As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Clientes negros são suspeitos

Imagem: João Nitsche
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por PAULO SÉRGIO PINHEIRO

É preciso derrubar o apartheid brasileiro

Mais uma vez, seguranças de supermercado, agora em uma loja Carrefour, em Porto Alegre (RS), espancam e assassinam um homem negro, Alberto Silveira Freitas, 40 anos – violência que foi registrada em foto e vídeo.

O enredo é sempre o mesmo. Agentes de segurança em um shopping center ou supermercado espancam, usam cárcere privado, assassinam, até, como nesse crime, cometido na véspera do dia da Consciência Negra. A empresa informa que se trata de funcionários de uma terceirizada e que jamais dera orientação a essa empresa para usar violência. Logo em seguida, vem um comunicado lacrimoso, preparado pelo setor jurídico da firma de segurança, para livrar a cara dos proprietários. Anunciam alguma compensação.

O comunicado daquele Carrefour em Porto Alegre segue o mesmo cerimonial. Sua assessoria de imprensa definiu a morte como “brutal” e anunciou que romperá o contrato com a empresa contratante dos seguranças. Informou também que demitirá o funcionário responsável pela loja na hora do ocorrido. E, mais enfaticamente: “O Carrefour informa que adotará as medidas cabíveis para responsabilizar os envolvidos neste ato criminoso (…) Em respeito à vítima, a loja será fechada [logo depois do assassinato a loja permaneceu aberta]. Entraremos em contato com a família do senhor João Alberto para dar o suporte necessário”. O que acontecerá depois? Em geral, não acontece nada. Porque os advogados da empresa tudo farão para eximi-la de qualquer responsabilidade por um crime cometido por terceiros. A manchete desaparece da primeira página… até uma nova ocorrência idêntica.

Está mais do que na hora de devassarmos esse enredo repetitivo. Mesmo que os proprietários dessas mega redes comerciais não deem orientação precisa para seus funcionários ou agentes de segurança quanto à violência, não há nenhuma orientação para não cometerem o crime de racismo. Nos shoppings, agentes elegantes, de terno, ou tailleur para as mulheres, têm a função básica de preservar aqueles espaços para os clientes brancos. Crianças pobres ou mal vestidas – se negros, pior ainda – são escorraçadas de lojas de brinquedos. Clientes pretos são suspeitos em primeira instância e os zelosos agentes os perseguem de perto. Há uma norma não escrita: clientes negros de qualquer idade são suspeitos.

O ideal seria que os proprietários daqueles estabelecimentos assumissem voluntariamente sua responsabilidade, impondo a seus funcionários e nos contratos com as empresas de segurança cláusulas claras proibindo a prática de racismo ou de violência. Enquanto assim não fizerem, ou enquanto o poder legislativo não adotar normas rígidas contra o racismo e a violência em grandes complexos comerciais e nos contratos com empresas de segurança, não há outra via senão a responsabilização criminal e cível pelas vítimas ou suas famílias. A defensoria pública deveria dar um tratamento especial a essas causas

Por que se sucedem esses horrores em supermercados e shoppings? Porque a instituição da democracia, em trinta anos de plena constitucionalidade, não conseguiu debelar, apesar de políticas afirmativas e quotas raciais, o apartheid que prevalece em todos espaços da vida da população negra, agora maioria de 56% no Brasil. Não pode haver democracia consolidada com negras e negros sendo executados nas periferias das metrópoles pelas PMs e torturados nas prisões; ausentes de todos os lugares de poder, como o executivo, o legislativo, judiciário, o ministério público; recebendo salários inferiores aos brancos; sendo alvos de racismo no quotidiano.

No momento sob um governo de extrema direita, gostosamente apoiado pelas elites empresariais brancas, nada a esperar. Nós, brancos e brancas, temos de denunciar, exigir responsabilização de todos os crimes de racismo e associar a luta contra o racismo àquela contra a desigualdade. As oposições democráticas, reunidas em frente ampla, devem assumir a derrubada efetiva do apartheid brasileiro como prioridade máxima na luta pela conquista do poder.

*Paulo Sérgio Pinheiro é professor aposentado de ciência política na USP e ex-ministro dos Direitos Humanos.

Publicado originalmente no blog da Comissão Arns.

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Luiz Eduardo Soares Osvaldo Coggiola Daniel Costa Bruno Machado Valério Arcary Paulo Nogueira Batista Jr Marcelo Guimarães Lima Jorge Luiz Souto Maior Rubens Pinto Lyra Armando Boito Liszt Vieira Francisco de Oliveira Barros Júnior Bento Prado Jr. Leonardo Avritzer Eugênio Bucci Ricardo Fabbrini Francisco Fernandes Ladeira Celso Favaretto Mariarosaria Fabris Eleonora Albano Jean Pierre Chauvin Carlos Tautz Lorenzo Vitral Alexandre de Lima Castro Tranjan Michael Roberts Afrânio Catani Tales Ab'Sáber Slavoj Žižek Flávio Aguiar Salem Nasser Gerson Almeida Eugênio Trivinho Paulo Fernandes Silveira João Adolfo Hansen Julian Rodrigues Remy José Fontana Alexandre de Freitas Barbosa João Carlos Salles Thomas Piketty José Micaelson Lacerda Morais Érico Andrade Elias Jabbour Yuri Martins-Fontes Celso Frederico Sergio Amadeu da Silveira Michael Löwy Marilena Chauí Jean Marc Von Der Weid Leonardo Sacramento Jorge Branco Henry Burnett José Dirceu Renato Dagnino Gilberto Lopes Carla Teixeira Annateresa Fabris Marilia Pacheco Fiorillo Heraldo Campos Sandra Bitencourt Andrew Korybko Mário Maestri Leda Maria Paulani José Geraldo Couto Paulo Sérgio Pinheiro Tarso Genro Daniel Brazil Manchetômetro Roberto Noritomi Denilson Cordeiro Boaventura de Sousa Santos Vinício Carrilho Martinez Ronaldo Tadeu de Souza Henri Acselrad Antonino Infranca Juarez Guimarães Marcos Silva Ladislau Dowbor Luís Fernando Vitagliano Francisco Pereira de Farias Chico Alencar Luiz Werneck Vianna Leonardo Boff Tadeu Valadares Otaviano Helene Gabriel Cohn Luis Felipe Miguel Marcos Aurélio da Silva Plínio de Arruda Sampaio Jr. Walnice Nogueira Galvão Marcus Ianoni Antônio Sales Rios Neto Fábio Konder Comparato Airton Paschoa Luiz Costa Lima Ricardo Antunes João Sette Whitaker Ferreira João Feres Júnior Ari Marcelo Solon Bruno Fabricio Alcebino da Silva Rafael R. Ioris Dênis de Moraes Vanderlei Tenório Luiz Bernardo Pericás Ronald León Núñez José Costa Júnior Ronald Rocha Daniel Afonso da Silva André Singer Lucas Fiaschetti Estevez Manuel Domingos Neto Chico Whitaker Kátia Gerab Baggio Paulo Capel Narvai Dennis Oliveira Eduardo Borges Anderson Alves Esteves Samuel Kilsztajn Everaldo de Oliveira Andrade Igor Felippe Santos Maria Rita Kehl Ricardo Abramovay Valerio Arcary Marjorie C. Marona João Lanari Bo Antonio Martins Roberto Bueno Rodrigo de Faria Atilio A. Boron Lincoln Secco Bernardo Ricupero Luiz Roberto Alves Claudio Katz Luiz Renato Martins Marcelo Módolo João Paulo Ayub Fonseca Luiz Marques Berenice Bento Alysson Leandro Mascaro Milton Pinheiro Vladimir Safatle Fernando Nogueira da Costa João Carlos Loebens Flávio R. Kothe Eliziário Andrade Paulo Martins Alexandre Aragão de Albuquerque Luciano Nascimento Caio Bugiato Fernão Pessoa Ramos Priscila Figueiredo André Márcio Neves Soares José Luís Fiori Gilberto Maringoni Anselm Jappe Ricardo Musse José Machado Moita Neto Benicio Viero Schmidt Luiz Carlos Bresser-Pereira Eleutério F. S. Prado José Raimundo Trindade

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada