João Zanetic (1943-2024)

João Zanetic (1943-2024)
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por OTAVIANO HELENE*

Homenagem ao físico, educador e militante político, recém-falecido

Perdemos, em 25 de abril, o amigo, colega e professor João Zanetic. E escrever algumas linhas sobre ele, tarefa solicitada pelos editores do site A Terra é Redonda, sem repetir as muitas coisas já lembradas, ditas e escritas, poderia parecer difícil.[i] Mas são tantas as atividades que João Zanetic desenvolveu e tantas as facetas de seu trabalho intelectual e de sua militância que encontramos sempre várias coisas para lembrar sem sermos repetitivos.

Sua contribuição foi fundamental para a criação, em 1979, da Revista Brasileira de Ensino de Física, publicação da qual foi, por longo tempo, o primeiro editor. A Revista Brasileira de Ensino de Física foi se consolidando e é hoje uma importante publicação e sua abrangência e repercussão extrapola os limites do país. A existência dessa revista bem como os trabalhos acadêmicos desenvolvidos por João Zanetic contribuíram enormemente para o avanço da pesquisa em ensino de física e para a disseminação do conhecimento científico no país.

As contribuições de João Z, como também era carinhosamente chamado, para as áreas de história da física e epistemologia foram e são fundamentais para a consolidação do conhecimento e da literatura das ciências no Brasil. Graças à formação de dezenas de mestres e doutores, além de inúmeras orientações em iniciação científica e dezenas de trabalhos acadêmicos, artigos e autoria ou coautoria de vários livros, suas contribuições se espalharam pelo país.

O comprometimento de João Zanetic com a educação pública é antigo. Na década de 1970, ele iniciou uma batalha contra uma reforma do ensino médio proposta pela ditadura que, como a que agora enfrentamos, rebaixava o ensino médio nas escolas públicas. Naquelas lutas, foi um importante interlocutor junto aos meios de comunicação e um porta-voz da academia e dos educadores na crítica ao projeto.

É necessário observar que aquela reforma, pelo menos parcialmente barrada graças ao trabalho de João Zanetic, não é muito diferente daquela agora em discussão, apresentada, aprovada e promulgada no terrível período de Michel Temer/ Jair Bolsonaro, apelidada de Novo Ensino Médio. De fato, repete-se uma nova tentativa de rebaixamento do ensino médio público e, infelizmente, não contaremos com a colaboração de João Zanetic no enfrentamento de mais essa dificuldade em nosso caminho. Vamos nos inspirar em sua capacidade de despender energia criativa e lutadora para enfrentar esse desafio atual, que tanto desgaste tem provocado na educação pública brasileira.

O forte compromisso com a defesa da educação pública estatal fez com que, mais recentemente, João Zanetic participasse da elaboração de propostas de Plano Estadual de Educação para o estado de São Paulo, em 2003 e 2015. Essas propostas se transformaram em projetos de lei (PLs 1074/2003 e 1035, de 2015), que com muitas dezenas de páginas fazia um amplo e detalhado diagnóstico dos problemas da educação no estado, e, com base nele, apresentava propostas de como enfrentar e alterar essa realidade. Infelizmente, a correlação de forças impediu seu sucesso na Assembleia Legislativa paulista, mas não desanimou aquelas pessoas que, motivadas por João Zanetic, continuam e continuarão na luta.

João Zanetic foi presidente da Adusp por duas vezes, nos períodos 1991-1993 e 2009-2011 e vice-presidente no período 2005 a 2007. Entre suas muitas atividades sindicais está a articulação para criar um fórum para congregar os trabalhadores das três universidades estaduais paulistas, Unesp, Unicamp e USP.

Inicialmente, essa articulação incluía apenas entidades docentes: Adusp, Adunesp e Adunicamp. Posteriormente, esse fórum expandiu sua abrangência ao incluir as entidades representativas de funcionários técnicos e administrativos das três universidades estaduais paulistas e do Centro Paula Souza no agora chamado Fórum das Seis.

Seu trabalho e sua militância não se restringiam apenas aos meios acadêmicos. João Zanetic incorporou a luta em defesa do Hospital Universitário da USP, equipamento de saúde vital para toda a população, não apenas daquela moradora da região do Butantã, uma vez que, por ser parte do SUS, atende aos encaminhamentos procedentes de outras regiões.

Para quem o conheceu, é desnecessário aumentar a lista de atividades acadêmicas, sociais, culturais e políticas do professor João Zanetic; para quem não o conheceu, seriam necessárias muitas e muitas páginas para descrever suas contribuições. Mas não podemos nos esquecer de seu compromisso com a democracia e com o socialismo, ideais que norteavam suas ações e pelos quais lutou, sempre com esperança e alegria. Foi um privilégio conviver com ele durante mais de meio século!

*Otaviano Helene é professor sênior do Instituto de Física da USP.

Nota


[i] Veja as muitas homenagens a João Zanetic em https://portal.if.usp.br/imprensa/pt-br/node/4510


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • A hora da estrela – trinta e nove anos depoisclareice 20/05/2024 Por LEANDRO ANTOGNOLI CALEFFI: Considerações sobre o filme de Suzana Amaral, em exibição nos cinemas
  • A “multipolaridade” e o declínio crônico do OcidenteJosé Luís Fiori 17/05/2024 Por JOSÉ LUÍS FIORI: A defesa da multipolaridade será cada vez mais a bandeira dos países e dos povos que se insurgem neste momento contra o imperium militar global exercido pelo Ocidente
  • Como mentir com estatísticascadeira 51 18/05/2024 Por AQUILES MELO: Os números apresentados pelo governo federal aos servidores da educação em greve mais confundem do que explicam, demonstrando, assim, desinteresse na resolução do problema
  • De Hermann Cohen a Hannah Arendtcultura barcos a vela 18/05/2024 Por ARI MARCELO SOLON: Comentário sobre o livro de Miguel Vatter
  • O bolsonarismo pode voltar ao poder?Valério Arcary 24/05/2024 Por VALERIO ARCARY: O lulismo, ou lealdade política à experiência dos governos liderados pelo PT, permitiu conquistar o apoio entre os muito pobres. Mas a esquerda, embora mantenha posições, perdeu a hegemonia sobre sua base social de massas original.
  • O agonizante fim do sionismodistante 22/05/2024 Por SAMUEL KILSZTAJN: O judaísmo não pode ser protegido por furiosos militares israelenses, pois tudo o que os militares fazem é semear tristeza e colher ódio
  • A universidade operacionalMarilena Chauí 2 13/05/2024 Por MARILENA CHAUI: A universidade operacional, em termos universitários, é a expressão mais alta do neoliberalismo
  • O legado de uma década perdidaRenato Janine Ribeiro 22/05/2024 Por RENATO JANINE RIBEIRO: A esquerda é inteiramente representativa do senso comum de nossa sociedade – tudo de bom que acontece, e tudo de ruim, é só do Presidente
  • Rio Grande do Sul – o desmantelamento do estadoAmélia Cohn 21/05/2024 Por AMÉLIA COHN: A catástrofe climática no Rio Grande do Sul não configura-se mais como uma tragédia repetida como farsa, pois não é a primeira enchente que devasta o estado e a capital gaúcha
  • A liberdade fake e o Marquês de SadeEugenio Bucci 18/05/2024 Por EUGÊNIO BUCCI: A liberdade fake, a liberdade sádica, que no fundo é a negação de toda liberdade, está levando o Brasil ao naufrágio total

AUTORES

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES