As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Capitalismo de plataforma e recomposição de classe

Imagem: Pedro Cordero
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por CESAR SANSON*

Os trabalhadores de aplicativos se constituem hoje na ponta de lança da recomposição de classe que definirá os padrões da relação capital – trabalho das próximas décadas

A intensa reestruturação produtiva do capitalismo nas últimas décadas, particularmente do último decênio, com a emergência da Revolução 4.0 colocou em curso a “recomposição de classe” manifesta nos trabalhadores de aplicativos. Estes trabalhadores, em suas resistências e lutas, indicam que o capitalismo de plataforma está em aberto, não é ainda vitorioso e acachapante como muitos pensam.

O capitalismo de plataforma, aliás, é resultante de certa forma do rearranjo do capital para “driblar” a resistência operária. As lutas operárias dos anos 1960 e 1970 do século passado, como indica a teoria social do operaísmo, em sua recusa ao labor fordista forçaram o capital a procurar novos arranjos produtivos para dar sequência em sua saga de acumulação. A reestruturação produtiva, portanto, não pode ser interpretada apenas como um movimento do capital em sua renovação, a partir de inovações tecnológicas, mas como resposta às lutas dos trabalhadores.

Chegamos, assim, à substituição do operário metalúrgico pelo trabalhador de aplicativo. Substituição no processo de acumulação do capital e substituição no processo de luta de classes. Na Era do capitalismo siderúrgico, do ferro, se jogaram as tensões, as lutas e os desejos da sociedade à época; hoje, no capitalismo de plataforma, joga-se o tempo que está por vir. Um tempo em aberto, em que capital e trabalho travam uma luta diária, às vezes silenciosa e às vezes barulhenta.

As empresas proto paradigmáticas do capitalismo de plataforma do século XXI como Ifood e Uber estão distantes de vencer a batalha e instaurar o seu reino. Assim como as lutas travadas à época da indústria têxtil dos séculos XVIII e XIX e da indústria metalmecânica do século XX definiram os padrões da sociedade do trabalho de ontem, as empresas de plataforma e seus trabalhadores se encontram em meio a uma luta que definirá os padrões da relação capital – trabalho das próximas décadas.

O embate está posto. De um lado, as empresas de aplicativos, governadas pelo capital financeiro e, de outro, trabalhadores em suas bicicletas, motos financiadas e carros de segunda mão. De um lado, dispositivos pouco transparentes, comandados por algoritmos ocultos que organizam e espoliam o trabalho e, de outro, jovens, em sua maioria, que sabem que estão sendo ludibriados e não reconhecidos pelo seu insano labor.

A resistência, entretanto, faz-se presente na recusa ao disciplinamento, na burla ao aplicativo, na ação coletiva e solidária pela melhoria de renda e condições de trabalho. As empresas atentas à rebeldia do “novo operário” se desdobram em inventar novos mecanismos que mantenham os seus “colaboradores” disciplinados. E, assim, dialeticamente, travam-se pequenas lutas que se tornarão grandes lutas e definirão o novo padrão da sociedade do trabalho.

Descendo ao chão do asfalto – o chão de fábrica de hoje – percebe-se o enfrentamento diário dos trabalhadores de aplicativos contra os patrões sem rosto[1] e de como esta batalha vai configurando e re-configurando situações e condições de trabalho. Um exemplo é a criação, no Ifood, do trabalhador Operador Logístico (OL). Esta plataforma de entregas originariamente se constituía apenas com trabalhadores “nuvem”, condição em que o trabalhador escolhe os horários em que quer trabalhar, sem jornada de trabalho definida, conectando-se ou desconectando-se da plataforma de acordo com as suas conveniências. Posteriormente, a empresa criou o Operador Logístico, em que o trabalhador tem que cumprir escala e jornada de trabalho compulsória, não podendo faltar, escolher os dias ou horários de trabalho, rejeitar pedidos de entrega, além de várias outras exigências.

O Operador Logístico foi criado porque a empresa percebeu que, em determinados horários, principalmente nos finais de semana, faltavam entregadores disponíveis para atender a demanda. O Operador Logístico surge da resistência ao disciplinamento, da importância que os trabalhadores dão à folga, ao lazer com a família e amigos. Com bonificações e prioridades dadas pelos algoritmos ao Operador Logístico, este ganha mais, porém, esfolam-se em jornadas insanas, condições climáticas adversas e trânsito de horários infernais.

Não é gratuito que alguns entregadores que se encontram na “nuvem” chamam jocosamente os seus colegas OL de “otários ligados”, numa referência ao fato de que estes nunca podem se desligar do aplicativo. É bastante comum a transição da “nuvem” para o Operador Logístico e o retorno para a “nuvem” em função da insanidade de trabalho que exige esta condição de trabalho OL. Prefere-se ganhar menos a trabalhar tanto.

Uma miríade de resistências se manifesta no dia a dia para driblar o aplicativo que, apesar de pretensa perfeição tecnológica, deixa em apuros os trabalhadores. No conjunto de resistências, uma das mais utilizadas é recusar entregas, seja em função da localidade ou do valor irrisório, utilizando-se do recurso de “não atender” o aplicativo, como um telefone que toca à exaustão e acaba por desligar. Como em um jogo de gato e rato, as empresas vão alterando a sua tecnologia, o código dos seus algoritmos, as suas regras para responder às lutas dos trabalhadores, muitas vezes tendo que ceder aos entregadores.

A luta maior, entretanto, está em curso, a exigência do mínimo de segurança salarial com pisos de ganhos estabelecidos, seguro saúde em caso de acidentes, seguro de roubo, fim dos bloqueios unilaterais dos aplicativos, transparência dos critérios utilizados pelos algoritmos. Nas reivindicações não está posto um retorno ao fordismo em sua versão CLT. Luta-se por dignidade com liberdade.

Outro patamar do embate é o recurso do conhecimento, aberto e imaterial, que pode e está sendo apropriado pelos entregadores na versão da formação de cooperativas autogestionárias, com ganhos partilhados entre os trabalhadores. Trata-se de uma possibilidade que rema contra a cultura do individualismo.

Em suma, é preciso problematizar a narrativa de que os entregadores são presas fáceis do discurso do empreendedorismo e de que se encontram atomizados. Ao contrário, é a valorização da autonomia, da preservação da dignidade que não que se quer deixar subordinar ao disciplinamento fordista que permite a identidade, ante-sala da consciência de classe. Está em curso uma recomposição de classe.

*Cesar Sanson é professor de sociologia do trabalho do Departamento de Ciências Sociais da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Nota


[1] CANT, Callum. Delivery Fight! – A luta contra os patrões sem rosto. São Paulo, Veneta, 2021.

 

⇒O site A Terra é redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores. Ajude-nos a manter esta ideia.⇐
Clique aqui e veja como.

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Slavoj Žižek Luiz Carlos Bresser-Pereira Armando Boito Remy José Fontana Luiz Costa Lima Ronald León Núñez Paulo Sérgio Pinheiro Ronald Rocha Bento Prado Jr. Gilberto Maringoni Francisco Pereira de Farias Alexandre Aragão de Albuquerque Eugênio Trivinho Mário Maestri Leonardo Sacramento Igor Felippe Santos Ricardo Antunes Marilena Chauí Tadeu Valadares Michael Löwy Marcos Aurélio da Silva Salem Nasser Vinício Carrilho Martinez Henry Burnett Sergio Amadeu da Silveira Claudio Katz Jean Pierre Chauvin Walnice Nogueira Galvão Eugênio Bucci Airton Paschoa Alexandre de Freitas Barbosa Renato Dagnino Antônio Sales Rios Neto Carla Teixeira Gabriel Cohn Luiz Bernardo Pericás Yuri Martins-Fontes Rafael R. Ioris Anderson Alves Esteves Vanderlei Tenório Ricardo Musse João Carlos Salles Carlos Tautz Tales Ab'Sáber João Feres Júnior Marjorie C. Marona Luis Felipe Miguel Lucas Fiaschetti Estevez Jorge Luiz Souto Maior João Adolfo Hansen Daniel Brazil João Sette Whitaker Ferreira Ronaldo Tadeu de Souza Jean Marc Von Der Weid Samuel Kilsztajn Paulo Fernandes Silveira Flávio Aguiar Vladimir Safatle Érico Andrade Flávio R. Kothe Marcus Ianoni Liszt Vieira Bernardo Ricupero Francisco de Oliveira Barros Júnior Fábio Konder Comparato Celso Favaretto Milton Pinheiro José Geraldo Couto Rubens Pinto Lyra Fernão Pessoa Ramos Dennis Oliveira Ricardo Abramovay João Paulo Ayub Fonseca Tarso Genro Gerson Almeida Juarez Guimarães Sandra Bitencourt Chico Alencar Leda Maria Paulani Benicio Viero Schmidt Paulo Nogueira Batista Jr Marcelo Guimarães Lima Valério Arcary Daniel Costa José Dirceu Dênis de Moraes Andrew Korybko Alysson Leandro Mascaro Bruno Machado Otaviano Helene Mariarosaria Fabris Rodrigo de Faria José Raimundo Trindade José Luís Fiori Luiz Eduardo Soares Afrânio Catani Fernando Nogueira da Costa Manuel Domingos Neto Berenice Bento Priscila Figueiredo Maria Rita Kehl Atilio A. Boron André Márcio Neves Soares Eleonora Albano Celso Frederico Luciano Nascimento Chico Whitaker Luiz Renato Martins Luiz Roberto Alves Marcelo Módolo Gilberto Lopes Manchetômetro José Micaelson Lacerda Morais André Singer Luiz Marques Antonino Infranca Luís Fernando Vitagliano Leonardo Avritzer Henri Acselrad Everaldo de Oliveira Andrade Plínio de Arruda Sampaio Jr. Roberto Bueno Thomas Piketty Paulo Martins José Costa Júnior Roberto Noritomi Annateresa Fabris Julian Rodrigues Jorge Branco Francisco Fernandes Ladeira Eleutério F. S. Prado Ricardo Fabbrini Eliziário Andrade Alexandre de Lima Castro Tranjan Marilia Pacheco Fiorillo Paulo Capel Narvai Ari Marcelo Solon Valerio Arcary Antonio Martins Lorenzo Vitral Leonardo Boff Kátia Gerab Baggio Osvaldo Coggiola Heraldo Campos Luiz Werneck Vianna Bruno Fabricio Alcebino da Silva José Machado Moita Neto Daniel Afonso da Silva João Carlos Loebens Caio Bugiato Michael Roberts Boaventura de Sousa Santos Marcos Silva Anselm Jappe Lincoln Secco Elias Jabbour Denilson Cordeiro João Lanari Bo Eduardo Borges Ladislau Dowbor

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada