As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Como uma onda grande no mar

Imagem: Lucas Vinícius Pontes
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LUIZ WERNECK VIANNA*

A eleição deste ano tem o caráter de um movimento de salvação nacional

Se os que são capazes de avaliar o tamanho das concentrações populares estão certos foram cerca de 4 milhões de pessoas que estiveram presentes no último domingo na chamada parada gay que teve como palco a avenida Paulista, já há algum tempo lugar preferencial de protestos populares. Por tudo que lá foi celebrado, cantado e dito a plenos pulmões em favor das liberdades individuais e de culto religioso a contrapelo dos valores obscurantistas que o governo Bolsonaro se empenha em difundir tivemos ali uma manifestação plebiscitária de repúdio a tudo isso que aí está.

Os sinais de que uma mudança em grande escala está por vir também estiveram e ainda estão presentes na comoção provocada pelo assassinato dos heróis amazônidas Bruno Pereira e Dom Philipps que trouxe à luz o mundo de trevas a que estão condenadas as populações ribeirinhas e os indígenas das regiões da Amazônia profunda. A atenção que a opinião pública dos países do Ocidente democrático dedicou a esse trágico episódio, obviamente relacionado à questão ambiental, evidencia a importância de se isolar internacionalmente o infame governo do nosso país e de favorecer a ação de suas oposições democráticas, especialmente por parte do governo Biden, de forte significação em nosso continente.

Os ventos benfazejos que começam a soprar em Nuestra América do México a Argentina, passando pelo Chile, Peru, e agora com a boa surpresa da Colômbia, não terão como evitar, como o plebiscito da avenida Paulista sinaliza, que bafejem por nossas terras. De toda parte, o que se previa como uma irresistível maré neoliberal partem movimentos de contestação a ela, como na França em que a esquerda teve ampla votação nas eleições majoritárias e na legislativa, insinuando em futuro próximo resultados ainda mais incisivos. Outro indicador de mudança de rumos se faz conhecer no Reino Unido com a primeira greve nacional em 30 anos no setor ferroviário. No mesmo sentido, faz-se notar a União Europeia como nova presença afirmativa no cenário internacional em nome dos valores civilizatórios que representa.

Diante dessas novas balizas a enquadrarem o campo imediato em que se inscreve nosso país – a Ucrânia é muito longe daqui – importa reconhecer a distância em que nos encontramos dos idos de 1964 quando se tramou e se efetivou um golpe militar com amplo apoio externo, particularmente do governo americano de então. Contudo, é um segredo de polichinelo que está em pleno curso uma movimentação em favor de mais um golpe a vitimar as instituições republicanas como reação à vitória eleitoral da chapa Lula-Alkmin, a essa altura tida como certa no radar de todos, confirmada pelos institutos de pesquisa eleitoral. Os que tramam em favor do golpe não deixam claro até aqui quando levariam a cabo tal infausto desígnio, se antes, durante ou após a comunicação do resultado das urnas.

O pretexto para a encenação golpista arremeda a pregação de Donald Trump que denunciava, desde antes das eleições, de que elas seriam fraudadas, mesmo sem dispor, a qualquer tempo, de evidências que comprovassem suas denúncias. No nosso caso, tenta-se tumultuar a apuração eleitoral com a presença exótica de corporações externas, orientadas, como se diz popularmente, em melar o processo eleitoral.

Estamos, pois, em situação de risco que não se pode subestimar. Ao alcance das forças democráticas, um poder desarmado, contudo, cabe uma audaciosa composição de forças que, por sua envergadura, desestimule os arreganhos golpistas, obrigados ao recuo pelos impactos nacionais e internacionais de suas temerárias intenções. Já se conta com uma candidatura robusta, a de Lula-Alkmin, mas ainda é pouco, uma vez que se impõe a criação de um movimento que se torne irresistível e que arraste de sua frente quaisquer tentativas de resistências ao seu triunfo.

Essa eleição tem o caráter de um movimento de salvação nacional, como nas poderosas frentes antifascistas articuladas pelo gênio político de notáveis estadistas nos anos 1940, e sua singularidade, pelo peso das nossas atuais circunstâncias, é a de que o seu resultado deve ser garantido antes mesmo da sua realização.

*Luiz Werneck Vianna é professor do Departamento de Ciências Sociais da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio). Autor, entre outros livros, de A revolução passiva: iberismo e americanismo no Brasil (Revan).

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Luiz Renato Martins Paulo Nogueira Batista Jr Slavoj Žižek José Dirceu Luciano Nascimento Tales Ab'Sáber Luiz Costa Lima João Sette Whitaker Ferreira Lincoln Secco Eleutério F. S. Prado Anderson Alves Esteves Gerson Almeida João Adolfo Hansen Luiz Roberto Alves Fernão Pessoa Ramos Gabriel Cohn Rodrigo de Faria Francisco de Oliveira Barros Júnior João Carlos Loebens Ronald León Núñez Leda Maria Paulani Luís Fernando Vitagliano Eugênio Trivinho Ladislau Dowbor João Lanari Bo Marjorie C. Marona Andrew Korybko Marilia Pacheco Fiorillo Marcos Silva Francisco Fernandes Ladeira Marcos Aurélio da Silva Yuri Martins-Fontes Berenice Bento Everaldo de Oliveira Andrade Roberto Noritomi Chico Alencar Denilson Cordeiro Ricardo Antunes Benicio Viero Schmidt Gilberto Maringoni Annateresa Fabris Priscila Figueiredo Paulo Capel Narvai Marilena Chauí Fábio Konder Comparato Eliziário Andrade Érico Andrade Paulo Martins Vanderlei Tenório Celso Favaretto Afrânio Catani Luiz Marques Caio Bugiato Marcelo Módolo Roberto Bueno Antonio Martins Manuel Domingos Neto João Feres Júnior Salem Nasser Heraldo Campos Alexandre de Freitas Barbosa Francisco Pereira de Farias Tarso Genro Thomas Piketty Kátia Gerab Baggio Otaviano Helene José Raimundo Trindade Alysson Leandro Mascaro Leonardo Sacramento Daniel Costa Sandra Bitencourt Daniel Brazil Eduardo Borges Anselm Jappe Luiz Eduardo Soares João Paulo Ayub Fonseca Samuel Kilsztajn Bernardo Ricupero Marcelo Guimarães Lima Ronaldo Tadeu de Souza Sergio Amadeu da Silveira Valerio Arcary Paulo Fernandes Silveira Bruno Machado Walnice Nogueira Galvão Valério Arcary Henry Burnett Antonino Infranca Lorenzo Vitral Claudio Katz Alexandre Aragão de Albuquerque Flávio R. Kothe Igor Felippe Santos Alexandre de Lima Castro Tranjan Mariarosaria Fabris Henri Acselrad Leonardo Boff Jean Marc Von Der Weid João Carlos Salles Bruno Fabricio Alcebino da Silva Chico Whitaker André Singer Rubens Pinto Lyra José Luís Fiori Mário Maestri Gilberto Lopes Dênis de Moraes Remy José Fontana Paulo Sérgio Pinheiro Jean Pierre Chauvin Plínio de Arruda Sampaio Jr. Leonardo Avritzer José Machado Moita Neto Renato Dagnino Ricardo Fabbrini Milton Pinheiro Antônio Sales Rios Neto Manchetômetro Liszt Vieira Eleonora Albano Atilio A. Boron Ricardo Abramovay Airton Paschoa José Costa Júnior Ari Marcelo Solon Luiz Werneck Vianna Michael Löwy Ricardo Musse Eugênio Bucci Jorge Branco Rafael R. Ioris Carlos Tautz Dennis Oliveira Juarez Guimarães André Márcio Neves Soares Celso Frederico Luiz Bernardo Pericás José Micaelson Lacerda Morais Lucas Fiaschetti Estevez Vladimir Safatle Fernando Nogueira da Costa Carla Teixeira Marcus Ianoni Luis Felipe Miguel José Geraldo Couto Vinício Carrilho Martinez Boaventura de Sousa Santos Tadeu Valadares Maria Rita Kehl Ronald Rocha Flávio Aguiar Luiz Carlos Bresser-Pereira Elias Jabbour Armando Boito Osvaldo Coggiola Jorge Luiz Souto Maior Daniel Afonso da Silva Michael Roberts Bento Prado Jr. Julian Rodrigues

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada