As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Interesses escusos

Imagem: Igor Kishi
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por HERALDO CAMPOS*

O golpe nos direitos indígenas e no povo brasileiro depois da aprovação na Câmara do Deputados do projeto de lei do marco temporal

“Luís Inácio falou, Luís Inácio avisou / São trezentos picaretas com anel de doutor / Luís Inácio falou, Luís Inácio avisou / Luís Inácio falou, Luís Inácio avisou / São trezentos picaretas com anel de doutor / Luís Inácio falou, Luís Inácio avisou / Eles ficaram ofendidos com a afirmação / Que reflete na verdade o sentimento da nação / É lobby, é conchavo, é propina e jeton / Variações do mesmo tema sem sair do tom”.

Esse trecho da letra da canção “Luis Inácio (300 picaretas)” de autoria de Herbert Vianna do Paralamas do Sucesso e composta no ano de 1995, se fosse relançada nos dias de hoje, depois da aprovação pela Câmara dos Deputados em 30 de maio de 2023 do projeto de lei do marco temporal para a demarcação de terras indígenas, estaria bem atualizada.

Esse golpe nos direitos indígenas e no povo brasileiro, limitando a demarcação dos povos originários, visando interesses escusos, abre a porteira para a passagem da boiada em vários setores da nossa frágil sociedade uma vez que a demarcação dos territórios indígenas somente pode ser reconhecida até a data da promulgação da Constituição Federal em 05 de outubro de 1988.

“Para os índios Guarani, a terra sem males não é um sonho distante, mas uma realidade conquistada a cada amanhecer. A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) realiza todo ano, no período da quaresma, a Campanha da Fraternidade. O lema da campanha em 2002 – Por uma terra sem males -, em comemoração à Semana dos Povos Indígenas, foi e continuará sendo um convite para refletirmos sobre o amor desses povos para com a terra”.[1]

Precisamos ficar a atentos para que essa “terra sem males”, com essas aprovações na Câmara dos Deputados, não se torne um sonho cada vez mais distante e destruindo um dos nossos bens mais preciosos que é a água, superficial e subterrânea, existente no território brasileiro porque, como vemos, tem gente nessa casa legislativa interessada em deixar passar a boiada nas águas.

Vale ressaltar “[…] que toda água a ser retirada, superficial ou subterrânea, com exceção de volumes pequenos, necessita de uma outorga de direito de uso de recursos hídricos, concedida pelo poder público, mediante o atendimento de condições que assegurem o interesse da população no uso das águas. Além disso, ressalta-se que o seu uso não deve causar impacto de qualquer natureza como, por exemplo, a contaminação dos solos e das águas por elementos, compostos ou organismos que possam prejudicar a saúde do homem ou de animais. O impacto pela contaminação, tanto no meio urbano ou rural, dever ser uma das grandes preocupações do poder público e dos usuários públicos ou privados.

A água é um direito da população e o governo tem que garantir que nenhum cidadão fique à margem desse bem público. Ela deve ser fraternalmente compartilhada e não utilizada como mercadoria. Qualquer Projeto de Lei que ameace os interesses da população no uso das águas, incluindo as águas subterrâneas do Aquífero Guarani, merece uma atenção e um acompanhamento especial da sociedade civil organizada, para que seja barrada no Congresso Nacional uma possível iniciativa nesse sentido”.[2]

“Nunca é demais lembrar que a remediação dos solos e das águas é complexa e pode custar caro, como por exemplo, as extensas áreas contaminadas por mercúrio pela atividade predatória, ilegal e criminosa, como vem ocorrendo na Amazônia e invadindo território Yanomani. Então, como devemos proceder diante dessa agressão ao meio ambiente? Espera-se que esses invasores da Amazônia que há tempos vêm desmatando, queimando, grilando, garimpando e contaminando seus solos e águas sejam devidamente identificados, responsabilizados e punidos de acordo com a lei”.[3]

O estrago já foi feito. “Um estudo inédito identificou que peixes consumidos pela população em seis estados da Amazônia brasileira têm contaminação por mercúrio com concentração do metal 21,3% acima do permitido”, como noticiou o portal G1 em 30/05/2023. No estudo foram incluídos dados dos estados do Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia e Roraima.[4]

No encerramento de uma recente entrevista para a revista Mais 60 do Sesc, Ailton Krenak, líder indígena, ambientalista, escritor e jornalista, citou um pequeno poema, com a seguinte consideração:

“Cantando, dançando, passando sobre o fogo / Seguimos nos rastros dos nossos ancestrais / No contínuo da tradição

Cantando, dançando, passando sobre o fogo, quer dizer, passar sobre o fogo é a experiência radical de estar vivo. É quando a gente é testado. Quando tem os embates da vida. Quando nós somos desafiados a ser, a cada tempo, aquilo que o tempo em que estamos vivendo nos exige”.[5]

Estamos sendo testados por essa aprovação e com outras, possivelmente, engatilhadas na Câmara do Deputados. Até quando vamos aguentar? “Revolto-me, logo existo” (Albert Camus).

*Heraldo Campos, geólogo, é pós-doutorado pelo Departamento de Hidráulica e Saneamento da Escola de Engenharia de São Carlos-USP.

Notas


[1] O Guarani das águas e dos índios

https://cienciahoje.org.br/wp-content/uploads/2003/02/190.pdf

[2] A boiada nas águas

https://www.ihu.unisinos.br/categorias/615767-a-boiada-nas-aguas

[3] Mercúrio que mata
https://aterraeredonda.com.br/mercurio-que-mata/

[4] Peixes consumidos pela população em 6 estados da Amazônia têm contaminação por mercúrio, indica estudo

https://g1.globo.com/rr/roraima/noticia/2023/05/30/peixes-consumidos-pela-populacao-em-6-estados-da-amazonia-tem-contaminacao-por-mercurio-indica-estudo.ghtml

[5] Entrevista com Ailton Krenak

https://www.sescsp.org.br/ed-84-entrevista-com-ailton-krenak/


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Bento Prado Jr. Marcelo Guimarães Lima Luiz Carlos Bresser-Pereira Eleutério F. S. Prado Antônio Sales Rios Neto Mário Maestri Otaviano Helene Alexandre de Freitas Barbosa Flávio Aguiar Remy José Fontana Berenice Bento Marcus Ianoni Slavoj Žižek Luiz Eduardo Soares Jorge Luiz Souto Maior Airton Paschoa Paulo Capel Narvai André Singer José Dirceu José Geraldo Couto Priscila Figueiredo Anderson Alves Esteves Gilberto Lopes João Carlos Loebens Jorge Branco Antonino Infranca Carla Teixeira Afrânio Catani Marilia Pacheco Fiorillo Marilena Chauí José Luís Fiori Alysson Leandro Mascaro Thomas Piketty Anselm Jappe Roberto Noritomi Tadeu Valadares Jean Marc Von Der Weid Ricardo Antunes Luiz Marques Leonardo Boff Denilson Cordeiro Fernando Nogueira da Costa Marcos Silva Atilio A. Boron Alexandre de Lima Castro Tranjan Dênis de Moraes Eleonora Albano Mariarosaria Fabris João Feres Júnior Gabriel Cohn Fábio Konder Comparato Alexandre Aragão de Albuquerque Samuel Kilsztajn Ronald León Núñez Leonardo Sacramento Paulo Fernandes Silveira Salem Nasser Eugênio Trivinho Ladislau Dowbor Ari Marcelo Solon Chico Alencar Luciano Nascimento Francisco Pereira de Farias Sandra Bitencourt Rodrigo de Faria Manuel Domingos Neto Maria Rita Kehl Marcelo Módolo Ricardo Abramovay Sergio Amadeu da Silveira Paulo Martins Daniel Afonso da Silva José Raimundo Trindade Julian Rodrigues Luiz Bernardo Pericás Henry Burnett Luis Felipe Miguel Lorenzo Vitral Vanderlei Tenório Gerson Almeida Luiz Werneck Vianna Daniel Costa Michael Löwy João Carlos Salles Luiz Renato Martins Bruno Fabricio Alcebino da Silva Marcos Aurélio da Silva Rubens Pinto Lyra Milton Pinheiro Osvaldo Coggiola Vinício Carrilho Martinez Carlos Tautz Chico Whitaker Henri Acselrad Valerio Arcary Érico Andrade José Costa Júnior João Lanari Bo José Machado Moita Neto Benicio Viero Schmidt José Micaelson Lacerda Morais Kátia Gerab Baggio Eduardo Borges Antonio Martins Celso Frederico Andrew Korybko Annateresa Fabris Ricardo Fabbrini Paulo Sérgio Pinheiro João Paulo Ayub Fonseca Bernardo Ricupero Tarso Genro Francisco Fernandes Ladeira Dennis Oliveira Rafael R. Ioris Everaldo de Oliveira Andrade Liszt Vieira Igor Felippe Santos Lincoln Secco Daniel Brazil Francisco de Oliveira Barros Júnior Luís Fernando Vitagliano Eliziário Andrade Fernão Pessoa Ramos Gilberto Maringoni Plínio de Arruda Sampaio Jr. Caio Bugiato Ricardo Musse Luiz Costa Lima Tales Ab'Sáber Heraldo Campos Flávio R. Kothe João Sette Whitaker Ferreira Ronald Rocha Armando Boito Ronaldo Tadeu de Souza Claudio Katz Vladimir Safatle Michael Roberts Walnice Nogueira Galvão Lucas Fiaschetti Estevez Yuri Martins-Fontes Eugênio Bucci Manchetômetro Jean Pierre Chauvin Renato Dagnino André Márcio Neves Soares Valério Arcary Celso Favaretto Boaventura de Sousa Santos Luiz Roberto Alves Elias Jabbour Bruno Machado Marjorie C. Marona Juarez Guimarães João Adolfo Hansen Leonardo Avritzer Leda Maria Paulani Paulo Nogueira Batista Jr Roberto Bueno

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada