Crises capitalistas em alta frequência

Imagem: Jeffry Surianto
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por BRUNO MACHADO*

Mudanças bruscas nos rumos da política capitalista só ocorrem em momentos de crise social e econômica

Os ciclos econômicos da economia capitalista preveem períodos de êxtase e épocas de falências, dessa forma, não deveria ser surpresa que crises econômicas ocorram recorrentemente no capitalismo global. O que não é normal dentro desses ciclos econômicos é a frequência cada vez maior das crises geradas pelo setor financeiro do capitalismo, descoladas da produção e distribuição de produtos. Nesse início do século XXI, crises geradas pela financeirização da economia têm sido cada vez mais frequentes e têm causado uma instabilidade generalizada no capitalismo mundial.

Uma das principais causas do aumento da frequência das crises financeiras no capitalismo atual é o avanço da inovação financeira no mercado financeiro, buscando maiores retornos no curto prazo. Outra causa, é o aumento do peso do mercado financeiro na economia global. A reordenação das grandes empresas visando maior distribuição de dividendos causa uma menor taxa de investimento na produção e reduz a produtividade do trabalho potencial da economia. Com uma produtividade que não cresce constantemente em um ritmo moderado, o capitalismo se vê em repetidas crises de baixo crescimento.

A imprevisibilidade e o peso do mercado financeiro sobre a economia reduzam investimento e levam a queda do crescimento econômico. Além disso, as altas artificiais das commodities, via especulação nos preços dos derivativos, e altas dos aluguéis, devido as bolhas imobiliárias causadas também pelo mercado financeiro, geram uma inflação financeira, descolada da demanda agregado da economia e do câmbio.

Para compensar o freio causado pela financeirização na produção, as economias centrais ampliam sua busca por territórios a serem explorados, seja via exploração de novos campos de recursos naturais, seja pela conquista de novos mercados consumidores locais. Já na periferia do sistema, a financeirização exige uma maior superexploracao do trabalho para manter um nível crescente de aumento dos retornos sobre os investimentos das empresas capitalistas.

O avanço do imperialismo no centro e da superexploracao do trabalho na periferia causa, tendencialmente, maiores tensões diplomáticas entre os países centrais, aumentando a frequência de disputas econômicas e, em última instância, até militares. Na periferia, a crise social causada pela crise econômica constante leva a uma radicalização política, que dentro da ideologia dominante do capitalismo, acaba levando a ascensão de governos neofascistas nesses países periféricos, principalmente na América Latina e na Ásia.

Dessa maneira, a inovação financeira e o aumento do peso do mercado financeiro na economia real conduzem a um estado global de mais conflitos entre os países centrais e de governos mais exploratórios e violentos nas periferias. Somente a retomada da lógica da economia produtiva sobre a economia financista e o avanço da consciência de classe entre os trabalhadores poderá frear essa elevação de frequência de crises financeiras, ocorrência de guerras e ascensão de governos neofascistas.

A tarefa de imediato da esquerda é combater a sanha do mercado financeiro, contrapondo os modelos de desenvolvimento industrial produtivo e o modelo neoliberal financista. É evidente que tal contradição não existe nas elites nacionais, o que joga nos partidos de massa de esquerda a tarefa de fazer tal enfrentamento. Entretanto, tais mudanças bruscas nos rumos da política capitalista só ocorrem em momentos de crise social e econômica. E de acordo com a atual ideologia política predominante no Brasil, a probabilidade de um governo de esquerda radical chegar ao poder é muito menor do que a eleição de outro governo neofascista.

*Bruno Machado é engenheiro.


O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • Razões para o fim da greve nas Universidade Federaisbancos 16/05/2024 Por TADEU ALENCAR ARRAIS: A nova proposta do Governo Federal anunciada dia 15 de maio merece debate sobre continuar ou não a greve
  • O negacionismo ambiental e a inundação de Porto Alegreporto alegre aeroporto alagado 14/05/2024 Por CARLOS ATÍLIO TODESCHINI: Porto Alegre tem o melhor sistema de proteção contra cheias do Brasil. É considerado um “minissistema holandês”. Por que esse sistema falhou em sua função de evitar que a cidade fosse alagada?
  • Como mentir com estatísticascadeira 51 18/05/2024 Por AQUILES MELO: Os números apresentados pelo governo federal aos servidores da educação em greve mais confundem do que explicam, demonstrando, assim, desinteresse na resolução do problema
  • A mão de OzaJoao_Carlos_Salles 14/05/2024 Por JOÃO CARLOS SALLES: O dever do Estado brasileiro e a universidade contratada
  • A universidade operacionalMarilena Chauí 2 13/05/2024 Por MARILENA CHAUI: A universidade operacional, em termos universitários, é a expressão mais alta do neoliberalismo
  • A “multipolaridade” e o declínio crônico do OcidenteJosé Luís Fiori 17/05/2024 Por JOSÉ LUÍS FIORI: A defesa da multipolaridade será cada vez mais a bandeira dos países e dos povos que se insurgem neste momento contra o imperium militar global exercido pelo Ocidente
  • O cavalo Caramelocavalo caramelo 15/05/2024 Por LEONARDO BOFF: Há que se admitir que nós não temos respeitado os direitos da natureza com seu valor intrínseco, nem posto sob controle nossa voracidade de devastá-la
  • A greve nas universidades e institutos federais não…caminho tempo 17/05/2024 Por GRAÇA DRUCK & LUIZ FILGUEIRAS: As forças de esquerda e democráticas precisam sair da passividade, como que esperando que Lula e o seu governo, bem como o STF resolvam os impasses políticos
  • SUS, 36 anos – consolidação e incertezasPaulo Capel Narvai 15/05/2024 Por PAULO CAPEL NARVAI: O SUS não foi o “natimorto” que muitos anteviram. Quase quatro décadas depois, o SUS está institucionalmente consolidado e desenvolveu um notável processo de governança republicana
  • A liberdade fake e o Marquês de SadeEugenio Bucci 18/05/2024 Por EUGÊNIO BUCCI: A liberdade fake, a liberdade sádica, que no fundo é a negação de toda liberdade, está levando o Brasil ao naufrágio total

AUTORES

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES