As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Comunismo reformista

Clara Figueiredo, Izmailovsky Market, Lênin_ 2067,60 rublos, Moscou, 2016
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por DIOGO FAGUNDES*

Considerações a partir de polêmicas entre membros do PCB e o PC do B

O problema das polêmicas de rede sociais é que elas costumam adquirir um tom fulanizado, que frequentemente encobre o essencial: o conteúdo político por trás das trocas de farpas verbais. Vejam o caso desta polêmica dentro do mundo do comunismo brasileiro digital, entre membros do PCB e Elias Jabbour. Parece que a origem do affair reside num texto, em tom polêmico e assertivo, o que é típico do seu estilo bastante próprio, do intelectual do PC do B, afirmando que o “programa máximo” da esquerda consistiria naquela lista do PT que causou polêmica na imprensa. Isto é, o nosso horizonte estratégico deveria ser a reversão de reformas liberais e a consolidação de uma política de indução econômica pelo Estado, retomando os aspectos mais desenvolvimentistas do segundo governo Lula.

Particularmente discordo dessa concepção, pois acredito que este deveria ser o programa mínimo de qualquer governo de esquerda. Se partimos do pressuposto que o máximo que queremos é algo tão limitado, provavelmente colheremos coisas bem menores, já que o máximo nunca é atingido.

De qualquer forma, “programa máximo” é sempre uma expressão que se refere não só a conjunturas particulares, mas a escalas temporais distintas. Por exemplo, se seguirmos à risca Marx, Engels e Lênin, nosso programa máximo sequer é a conquista do poder para socializar os meios de produção. Isto seria apenas uma transição para o comunismo avançado, no qual sequer há Estado como aparelho coercitivo externo à “sociedade civil” e o internacionalismo viceja acima das divisões nacionais, pois sequer há mercado capitalista e disputas inter-estatais.

Teríamos também o “trabalhador polimorfo” descrito em tons poéticos por Marx, superando os antagonismos essenciais da divisão do trabalho: campo e cidade; trabalho manual e intelectual. Evidentemente, no entanto, ninguém, a não ser agrupamentos de ultra-esquerda, realizam política tendo este horizonte último como objetivo próximo.

No caso do Elias Jabbour, penso que há sentido e coerência em ver no programa petista – que é provavelmente muito mais avançado do que pretende concretamente Lula – nosso horizonte, pois as coordenadas estratégicas que balizam sua visão não são as mesmas dos jovens intelectuais do PCB. Precisamos entender a política do PC do B em geral, e do Elias, em particular. Traços pessoais, características de personalidade e psicologia individual são, ao meu ver, totalmente insignificantes, se a intenção é travar uma polêmica de qualidade.

O objetivo máximo do PC do B, pelo menos para a etapa histórica em que vivemos, não é destruir o Estado burguês e combater o capitalismo brasileiro em sua totalidade, apenas suas partes “estragadas” – o parasitismo financeiro que impõe políticas de austeridade, baixo crescimento econômico, etc. Pelo contrário: nesta visão, o objetivo dos comunistas é defender a democracia e a “política” em abstrato (isto inclui inclusive defender políticos tradicionais e o parlamentarismo habitual) e os setores capitalistas nacionais mais desenvolvidos e importantes para o crescimento.

Isto soa muito esquisito numa primeira mirada, mas tem uma longa linhagem histórica, desde, ao menos, o movimento comunista da segunda metade do século passado. Desde os anos 1950, mas já com ensaios no período das frentes populares dos anos 1930 e nas políticas de união democrática-nacional nos anos 1940, interrompidas pelo momento mais duro da Guerra Fria no imediato pós-guerra, os partidos comunistas que reivindicam a herança da III Internacional e o alinhamento com a União Soviética, em geral, seguiram um caminho reformista, mesmo quando a revolução era mantida no vocabulário.

A estratégia dos PCs ocidentais, em geral, não era a de acumular forças para um embate antagônico entre capitalismo e socialismo, mas de aproveitar as inéditas liberdades democráticas para criar uma “democracia avançada” (no vocabulário do PC francês, por exemplo) e fazer o “capitalismo monopolista de Estado” francês (lembremos que neste período até a indústria automobilística era estatal) virar uma espécie de socialismo, bastando mudar sua coloração e seu conteúdo de classe, ou fazer “reformas estruturais” (no linguajar do PC italiano, o maior, mais relevante e influente) mas dentro de um quadro político consensual, estabelecido pela Constituição.

É por isto que uma hora ou outra todos estes partidos tiveram que revisar elementos fundamentais da visão clássica sobre a transição socialista, para adaptá-las ao contexto no qual a democracia burguesa se tornara um marco intransponível. Não à toa, conceitos clássicos como “ditadura do proletariado” passaram a ser vistos mais como problema, a ser escondido ou simplesmente jogado fora, do que solução.

No Brasil não foi diferente, com a particularidade de que aqui a democracia era muito mais limitada, excluindo de antemão a possibilidade de qualquer vitória eleitoral dos comunistas, além de o capitalismo ter aspectos arcaicos (lidos como “semi-feudais” e “semi-coloniais”, no léxico das formulações da III Internacional e da Revolução chinesa) que induziam à hipótese de que, no caso brasileiro, o capitalismo não era problema, mas algo a ser desenvolvido e defendido.

Estas duas características condicionaram os comunistas pátrios a serem uma espécie de ala esquerda do nacional-desenvolvimentismo e das correntes ditas populistas, tanto no movimento sindical quanto na política em geral, o que influenciou inclusive na visão sobre o Estado e o capitalismo nacional. Não é aleatório que Jabbour utilize de Ignácio Rangel, um intelectual do ISEB, o núcleo do pensamento nacional-desenvolvimentista brasileiro, para formular sua visão sobre socialismo, nem que Celso Furtado tenha sido por tantos anos, e até hoje, a grande referência do pensamento de esquerda na economia.

Exagero? Leiam o documento de março de 1958, o mais importante para entender a orientação do PCB no seu período de maior influência social e política. Até a aliança com setores dos latifundiários não subordinados à política dos EUA é colocada como possibilidade, já que o objetivo era combater o imperialismo, em especial o norte-americano, e os setores mais atrasados da propriedade fundiária, para, enfim, haver desenvolvimento capitalista progressivo.

A ironia histórica é que o PC do B, que nasceu como cisão combatendo esta linha política, lida como direitista, hoje é o mais fiel representante desta subjetividade típica do que eu chamaria de “comunismo reformista” dos PCs após a Segunda Guerra. Mas não é o único: há inúmeros, inclusive pessoas extremamente valorosas, valentes e justas (como eu disse, não é uma questão de valoração pessoal), nos mais diversos movimentos sociais e partidos de esquerda. Trata-se de um tipo subjetivo muito característico, predominante na história real dessa corrente política.

Diria que o “comunista reformista” se guia por dois axiomas: “a ampliação de alianças é sempre melhor que o isolamento” e “o caminho para o socialismo é desenvolvimento econômico conduzido por um Estado democrático de direito”. Ambos muito lógicos e coerentes para quem lutava por democracia (num contexto de extrema repressão dirigida pela ditadura militar) e desenvolvimento do capitalismo “bom” (gerador de renda, mercado interno e investimentos produtivos) contra os elementos mais atrasados da sociedade brasileira.

Quem pretende, de verdade, acertar contas com este passado, acaba necessariamente por tratar o “comunista reformista” como obstáculo, o que também torna lógicas as críticas ao Elias Jabbour. Foi exatamente isto que fez Luiz Carlos Prestes, na sua famosa “Carta aos Comunistas”, passando a limpo de forma dura toda a história do partido do qual foi tanto tempo o líder máximo, ou o que faz o PCB refundado após o liquidacionismo de seus elementos mais oportunistas no final da Guerra Fria.

Na verdade, já o PT fazia isto, ainda que de forma parcial, na tal estratégia “democrática-popular” do famoso V Encontro de 1987, supostamente superando a experiência de derrota do comunismo brasileiro. No entanto, historicamente o partido não fez algo muito diferente do que repetir os hábitos e cacoetes do velho Partidão, num contexto ideológico, cultural e político muito diferentes.

Escrevo tudo isto para tentar contribuir à demarcação precisa e justa das linhas de contato, mas também das zonas de fricção entre aqueles que reivindicam a tradição comunista brasileira. Se o combate ao inimigo principal nos une, isto é, o combate ao liberalismo (que nada mais é do que é a ideologia espontânea do capitalismo liberado de suas amarras coletivas e sociais), no momento hegemonizado por uma corrente de viés neofascista, é preciso deixar claro que embates ideológicos vão e devem ocorrer entre quem acredita que o renascimento do comunismo implica uma ruptura com o “comunismo reformista” clássico – o que implica uma revalorização dos aspectos mais radicais do marxismo que foram deixados de lado no século passado – e quem é fiel a uma continuidade aos parâmetros clássicos da esquerda brasileira.

Resumindo. Em comum, o combate ao liberalismo (incluindo os social-liberais bem fortes, na verdade hegemônicos, dentro da esquerda); em disputa e tensão permanente, os princípios estratégicos (se devemos considerar a revolução e a transição ao comunismo um objetivo concreto, da nossa época, ou não). Eis a marca traçada pelo risco do giz. E que vençam os melhores – os mais aptos a liderar e conduzir demandas históricas do proletariado brasileiro.

*Diogo Fagundes é graduando em direito na USP.

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Valério Arcary Valerio Arcary Roberto Noritomi Gilberto Lopes Bernardo Ricupero Alysson Leandro Mascaro Denilson Cordeiro Marilia Pacheco Fiorillo Eleonora Albano Luciano Nascimento Eduardo Borges Ronald León Núñez Gabriel Cohn Francisco Fernandes Ladeira Rafael R. Ioris Eugênio Trivinho Carlos Tautz João Lanari Bo Luis Felipe Miguel Celso Favaretto João Carlos Salles Luiz Costa Lima Osvaldo Coggiola Marcelo Módolo Maria Rita Kehl Paulo Fernandes Silveira Alexandre de Freitas Barbosa Paulo Capel Narvai Manuel Domingos Neto Francisco Pereira de Farias Everaldo de Oliveira Andrade Renato Dagnino Boaventura de Sousa Santos Yuri Martins-Fontes Francisco de Oliveira Barros Júnior Tarso Genro Fernando Nogueira da Costa Armando Boito Kátia Gerab Baggio Jorge Branco José Dirceu Daniel Costa Manchetômetro Lucas Fiaschetti Estevez Roberto Bueno Luís Fernando Vitagliano José Geraldo Couto Atilio A. Boron Sergio Amadeu da Silveira Luiz Carlos Bresser-Pereira Luiz Renato Martins Annateresa Fabris José Costa Júnior Marjorie C. Marona Marcus Ianoni Vinício Carrilho Martinez Bento Prado Jr. Henri Acselrad Antonio Martins Ronaldo Tadeu de Souza Mariarosaria Fabris Daniel Brazil Dennis Oliveira Henry Burnett Paulo Martins Walnice Nogueira Galvão Priscila Figueiredo Bruno Fabricio Alcebino da Silva Remy José Fontana Samuel Kilsztajn João Paulo Ayub Fonseca Leonardo Avritzer Jean Pierre Chauvin Lincoln Secco José Machado Moita Neto José Luís Fiori Gerson Almeida Andrew Korybko Juarez Guimarães Leonardo Sacramento Luiz Roberto Alves Marcelo Guimarães Lima Slavoj Žižek Sandra Bitencourt Marcos Aurélio da Silva Fábio Konder Comparato Anselm Jappe Luiz Bernardo Pericás Chico Alencar Airton Paschoa Rodrigo de Faria Alexandre de Lima Castro Tranjan Luiz Eduardo Soares Ricardo Antunes Ari Marcelo Solon Carla Teixeira Tadeu Valadares Marcos Silva Flávio Aguiar Afrânio Catani Eleutério F. S. Prado José Micaelson Lacerda Morais Vanderlei Tenório Daniel Afonso da Silva Lorenzo Vitral Berenice Bento João Carlos Loebens João Adolfo Hansen Érico Andrade Paulo Nogueira Batista Jr Chico Whitaker Ricardo Fabbrini João Sette Whitaker Ferreira Benicio Viero Schmidt Ladislau Dowbor Bruno Machado Thomas Piketty Rubens Pinto Lyra Julian Rodrigues Celso Frederico Dênis de Moraes Michael Roberts Ricardo Musse Salem Nasser Elias Jabbour Mário Maestri João Feres Júnior Caio Bugiato André Singer Flávio R. Kothe Michael Löwy Otaviano Helene Alexandre Aragão de Albuquerque Vladimir Safatle Milton Pinheiro José Raimundo Trindade Ricardo Abramovay Luiz Werneck Vianna Igor Felippe Santos Gilberto Maringoni Luiz Marques Heraldo Campos Eugênio Bucci Ronald Rocha Plínio de Arruda Sampaio Jr. Antonino Infranca Claudio Katz Leonardo Boff Antônio Sales Rios Neto Jorge Luiz Souto Maior Paulo Sérgio Pinheiro Tales Ab'Sáber Fernão Pessoa Ramos André Márcio Neves Soares Marilena Chauí Eliziário Andrade Liszt Vieira Jean Marc Von Der Weid Anderson Alves Esteves Leda Maria Paulani

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada