O voto dos evangélicos

Imagem: Elyeser Szturm
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por Rubens Pinto Lyra*

A perplexidade face à opção por Jair Bolsonaro, em desacordo com os princípios do cristianismo, torna necessário examinar os fatores psicossociais envolvidos nessa escolha.

Sempre identifiquei como virtude cardeais do cristianismo a caridade, o amor ao próximo, a busca da Justiça, a solidariedade com os pobres e oprimidos, acompanhadas da denúncia da injustiça, do luxo, da ostentação, do egoísmo e da intolerância.

Dessa forma, não são poucos os que, como eu, até hoje, se interrogam sobre as razões pelas quais uma parte expressiva do eleitorado cristão – no caso, a maioria evangélica – pôde votar, para o exercício do cargo máximo da Republica, em um candidato que, mesmo tendo fugido dos debates, nunca deixou de proclamar, alto e bom som, sua simpatia por regimes que torturaram, mataram ou perseguiram milhares de brasileiros. Voto que contribuiu, decisivamente, para a vitória do Mito.

Lembremos que Bolsonaro manifestou-se sadicamente, na votação do impeachment de Dilma Rousseff, tripudiando sobre o sofrimento experimentado pela ex-Presidente, no período em que esteve presa durante o regime militar. Ele o fez ao exaltar, na oportunidade, a figura do torturador de Dilma, o Coronel Brilhante Ustra – o que mais se destacou, durante a vigência da ditadura, nessa repulsiva prática.

O ex- capitão também não escondeu suas posições sobre os direitos humanos, por ele sistematicamente criticados, nem disfarçou, em diferentes ocasiões, atitudes agressivamente machistas. E também externou concepções regressivas, em matéria social, ao defender a falsa alternativa entre diminuição de direitos sociais ou desemprego.

A perplexidade face à tão chocante escolha torna particularmente oportuno o estudo dos fatores psicossociais do voto depositado pelos evangélicos. Entendemos que os condicionamentos psicológicos, no que se refere a esses fieis, não são estranhos à doutrina dos dois maiores ícones do protestantismo: Martinho Lutero e João Calvino – semelhantes, na questão em análise, a despeito de suas muitas diferenças doutrinárias. Esses teólogos enfatizam a impotência do individuo face aos insondáveis desígnios do Senhor. Para eles, apenas a vontade divina determina a vida das pessoas e dos acontecimentos históricos.

Calvinistas e seguidores de Lutero – mas não apenas estes – transferiram para o plano político, nas eleições presidenciais de 2020, esse sentimento de submissão incondicional, em momento de crise e de desesperança. Acreditavam que somente um demiurgo poderia evitar a derrocada econômica e social: o Mito, tal como o Füher, na Alemanha, e o Duce, na Itália.

Com efeito, para luteranos e calvinistas, mesmo o pior tirano não pode ser contestado: se governa, é porque Deus quer. Nas palavras de Lutero, citadas por Fromm: “Deus prefere aguentar a continuação de um governo, por pior que seja, do que deixar a ralé rebelar-se, não importa quão justificada ela se ache para fazê-lo” (Fromm:1970, p.74).

Essa mesma visão fatalista, de forma ainda mais acentuada, está presente em Calvino     para quem “os que vão para o Céu não o fazem, absolutamente, por seus méritos, assim como os condenados ao Inferno o são simplesmente porque Deus assim o quis. Salvação, ou condenação, são predeterminações feitas antes do homem nascer” (Calvino:1928).

Tais concepções, que negam radicalmente a autonomia do indivíduo, abriram, nolens volens, o caminho para sua submissão às autoridades seculares detentoras do poder de Estado. Estas, na atualidade, têm preponderantemente pautado suas políticas nos exclusivos interesses do capital. Elas visam à desconstrução do modelo socialdemocrata de Estado (o de Bem Estar Social) e sua substituição pelo “Estado mínimo”, mero instrumento da política neoliberal das classes dominantes.

As concepções supramencionadas se afinam com as das mais destacadas igrejas evangélicas – pentecostais ou neopentecostais – inspiradas na chamada Teologia da Prosperidade, que valorizam o sucesso material, o acúmulo de riqueza e soluções puramente individuais para os problemas sociais. Essa adequação nem sempre se dá de forma consciente. Mesmo para os reformadores religiosos em comento teria sido inaceitável a ideia de que a vida do homem viria a transformar-se em meio para alcançar fins econômicos.

Na dicção de Fromm: “Conquanto o seu modo de encarar as questões econômicas fosse tradicionalista, o destaque dado por Lutero à nulidade do indivíduo contrariava essa concepção, abrindo caminho para uma evolução em que o homem não só deveria obedecer às autoridades seculares, mas igualmente subordinar as suas vidas aos fins de realização econômica” (Fromm, 1970: p.75).

De forma similar, a evolução da doutrina calvinista põe em relevo a ideia do sucesso na vida secular ser sinal de salvação (1970, p.80), tema que mereceu a atenção de Max Weber como sendo um importante elo entre a doutrina de Calvino e o “espírito” do capitalismo. Conforme lembra Ghiardelli, pastores das maiores igrejas evangélicas, alcunhadas de “caça- níqueis”, figuram entre as grandes fortunas do país. Nas suas palavras: “A onda conservadora de costumes no Brasil tem a ver com o crescimento dessas igrejas. Bolsonaro é, em grande parte, a sua expressão O atraso cultural desse movimento é um líquido no qual ele gosta de se banhar” (Ghialdelli, 2029, p.78).

A ideologia de Lutero e de Calvino tornou-se hegemônica em várias igrejas, pentecostais e neopentecostais. O pastor de uma igreja – a Central Presbiteriana de Londrina chegou a pedir explicitamente aos seus membros para assinarem o apoio à criação do novo partido de Bolsonaro, a Aliança pelo Brasil (Pacheco, 2020). Desvela-se, portanto, o elo entre os aspectos autoritários das doutrinas dos teólogos, acima mencionados, e os de importantes setores evangélicos, apoiadores do capitão reformado, que promovem a adequação da ideologia religiosa aos valores do mercado.

Como recompensa à contribuição de expoentes calvinistas à sua eleição, Bolsonaro nomeou para o alto escalão de seu governo alguns dos mais destacados dentre eles, como o professor Benedito Aguiar Neto para a presidência da CAPES, o pastor Sérgio Queiroz para a Secretaria de Desenvolvimento Social e o pastor Guilherme de Carvalho para a Diretoria de Promoção e Educação em Recursos Humanos (Pacheco, 2020).

Não podemos, decerto, olvidar que, a despeito das posições de Lutero e Calvino , acima descritas, o protestantismo surgiu, objetivamente, como um movimento de grande impacto, na luta por liberdade e por autonomia, no seio da Igreja Católica. Contudo, o estudo dessa questão extrapola o objetivo desse trabalho.

Ele visa, tão somente, identificar os aspectos fatalistas da doutrina protestante, que favorecem, a nível político, a aceitação do autoritarismo e, no plano econômico, o ideário neoliberal. Tais aspectos conduziram a um notável retrocesso, especialmente em países como o Brasil, ganhando espaço considerável o neopentecostalismo, e, com ele, opções econômicas, morais e políticas de viés conservador.

Simultaneamente, ficou evidenciada a severa diminuição, dentre os pastores evangélicos, da qualidade de sua formação que se dá, frequentemente, em apenas seis meses, enquanto a dos clérigos da Igreja Católica dura pelo menos cinco anos. Tudo isso concorre para que o “núcleo duro” do bolsonarismo tenha alcançado um expressivo número de evangélicos, mediante combinação deletéria de fundamentalismo, baixo nível cultural e concepção de religião impregnada dos valores do mercado.

*Rubens Pinto Lyra, doutor em Ciência Política, é Professor Emérito da UFPB.

Referências

CALVINO, João. Filadélfia: Institutes of Christian Religion. Presbyterian Board of Christian Education, 1928.

FROMM, Eric. O medo à liberdade. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1970. GHIARDELLI, Paulo. A filosofia explica Bolsonaro. São Paulo: Casa dos Mundos, 2019.

PACHECO, Ronilson. Quem são os evangélicos calvinistas que avançam silenciosamente no governo Bolsonaro? Intercept Brasil, 20 fev. 2020.

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Rubens Pinto Lyra Annateresa Fabris Sergio Amadeu da Silveira Valerio Arcary Lucas Fiaschetti Estevez Flávio R. Kothe Fernando Nogueira da Costa Claudio Katz Benicio Viero Schmidt Manuel Domingos Neto Carla Teixeira Everaldo de Oliveira Andrade Priscila Figueiredo Michael Löwy Eduardo Borges Flávio Aguiar Valerio Arcary Lorenzo Vitral Fábio Konder Comparato Carlos Tautz Eliziário Andrade Alexandre de Lima Castro Tranjan Renato Dagnino Ricardo Musse Elias Jabbour Ronald León Núñez João Lanari Bo Osvaldo Coggiola Alexandre Aragão de Albuquerque Gerson Almeida Salem Nasser Marcelo Guimarães Lima Jorge Branco Milton Pinheiro Thomas Piketty Caio Bugiato Luiz Werneck Vianna Francisco Fernandes Ladeira Michel Goulart da Silva André Márcio Neves Soares Celso Frederico Gilberto Lopes José Machado Moita Neto Igor Felippe Santos Alexandre de Freitas Barbosa João Carlos Loebens Luiz Renato Martins Paulo Sérgio Pinheiro Bento Prado Jr. Leonardo Boff Yuri Martins-Fontes Bruno Fabricio Alcebino da Silva Luís Fernando Vitagliano Denilson Cordeiro Michael Roberts Ricardo Abramovay Bruno Machado Andrew Korybko Daniel Afonso da Silva Eugênio Trivinho João Paulo Ayub Fonseca Eugênio Bucci Luis Felipe Miguel Ronald Rocha Ricardo Fabbrini Marcos Aurélio da Silva Francisco Pereira de Farias Paulo Fernandes Silveira Ronaldo Tadeu de Souza Marjorie C. Marona Antonino Infranca Luiz Carlos Bresser-Pereira Marilia Pacheco Fiorillo Leonardo Avritzer Marilena Chauí Vanderlei Tenório Marcos Silva Eleonora Albano José Geraldo Couto Marcelo Módolo João Adolfo Hansen Ladislau Dowbor Berenice Bento Maria Rita Kehl Atilio A. Boron André Singer Rafael R. Ioris Marcus Ianoni Tales Ab'Sáber Anselm Jappe Gabriel Cohn Plínio de Arruda Sampaio Jr. Tarso Genro Andrés del Río Luiz Roberto Alves Airton Paschoa Afrânio Catani Leda Maria Paulani José Costa Júnior Ricardo Antunes Boaventura de Sousa Santos Jean Marc Von Der Weid Francisco de Oliveira Barros Júnior Eleutério F. S. Prado João Feres Júnior Julian Rodrigues Manchetômetro Paulo Capel Narvai José Luís Fiori Henri Acselrad Rodrigo de Faria João Sette Whitaker Ferreira Jorge Luiz Souto Maior Antonio Martins Tadeu Valadares Leonardo Sacramento Érico Andrade Otaviano Helene Dennis Oliveira Lincoln Secco Chico Alencar José Dirceu Armando Boito Daniel Costa Vladimir Safatle Chico Whitaker Mário Maestri Heraldo Campos Luiz Marques Jean Pierre Chauvin Fernão Pessoa Ramos Liszt Vieira Celso Favaretto José Raimundo Trindade Matheus Silveira de Souza Daniel Brazil Remy José Fontana Juarez Guimarães Walnice Nogueira Galvão Luiz Eduardo Soares Alysson Leandro Mascaro Gilberto Maringoni Luiz Bernardo Pericás Paulo Nogueira Batista Jr Paulo Martins João Carlos Salles Antônio Sales Rios Neto Dênis de Moraes Sandra Bitencourt Henry Burnett Kátia Gerab Baggio Bernardo Ricupero Luciano Nascimento Samuel Kilsztajn Mariarosaria Fabris Ari Marcelo Solon Vinício Carrilho Martinez José Micaelson Lacerda Morais Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Slavoj Žižek

NOVAS PUBLICAÇÕES