Clarice Lispector – A descoberta do mundo

Annika Elisabeth von Hausswolff, Oh mãe, o que você fez #032, 2021
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JOSÉ GERALDO COUTO*

Comentário sobre o filme dirigido por Taciana Oliveira

Clarice Lispector (1920-77), nossa escritora maior, faria 102 anos neste sábado, 10 de dezembro. Morreu um dia antes de completar 57. Coincidindo com a efeméride, chega aos cinemas o documentário Clarice Lispector – A descoberta do mundo, da estreante em longas-metragens Taciana Oliveira.

Dois documentos preciosos servem de eixo à construção heterogênea do filme: o registro em áudio do depoimento gravado por Clarice em outubro de 1976 no Museu da Imagem e do Som do Rio de Janeiro e a entrevista concedida por ela em dezembro do mesmo ano ao programa Os Mágicos, da TV Cultura.

Em torno das falas não raro desconcertantes da escritora a respeito de sua própria obra e personalidade, a diretora e sua roteirista, a pesquisadora e biógrafa Teresa Montero, construíram um mosaico que inclui depoimentos de parentes (o filho Paulo, a prima Bertha Cohen, uma sobrinha, etc.) e amigos, como a artista plástica Maria Bonomi, os escritores Ferreira Gullar e Nélida Piñon, o jornalista Alberto Dines, o cineasta Luiz Carlos Lacerda e o editor Paulo Rocco. Completam o quadro um rico material iconográfico, imagens dos locais onde Clarice Lispector viveu (sobretudo Recife e Rio de Janeiro) e locução de textos seus por atores e sobretudo atrizes.

Quem mais fala no filme são os escritores Marina Colasanti e Affonso Romano de Sant’Anna, que acompanharam o depoimento da escritora ao MIS e foram amigos próximos em seus últimos anos de vida.

Os depoimentos são todos relevantes e iluminadores de aspectos da vida e da carreira de Clarice Lispector, das angústias do dia a dia até sua relação espinhosa com a própria escrita, da dificuldade de pagar as contas e criar os filhos aos voos da imaginação.

“Com todo perdão da palavra, eu sou um mistério para mim”. A frase clariciana que serve de epígrafe ao documentário dá o seu tom e estabelece seus limites: trata-se de uma figura inapreensível em sua totalidade.

Uma das primeiras declarações que ouvimos dela é quanto à sua fala peculiar, com seus “erres” pedregosos. “Tem gente que acha que é sotaque estrrangeirro, mas é língua prresa. Eu sou inteirramente brrasileirra”, diz encantadoramente a escritora, que nasceu na Ucrânia, mas chegou a Maceió com menos de dois anos e passou a maior parte da infância e da adolescência no Recife, antes de se mudar com a família para o Rio.

Sua ligação profunda com o Brasil – o mar, o sol, a cultura, o linguajar cotidiano – se acentuou nos muitos anos em que ela morou fora do país, acompanhando o marido diplomata. Essa sua brasilidade é comentada por vários dos depoentes.

Na vida tão rica e variada que se descortina ao longo do documentário, sobressai a relação nem sempre tranquila entre a maternidade e o ofício de escritora. Clarice Lispector considerava sua “missão” como mãe mais importante que sua atividade literária, o que explica sua angústia e sentimento de culpa por julgar que não soube lidar a contento com o filho mais velho, Pedro, diagnosticado como esquizofrênico. O assunto é tratado de modo indireto e discreto no filme.

Alguns episódios conhecidos da vida da escritora, como o pequeno incêndio que, provocado por um cochilo e um cigarro, desfigurou uma de suas mãos, são iluminados por vários ângulos, assim como sua profunda amizade e paixão platônica pelo escritor Lucio Cardoso, homossexual convicto. A relação quase umbilical com as irmãs, Elisa e Tania, também é destacada.

Fruto de um paciente trabalho de pesquisa e busca de fontes, o documentário foi realizado em etapas ao longo de quinze anos. Graças a essa circunstância, o filme conta com a participação de diversos entrevistados que já não estão entre nós, como Alberto Dines, Ferreira Gullar, Lêdo Ivo e a grande amiga Sarah Escorel.

O ponto mais vulnerável de Clarice Lispector – A descoberta do mundo, a meu ver, é a tentativa de construir uma poesia audiovisual em diálogo com a obra da autora. Poentes de cartão postal, abuso da câmera lenta e um excesso de música criam uma “gordura” sentimental que certamente tem pouco a ver com a escrita de Clarice Lispector.

Nada disso tira, é claro, a importância do documentário e seu interesse não apenas para os aficionados da escritora, mas também para aqueles que ainda não conhecem sua grandeza.

*José Geraldo Couto é crítico de cinema. Autor, entre outros livros, de André Breton (Brasiliense).

Publicado originalmente no BLOG DO CINEMA

Referência


Clarice Lispector – A descoberta do mundo

Brasil, documentário, 2022, 103 minutos.

Direção: Taciana Oliveira

Roteiro: Teresa Montero

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores. Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • Sobre a ignorância artificialEugenio Bucci 15/06/2024 Por EUGÊNIO BUCCI: Hoje, a ignorância não é uma casa inabitada, desprovida de ideias, mas uma edificação repleta de baboseiras desarticuladas, uma gosma de densidade pesada que ocupa todos os espaços
  • Franz Kafka, espírito libertárioFranz Kafka, espírito libertário 13/06/2024 Por MICHAEL LÖWY: Notas por ocasião do centenário da morte do escritor tcheco
  • A sociedade da história mortasala de aula parecida com a da história usp 16/06/2024 Por ANTONIO SIMPLICIO DE ALMEIDA NETO: A disciplina de história foi inserida numa área genérica chamada de Ciências Humanas e Sociais Aplicadas e, por fim, desapareceu no ralo curricular
  • Fortalecer o PROIFESsala de aula 54mf 15/06/2024 Por GIL VICENTE REIS DE FIGUEIREDO: A tentativa de cancelar o PROIFES e, ao mesmo tempo, fechar os olhos para os erros da direção da ANDES é um desserviço à construção de um novo cenário de representação
  • Carta ao presidenteLula 59mk,g 18/06/2024 Por FRANCISCO ALVES, JOÃO DOS REIS SILVA JÚNIOR & VALDEMAR SGUISSARDI: “Concordamos plenamente com V. Exa. quando afirma e reafirma que ‘Educação é investimento, não é gasto’”
  • A armadilha de Volodymyr Zelenskystar wars 15/06/2024 Por HUGO DIONÍSIO: Quer Zelensky consiga o seu copo cheio – a entrada dos EUA na guerra – ou seu copo meio cheio – a entrada da Europa na guerra –, qualquer das soluções é devastadora para as nossas vidas
  • A PEC-65: independência ou patrimonialismo no Banco Central?campos neto cavalo de troia 17/06/2024 Por PEDRO PAULO ZAHLUTH BASTOS: O que Roberto Campos Neto propõe é a emenda constitucional do almoço grátis para a futura elite do Banco Central
  • Introdução a “O capital” de Karl Marxcultura vermelho triangular 02/06/2024 Por ELEUTÉRIO F. S. PRADO: Comentário sobre o livro de Michael Heinrich
  • Hélio Pellegrino, 100 anosHelio Pellegrino 14/06/2024 Por FERNANDA CANAVÊZ & FERNANDA PACHECO-FERREIRA: Na vasta elaboração do psicanalista e escritor, ainda há um aspecto pouco explorado: a luta de classes na psicanálise
  • O melancólico fim do Estadãocarros abandonados 17/06/2024 Por JULIAN RODRIGUES: Péssima notícia: o quase sesquicentenário diário paulista ( e melhor jornal brasileiro) definha aceleradamente

AUTORES

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES