As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Clarice Lispector – A descoberta do mundo

Annika Elisabeth von Hausswolff, Oh mãe, o que você fez #032, 2021
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JOSÉ GERALDO COUTO*

Comentário sobre o filme dirigido por Taciana Oliveira

Clarice Lispector (1920-77), nossa escritora maior, faria 102 anos neste sábado, 10 de dezembro. Morreu um dia antes de completar 57. Coincidindo com a efeméride, chega aos cinemas o documentário Clarice Lispector – A descoberta do mundo, da estreante em longas-metragens Taciana Oliveira.

Dois documentos preciosos servem de eixo à construção heterogênea do filme: o registro em áudio do depoimento gravado por Clarice em outubro de 1976 no Museu da Imagem e do Som do Rio de Janeiro e a entrevista concedida por ela em dezembro do mesmo ano ao programa Os Mágicos, da TV Cultura.

Em torno das falas não raro desconcertantes da escritora a respeito de sua própria obra e personalidade, a diretora e sua roteirista, a pesquisadora e biógrafa Teresa Montero, construíram um mosaico que inclui depoimentos de parentes (o filho Paulo, a prima Bertha Cohen, uma sobrinha, etc.) e amigos, como a artista plástica Maria Bonomi, os escritores Ferreira Gullar e Nélida Piñon, o jornalista Alberto Dines, o cineasta Luiz Carlos Lacerda e o editor Paulo Rocco. Completam o quadro um rico material iconográfico, imagens dos locais onde Clarice Lispector viveu (sobretudo Recife e Rio de Janeiro) e locução de textos seus por atores e sobretudo atrizes.

Quem mais fala no filme são os escritores Marina Colasanti e Affonso Romano de Sant’Anna, que acompanharam o depoimento da escritora ao MIS e foram amigos próximos em seus últimos anos de vida.

Os depoimentos são todos relevantes e iluminadores de aspectos da vida e da carreira de Clarice Lispector, das angústias do dia a dia até sua relação espinhosa com a própria escrita, da dificuldade de pagar as contas e criar os filhos aos voos da imaginação.

“Com todo perdão da palavra, eu sou um mistério para mim”. A frase clariciana que serve de epígrafe ao documentário dá o seu tom e estabelece seus limites: trata-se de uma figura inapreensível em sua totalidade.

Uma das primeiras declarações que ouvimos dela é quanto à sua fala peculiar, com seus “erres” pedregosos. “Tem gente que acha que é sotaque estrrangeirro, mas é língua prresa. Eu sou inteirramente brrasileirra”, diz encantadoramente a escritora, que nasceu na Ucrânia, mas chegou a Maceió com menos de dois anos e passou a maior parte da infância e da adolescência no Recife, antes de se mudar com a família para o Rio.

Sua ligação profunda com o Brasil – o mar, o sol, a cultura, o linguajar cotidiano – se acentuou nos muitos anos em que ela morou fora do país, acompanhando o marido diplomata. Essa sua brasilidade é comentada por vários dos depoentes.

Na vida tão rica e variada que se descortina ao longo do documentário, sobressai a relação nem sempre tranquila entre a maternidade e o ofício de escritora. Clarice Lispector considerava sua “missão” como mãe mais importante que sua atividade literária, o que explica sua angústia e sentimento de culpa por julgar que não soube lidar a contento com o filho mais velho, Pedro, diagnosticado como esquizofrênico. O assunto é tratado de modo indireto e discreto no filme.

Alguns episódios conhecidos da vida da escritora, como o pequeno incêndio que, provocado por um cochilo e um cigarro, desfigurou uma de suas mãos, são iluminados por vários ângulos, assim como sua profunda amizade e paixão platônica pelo escritor Lucio Cardoso, homossexual convicto. A relação quase umbilical com as irmãs, Elisa e Tania, também é destacada.

Fruto de um paciente trabalho de pesquisa e busca de fontes, o documentário foi realizado em etapas ao longo de quinze anos. Graças a essa circunstância, o filme conta com a participação de diversos entrevistados que já não estão entre nós, como Alberto Dines, Ferreira Gullar, Lêdo Ivo e a grande amiga Sarah Escorel.

O ponto mais vulnerável de Clarice Lispector – A descoberta do mundo, a meu ver, é a tentativa de construir uma poesia audiovisual em diálogo com a obra da autora. Poentes de cartão postal, abuso da câmera lenta e um excesso de música criam uma “gordura” sentimental que certamente tem pouco a ver com a escrita de Clarice Lispector.

Nada disso tira, é claro, a importância do documentário e seu interesse não apenas para os aficionados da escritora, mas também para aqueles que ainda não conhecem sua grandeza.

*José Geraldo Couto é crítico de cinema. Autor, entre outros livros, de André Breton (Brasiliense).

Publicado originalmente no BLOG DO CINEMA

Referência


Clarice Lispector – A descoberta do mundo

Brasil, documentário, 2022, 103 minutos.

Direção: Taciana Oliveira

Roteiro: Teresa Montero

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores. Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Jean Pierre Chauvin Ricardo Antunes Benicio Viero Schmidt Marcelo Módolo Gabriel Cohn Luis Felipe Miguel Antonio Martins Claudio Katz Caio Bugiato Luciano Nascimento Eleonora Albano Henry Burnett Yuri Martins-Fontes Annateresa Fabris Roberto Bueno Tadeu Valadares João Adolfo Hansen Marilia Pacheco Fiorillo Alysson Leandro Mascaro Lucas Fiaschetti Estevez Berenice Bento Slavoj Žižek Heraldo Campos Bento Prado Jr. Celso Favaretto Ricardo Abramovay Marjorie C. Marona Remy José Fontana João Paulo Ayub Fonseca Samuel Kilsztajn Paulo Martins João Lanari Bo Priscila Figueiredo João Sette Whitaker Ferreira Anselm Jappe Marcus Ianoni Renato Dagnino Tarso Genro Antonino Infranca Atilio A. Boron Jorge Branco Maria Rita Kehl Vanderlei Tenório Chico Alencar Luiz Roberto Alves Érico Andrade Marcelo Guimarães Lima Alexandre de Freitas Barbosa Flávio R. Kothe Francisco Fernandes Ladeira José Luís Fiori Luiz Marques José Raimundo Trindade João Carlos Salles Luís Fernando Vitagliano Bruno Machado Jean Marc Von Der Weid Vinício Carrilho Martinez José Costa Júnior Ronald León Núñez Luiz Eduardo Soares Luiz Carlos Bresser-Pereira Bernardo Ricupero Rodrigo de Faria Michael Roberts Sergio Amadeu da Silveira Leonardo Sacramento Francisco de Oliveira Barros Júnior Ronald Rocha José Dirceu Luiz Bernardo Pericás Valerio Arcary Salem Nasser Armando Boito Daniel Brazil Fábio Konder Comparato João Feres Júnior Eugênio Trivinho Rubens Pinto Lyra Ladislau Dowbor João Carlos Loebens Juarez Guimarães Osvaldo Coggiola Ronaldo Tadeu de Souza Luiz Costa Lima Ricardo Musse Fernão Pessoa Ramos Daniel Costa Everaldo de Oliveira Andrade Tales Ab'Sáber Manchetômetro José Geraldo Couto Bruno Fabricio Alcebino da Silva Flávio Aguiar Denilson Cordeiro Eduardo Borges Rafael R. Ioris Paulo Capel Narvai Gilberto Maringoni Marilena Chauí Paulo Nogueira Batista Jr Otaviano Helene Alexandre de Lima Castro Tranjan Leonardo Avritzer Elias Jabbour Antônio Sales Rios Neto Valério Arcary Luiz Renato Martins Thomas Piketty Paulo Fernandes Silveira Leda Maria Paulani Ari Marcelo Solon Manuel Domingos Neto Mariarosaria Fabris Marcos Aurélio da Silva Carlos Tautz Mário Maestri Gerson Almeida Andrew Korybko Liszt Vieira Alexandre Aragão de Albuquerque Roberto Noritomi Luiz Werneck Vianna Fernando Nogueira da Costa André Márcio Neves Soares Jorge Luiz Souto Maior Igor Felippe Santos Milton Pinheiro Lorenzo Vitral Ricardo Fabbrini André Singer José Machado Moita Neto Anderson Alves Esteves Celso Frederico Dênis de Moraes Julian Rodrigues Daniel Afonso da Silva Francisco Pereira de Farias Plínio de Arruda Sampaio Jr. Chico Whitaker Airton Paschoa Kátia Gerab Baggio Walnice Nogueira Galvão Eugênio Bucci Afrânio Catani Sandra Bitencourt Dennis Oliveira Lincoln Secco Michael Löwy Eliziário Andrade Henri Acselrad Paulo Sérgio Pinheiro José Micaelson Lacerda Morais Vladimir Safatle Carla Teixeira Leonardo Boff Gilberto Lopes Eleutério F. S. Prado Boaventura de Sousa Santos Marcos Silva

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada