Laicidade, pluralismo e liberdade individual

Imagem: Bryan López Ornelas
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JULIAN RODRIGUES*

Jesus de Nazaré foi o criador do Estado laico

“Os fariseus fazem uma armadilha para apanhar Jesus em alguma palavra. Primeiramente, eles começam elogiando Jesus, dizendo que Ele é verdadeiro e não se deixa influenciar pela opinião dos outros. Depois, eles perguntam a Jesus, se é lícito ou não pagar o imposto a César. César era governador e pertencia ao império Romano na época e, como sabemos, o Império Romano governava Israel. Jesus usou como sempre de uma grande sabedoria para dar a resposta e não disse nada que lhe comprometesse ou comprometesse seus discípulos. Se Jesus respondesse que não deveria pagar o imposto a César, iriam dizer que Ele era contra o Império Romano. E se Ele dissesse que tinha que pagar iriam dizer que Ele estava ao lado do governo e não ao lado do povo. De todas as formas, queriam apanhar Jesus na resposta que Ele disse.Assim, Jesus pede que lhe apresentem a moeda e pergunta qual a figura que está na moeda, e eles responderam: de César. Diante disso, sabiamente Jesus responde “Dai, pois a César o que é de César, e a Deus o que é de Deus” (Mateus 22, 21). Nessa resposta, sutilmente Jesus quer dizer que todos devem cumprir com as suas obrigações, seja com o governo ou seja com Deus.”

Sinal dos tempos

Cabe sobretudo aos não cristãos e aos cristãos de esquerda uma urgentíssima missão: defender o núcleo progressista dos supostos ensinamentos de um camponês judeu (I.N.R.I) analfabeto de origem aramaica que supostamente viveu no século I da Era comum – mais conhecida como ano 1 depois de Cristo.

Há muito está estabelecida a existência de um certo judeu da Galileia, pregador messiânico, na executado pelas autoridades coloniais do império Romano. A influência da religião cristã oficial na Europa e nas América teria se iniciado por volta do século IV da Era comum – e segue firme e forte até os dias de hoje, para o bem e para o mal.

O fato é que “nestes dias tão estranhos” quando a poeira nem se dá mais ao trabalho de se esconder pelos cantos acabou sobrando para nosotras: ateus, cartesianos, racionalistas, iluministas, newtonianos, darwinistas, feministas, existencialistas, marxistas, nietzschianos, leninistas, punks, céticos, agnósticas e admiradoras de Bergoglio (o papa peronista) uma trivial tarefa: resgatar, defender e divulgar o legado progressista do Novo testamento.

É preciso disputar Jesus com os fascistas, fariseus modernos, mercadores da fé. Um bando de homens feios, brochas, machistas, racistas, homofóbicos, autoritários – e, sobretudo, cínicos.

“A César o que é de César, a Deus o que é de Deus”. Nada mais atual. A liberdade religiosa, pilar de qualquer regime democrático, é indissociável dos princípios da laicidade, do pluralismo, da garantia das liberdades individuais, da igualdade, da defesa e promoção dos direitos humanos.

A história registra: o Estado laico é uma conquista da luta das classes subalternas, das minorias políticas, das mulheres, comunistas e cientistas. Dos cristãos perseguidos pelos romanos, dos mulçumanos esmagados por cristãos em suas “cruzadas”, das mulheres carbonizadas nas fogueiras, dos judeus caçados por centenas de anos, obrigados a se esconder, mudar de nome, negar sua fé, estigmatizados desde a Inquisição até os campos nazistas – hoje, triste e ironicamente, o Estado de Israel faz com os palestinos coisas similares às que os nazistas fizeram com os judeus 80 anos atrás.

Antes mesmo de me considerar marxista tornei-me fã de Ludwig Feuerbach: “não foi deus quem criou o homem, mas sim foi o homem quem criou deus à sua imagem e semelhança”. (A propósito Caetano sempre teve razão, e quem há de negar que “só é possível filosofar em alemão”.

Voltando ao tema do artigo: é hora de ensinar cristianismo aos cristãos. Em defesa da pluralidade religiosa e do Estado laico. Sim life is hard, mas, cá entre nós, também muito divertida. De real e de viés.

*Julian Rodrigues, jornalista e professor, é ativista LGBTI e de Direitos Humanos. Coordenador de formação política da Fundação Perseu Abramo.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • 40 anos sem Michel Foucaultveneza 13/07/2024 Por VINÍCIUS DUTRA: O que ainda permanece admirável na forma de Foucault de refletir é sua perspicácia em contestar ideias intuitivamente aceitas pela tradição crítica de pensamento
  • A Unicamp na hora da verdadecultura artista palestina 13/07/2024 Por FRANCISCO FOOT HARDMAN: No próximo dia 6 de agosto o Conselho Universitário da Unicamp terá de deliberar se susta as atuais relações com uma das instituições empenhadas no massacre em Gaza
  • Que horas são no relógio de guerra da OTAN?José Luís Fiori 17/07/2024 Por JOSÉ LUÍS FIORI: Os ponteiros do “relógio da guerra mundial” estão se movendo de forma cada vez mais acelerada
  • A noite em que a Revolução Francesa morreuater 0406 01/07/2024 Por MARTÍN MARTINELLI: Prefácio do livro de Guadi Calvo
  • Episódios stalinistas no Brasilfotos antigas 14/07/2024 Por ANGELA MENDES DE ALMEIDA: Uma história costurada com inverdades, mas que, muito tempo depois, acabaram por sair à luz do dia
  • Marxismo e política — modos de usarLuis Felipe Miguel 15/07/2024 Por LUIS FELIPE MIGUEL: Introdução do autor ao livro recém-publicado
  • Carta de Berlim — a guerra e o velho diaboFlávio Aguiar 2024 16/07/2024 Por FLÁVIO AGUIAR: Há um cheiro de queimado no ar de Berlim. E não há nenhum Wald (bosque) em chamas, apesar do calor estival. O cheiro de queimado vem mesmo da sede do governo Federal
  • Julian Assange, Edward Snowden, Daniel Ellsbergwalnice 13/07/2024 Por WALNICE NOGUEIRA GALVÃO: Só permanece desinformado sobre segredos e inconfidências quem de fato tiver muita preguiça
  • Um ciclo interminávelpalestina rua gente 16/07/2024 Por BRUNO HUBERMAN: A esquerda sionista ataca a luta palestina por descolonização
  • O filósofo e o comediantefranklin de matos 08/07/2024 Por BENTO PRADO JR.: Prefácio do livro de Franklin de Matos – uma homenagem dos editores do site ao filósofo e professor da USP, falecido ontem

PESQUISAR

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES