Uma esquerda conservadora nos costumes?

Imagem: Pille Kirsi
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por BRUNO MACHADO*

Não há nenhuma restrição teórica ou prática a existência de duas esquerdas na política: uma progressista e outra conservadora nos costumes

As eleições de 2018 e 2022 demonstraram como algumas pautas morais e culturais se sobrepõem às pautas políticas e econômicas durante certos períodos. É certo que a defesa do armamento civil e o negacionismo científico são impopulares, conforme pesquisas de opinião demonstraram nesses últimos anos. Entretanto, o punitivismo na segurança pública e a defesa da heteronormatividade, intitulada como defesa da família, não só são muito populares como impulsionaram uma candidatura abertamente contrária a direitos sociais, privatista e elitista, temas que são muito impopulares no Brasil.

A extrema direita apela a pautas morais porque sabe que perde na opinião popular nas pautas políticas e econômicas. Se houvesse uma esquerda conservadora nos costumes, dividindo o espaço no debate público com uma esquerda progressista, possivelmente a direita seria enfraquecida com suas pautas individualistas e privatistas.

O punitivismo do “bandido bom é bandido morto” certamente é um risco à sociedade e a civilização. Já que a truculência policial nunca resultou em queda das taxas de crimes, sejam contra o patrimônio ou contra a vida. Além disso, como o efeito colateral da truculência policial é a morte acidental de inocentes, essa política de segurança pública causa mais mortes de inocentes do que sua não aplicação. Entretanto, quando, por exemplo, Lula em vídeo relativiza jovens que roubam celulares, ofende diretamente o trabalhador que tem seu celular comprado ao custo de muitas horas de trabalho roubado por um ladrão que busca ganhar a vida de forma fácil.

É correto e fundamental compreender o crime como o resultado de um ambiente social de desigualdade e discriminação, mas isso não torna correta a análise de que a opção pelo crime não passa por uma escolha pessoal. Quando a esquerda debate segurança pública vitimizando o algoz do cotidano do trabalhador, deveria esperar o descontentando do mesmo. A punição legal e o rechaço moral de criminosos precisa estar no discurso da esquerda se essa quer se manter próxima das dores da classe trabalhadora.

A defesa da heteronormatividade representada na frase “Deus fez o homem e a mulher” muito repetida por evangélicos e católicos no Brasil sem dúvidas causa efeitos negativos na cultura homofóbica e transfóbica no país. Cultura essa que está diretamente ligada a rejeição de filhos por pais, a casos de depressão, suicídio e violência motivada por questões de gênero e orientação sexual. Assim como certamente a cultura machista está associada diretamente a violência doméstica e ao feminicídio.

Ter tal consciência, não significa necessariamente defender pautas de combate a heteronormatividade que são abertamente ofensivas a opinião popular e que afastam o trabalhador dos partidos de esquerda, como é o caso do debate sobre o tratamento médico de transição de gênero em crianças. Tal opção política não é fácil e tem consequências reais na vida de muita gente oprimida tanto pelo punitivismo quanto pela heteronormatividade, entretanto, a perda de votos para a extrema direita também tem consequências na educação pública, na saúde pública, nos direitos sociais, na fome, etc.

As contradições surgem e sempre surgirão, cabe a sociedade, e especificamente a esquerda, debatê-las e encontrar o melhor caminho para vitórias no embate capital x trabalho e também em todas as formas de opressão na sociedade brasileira, sem deixar de levar em conta as circunstâncias materiais e culturais que a realidade impõe.

Se faz necessário ressaltar que é evidente que a esquerda historicamente construída, pautada na ciência e no humanismo sempre será a esquerda progressista, combativa em relação a todas as formas de opressão. Entretanto, o conservadorismo das massas populares é uma realidade a ser administrada e o materialismo que embasa a esquerda precisa levar tal fato em consideração. Não há nenhuma restrição teórica ou prática a existência de duas esquerdas na política: uma progressista e outra conservadora nos costumes.

A campanha de Ciro Gomes nessas eleições de 2022 deu sinais que podem apontar para um movimento de Ciro Gomes que buscará fazer parte dessa esquerda tolerante com o punitivismo e a heteronormatividade, que busca aliar pautas pró-classe trabalhadora com a perigosa moral popular.

Levando tudo isso em consideração, se efetivamente crescer no Brasil uma esquerda conservadora nos costumes, as diversas pesquisas de opinião feitas no Brasil demonstram um potencial de grande adesão ideológica desse movimento político com a classe trabalhadora. O que poderia significar também um enfraquecimento da extrema direita e do neofascismo, que só teria como diferencial suas pautas altamente minoritárias na opinião pública como a defesa de privatizações, a redução de direitos trabalhistas e a não taxação da elite econômica.

*Bruno Machado é engenheiro.

 

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores. Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Ronaldo Tadeu de Souza Marcelo Guimarães Lima Jorge Luiz Souto Maior Sergio Amadeu da Silveira Luiz Bernardo Pericás Henri Acselrad Yuri Martins-Fontes Annateresa Fabris Lincoln Secco Ronald Rocha Luciano Nascimento Carlos Tautz Jorge Branco Luiz Marques Luiz Werneck Vianna Fernando Nogueira da Costa Rubens Pinto Lyra Rodrigo de Faria Eugênio Bucci Lorenzo Vitral André Singer Gilberto Maringoni Jean Pierre Chauvin Atilio A. Boron Igor Felippe Santos João Feres Júnior Fernão Pessoa Ramos Airton Paschoa Flávio R. Kothe José Luís Fiori Alexandre de Freitas Barbosa Eduardo Borges Michael Löwy Osvaldo Coggiola Marilia Pacheco Fiorillo Milton Pinheiro Armando Boito Marcus Ianoni Lucas Fiaschetti Estevez Julian Rodrigues Vinício Carrilho Martinez Leda Maria Paulani João Adolfo Hansen Dênis de Moraes João Carlos Salles Ari Marcelo Solon Dennis Oliveira Everaldo de Oliveira Andrade Antonio Martins Leonardo Sacramento Luiz Roberto Alves Chico Whitaker Walnice Nogueira Galvão João Lanari Bo Juarez Guimarães Antônio Sales Rios Neto Ricardo Antunes Luiz Carlos Bresser-Pereira João Paulo Ayub Fonseca Paulo Fernandes Silveira Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Eugênio Trivinho Heraldo Campos Samuel Kilsztajn Slavoj Žižek Carla Teixeira Paulo Capel Narvai Bruno Fabricio Alcebino da Silva Celso Favaretto João Sette Whitaker Ferreira Marilena Chauí Ricardo Fabbrini Thomas Piketty Daniel Afonso da Silva José Dirceu Henry Burnett Chico Alencar Ricardo Abramovay Marcos Aurélio da Silva Marcos Silva Jean Marc Von Der Weid Tales Ab'Sáber Bento Prado Jr. Valerio Arcary Mariarosaria Fabris Paulo Martins Anselm Jappe Eliziário Andrade Sandra Bitencourt Bernardo Ricupero Gilberto Lopes Alysson Leandro Mascaro Manchetômetro Ricardo Musse Maria Rita Kehl Michael Roberts Alexandre de Lima Castro Tranjan Francisco Fernandes Ladeira Benicio Viero Schmidt Rafael R. Ioris Luiz Renato Martins Vanderlei Tenório Luís Fernando Vitagliano Otaviano Helene José Machado Moita Neto Denilson Cordeiro Bruno Machado Eleutério F. S. Prado Renato Dagnino Daniel Brazil Luiz Eduardo Soares Vladimir Safatle Leonardo Boff Caio Bugiato Berenice Bento Fábio Konder Comparato José Micaelson Lacerda Morais Tarso Genro Afrânio Catani José Raimundo Trindade Luis Felipe Miguel Priscila Figueiredo Francisco de Oliveira Barros Júnior Alexandre Aragão de Albuquerque Elias Jabbour Gabriel Cohn Liszt Vieira Paulo Nogueira Batista Jr Manuel Domingos Neto Salem Nasser Marjorie C. Marona Ronald León Núñez Leonardo Avritzer Daniel Costa José Costa Júnior Matheus Silveira de Souza André Márcio Neves Soares Andrés del Río Paulo Sérgio Pinheiro Eleonora Albano Gerson Almeida Remy José Fontana Boaventura de Sousa Santos Valerio Arcary João Carlos Loebens Claudio Katz Flávio Aguiar Kátia Gerab Baggio Andrew Korybko Érico Andrade Plínio de Arruda Sampaio Jr. Tadeu Valadares Francisco Pereira de Farias Celso Frederico Marcelo Módolo José Geraldo Couto Antonino Infranca Ladislau Dowbor Michel Goulart da Silva Mário Maestri

NOVAS PUBLICAÇÕES