As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Crise energética e transições na China

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ELIAS JABBOUR*

Para os dirigentes chineses, no momento, é mais importante a mudança nos esquemas de propriedade no país do que garantir uma determinada taxa de crescimento

Tenho sido muito procurado para opinar sobre a atual “crise energética” na China. Tenho conversado bastante sobre isso com Marco Fernandes, editor da Dongs heng News. Morador da China, ele tem me passado informações e opiniões. Estou em fase de elaboração de uma opinião mais de fundo. Quando falo de “mais de fundo”, penso que devemos fugir dos esquemas de oferta/demanda/preços que nos impõem para analisar situações deste tipo. “Tudo se relaciona com tudo”. A China passa por um momento especial e decisivo de sua história que se espelha no aparecimento contradições de múltiplas determinações.

Existe, sim, uma crise de oferta de energia na China. Essa crise tem relação direta com a retomada pós-pandemia e a alta impressionante dos preços de carvão. De acordo com a Morgan Stanley, a demanda chinesa cresceu 15% esse ano e oferta somente 5%. A solução imediata passaria pela permissão de aumento dos preços dos custos de energia por parte do governo. Deverá ser de 10%, resolvendo assim boa parte do problema – já pensando no estoque ao inverno próximo. Mas está aí somente a ponta de um iceberg, a cada dois anos a China precisa acrescentar o equivalente a toda capacidade de geração de energia do Brasil. O refúgio ao carvão deve ser evitado diante da crise ambiental internacional.

Temos que tomar cuidado com a tentativa de justificativa da falência neoliberal no mundo e no Brasil que tem utilizado desta crise na China e na Grã-Bretanha para justificar a crise energética diferente. São três problemas totalmente diferentes. Os investimentos no Brasil só caem desde 2016, enquanto a China não para de investir. Resultado disso foi a descoberta de imensos campos de gás na Mongólia Interior (em um momento de crise de oferta de gás) e ontem de um imenso campo de petróleo em Dongbei.

A questão é que também o governo chinês impôs às províncias do país metas draconianas de redução de emissão de carbono, anunciou o fechamento de minas de carvão fora do país e cancelou importações da Austrália (a China responde por 90% de sua própria oferta). É aí que mora o nó. Honestamente acredito que em questão de semanas essa questão se resolve na China. Aliás, o governo já anunciou que “pagará o preço que for” para garantir o suprimento de energia. Os meios para solucionar esse fim são imensos. O leque de opções não é pequeno. Mas devemos observar isso tudo como parte de um todo.

A China está nesse exato momento passando por uma série de transições simultâneas, entre tais: (1) transição energética; (2) transição de esquemas internos de propriedade e (3) transição de dinâmica de acumulação. Tais transições ocorrem em meio a uma crescente pressão imperialista sobre o país, impondo um ritmo e um tempo político a essas transições que não estavam nos planos dos policy makers chineses há dez anos, por exemplo.

A transição energética é sintetizada na meta de reduzir a zero a emissão de dióxido de carbono para o ano de 2060, alcançando em 2030 o pico de 2030. O governo chinês tem trabalhado sério nesta tarefa. Os dados são abundantes na internet. A China investe mais do que os Estados Unidos e a Europa juntos, na busca por fontes de energia renováveis. Cidades-piloto “inteligentes” têm sido construídas e movidas por fontes renováveis de energia. Nos últimos 20 anos 40.000 km de trens de alta velocidade foram construídas no país. Mas a dependência do carvão ainda é imensa (60% da fonte primária de energia do país). Uma transição dessa não é tranquila.

Um novo ciclo de crescimento econômico no país não será mediado mais por ondas de inovações institucionais que recolocam, ciclicamente, o lugar do Estado e do setor privado na economia – com privatizações seguidas por estatizações. Já não existe mais uma fronteira entre as diferentes formas de propriedade no país, mas o setor privado da economia, ainda poderoso em setores fundamentais da vida chinesa (vide o setor imobiliário) já não responde mais às suas próprias demandas históricas. O que está ocorrendo na China neste momento, aliás desde o final do ano passado, é um novo ciclo de inovações institucionais no país onde formas novas e superiores de estatização estão ocorrendo, o caso da Evergrande e a regulação dos monopólios privados (bigtechs e fintechs) são angulares.

Trata-se de uma operação com alto custo político com impactos ainda a serem verificados. Na verdade, o momento em que a China vive é mais importante a mudança nos esquemas de propriedade no país do que garantir uma determinada taxa de crescimento.

Já a transição na dinâmica de acumulação é algo já em andamento. Os esquemas keynesianos de “demanda agregada” (consumo, investimento e setor externo) apenas nubla, e separa em partes, algo que é uma totalidade. Como Michael Roberts tem apontado, a principal contradição da economia chinesa não é entre mais consumo e menos investimento. A relação entre investimento e consumo não é um jogo de soma zero. Segundo relatórios da Organização Internacional do Trabalho, os salários médios na China aumentaram em média 280% nos últimos dez anos. Isso não ocorreu às expensas da queda da taxa de investimentos.

A grande contradição da economia chinesa reside na necessidade de elevação da produtividade do trabalho, alcançar os países capitalistas neste ponto. Para isso a manutenção de altas taxas de investimentos é fundamental. Entra nesse cálculo o desafio imposto pelo imperialismo que decidiu cancelar a China do mercado internacional de insumos de semicondutores – sabidamente o calcanhar de Aquiles da economia chinesa.

O concreto é expressão de múltiplas determinações. Acredito que cada uma dessas dimensões enseja, em cada momento, um ponto de desequilíbrio à governança chinesa com necessidade de rápida capacidade de intervenção e solução. Até aqui tudo tem sido bem administrado. Com um atraso de dez anos os economistas do mercado financeiro no Brasil anunciam que a China manda um recado de “menos crescimento” (ver a “live do Valor” de comandada pela competente Olivia Bulla).

O recado que a China nos manda e que poucos percebem é que o país está passando por verdadeiras dores do parto de não somente uma transição, mas de múltiplas, ocorrendo de forma simultânea.

*Elias Jabbour é professor dos Programas de pós-graduação em Ciências Econômicas e em Relações Internacionais da UERJ. Autor, entre outros livros, de China Hoje – Projeto Nacional Desenvolvimento e Socialismo de Mercado (Anita Garibaldi).

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Alexandre de Freitas Barbosa Alysson Leandro Mascaro Luiz Marques Tales Ab'Sáber Jean Marc Von Der Weid Celso Favaretto Marcelo Módolo Celso Frederico Fernando Nogueira da Costa Francisco Pereira de Farias Jean Pierre Chauvin Flávio Aguiar Tadeu Valadares Luiz Renato Martins Rodrigo de Faria Marcelo Guimarães Lima João Adolfo Hansen Henri Acselrad Fernão Pessoa Ramos Leonardo Boff João Carlos Salles José Dirceu Ladislau Dowbor Bernardo Ricupero Michael Löwy Maria Rita Kehl Slavoj Žižek Bruno Fabricio Alcebino da Silva Everaldo de Oliveira Andrade Priscila Figueiredo Manuel Domingos Neto Marjorie C. Marona Flávio R. Kothe Remy José Fontana Luiz Roberto Alves Samuel Kilsztajn Milton Pinheiro Bruno Machado Andrew Korybko Denilson Cordeiro Rafael R. Ioris Airton Paschoa Kátia Gerab Baggio Anderson Alves Esteves Daniel Afonso da Silva Luiz Bernardo Pericás Heraldo Campos Ronald León Núñez Marcos Silva Gerson Almeida Leonardo Avritzer Marcus Ianoni Ronald Rocha Afrânio Catani Walnice Nogueira Galvão Vanderlei Tenório Atilio A. Boron Ricardo Fabbrini Eugênio Bucci Marilena Chauí Antonio Martins Lincoln Secco Elias Jabbour Michael Roberts Gabriel Cohn Roberto Noritomi Chico Whitaker Paulo Nogueira Batista Jr Boaventura de Sousa Santos Eugênio Trivinho Paulo Capel Narvai Dênis de Moraes José Geraldo Couto Leda Maria Paulani Paulo Martins Renato Dagnino Paulo Fernandes Silveira Berenice Bento Valério Arcary Luiz Carlos Bresser-Pereira Lorenzo Vitral Vinício Carrilho Martinez Luiz Eduardo Soares Gilberto Lopes Chico Alencar José Machado Moita Neto Marilia Pacheco Fiorillo Liszt Vieira Vladimir Safatle Yuri Martins-Fontes Carlos Tautz Julian Rodrigues Ricardo Abramovay Antonino Infranca Plínio de Arruda Sampaio Jr. José Luís Fiori Jorge Luiz Souto Maior Francisco Fernandes Ladeira João Feres Júnior Bento Prado Jr. Jorge Branco Igor Felippe Santos Osvaldo Coggiola Lucas Fiaschetti Estevez Dennis Oliveira Daniel Brazil Roberto Bueno Marcos Aurélio da Silva André Singer Érico Andrade Luís Fernando Vitagliano Luiz Werneck Vianna Fábio Konder Comparato Benicio Viero Schmidt Thomas Piketty João Carlos Loebens Luis Felipe Miguel Caio Bugiato Eleonora Albano Mariarosaria Fabris Leonardo Sacramento Henry Burnett Ari Marcelo Solon Antônio Sales Rios Neto Juarez Guimarães Manchetômetro André Márcio Neves Soares Gilberto Maringoni Ricardo Antunes Eliziário Andrade José Raimundo Trindade Luciano Nascimento Anselm Jappe Valerio Arcary Salem Nasser José Micaelson Lacerda Morais Tarso Genro Daniel Costa Eleutério F. S. Prado João Paulo Ayub Fonseca Paulo Sérgio Pinheiro José Costa Júnior Ronaldo Tadeu de Souza Alexandre Aragão de Albuquerque Mário Maestri Sergio Amadeu da Silveira Otaviano Helene Armando Boito João Lanari Bo Francisco de Oliveira Barros Júnior Claudio Katz Alexandre de Lima Castro Tranjan Annateresa Fabris Ricardo Musse Luiz Costa Lima João Sette Whitaker Ferreira Rubens Pinto Lyra Sandra Bitencourt Eduardo Borges Carla Teixeira

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada