As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

O mal cotidiano

Imagem: Maisa Borges
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ANDRÉA PIMENTA SIZENANDO MATOS*

Padecemos do mal-estar da civilização, há esperança, mas não para nós, pois, do ponto de vista da psicanálise, não somos programados para a felicidade

O fenômeno do mal pode ser abordado sob diferentes perspectivas; através do senso comum, dos mitos, da religião, das várias ciências, etc. Interessa-me aborda-lo à luz da psicanálise para que se revele o surgimento de novas formas de apresentação do mal-estar na cultura e, como cultura, ontem e hoje.

Em O mal estar na civilização, Freud diz: “Eis que, em meu entender, a questão decisiva para o destino da espécie humana: se o seu desenvolvimento cultural conseguirá, e em caso afirmativo até que ponto, dominar a pertubação da conviência que provem da pulsão humana de agressão e de auto-aniquilamento. A nossa época merece talvez um interesse particular justamente neste assunto. Hoje, os seres humanos levaram tão longe o seu domínio sobre as forças da natureza que com o seu auxílio lhe será fácil exterminar-se uns aos outros, até o ultimo homem. Eles sabem-no, daí boa parte da inquietação contemporânea, da sua felicidade, do seu espirito angustiado. E agora podemos esperar que o outro dos dois poderes celestiais, o Eros eterno, faça um esforço para se consolidar na luta contra seu inimigo igualmente mortal.

Mas quem pode prever o desfecho?”

Será que a noção de banalidade do mal, forjada por Hannah Arendt na década de 1960, é suficiente para compreendermos as contradições da nossa sociedade? Freud nos auxilia no desenvolvimento desta noção para o conceito de sociopatologia da vida cotidiana, no texto citado.

O que esta em jogo no mal estar freudiano? Como Freud interpreta o processo civilizatório? A concepção de que o homem não é um ser pacificado portanto, encontra-se em constante conflito. Ele outorga a gênese do conflito à oposição entre as pulsões; Eros, pulsão de vida e Tánatos, pulsão de morte; luta ininterrupta no nosso mundo interno.

A agressividade humana, como disposição, como representante do mal, não é algo que se apresenta, somente, de forma espetacular mas, cotidianamente, banalmente. Não é somente dirigida ao mundo externo, mas, a si mesmo, como atos auto destrutivos e, não provem somente das pulsões mas, também, de processos sociais (inquisição, escravidão, terrorismo).

A concepção de que estarmos inseridos em um ambiente hostil, inóspito, que traduz-se por uma luta continua entre a nossa natureza e a cultura, a civilização. A concepção de que a sociedade é criada às custas do recalcamento das pulsões ou outra direção possível e aceitável à suas satisfações.

Chegamos a um paradigma da psicanálise: somos indivíduos desabrigados, vivemos no mal-estar e carregamos dentro de nós um estranho. Aqui levanta-se o problema crucial da relação do ser humano com a lei, lei primordial, que marca a passagem, o salto, da natureza para a cultura.

Este é o modelo edípico, onde as relações da criança e seus pais representam a derradeira etapa de um progressivo e doloroso processo de alienação e separação. O Édipo nos conduz a superar a infância, isto é, nossa dependência à mãe e ao seu desejo, e à introjeção da lei, lei da cultura, representada pelo pai.

O Édipo é pedra angular da estrutura intrapsíquica e do processo civilizatório. As vicissitudes edípicas, quais sejam, alguma renúncia às pulsões, à onipotência do desejo, ao princípio do prazer em prol do princípio de realidade, faz-se sob a égide de um pacto de mão dupla, pacto edípico, pacto social.

Perdemos e ganhamos. Em troca da renúncia exigida temos o direito de receber um nome, uma filiação, um lugar na estrutura de parentesco, acesso à ordem simbólica, além de tudo o mais que nos permita desenvolver e viver. Assim, identificamo-nos com os valores da cultura, entramos no círculo de intercâmbio social e nos tornamos, de fato e de direito, sócios da sociedade humana.

O pacto primordial prepara e sustenta o segundo pacto e vice-versa. A má integração de um ou de outro pode gerar problemas, confirma ou infirma, um e outro, até a um ponto de ruptura.

É esta a chave psicanalítica para a compreensão da violência que dilacera o tecido social. O mal-estar apresenta-se pela violência, pela guerra civil crônica: violência urbana, doméstica, a luta individual de cada um. Apresenta-se pela guerra militar armada: Rússia versus Ucrânia, Israel versus Palestina, para citar apenas as que estão em pauta na atualidade.

Aqui,vale uma digressão. Esta lei é também entronizada pela sociedade. As sociedades modernas são baseadas em estruturas de poder. Todo poder é violento. Percebe-se, justamente, o elemento mítico que há na estrutura legal, jurídica. A instância jurídica é um pilar desta violência. O poder jurídico deve ter um braço forte para a execução das leis, inevitável e infelizmente. Vê-se a ambiguidade da lei: há os que estão acima da lei, são justamente os que determinam o que é a lei e, a esta posição, corresponde-se uma outra, oposta, os que são banidos da lei, não cobertos por ela, passíveis de serem mortos: indígenas, negros, pobres. Estes estão, definitivamente, desabrigados.

O que podemos diante do mal-estar? Apropriarmo-nos dele, dominá-lo, deslocá-lo é fundamental. Transformar o mal-estar pela via de um dispositivo que nos permita refletir criticamente sobre ele; alcançar um olhar irônico e crítico para que se revele a nossa posição sobre o nosso estar no mundo, na pós-modernidade.

Transformá-lo através de uma nova criação, sublime: o trabalho, a literatura, as artes, uma solução subjetiva, particular de cada um.

Trata-se de reunir um sistema de fragmentos em uma boa obra.

Este é um modo de resistência à violência que nos ronda no séc XXI, e em todos os séculos passados.

Finalizo com uma “profecia” do escritor tcheco Franz Kafka: “Há esperança suficiente, para Deus, esperança infinita, mas não para nós; sentencia o escritor. Se o universo traz a agonia das situações que nos oprimem e não controlamos; traz o embate inútil com leis e acasos que nos escapam, absolutamente.”

Padecemos do mal-estar da civilização, há esperança, mas não para nós, pois, do ponto de vista da psicanálise, não somos programados para a felicidade. Há pouquíssimos momentos de felicidade, quando mudamos de um estado ruim para um melhor. Nosso estado normal é o de estar jogado no mal estar. Mas vivemos de projetar esperanças, ela é a última que morre.

*Andréa Pimenta Sizenando Matos é psicanalista.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Afrânio Catani Marcelo Guimarães Lima Bernardo Ricupero Tarso Genro Elias Jabbour André Singer Leonardo Sacramento João Feres Júnior Leda Maria Paulani Marcos Aurélio da Silva João Lanari Bo Carla Teixeira Fernão Pessoa Ramos Airton Paschoa Lincoln Secco José Costa Júnior Eugênio Bucci Ricardo Abramovay Gabriel Cohn Celso Frederico Alysson Leandro Mascaro Marilena Chauí Slavoj Žižek Roberto Noritomi Daniel Costa Caio Bugiato Anselm Jappe Marcus Ianoni Vinício Carrilho Martinez Luiz Werneck Vianna João Paulo Ayub Fonseca Carlos Tautz Heraldo Campos Dênis de Moraes Antonino Infranca Salem Nasser Mário Maestri Denilson Cordeiro Julian Rodrigues Thomas Piketty José Machado Moita Neto Ricardo Antunes Paulo Sérgio Pinheiro Celso Favaretto Everaldo de Oliveira Andrade Paulo Martins José Luís Fiori Kátia Gerab Baggio Jean Pierre Chauvin Francisco de Oliveira Barros Júnior Renato Dagnino Francisco Fernandes Ladeira Gerson Almeida Osvaldo Coggiola Milton Pinheiro João Sette Whitaker Ferreira Paulo Capel Narvai Ari Marcelo Solon Eduardo Borges Lucas Fiaschetti Estevez Yuri Martins-Fontes Valério Arcary Bruno Machado Flávio R. Kothe Sergio Amadeu da Silveira Jean Marc Von Der Weid Priscila Figueiredo Fábio Konder Comparato João Adolfo Hansen Rubens Pinto Lyra Manuel Domingos Neto Paulo Fernandes Silveira Samuel Kilsztajn Benicio Viero Schmidt Marcelo Módolo Bento Prado Jr. João Carlos Loebens Rodrigo de Faria Francisco Pereira de Farias Eleonora Albano Michael Roberts Marjorie C. Marona Jorge Branco Armando Boito Jorge Luiz Souto Maior Atilio A. Boron Luiz Renato Martins André Márcio Neves Soares Claudio Katz Sandra Bitencourt Juarez Guimarães Ronald Rocha Luís Fernando Vitagliano Gilberto Maringoni Daniel Brazil Eugênio Trivinho Henry Burnett Luiz Marques José Micaelson Lacerda Morais Mariarosaria Fabris Luiz Costa Lima Leonardo Boff Henri Acselrad Annateresa Fabris Eleutério F. S. Prado Luiz Carlos Bresser-Pereira Remy José Fontana Luiz Roberto Alves José Raimundo Trindade Maria Rita Kehl Luiz Bernardo Pericás Andrew Korybko Chico Whitaker Leonardo Avritzer Boaventura de Sousa Santos Walnice Nogueira Galvão Ronaldo Tadeu de Souza Igor Felippe Santos Berenice Bento Érico Andrade José Geraldo Couto Ladislau Dowbor Bruno Fabricio Alcebino da Silva Paulo Nogueira Batista Jr Luciano Nascimento Alexandre de Lima Castro Tranjan Antônio Sales Rios Neto Alexandre de Freitas Barbosa Liszt Vieira Eliziário Andrade Alexandre Aragão de Albuquerque Lorenzo Vitral Anderson Alves Esteves Vanderlei Tenório Antonio Martins Gilberto Lopes Michael Löwy Dennis Oliveira Marcos Silva Luiz Eduardo Soares Otaviano Helene Marilia Pacheco Fiorillo João Carlos Salles Luis Felipe Miguel José Dirceu Ronald León Núñez Roberto Bueno Tadeu Valadares Daniel Afonso da Silva Flávio Aguiar Ricardo Musse Fernando Nogueira da Costa Chico Alencar Ricardo Fabbrini Vladimir Safatle Valerio Arcary Manchetômetro Plínio de Arruda Sampaio Jr. Tales Ab'Sáber Rafael R. Ioris

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada