As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A difícil República

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por GABRIEL COHN*

Apresentação do autor ao livro recém-lançado

Modos de vida civil. Essa é a formulação original do lema condutor do conjunto de artigos que se lerão neste livro. São dois temas que se entrelaçam. Primeiro, a forma na qual a vida se apresenta para as pessoas em suas ideias, suas formas de convivência e sua relação com o mundo. Que pessoas, e qual a forma de vida nisso envolvidas?

Esse é o segundo ponto. Não se trata de pessoas genericamente consideradas. São cidadãos e cidadãs, portadores de nada menos do que da cidadania – ou daquilo que, embora de modo distorcido pelas circunstâncias, os caracteriza como cidadãos. E nisso se chega ao ponto decisivo. A cidadania moderna que nos ocupa aqui tem um duplo fundamento.

O primeiro alude ao conjunto de motivos, condutas e valores que formam o ambiente em que as pessoas se movem. Depois, não é qualquer ambiente, unicamente aquele que pode ser designado civilizado. Está em jogo nada menos do que a civilização, em uma de suas vertentes fundamentais, a política. E, ainda, não a política de maneira genérica e sim como modo de organização da vida coletiva no registro do poder, em sua dimensão institucional tomada na forma mais abrangente em específico registro, como república.

O desdobramento mais imediato disso concerne à relação entre desta com a democracia como forma de organização institucional e também como padrão de conduta. A realização disso tudo está repleta de exigências severas, de caráter histórico no prazo mais longo e de caráter conjuntural em cada momento.

São as exigências e dificuldades da vida civilizada e republicana em contexto como o brasileiro que formam o núcleo dos artigos aqui recolhidos, escritos em diferentes momentos. Isso se aplica desde o primeiro e mais abrangente deles, sobre civilização, cidadania e barbárie, até o mais específico sobre o fascismo em sua possível versão brasileira, passando pelo tratamento do tema do desenvolvimento por um ângulo pouco usual, o do processo civilizador, e por uma mescla de reflexão mais teórica e referências muito concretas quando se fala precisamente do tema que identifica o livro, a “difícil república”. Este último constitui algo como um primeiro esboço de estudo mais detido, a ser retomado.

Também os textos sobre dois intérpretes brasileiros de nossa sociedade e nossa história, o socialista Florestan Fernandes e o liberal Raymundo Faoro, exibem, conquanto de modo mais matizado, a mesma grande preocupação intelectual. Mais remotos em relação ao tema, porém na realidade também relevantes numa perspectiva muito ampla e ambiciosa, aparecem os dois artigos finais, marcados ambos pela atenção a um problema básico como o da temporalidade, o modo de presença do tempo.

Isso ocorre tanto em seu tratamento específico no diálogo com o sociólogo português Hermínio Martins (frustrado, pois, por ironia temporal: ele faleceu no exato momento em que se encerrava sua redação) quanto no único caso em que me aventurei a enfrentar, mal ousando ir além de uma diminuta fração das questões que ele propõe, a gigantesca figura de Marx. Parodiando antiga frase confessional retomada por Marx em uma ocasião (na crítica ao programa de Gotha da social democracia em sua época), “disse e salvei minha alma”, dixit et salvavi animam meam.

Uma longa trajetória em campo minado por problemas de toda ordem, tão importantes quanto fascinantes. Bom seria se ao ler algum desses textos o leitor e a leitora sentisse o mesmo arrepio que eu ao escrevê-lo.

*Gabriel Cohn é professor emérito da FFLCH- USP. Autor, entre outros livros, de Weber, Frankfurt. Teoria e pensamento social (Azougue).

Referência


Gabriel Cohn. A difícil República. Rio de Janeiro, Azougue, 2023 (https://amzn.to/47vHjLs).

O lançamento em São Paulo será na segunda-feira, dia 17 de abril, às 19 horas, no Bar Balcão (Rua Dr. Melo Alves, 150).


O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Heraldo Campos Fábio Konder Comparato Carla Teixeira Tarso Genro Jorge Luiz Souto Maior Bruno Fabricio Alcebino da Silva Luiz Roberto Alves Luciano Nascimento João Carlos Loebens Antônio Sales Rios Neto José Luís Fiori Ricardo Antunes Luiz Bernardo Pericás João Adolfo Hansen Salem Nasser Sandra Bitencourt Luiz Eduardo Soares João Sette Whitaker Ferreira Daniel Afonso da Silva Michael Löwy Carlos Tautz Flávio R. Kothe Ricardo Musse Luiz Werneck Vianna Berenice Bento Marilena Chauí André Singer Marcus Ianoni Henri Acselrad Paulo Capel Narvai Denilson Cordeiro Francisco Pereira de Farias Atilio A. Boron Otaviano Helene Alysson Leandro Mascaro Milton Pinheiro Caio Bugiato Érico Andrade Chico Alencar Eliziário Andrade Paulo Martins João Carlos Salles Leonardo Sacramento Remy José Fontana Paulo Sérgio Pinheiro Gerson Almeida Daniel Costa Samuel Kilsztajn Annateresa Fabris Anselm Jappe Dennis Oliveira Igor Felippe Santos Alexandre de Lima Castro Tranjan Airton Paschoa Daniel Brazil Celso Frederico Marcelo Guimarães Lima Luiz Renato Martins Thomas Piketty Alexandre de Freitas Barbosa Everaldo de Oliveira Andrade Plínio de Arruda Sampaio Jr. Fernando Nogueira da Costa Lincoln Secco Priscila Figueiredo Tales Ab'Sáber Benicio Viero Schmidt Anderson Alves Esteves Julian Rodrigues Ronaldo Tadeu de Souza Liszt Vieira Armando Boito Eleonora Albano Roberto Noritomi José Dirceu Rodrigo de Faria Dênis de Moraes Osvaldo Coggiola Eugênio Trivinho Jean Pierre Chauvin Afrânio Catani Rubens Pinto Lyra Vanderlei Tenório Paulo Nogueira Batista Jr José Geraldo Couto Juarez Guimarães Antonio Martins Rafael R. Ioris Francisco de Oliveira Barros Júnior Gabriel Cohn Michael Roberts Ronald León Núñez Leonardo Avritzer Henry Burnett Chico Whitaker Andrew Korybko Fernão Pessoa Ramos Marjorie C. Marona João Paulo Ayub Fonseca Vladimir Safatle André Márcio Neves Soares Ronald Rocha Kátia Gerab Baggio Marilia Pacheco Fiorillo Eugênio Bucci Jean Marc Von Der Weid Leda Maria Paulani Claudio Katz Vinício Carrilho Martinez Marcelo Módolo Luiz Costa Lima Tadeu Valadares Renato Dagnino Yuri Martins-Fontes Leonardo Boff Luís Fernando Vitagliano João Feres Júnior Eleutério F. S. Prado Roberto Bueno Valério Arcary Alexandre Aragão de Albuquerque Celso Favaretto Marcos Silva Bento Prado Jr. Paulo Fernandes Silveira Eduardo Borges Ricardo Abramovay Bruno Machado José Costa Júnior Luis Felipe Miguel Francisco Fernandes Ladeira José Machado Moita Neto Manchetômetro Elias Jabbour Lorenzo Vitral Luiz Marques Antonino Infranca Ari Marcelo Solon Sergio Amadeu da Silveira José Raimundo Trindade Gilberto Maringoni Manuel Domingos Neto Walnice Nogueira Galvão Marcos Aurélio da Silva Flávio Aguiar João Lanari Bo Ricardo Fabbrini Lucas Fiaschetti Estevez Ladislau Dowbor Maria Rita Kehl Boaventura de Sousa Santos José Micaelson Lacerda Morais Valerio Arcary Mário Maestri Slavoj Žižek Bernardo Ricupero Jorge Branco Mariarosaria Fabris Gilberto Lopes Luiz Carlos Bresser-Pereira

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada