Os mecanismos determinantes da desigualdade

Imagem: Mustafa Ezz
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JOSÉ MACHADO MOITA NETO*

A desigualdade é efetivamente uma agenda econômica, política e estratégica para o Brasil

Encontrei a frase proferida por Margaret Thatcher “Economics is the method. The object is to change the soul” em um artigo de opinião do jornal Financial Times de 27 de abril de 2009 assinado por Gideon Rachman,[i] com o título The end of the Thatcher era. Após a crise financeira de 2008 sugiram vários textos de reflexão que não pouparam a “dama de ferro” como origem histórica do ponto de não retorno do modelo de capitalismo atual. Recomendo a leitura dessa matéria, inclusive pelos desdobramentos históricos que conhecemos posteriores a 2008 no Brasil e no mundo.

A polêmica frase de Thatcher pode agora ser revisitada em 2023 no Brasil de Lula para se afirmar que os métodos foram ampliados e o objetivo foi atingido e ultrapassado. A colaboração da “esquerda” europeia para “a nova razão do Mundo” (neoliberal) está descrita criticamente no livro de Dardot e Laval. Agora de corpo e alma estamos embrenhados no capitalismo financeiro como uma realidade interpenetrante que compõe a nossa sociedade. As expressões “tá tudo dominado” do funk ou a expressão revisitada do “Perdeu mané” traçam os limites do governo Lula em mudar alguma coisa no Brasil. Ambas as expressões aplicam-se igualmente ao sonho de uma sociedade melhor.

As obras estruturantes dos governadores não mudam e até exacerbam os mecanismos determinantes da desigualdade. No Piauí, por exemplo, o governador de esquerda, está preocupado em escoar a produção do agronegócio pelo porto de Luís Correia para baratear os custos de produção, embora os preços desses commodities seja ditada pelo mercado internacional. O resultado líquido desses investimentos é a possibilidade de aumentar o lucro dos produtores sem criar um único emprego. A desigualdade ampliou e pode crescer ainda, mesmo em um governo de esquerda. Sucesso no governo Lula será apenas a desaceleração da desigualdade.

Um grupo de empresários[ii] que representam direta ou indiretamente o capitalismo financeiro pode organizar um evento nos Estados Unidos ou em Portugal (Lide Brazil conference), convidando todos os principais interlocutores da política e dos três poderes da república, não para ouvir aquilo que pensam mas para garantir que estão pensando “corretamente” segundo os interesses desses grupos. Depois garantem a repercussão de tais eventos nas mídias sociais brasileiras. Qualquer deslize acidental no modo “correto” de pensar será a senha para “fritar” politicamente o palestrante. Participantes e palestrantes conhecem igualmente o jogo que estão jogando. O resultado desses eventos para o governo Lula e para o grupo empresarial já foi antecipado por Lampedusa (1896-1957): “Algo deve mudar para que tudo continue como está”. Apenas isso.

O embate sobre a autonomia do banco central ou sobre o valor da taxa Selic é importante apenas quando “Economics is the method” existe contudo mais dificuldades a serem enfrentadas no Brasil. A ampliação de desigualdades está quantitativamente demonstrada na obra Capitalismo e ideologia, de Thomas Piketty. Um freio precisa ser dado. Existe espaço para a agenda única da minimização da desigualdade. A desigualdade é efetivamente uma agenda econômica, política e estratégica para o Brasil. Veto a tudo que reforce minimamente as desigualdades, cortes a tudo que não contenha mecanismos implícitos e explícitos de redução das desigualdades. Um observatório sobre os discursos do tipo “mais do mesmo” em política e economia auxiliariam nessa luta continua.

Isto basta para mudar o Brasil? Não. Contudo o caminho estaria pavimentado para outros governos de qualquer espectro ideológico. Enquanto isso, a luta de qualquer brasileiro é não sucumbir ao agendamento dos 10% detentores da renda nacional ou dos 1% que controlam as mídias sociais e são os verdadeiros influencer de nosso modo de pensar. Precisamos retomar o nosso corpo e a nossa alma. Ainda não é tarde para frustrar o sonho de Thatcher (The object is to change the soul) que se tornou o pesadelo do ocidente.

*José Machado Moita Neto é professor aposentado da Universidade Federal do Piauí (UFPI) e pesquisador da UFDPar.

Notas


[i] https://www.ft.com/content/98ef04fe-3357-11de-8f1b-00144feabdc0

[ii] Podem ingressar no LIDE empresas brasileiras e multinacionais com faturamento igual ou superior a R$ 200 milhões anuais. https://lide.com.br/. Acesso em 13/02/2023

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • A hora da estrela – trinta e nove anos depoisclareice 20/05/2024 Por LEANDRO ANTOGNOLI CALEFFI: Considerações sobre o filme de Suzana Amaral, em exibição nos cinemas
  • Andes x Proifes — a disputa no sindicalismo docentegreve educação 28/05/2024 Por VALTER LÚCIO DE OLIVEIRA: O sindicato sai enfraquecido quando sua direção parte do princípio de que as únicas posições verdadeiramente esclarecidas e legítimas são aquelas que respaldam a suas orientações
  • O bolsonarismo pode voltar ao poder?Valério Arcary 24/05/2024 Por VALERIO ARCARY: O lulismo, ou lealdade política à experiência dos governos liderados pelo PT, permitiu conquistar o apoio entre os muito pobres. Mas a esquerda, embora mantenha posições, perdeu a hegemonia sobre sua base social de massas original.
  • A “multipolaridade” e o declínio crônico do OcidenteJosé Luís Fiori 17/05/2024 Por JOSÉ LUÍS FIORI: A defesa da multipolaridade será cada vez mais a bandeira dos países e dos povos que se insurgem neste momento contra o imperium militar global exercido pelo Ocidente
  • O agonizante fim do sionismodistante 22/05/2024 Por SAMUEL KILSZTAJN: O judaísmo não pode ser protegido por furiosos militares israelenses, pois tudo o que os militares fazem é semear tristeza e colher ódio
  • Como mentir com estatísticascadeira 51 18/05/2024 Por AQUILES MELO: Os números apresentados pelo governo federal aos servidores da educação em greve mais confundem do que explicam, demonstrando, assim, desinteresse na resolução do problema
  • O legado de uma década perdidaRenato Janine Ribeiro 22/05/2024 Por RENATO JANINE RIBEIRO: A esquerda é inteiramente representativa do senso comum de nossa sociedade – tudo de bom que acontece, e tudo de ruim, é só do Presidente
  • De Hermann Cohen a Hannah Arendtcultura barcos a vela 18/05/2024 Por ARI MARCELO SOLON: Comentário sobre o livro de Miguel Vatter
  • A universidade operacionalMarilena Chauí 2 13/05/2024 Por MARILENA CHAUI: A universidade operacional, em termos universitários, é a expressão mais alta do neoliberalismo
  • Realizando a filosofia — Marx, Lukács e a Escola de…toca discos 25/05/2024 Por ANDREW FEENBERG: A filosofia da práxis é significativa hoje como a tentativa mais desenvolvida dentro do marxismo de refletir sobre as consequências da racionalização da sociedade sob o capitalismo

AUTORES

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES