacramento Carla Teixeira João Paulo Ayub Fonseca Julian Rodrigues Fernando Nogueira da Costa Marilena Chauí Tadeu Valadares Marjorie C. Marona José Dirceu Kátia Gerab Baggio Manchetômetro Luiz Roberto Alves Ronald León Núñez André Márcio Neves Soares José Machado Moita Neto Flávio Aguiar Igor Felippe Santos Daniel Afonso da Silva João Carlos Salles João Carlos Loebens Flávio R. Kothe Jorge Luiz Souto Maior Roberto Bueno Liszt Vieira Celso Favaretto Ricardo Antunes Luís Fernando Vitagliano Leda Maria Paulani Renato Dagnino Elias Jabbour Marcos Silva Paulo Capel Narvai André Singer Michael Löwy Gilberto Maringoni Everaldo de Oliveira Andrade Airton Paschoa Luiz Eduardo Soares Tarso Genro Ronaldo Tadeu de Souza Priscila Figueiredo Caio Bugiato Francisco Pereira de Farias Thomas Piketty Bruno Machado Luiz Renato Martins Mariarosaria Fabris Chico Alencar Daniel Brazil João Lanari Bo Antônio Sales Rios Neto Maria Rita Kehl Sandra Bitencourt Sergio Amadeu da Silveira Rubens Pinto Lyra Bernardo Ricupero Atilio A. Boron Alexandre de Lima Castro Tranjan Bruno Fabricio Alcebino da Silva Valerio Arcary Eduardo Borges Luis Felipe Miguel Juarez Guimarães Luiz Werneck Vianna Roberto Noritomi Annateresa Fabris Michael Roberts Milton Pinheiro Gilberto Lopes Érico Andrade Celso Frederico Marcelo Guimarães Lima Lorenzo Vitral José Geraldo Couto Paulo Fernandes Silveira Manuel Domingos Neto Jorge Branco Tales Ab'Sáber Bento Prado Jr. Valério Arcary Dênis de Moraes Denilson Cordeiro Ricardo Musse Fernão Pessoa Ramos Luciano Nascimento Eliziário Andrade Dennis Oliveira Eugênio Bucci Andrew Korybko Jean Pierre Chauvin Gabriel Cohn Osvaldo Coggiola Marcelo Módolo Francisco de Oliveira Barros Júnior Marcus Ianoni Vinício Carrilho Martinez Anderson Alves Esteves Ronald Rocha Francisco Fernandes Ladeira

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada