Oriki

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por DANIEL BRAZIL*

Comentário sobre o disco de Iara Rennó

A influência africana na música brasileira é imensurável. Está na origem dos gêneros mais populares do país, como o samba e o choro, e se infiltra na multiplicidade da música nordestina, nos batuques do sertão, nos morros e terreiros, nos vissungos e cantigas de ninar.

Na chamada MPB (sigla que a cada dia se mostra mais datada e incapaz de abarcar a diversidade contemporânea), o movimento de politização pós bossa nova, que coincidiu com a era dos festivais, nos anos 60, promoveu uma retomada de valores afros, sob diversas formas e linguagens. Desde o emblemático disco lançado por Baden Powell e Vinicius de Moraes (Os Afro Sambas, 1966), até versões do movimento Black Power norte americano (Elis Regina gravando Black is Beautiful, em 1971), passando pela retomada da negritude do samba por autores como Martinho da Vila, Elton Medeiros, Paulinho da Viola, Candeia, Nei Lopes, Geraldo Filme, entre outros, quando passava por um processo de “branqueamento” e apropriação pela classe dominante. Nunca suficientemente reconhecida é a obra do compositor e arranjador Moacir Santos, que lançou em 1965 o LP instrumental Coisas, uma das pedras fundamentais de uma sonoridade afro-jazz-brasileira.

Não é, nunca foi, um processo fácil, natural. Lutar contra as forças do mercado, contra a mídia mercenária e eurocêntrica (depois americanófila), exigiu o sacrifício de muitos. Vários se “integraram”, empalideceram sua música e sua poesia, em busca de aceitação. Entre os não poucos méritos do chamado movimento tropicalista, está a permanente retomada de elementos da cultura africana, de forma pontual, mas incisiva. Gil, Caetano, Bethânia e Gal foram, em vários momentos, porta-vozes da cultura africana no Brasil. Obviamente, nascer na Bahia torna isso mais natural, e todos viveram em Salvador, a “Roma Negra”. Sob a égide de Dorival Caymmi, outros compositores baianos, como Roque Ferreira e Roberto Mendes, em diferentes estilos, também mantém o liame África-Brasil bem amarrado.

Não se trata apenas de compor um samba, mas de reafirmar através da letra ou de instrumentação e utilização de ritmos a importância da matriz africana. Isso muitas vezes desemboca num viés religioso, via candomblé ou umbanda, mas esta não é a faceta que nos interessa aqui.

Grupos tão distintos como Os Tincoãs ou os Cantores de Ébano, por caminhos estéticos e mercadológicos bem distintos, contribuíram para manter o holofote na herança ancestral. Ainda nos anos 1960, a presença luminosa de Milton Nascimento reavivou os terreiros de Minas Gerais, enquanto o Rio de Janeiro mesclava a tradição das escolas de samba com a invenção de pérolas negras como Luiz Melodia e Jorge Benjor e pérolas brancas como Beth Carvalho e Clara Nunes. Que, aliás, era mineira.

Mas voltemos ao presente. Neste Brasil do século XXI, onde as contradições se aguçam e o fundamentalismo evangélico obscurantista persegue as religiões de origem africana, é marcante a atuação de artistas como Virgínia Rodrigues, Fabiana Cozza, Juçara Marçal, Kiko Dinucci e outros, que buscam um retorno modernizado às matrizes d’além mar, muitas vezes retomando valores místicos ancestrais, incorporando invenção, mesclando sonoridades e experimentando novas tecnologias. Entre estes, destaco aqui a cantora e compositora Iara Rennó, que lançou em 2022 o disco Oriki.

Fruto de dedicada pesquisa e uma trajetória intermitente de gravações, iniciada em 2009, as canções mesclam orikis (saudações ao espírito) dedicadas aos orixás, atabaques, um afiado naipe de sopros, guitarras, timbres eletrônicos e vozes, muitas vozes. Há participações de Criolo, Tulipa Ruiz, Carlinhos Brown, Curumin, Thalma de Freitas, Anelis Assumpção, Lucas Santtana e vários músicos do primeiro time.

A faixa de abertura conta com o trumpete do norte-americano Rob Mazurek, que faz belo solo jazzístico sobre as texturas de voz e percussão. Em todo o disco, Iara Rennó consegue criar um clima de interação entre vozes e instrumentos de forma muito original, misturando palavras de várias línguas em canções não-narrativas, mas sensoriais ou, no máximo, descritivas.

Oriki é mais um fruto da longa e prolífica história musical que une Brasil e a África negra, e confirma a relevância do trabalho de artistas que, como Iara Rennó, ousam buscar na tradição mais remota matéria prima para construir novos mundos sonoros.

*Daniel Brazil é escritor, autor do romance Terno de Reis (Penalux), roteirista e diretor de TV, crítico musical e literário.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • Introdução a “O capital” de Karl Marxcultura vermelho triangular 02/06/2024 Por ELEUTÉRIO F. S. PRADO: Comentário sobre o livro de Michael Heinrich
  • O STF, a Inteligência Artificial e a Justiça do Trabalhosouto-maior_edited 07/06/2024 Por JORGE LUIZ SOUTO MAIOR: A concretização da substituição do ser humano pela IA pressupõe que esta já foi treinada para atuar na forma desejada pela classe dominante
  • Sobre a ignorância artificialEugenio Bucci 15/06/2024 Por EUGÊNIO BUCCI: Hoje, a ignorância não é uma casa inabitada, desprovida de ideias, mas uma edificação repleta de baboseiras desarticuladas, uma gosma de densidade pesada que ocupa todos os espaços
  • Franz Kafka, espírito libertárioFranz Kafka, espírito libertário 13/06/2024 Por MICHAEL LÖWY: Notas por ocasião do centenário da morte do escritor tcheco
  • A greve das Universidades e Institutos federaisvidros corredor 01/06/2024 Por ROBERTO LEHER: O governo se desconecta de sua base social efetiva ao afastar do tabuleiro político os que lutaram contra Jair Bolsonaro
  • Impasses e saídas para o momento políticojosé dirceu 12/06/2024 Por JOSÉ DIRCEU: O programa de desenvolvimento tem de ser a base de um compromisso político da frente democrática
  • Registro sindicalMETRÔ 11/06/2024 Por LAWRENCE ESTIVALET DE MELLO & RENATA QUEIROZ DUTRA: O Ministério do Trabalho decidiu conceder registro sindical à Proifes. No entanto, registro sindical não é o mesmo que representação sindical
  • Confissões de uma senhora católicaMarilia Pacheco Fiorillo 11/06/2024 Por MARILIA PACHECO FIORILLO: O reacionarismo congênito não é apanágio apenas dos evangélicos
  • Literatura regionalista no século XXICultura o corredor 06/06/2024 Por DANIEL BRAZIL: Comentário sobre o romance de Benilson Toniolo
  • Uma lógica míopeVERMELHO HOMEM CAMINHANDO _ 12/06/2024 Por LUIS FELIPE MIGUEL: O governo não tem vontade política para transformar a educação em prioridade, enquanto corteja militares ou policiais rodoviários, que não se movem um milímetro para longe do bolsonarismo que continuam a apoiar

AUTORES

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES