As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

O mercado planetário da morte

Imagem: Ales Uscinau
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por TARSO GENRO*

As guerras hoje são prolongamentos racionais da globalização financeira, criando e extinguindo mercados

Na pequena aldeia de Zimmerwald, em setembro de 1915, em função do dissenso na Segunda Internacional Socialista sobre a Guerra de 1914, os partidos italiano e suíço convocaram uma Conferência para examinar a gravidade da crise mundial e buscar uma definição política estratégica sobre aquela hecatombe. Lênin, um dos líderes da social democracia ali presentes, defendia denunciar a guerra como “guerra imperialista” e chamar os proletários dos respectivos países em conflito, para negar-se a lutar e protestar contra a guerra.

Roberto Grimm era o líder centrista, majoritário na reunião, que queria saísse dali apenas uma proclamação pacifista, em abstrato, se opondo a uma manifestação concreta contra a guerra concreta, encobrindo sua posição “patriótica” com a defesa da reativação da Internacional Socialista. Lenin se opunha frontalmente, tanto ao pacifismo em abstrato de Grimm, como à negativa de condenar fortemente a guerra concreta, que abriria o sangrento Século XX.

Para Lênin era impossível conviver com correntes políticas complacentes com a carnificina em curso, que promoveram a chacina engendrada pelos governos nacionais, que disputavam espaços de dominação imperial, semeando os campos e as montanhas da Europa com milhões de cadáveres de todas as nações envolvidas no conflito. Com as bombas que moveram as placas tectônicas e os gases venenosos, que criaram as condições para a emergência do nazismo e a tragédia da Segunda Guerra Mundial.

Este momento da história europeia pode ser considerado um marco que materializou a diferença de princípios entre o socialismo e a democracia liberal-representativa – que está hoje, nos dois lados da guerra da Rússia contra a Ucrânia. Mas não estão presentes, nos dois lados, nem Robert Grimm com seu pacifismo abstrato, nem Lênin com sua repulsa concreta às guerras imperialistas.

“A guerra é a continuação da política por outros meios” (Clausewitz) diz a definição celebrada, originária de quem se ocupava em pensá-la como ciência. Observá-la com rigor, todavia, não garante que – se a definição foi correta na época da sua emissão – possa ser repetida como verdade para todo o sempre. Nos diferentes ciclos históricos as guerras adquirem certos contornos, que exigem mudanças no juízo sobre a sua dinâmica. Nos tempos atuais, tudo indica que a política é que se tornou, predominantemente, “guerra por outros meios”.

São tempos curtos de guerra sujas e “clínicas”, apresentadas como “limpas”, que logo se insinuam como jogos virtuais. Nestes, a distância entre os beligerantes e o espectador não tem nexo temporal, no qual se visualiza a morte: tudo parece – ao mesmo tempo – ficção para o lazer e crueldades sem dor, que não nos aproximam do humano, que se torna apenas uma parte de um espetáculo lúdico e perverso.

A sucessão interminável das guerras se prolifera “de forma quase compulsiva, a despeito de que a maioria das sociedades humanas considera e defende a paz como um valor universal”. É o que torna a política – hoje – uma “guerra continuada”, assevera Fiori. Se é certo que “as guerras são uma catástrofe” e que, em princípio, constituem um “mal” para a Humanidade, também é certo que podem ser formalmente justas e defensivas, desencadeadas contra agressões injustas.

A busca da paz, em cada tempo concentrado de guerra, concretiza uma oposição de valores (agressão x paz – conquista ou defesa) que tornam a ação política das partes, na guerra, decisiva para conquistar o legado que advém da sua barbárie. O problema maior, porém, está no “motor” da guerra, como decisão política e militar que a justifique em termos civilizatórios: como ela se legitima para suscitar as emoções militantes que estão nos porões agressivos do inconsciente do povo?

Vem a pergunta: de onde os atores da economia global tiram legitimidade social e política para a suas decisões estratégicas?”, pergunta o Gilberto Dupas em Atores e poderes na nova ordem global (Unesp). E responde: a natureza do mandato desses atores vem da “racionalidade econômica e do sucesso comercial”. Concluo: as massas de soldados e os sentimentos da maioria, que compõem o cenário histórico da guerra, são sempre manipulados

A seguir, Dupas lembra – com Urlich Beck – que o mandato da economia global (ou da “democracia global”) “se baseia no voto econômico dos acionistas, que se manifesta pelas altas e baixas de ações nos mercados financeiros mundiais. Ao consumidor, diz ele, “só sobraria uma forma organizada de poder expressar o seu direito de voto, a saber, comprar ou não comprar”. O keynesianismo de Guerra de Reagan, que alimentou a economia americana no seu tempo, volta assim com força total no mercado planetário da morte.

Integrada por interesses muito concretos, nesta guerra o que interessa mais é “em que mercado estou lutando”, do que o “porque estou lutando”, ao contrário do que ocorreu nas duas Grandes Guerras do século passado. Com diferentes formas e argumentos, protagonistas de posições políticas até opostas entendem – de forma crítica ou apologética – que é necessário, “para maximizar o poder (dos acionistas), maximizar (também) as conexões entre capital e direito”.

Esta conexão imediata entre o capital e o direito exige rapidez dos atores políticos. Não só para promoverem, em cada país, reformas constitucionais e da legislação ordinária, para viabilizar as guerras entre os mercados, mas também para abrir brechas no Estado de Direito, através de decisões “de exceção”, mais moderadas ou radicais, para subordinar o Estado ao mercado.

Há um Direito Internacional que rege a guerra e protocolos que tentam humanizar o que é impossível tornar humano. O inumano exige, na sua facticidade, a morte de inocentes, a perversão do reconhecimento do outro só como desigual e não se comove com as fileiras fúnebres das crianças mortas, nem com a suprema degradação da natureza: a guerra estará sempre mais perto do “estado de natureza” do que do “estado humano”, pactuado pela ideologia da virtude e da justiça.

É neste contexto histórico, hoje, no qual não mais se opõem “blocos” comunistas reais de um lado e, de outro lado, imperialismos da expansão industrial, – neste contexto – é que as guerras assumem uma outra feição. Elas não são mais projetos nacionais ou internacionais em expansão, através de choques militares planejados, mas prolongamentos racionais da globalização financeira, criando e extinguindo mercados, dominando e liberando a reprodução virtual do dinheiro especulativo que os alimenta. E em todos os mercados morrem jovens e crianças e viceja a hidra do fascismo!

*Tarso Genro foi governador do estado do Rio Grande do Sul, prefeito de Porto Alegre, ministro da Justiça, ministro da Educação e ministro das Relações Institucionais do Brasil. Autor, entre outros livros, de Utopia possível (Artes & Ofícios).

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Igor Felippe Santos Manuel Domingos Neto Valério Arcary José Dirceu Leonardo Boff Berenice Bento Ari Marcelo Solon Mariarosaria Fabris Jorge Luiz Souto Maior José Geraldo Couto Vinício Carrilho Martinez Caio Bugiato Alysson Leandro Mascaro Bento Prado Jr. Mário Maestri Luiz Bernardo Pericás Kátia Gerab Baggio Samuel Kilsztajn Claudio Katz Rodrigo de Faria Yuri Martins-Fontes Tarso Genro Lorenzo Vitral Juarez Guimarães Ricardo Antunes Marcos Silva Tales Ab'Sáber Francisco Fernandes Ladeira Antônio Sales Rios Neto Antonio Martins João Carlos Salles Eugênio Bucci Heraldo Campos Chico Whitaker Gabriel Cohn Annateresa Fabris Boaventura de Sousa Santos Walnice Nogueira Galvão Lucas Fiaschetti Estevez Fábio Konder Comparato Fernando Nogueira da Costa Luiz Renato Martins Anderson Alves Esteves Dênis de Moraes Elias Jabbour Celso Favaretto Osvaldo Coggiola Ronald Rocha Carla Teixeira Ronald León Núñez Luiz Roberto Alves Bruno Machado Alexandre de Freitas Barbosa Luiz Marques Slavoj Žižek Eliziário Andrade Luís Fernando Vitagliano Paulo Capel Narvai Eleutério F. S. Prado Marcelo Módolo Priscila Figueiredo José Costa Júnior Gerson Almeida Eugênio Trivinho Luiz Carlos Bresser-Pereira Érico Andrade Luiz Eduardo Soares Ronaldo Tadeu de Souza Airton Paschoa Dennis Oliveira João Carlos Loebens Antonino Infranca Gilberto Lopes Bruno Fabricio Alcebino da Silva Henry Burnett Francisco de Oliveira Barros Júnior Paulo Nogueira Batista Jr João Paulo Ayub Fonseca Henri Acselrad Denilson Cordeiro Alexandre de Lima Castro Tranjan André Márcio Neves Soares Flávio R. Kothe Daniel Afonso da Silva Francisco Pereira de Farias Vladimir Safatle André Singer Armando Boito Celso Frederico Plínio de Arruda Sampaio Jr. João Adolfo Hansen Gilberto Maringoni Sandra Bitencourt Leonardo Sacramento Chico Alencar Benicio Viero Schmidt João Sette Whitaker Ferreira Leda Maria Paulani Marcelo Guimarães Lima Bernardo Ricupero Flávio Aguiar Daniel Costa Luciano Nascimento Eleonora Albano Marilia Pacheco Fiorillo Tadeu Valadares Vanderlei Tenório Paulo Martins Afrânio Catani Marcos Aurélio da Silva José Machado Moita Neto Ricardo Fabbrini Jean Marc Von Der Weid José Micaelson Lacerda Morais Paulo Fernandes Silveira José Raimundo Trindade Fernão Pessoa Ramos Luiz Costa Lima Roberto Noritomi Luiz Werneck Vianna Roberto Bueno Paulo Sérgio Pinheiro Everaldo de Oliveira Andrade Andrew Korybko Marilena Chauí Maria Rita Kehl Alexandre Aragão de Albuquerque Salem Nasser Ladislau Dowbor José Luís Fiori Carlos Tautz Sergio Amadeu da Silveira Liszt Vieira Jean Pierre Chauvin Anselm Jappe Michael Roberts Rafael R. Ioris Lincoln Secco Michael Löwy João Lanari Bo Daniel Brazil Renato Dagnino Marcus Ianoni Ricardo Musse Jorge Branco Thomas Piketty Rubens Pinto Lyra Luis Felipe Miguel Milton Pinheiro Valerio Arcary Remy José Fontana Leonardo Avritzer Otaviano Helene Manchetômetro Atilio A. Boron Julian Rodrigues Ricardo Abramovay Eduardo Borges João Feres Júnior Marjorie C. Marona

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada