As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Candidatíssimo

Imagem: Elyeser Szturm
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por João Sette Whitaker*

Se a pandemia piorar – o que parece cada vez mais previsível, Sergio Moro terá pulado do barco antes que a culpa por todas essas mortes recaia no colo de Jair Bolsonaro.

O turbilhão de acontecimentos do dia 24 de abril, que certamente ficará para a história, nos revela alguns cenários políticos, tudo isso enquanto morrem milhares e milhares às custas da inconsequência dessa turma que acha este um bom momento para jogar xadrez eleitoral.

Mas, temos que lembrar que Bolsonaro é do baixo clero, essa turma que saiu da ditadura fazendo política alheia a ideais ou projetos de país, apenas para interesses pessoais. Ele e seus filhos são cegos à qualquer acontecimento com envergadura que exija um estadista, porque sempre enxergam apenas o curtíssimo horizonte de suas apostas politiqueiras pessoais. Estão somente jogando a sua politiquinha, mas é possível que a politicona, dessa vez, os engula de vez.

É um pouco por isso que Moro saiu. Não que ele seja estadista. Assim como os políticos do baixo-clero, ele é seu equivalente no judiciário, daqueles juizecos que passou no concurso sabe-se lá como, sem sequer falar português direito (sem nenhum preconceito, mas vamos dizer que para ser juiz, mereceríamos ao menos que ele soubesse falar cônjuge), e que fez do cargo uma alavanca para salários milionários e busca de popularidade usando a parcialidade e a perseguição política.

A “Vaza-jato” mostrou que ele não é inteligente, mas é esperto em jogar para garantir seu futuro político. Ao demitir-se hoje, o que ele provavelmente não esperava fazer e por isso o nervosismo, acabou sendo pouco esperto e deixando vazar crimes que talvez lhe custem caro.

Mas escancarou qual vinha sendo sua linha de ação: manter-se inerte frente a algumas investigações mais ruidosas, como os casos Marielle, Queiroz ou Nóbrega, mas, ao mesmo tempo e sorrateiramente, não impedir que outros inquéritos, em especial aqueles tocados por ordem do STF – contra os quais não se mexeu – que poderiam chegar ao Presidente. Foi isso que acabou incomodando Bolsonaro, que passou a pedir mudanças na PF. Podemos imaginar que Moro não veria com maus olhos se o  chefe, lá pra frente, daqui um ano e pouco, próximo às eleições, caísse em desgraça vinculado à milícias ou a algum crime do Carluxo e Cia. A notícia do The Intercept publicada neste 25 de abril, apontando ligações de Flávio Bolsonaro com os negócios ilegais em imóveis das milícias mostra o que pode vir.

É impressão, mas eu até acho que o repentino rompimento de Wetzel com Bolsonaro possa ser parte da mesma estratégia, e de uma articulação entre os dois ex-juízes, Wetzel e Moro, sabendo que a questão das milícias seria pesada demais.

A via estaria aberta para sua candidatura à presidência. Teria sido fiel ao “mito” o quanto pôde, mas inabalável na sua atuação justiceira contra a bandidagem e a corrupção (exceto, é claro, as suas próprias e de seus amigos Dallagnol, Bretas e Cia., mostradas pela vaza-jato), que o fez, contra a própria vontade, chegar até o chefe. Que chato, mas que ninguém se preocupasse, lá estaria ele para assumir o posto.

Só que não. As movimentações de Bolsonaro para cercear a ação da PF, somadas talvez (como aventou o ex-deputado Dr. Rosinha) a uma exigência do centrão por sua cabeça para dar apoio ao isolado presidente, fizeram com que as coisas se apressassem. Além do mais, o papel do chefe frente à pandemia o estava colocando em situação cada vez mais desconfortável. A trucada de Bolsonaro ao pedir a troca na PF, no fim, veio lhe servir como uma luva.

Moro saiu atirando e adiantando o que era para aparecer lá na frente: que o presidente o pressionou, interferindo nas investigações contra ele, e cometendo assim diversos crimes. Ele se sai bem dessa. Além disso, se a pandemia piorar – o que parece cada vez mais previsível diante da elevação do número de morte e dos prováveis colapsos em Manaus e Belém –, Moro terá pulado do barco antes que a culpa por todas essas mortes recaia no colo de Bolsonaro. Não emitiu uma palavra para defender o delírio boslonarista, como o fazem o Weintraub ou o Araújo. Ficou espertamente calado e, com sua saída, poderá dizer que saiu porque não pactuava com o genocídio.

Mas há outro elemento também: a saída de Mandetta, pouco antes, criou um candidato fortíssimo à presidência, que Moro não deseja. E ele viu também que a posição pró-quarentena era cartada segura de popularidade. Sair agora é deixar Mandetta em segundo plano e puxar para si os holofotes.

No fim, Moro sai em um momento estratégico e, como a vaza-jato mostrou, continua não dando ponto sem nó. Saiu candidatíssimo à presidência, e possivelmente ainda ficará do lado certo quando os escândalos contra os Bolsonaros vierem à tona. Pedirá “escusas” por ter ele também acreditado no “mito”, mas, afinal, quem não acreditou?

Resta saber se o seu jeitinho um tanto atabalhoado e pouco refinado, que o fez escancarar condutas ilegais quando esteve no ministério (como negociar cargo no STF, garantir pensão para a família ou deixar acontecer interferências do presidente na PF – afinal, se isso acontecia a sua obrigação era ter denunciado na hora, e não ao demitir-se), não irá prejudicar seu voo.

Mas que ele é mais candidato do que nunca, e se move no xadrez político, à revelia total da tragédia que acomete o mundo e o país, isso é certo. O que mostra bem o caráter do sujeito. Nisso a única coisa que o Jair Bolsonaro disse de certo: o cara é apegado ao ego.

*João Sette Whitaker é professor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP.

Artigo postado também no blog do autor Cidades para que(m)?

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Rodrigo de Faria Julian Rodrigues Leonardo Boff Lincoln Secco Juarez Guimarães José Dirceu Luiz Carlos Bresser-Pereira Ricardo Musse Marilia Pacheco Fiorillo José Costa Júnior Sandra Bitencourt Anselm Jappe José Machado Moita Neto Liszt Vieira João Paulo Ayub Fonseca Valerio Arcary Ronaldo Tadeu de Souza Eliziário Andrade Ladislau Dowbor Remy José Fontana Fernão Pessoa Ramos Thomas Piketty Érico Andrade Carla Teixeira Marcus Ianoni Luís Fernando Vitagliano Eduardo Borges Caio Bugiato Igor Felippe Santos Vinício Carrilho Martinez Eleutério F. S. Prado Paulo Nogueira Batista Jr Anderson Alves Esteves Everaldo de Oliveira Andrade Ronald León Núñez José Luís Fiori Bento Prado Jr. Luis Felipe Miguel Salem Nasser Boaventura de Sousa Santos Maria Rita Kehl Marilena Chauí Roberto Bueno Fernando Nogueira da Costa Daniel Brazil Tales Ab'Sáber Antonio Martins André Márcio Neves Soares Vladimir Safatle Plínio de Arruda Sampaio Jr. Michael Roberts Alexandre de Freitas Barbosa Ronald Rocha Celso Frederico Mário Maestri Alysson Leandro Mascaro Bernardo Ricupero Andrew Korybko Henry Burnett Marcelo Módolo Gilberto Lopes Roberto Noritomi Valério Arcary Manuel Domingos Neto André Singer Chico Whitaker Tadeu Valadares Elias Jabbour Kátia Gerab Baggio Gerson Almeida José Micaelson Lacerda Morais Celso Favaretto Priscila Figueiredo Luiz Eduardo Soares João Sette Whitaker Ferreira Marcelo Guimarães Lima Francisco de Oliveira Barros Júnior Heraldo Campos Paulo Fernandes Silveira Dennis Oliveira Yuri Martins-Fontes Milton Pinheiro João Lanari Bo Jorge Branco Leonardo Avritzer Walnice Nogueira Galvão Jean Pierre Chauvin Carlos Tautz Annateresa Fabris Jorge Luiz Souto Maior Luciano Nascimento Dênis de Moraes Luiz Bernardo Pericás Marjorie C. Marona Flávio R. Kothe Tarso Genro Fábio Konder Comparato Afrânio Catani Antônio Sales Rios Neto José Geraldo Couto Marcos Aurélio da Silva Luiz Costa Lima Paulo Capel Narvai Berenice Bento Gabriel Cohn Francisco Fernandes Ladeira Leonardo Sacramento Leda Maria Paulani José Raimundo Trindade Luiz Marques Marcos Silva Bruno Machado Armando Boito Claudio Katz Mariarosaria Fabris Luiz Renato Martins Eleonora Albano Gilberto Maringoni Benicio Viero Schmidt Alexandre Aragão de Albuquerque Daniel Costa Ari Marcelo Solon Renato Dagnino Jean Marc Von Der Weid Samuel Kilsztajn Paulo Sérgio Pinheiro Vanderlei Tenório Flávio Aguiar Sergio Amadeu da Silveira Otaviano Helene Antonino Infranca Ricardo Abramovay Rubens Pinto Lyra Michael Löwy Denilson Cordeiro Luiz Werneck Vianna Lucas Fiaschetti Estevez João Adolfo Hansen João Carlos Salles João Feres Júnior Atilio A. Boron Lorenzo Vitral Eugênio Trivinho Paulo Martins Luiz Roberto Alves Rafael R. Ioris Slavoj Žižek Daniel Afonso da Silva Bruno Fabricio Alcebino da Silva João Carlos Loebens Henri Acselrad Ricardo Fabbrini Alexandre de Lima Castro Tranjan Chico Alencar Eugênio Bucci Airton Paschoa Osvaldo Coggiola Francisco Pereira de Farias Ricardo Antunes Manchetômetro

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada