As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Crises capitalistas em alta frequência

Imagem: Jeffry Surianto
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por BRUNO MACHADO*

Mudanças bruscas nos rumos da política capitalista só ocorrem em momentos de crise social e econômica

Os ciclos econômicos da economia capitalista preveem períodos de êxtase e épocas de falências, dessa forma, não deveria ser surpresa que crises econômicas ocorram recorrentemente no capitalismo global. O que não é normal dentro desses ciclos econômicos é a frequência cada vez maior das crises geradas pelo setor financeiro do capitalismo, descoladas da produção e distribuição de produtos. Nesse início do século XXI, crises geradas pela financeirização da economia têm sido cada vez mais frequentes e têm causado uma instabilidade generalizada no capitalismo mundial.

Uma das principais causas do aumento da frequência das crises financeiras no capitalismo atual é o avanço da inovação financeira no mercado financeiro, buscando maiores retornos no curto prazo. Outra causa, é o aumento do peso do mercado financeiro na economia global. A reordenação das grandes empresas visando maior distribuição de dividendos causa uma menor taxa de investimento na produção e reduz a produtividade do trabalho potencial da economia. Com uma produtividade que não cresce constantemente em um ritmo moderado, o capitalismo se vê em repetidas crises de baixo crescimento.

A imprevisibilidade e o peso do mercado financeiro sobre a economia reduzam investimento e levam a queda do crescimento econômico. Além disso, as altas artificiais das commodities, via especulação nos preços dos derivativos, e altas dos aluguéis, devido as bolhas imobiliárias causadas também pelo mercado financeiro, geram uma inflação financeira, descolada da demanda agregado da economia e do câmbio.

Para compensar o freio causado pela financeirização na produção, as economias centrais ampliam sua busca por territórios a serem explorados, seja via exploração de novos campos de recursos naturais, seja pela conquista de novos mercados consumidores locais. Já na periferia do sistema, a financeirização exige uma maior superexploracao do trabalho para manter um nível crescente de aumento dos retornos sobre os investimentos das empresas capitalistas.

O avanço do imperialismo no centro e da superexploracao do trabalho na periferia causa, tendencialmente, maiores tensões diplomáticas entre os países centrais, aumentando a frequência de disputas econômicas e, em última instância, até militares. Na periferia, a crise social causada pela crise econômica constante leva a uma radicalização política, que dentro da ideologia dominante do capitalismo, acaba levando a ascensão de governos neofascistas nesses países periféricos, principalmente na América Latina e na Ásia.

Dessa maneira, a inovação financeira e o aumento do peso do mercado financeiro na economia real conduzem a um estado global de mais conflitos entre os países centrais e de governos mais exploratórios e violentos nas periferias. Somente a retomada da lógica da economia produtiva sobre a economia financista e o avanço da consciência de classe entre os trabalhadores poderá frear essa elevação de frequência de crises financeiras, ocorrência de guerras e ascensão de governos neofascistas.

A tarefa de imediato da esquerda é combater a sanha do mercado financeiro, contrapondo os modelos de desenvolvimento industrial produtivo e o modelo neoliberal financista. É evidente que tal contradição não existe nas elites nacionais, o que joga nos partidos de massa de esquerda a tarefa de fazer tal enfrentamento. Entretanto, tais mudanças bruscas nos rumos da política capitalista só ocorrem em momentos de crise social e econômica. E de acordo com a atual ideologia política predominante no Brasil, a probabilidade de um governo de esquerda radical chegar ao poder é muito menor do que a eleição de outro governo neofascista.

*Bruno Machado é engenheiro.


O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
José Raimundo Trindade Walnice Nogueira Galvão Antônio Sales Rios Neto Igor Felippe Santos Valério Arcary Marcos Silva Mariarosaria Fabris Ricardo Musse Marjorie C. Marona Marcelo Módolo Dênis de Moraes Eliziário Andrade Chico Alencar Marilia Pacheco Fiorillo Daniel Costa Érico Andrade Marcus Ianoni Ronaldo Tadeu de Souza Valerio Arcary Berenice Bento Leda Maria Paulani Juarez Guimarães Marcos Aurélio da Silva Manchetômetro Luiz Bernardo Pericás Luciano Nascimento José Luís Fiori Paulo Nogueira Batista Jr João Paulo Ayub Fonseca Sergio Amadeu da Silveira Gabriel Cohn Anderson Alves Esteves Remy José Fontana Jean Pierre Chauvin João Lanari Bo Vinício Carrilho Martinez José Dirceu Caio Bugiato Paulo Fernandes Silveira João Adolfo Hansen André Márcio Neves Soares José Machado Moita Neto Luís Fernando Vitagliano Bruno Machado Carlos Tautz Milton Pinheiro Ricardo Abramovay Paulo Martins José Geraldo Couto Afrânio Catani Luiz Roberto Alves Bernardo Ricupero Leonardo Sacramento Luiz Werneck Vianna Osvaldo Coggiola Gilberto Maringoni Armando Boito Henry Burnett Lincoln Secco Flávio Aguiar José Micaelson Lacerda Morais Roberto Bueno Gilberto Lopes Annateresa Fabris Henri Acselrad Priscila Figueiredo Slavoj Žižek Celso Favaretto Eleonora Albano Antonino Infranca Daniel Afonso da Silva Francisco Pereira de Farias Dennis Oliveira Samuel Kilsztajn Rubens Pinto Lyra Ari Marcelo Solon Rafael R. Ioris Michael Löwy Gerson Almeida Luis Felipe Miguel Thomas Piketty Renato Dagnino Mário Maestri Kátia Gerab Baggio Celso Frederico Airton Paschoa Plínio de Arruda Sampaio Jr. Manuel Domingos Neto Eleutério F. S. Prado Ricardo Fabbrini Liszt Vieira Maria Rita Kehl Yuri Martins-Fontes Denilson Cordeiro Jorge Branco Bruno Fabricio Alcebino da Silva Alysson Leandro Mascaro Carla Teixeira Boaventura de Sousa Santos Francisco Fernandes Ladeira Chico Whitaker Bento Prado Jr. André Singer Eugênio Bucci Daniel Brazil Fernando Nogueira da Costa Claudio Katz João Sette Whitaker Ferreira Marcelo Guimarães Lima Lucas Fiaschetti Estevez Lorenzo Vitral Elias Jabbour Luiz Costa Lima Paulo Sérgio Pinheiro Ronald León Núñez Tadeu Valadares Paulo Capel Narvai Tarso Genro Leonardo Boff Eugênio Trivinho Jean Marc Von Der Weid Vladimir Safatle Otaviano Helene Luiz Carlos Bresser-Pereira João Carlos Salles Andrew Korybko João Feres Júnior Benicio Viero Schmidt Julian Rodrigues Ricardo Antunes Jorge Luiz Souto Maior Flávio R. Kothe Francisco de Oliveira Barros Júnior Anselm Jappe Luiz Eduardo Soares Leonardo Avritzer Luiz Renato Martins João Carlos Loebens Roberto Noritomi José Costa Júnior Ladislau Dowbor Michael Roberts Fábio Konder Comparato Vanderlei Tenório Ronald Rocha Everaldo de Oliveira Andrade Fernão Pessoa Ramos Alexandre Aragão de Albuquerque Alexandre de Lima Castro Tranjan Antonio Martins Atilio A. Boron Eduardo Borges Marilena Chauí Luiz Marques Tales Ab'Sáber Rodrigo de Faria Alexandre de Freitas Barbosa Heraldo Campos Sandra Bitencourt Salem Nasser

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada