As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Considerações sobre o voto “evangélico”

Imagem: Paulinho Fluxuz
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JULIAN RODRIGUES*

Crítica do conservadorismo evangélico dissimulado

Em tempos de obscurantismo, expectativas positivas sempre tornam quase obrigatória a leitura de um artigo escrito por um físico, professor da USP, e ainda por cima publicado no site A Terra é Redonda [https://aterraeredonda.com.br/sobre-o-voto-evangelico/]. Nunca tinha ouvido falar no professor Osame Kinouchi, especializado em física estatística, sistemas dinâmicos, neurociência computacional, redes neurais. coordenador do Laboratório de Física Estatística e Biologia Computacional da USP São Carlos.

O tema de seu artigo, “Sobre o voto “evangélico”” é inescapável. Entender o mundo evangélico e como a esquerda brasileira deve se relacionar com essa população, disputando valores e ideias. Tratava-se de uma réplica a outro artigo, de Rubens Pinto Lyra também postado em A Terra é Redonda, intitulado “O voto dos evangélicos” [https://aterraeredonda.com.br/o-voto-dos-evangelicos/] que demonstrou como aspectos doutrinários do cristianismo protestante se conectam com o bolsonarismo, para além da precariedade da formação dos pastores e da “teologia da prosperidade”.

Depois de uma razoável descrição das correntes protestantes e suas diferenças, o físico uspiano avança também ao chamar a atenção para a forte predominância de mulheres,  pretos, pobres entre a base evangélica.

Em defesa de sua religião (sim, o físico-professor- cientista é evangélico  praticante – não me peçam para ressaltar esse oximoro, para ser rotulado como preconceituoso)  – o autor elenca vários elementos reacionários do catolicismo, como a infalibilidade papal, a proibição de métodos contraceptivos e o veto às mulheres no sacerdócio.

Até aí, tudo bem. Só que a vida é dura. O que parece esquisito, geralmente é mesmo estranho. Ao defender, corretamente, que os evangélicos não são um bloco monolítico, em seguida o professor  parte para defesa do empresário Edir Macedo.

O autor, então, “sai do armário” e nos   tasca o seguinte parágrafo:

“Quantos votos Haddad perdeu ao colocar no seu plano de governo de 2018 as bolsas de estudo extras para os transexuais? Não ganhou nenhum voto LGBT a mais, pois essa comunidade iria votar nele de qualquer jeito, com ou sem esse item no programa. Mas com esse item perdeu votos em todo segmento heterossexual, não apenas “evangélico”, mas também católico e espírita, e mesmo ateu de centro-direita, onde uma propaganda ardilosa espalhou que, fazendo isso, Haddad considerava os transexuais como “superiores” e merecedores de “privilégios”  em relação aos heterossexuais. Afinal, as bolsas poderiam ser dadas sem problema algum após se vencer as eleições, mas porque  colocar esse item específico na propaganda eleitoral? Apenas para dar munição aos bolsonaristas?”

Minha primeira reação foi de perplexidade.

A  quantidade de absurdos reacionários concentrados  em tão poucas linhas me levou a questionar o motivo que levou um site, altamente qualificado, progressista, publicar esse  lixo direitista.

Como ex-coordenador LGBT do governo Haddad e criador do Transcidadania (primeiro programa  governamental de promoção da cidadania e dos direitos humanos das travestis, mulheres transexuais e homens trans),  dá  para imaginar a temperatura do meu sangue ao ler essa bobajada.

O autor nem disfarça. Primeiro, fala em “OS” transexuais, deliberadamente ressaltando o sexo biológico das travestis e mulheres trans, desrespeitando a identidade de gênero delas, igualzinho a qualquer fundamentalista religioso.

Depois, ele fala em “segmento heterossexual”. Como se todos homens hetero fossem preconceituosos – dos ateus a todos católicos. E admite, implicitamente, que a totalidade dos  homens evangélicos heterossexuais são homofóbicos e transfóbicos. O que está longe muito longe de ser verdade.

Aí, o cientista parece que vai denunciar as fake news bolsonaristas. Nada, ele as classifica são apenas “propaganda ardilosa”.  A arte de passar o pano atingiu novos patamares, nesse eufemismo.

O salto no raciocínio é peculiar. A culpa  pela má fé  bolsonarista, que faz a distorção da proposta política do PT  não é de Bolsonaro, é do Haddad! Por que ousou tocar nesse tema?? Era mais fácil fingir que não defende os direitos LGBTI!

(Nem vou mencionar a abissal ignorância do sujeito: ele contrapõe heterossexuais  a transexuais: o sabichão rezador não se deu ao trabalho de estudar o básico – não sabe a diferença entre orientação sexual e identidade de gênero).

Entretanto, o mais grave ainda está por vir. O  cara  sugere que a melhor tática para ganhar eleições é não dizer o que se pensa. Esconder nosso  programa de esquerda – adaptar-se  ao senso comum. Tipo assim: a gente engana os eleitores e depois que ganharmos, secretamente executaremos nossas extravagâncias feministoides, gayzistas, etc.

Orgulhoso, confesso que ajudei a elaborar o tópico LGBTI do programa Haddad-2018. Reparem: nem de longe essa pauta foi o centro da nossa propaganda de massas. O evangélico-uspiano acaba apenas reproduzindo certo senso comum bolsonarista.

Pergunto: então para ganhar a eleição a esquerda deve  mimetizar o senso comum conservador? Fingir de conta que não somos pela transformação social? Nos disfarçarmos para que não saibam que somos anti-liberais, feministas, antirracistas, distributivistas, ambientalistas, a favor das liberdades sexuais?

Ao final das contas, o artigo em questão tem um mérito grande. Revela nitidamente o que muitos homens-brancos-heterossexuais-velhos  (que se reivindicam da esquerda pensam –  e não dizem).

Acontece que uma esquerda socialista que não seja feminista, libertária, antirracista, ecossocialista  não tem nenhuma condição de sobreviver no século 21.

Wake up, manos!

*Julian Rodrigues, professor e jornalista, é ativista de Direitos Humanos e da causa LGBTI.

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Priscila Figueiredo Sergio Amadeu da Silveira Leonardo Sacramento Valerio Arcary Ronald León Núñez Ricardo Abramovay Vinício Carrilho Martinez Tales Ab'Sáber Celso Favaretto Annateresa Fabris Sandra Bitencourt Ronald Rocha Roberto Bueno Ricardo Antunes Afrânio Catani Liszt Vieira Marcos Silva Luiz Costa Lima Gabriel Cohn Fernando Nogueira da Costa Eliziário Andrade Ari Marcelo Solon Rafael R. Ioris Gilberto Lopes Luis Felipe Miguel Daniel Brazil Jean Pierre Chauvin João Feres Júnior Michael Roberts Ladislau Dowbor André Singer João Carlos Salles Flávio R. Kothe Leonardo Avritzer Mário Maestri Manchetômetro Henry Burnett Anderson Alves Esteves Érico Andrade Daniel Afonso da Silva Mariarosaria Fabris Gilberto Maringoni Chico Alencar Paulo Fernandes Silveira Michael Löwy Antonino Infranca Leonardo Boff José Raimundo Trindade Paulo Sérgio Pinheiro Walnice Nogueira Galvão João Adolfo Hansen João Lanari Bo João Sette Whitaker Ferreira Henri Acselrad José Micaelson Lacerda Morais André Márcio Neves Soares Gerson Almeida Alexandre de Freitas Barbosa Alysson Leandro Mascaro Yuri Martins-Fontes Ricardo Musse Eugênio Trivinho Francisco Pereira de Farias Bento Prado Jr. Alexandre Aragão de Albuquerque Heraldo Campos Bruno Machado Jorge Branco Maria Rita Kehl João Paulo Ayub Fonseca Paulo Capel Narvai Antonio Martins José Machado Moita Neto Valério Arcary Luiz Renato Martins Flávio Aguiar Anselm Jappe Slavoj Žižek Dênis de Moraes Rubens Pinto Lyra João Carlos Loebens Lincoln Secco José Geraldo Couto José Dirceu Fábio Konder Comparato Paulo Nogueira Batista Jr Alexandre de Lima Castro Tranjan Luiz Bernardo Pericás Dennis Oliveira Marcelo Módolo Ronaldo Tadeu de Souza Atilio A. Boron Carla Teixeira Tarso Genro Manuel Domingos Neto Ricardo Fabbrini Jorge Luiz Souto Maior Chico Whitaker José Luís Fiori Eleutério F. S. Prado Francisco Fernandes Ladeira Antônio Sales Rios Neto Marcos Aurélio da Silva Carlos Tautz Thomas Piketty Marilia Pacheco Fiorillo Vanderlei Tenório Marilena Chauí Marcelo Guimarães Lima Eugênio Bucci Luiz Werneck Vianna Denilson Cordeiro Renato Dagnino Luiz Eduardo Soares Claudio Katz Celso Frederico Boaventura de Sousa Santos Plínio de Arruda Sampaio Jr. Fernão Pessoa Ramos Marjorie C. Marona Eleonora Albano Leda Maria Paulani Luiz Carlos Bresser-Pereira Osvaldo Coggiola Armando Boito Otaviano Helene Luciano Nascimento Bruno Fabricio Alcebino da Silva Igor Felippe Santos Airton Paschoa Andrew Korybko Milton Pinheiro Julian Rodrigues Berenice Bento Kátia Gerab Baggio Roberto Noritomi Samuel Kilsztajn Lorenzo Vitral Caio Bugiato José Costa Júnior Lucas Fiaschetti Estevez Luiz Marques Luís Fernando Vitagliano Everaldo de Oliveira Andrade Juarez Guimarães Benicio Viero Schmidt Francisco de Oliveira Barros Júnior Luiz Roberto Alves Bernardo Ricupero Marcus Ianoni Eduardo Borges Elias Jabbour Tadeu Valadares Daniel Costa Rodrigo de Faria Salem Nasser Vladimir Safatle Jean Marc Von Der Weid Remy José Fontana Paulo Martins

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada