Declaração universal dos direitos humanos

Dora Longo Bahia, Liberdade (projeto para a Avenida Paulista II), 2020 Acrílica, caneta à base de água e aquarela sobre papel 29.7 x 21 cm
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ERALDO SOUZA DOS SANTOS*

A Declaração Universal não só não prevê um direito de resistência à opressão como também foi concebida com o objetivo de não permitir que esse direito tomasse contornos políticos

Nesse domingo último, 10 de dezembro de 2023, a Declaração universal dos direitos humanos fez 75 anos. E durante as comemorações, não se deixou de mencionar mais uma vez a importância do documento enquanto instrumento jurídico e político chave na resistência contra a tirania e a opressão. Após a Segunda Guerra Mundial e os horrores do holocausto, a Declaração Universal abriria uma nova era de respeito à dignidade do ser humano.

Não é incomum, nesse sentido, encontrar em livros de história e manuais jurídicos a asserção de que a Declaração Universal retoma a Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão (1789) redigida durante a Revolução Francesa, cujo Artigo I ditava que “A finalidade de toda a associação política é a conservação dos direitos naturais e imprescritíveis do homem. Esses direitos são a liberdade, a propriedade, a segurança e a resistência à opressão”. Ou de que a Declaração de 1948 recupera elementos centrais da declaração de 1793, que asseverava em seu Artigo XXXV que “quando o governo viola os direitos do povo, a insurreição é, para o povo e para cada parte do povo, o mais sagrado dos direitos e o mais indispensável dos deveres”.

Não devemos esquecer, contudo, que, contrariamente às declarações de 1789 e 1793, a Declaração universal dos direitos humanos não lista o direito de resistência à opressão entre seus artigos. É no preâmbulo que a resistência é tematizada: “Considerando ser essencial que os direitos humanos sejam protegidos pelo império da lei, para que o ser humano não seja compelido, como último recurso, à rebelião contra a tirania e a opressão…”.

É, sem sombra de dúvida, razoável identificar nessa passagem um direito de resistência; o historiador Johannes Morsink, por exemplo, defende que se trata, nesse sentido, de um “direito submerso”. É notável, contudo, que não se trata aqui propriamente de um direito, mas de uma constatação de natureza realista: se e quando os direitos humanos não são protegidos, os seres humanos recorrem à rebelião contra a tirania e a opressão. Não se afirma explicitamente que os seres humanos possuem o direito humano de agir assim. O texto do prefácio soa, antes, como uma advertência aos governantes que buscarão se opor ao novo regime internacional de proteção e implementação de direitos humanos – e não como um esforço de proteger aqueles que resistirão a tirania de tais governos.

E não é um acaso que essa passagem da Declaração Universal tenha sido redigida assim. Como Emma Mackinnon revela em seu trabalho sobre a reinvenção dos direitos humanos no século XX, parte considerável da comissão de redação do documento opôs-se frontalmente à ideia de um direito de resistência à opressão. O que os arquivos da comissão trazem à luz é a percepção de que tal direito seria utilizado para justificar revoluções contra impérios europeus e contra a supremacia branca nos Estados Unidos. Ora, essa não era a intenção dos governos britânico, francês e estadunidense, os principais atores políticos por trás da concepção da Declaração Universal.

Eleanor Roosevelt, por exemplo, recusou a inclusão de um direito de resistência no documento. John Peters Humphrey, jurista canadense, insistiu, contudo, que o direito fosse incluído na Declaração e nos seguintes termos: “Todos têm o direito, individualmente ou em concerto com outros, de resistir à opressão e à tirania”. René Cassin, delegado francês na comissão, defendeu, por sua vez, que a proposta de Humphrey fosse acatada, mas em termos mais precisos: “Sempre que um governo violar de forma grave ou sistemática os direitos humanos e as liberdades fundamentais, os indivíduos e os povos têm o direito de resistir à opressão e à tirania, sem prejuízo de seu direito de recorrer às Nações Unidas”. Em meio aos debates, o compromisso encontrado foi relegar a referência à resistência ao preâmbulo da Declaração.

De um ponto de vista histórico, portanto, a Declaração Universal não só não prevê um direito de resistência à opressão como também foi concebida com o objetivo de não permitir que esse direito tomasse contornos políticos claros no direito internacional que encontrava sua gênese depois da Segunda Guerra. A Declaração não foi concebida com o objetivo de justificar a resistência à opressão colonial e imperial, mas com o objetivo de deixar em aberto a possibilidade de que as potenciais coloniais e imperiais pudessem justificar a resistência à resistência à opressão com o suposto objetivo de proteger os direitos humanos no mundo colonizado.

Não se trata de negar, com isso, as vitórias conquistadas através de outros instrumentos jurídicos como a Carta Internacional de Direitos Humanos e a maneira como subsequentemente as reconfigurações do direito internacional têm aberto caminho para a justificação da resistência, embora, sobretudo sob a forma de protesto pacífico. Trata-se antes de reconhecer que o processo de redação da Declaração Universal foi marcado por uma série de batalhas discursivas com o objetivo não somente de evitar a ressurgência de regimes totalitários como a Alemanha nazista, mas também de proteger a ordem imperialista totalitária vigente.

Se fosse pelos atores políticos que conceberam a Declaração não haveria direito humano de resistência à opressão e à tirania. Foi, sobretudo, durante a Guerra da Argélia (1954–1952) – numa luta anticolonial contra o Império francês, portanto – que a Declaração Universal, assim como a Convenção de Genebra de 1949 e seus Protocolos Adicionais, foram interpretados na prática como garantindo um direito de resistência.

Partindo de uma interpretação da Declaração de 1948, inspirada pela leitura das declarações revolucionárias de 1789 e 1793, os revolucionários argelinos buscaram usar o novo direito internacional para justificar sua luta em termos jurídicos. Foram eles – e não a boa vontade das potências capitalistas e imperialistas – que recentraram a ideia de um direito de resistência na teoria e na prática dos direitos humanos.

René Cassin, que, como vimos, defendeu a inclusão do direito de resistência na Declaração, justificou anos depois a repressão da luta pela independência na Argélia. O direito de resistência, para René Cassin, tinha como objetivo proteger os indivíduos em situações como a França de Vichy, sob ocupação nazista, e não uma colônia francesa contra a metrópole. A violência anticolonial não poderia ser comparada à violência da França, já que o regime francês, em sua missão civilizatória agora rearticulada nos termos da Declaração Universal, estaria buscando levar direitos humanos à Argélia.

Seria a França que estaria do lado dos direitos humanos, dada a sua história política desde a Revolução Francesa, e não os revolucionários argelinos. E não se trataria de um conflito armado internacional – apenas de uma rebelião em território nacional francês –, de forma que as Convenções de Genebra não se aplicariam, e crimes de guerra seriam apenas medidas de emergência justificadas.

Apesar de sua história, temos razões para comemorar os 75 anos da Declaração Universal e para acreditar que, nesse período, ela desempenhou um papel importante na luta contra a tirania e a opressão. Mas foi, sobretudo, o sangue de revolucionários anti-imperialistas durante e após a Guerra da Argélia que radicalizou a interpretação do documento. Da Palestina à Papua Ocidental e além, é essa a herança da Declaração Universal que é urgente que não esqueçamos.

*Eraldo Souza dos Santos é doutorando em filosofia na Universidade Paris 1 Panthéon-Sorbonne.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Claudio Katz Ricardo Antunes Marilia Pacheco Fiorillo Juarez Guimarães Samuel Kilsztajn João Adolfo Hansen João Lanari Bo Francisco de Oliveira Barros Júnior Lorenzo Vitral Eduardo Borges José Machado Moita Neto Jean Marc Von Der Weid Luiz Eduardo Soares Marcos Silva Eugênio Bucci Afrânio Catani Denilson Cordeiro Antonio Martins João Sette Whitaker Ferreira José Costa Júnior Julian Rodrigues Heraldo Campos Carlos Tautz Jorge Branco Eleonora Albano Alysson Leandro Mascaro Rafael R. Ioris Gabriel Cohn Benicio Viero Schmidt Caio Bugiato Milton Pinheiro Walnice Nogueira Galvão Liszt Vieira Ricardo Musse Armando Boito Francisco Pereira de Farias Henri Acselrad André Singer Paulo Nogueira Batista Jr Priscila Figueiredo André Márcio Neves Soares Daniel Brazil Jean Pierre Chauvin Paulo Sérgio Pinheiro Renato Dagnino Sergio Amadeu da Silveira Igor Felippe Santos Fábio Konder Comparato Gilberto Maringoni Flávio Aguiar Dennis Oliveira Andrés del Río Atilio A. Boron João Carlos Salles Michael Löwy Luciano Nascimento Tales Ab'Sáber José Raimundo Trindade Flávio R. Kothe Fernando Nogueira da Costa Mariarosaria Fabris Luis Felipe Miguel Vinício Carrilho Martinez Alexandre de Freitas Barbosa Plínio de Arruda Sampaio Jr. Marcus Ianoni Tarso Genro Matheus Silveira de Souza Ronaldo Tadeu de Souza Luís Fernando Vitagliano Marilena Chauí Luiz Carlos Bresser-Pereira Ricardo Fabbrini Leonardo Avritzer José Dirceu Tadeu Valadares Chico Whitaker Marjorie C. Marona Francisco Fernandes Ladeira Luiz Bernardo Pericás Paulo Martins João Carlos Loebens Manchetômetro Kátia Gerab Baggio Daniel Afonso da Silva Everaldo de Oliveira Andrade Bento Prado Jr. Anselm Jappe Michael Roberts Marcelo Guimarães Lima Maria Rita Kehl Ronald León Núñez Lincoln Secco Leonardo Boff Ricardo Abramovay Paulo Capel Narvai José Micaelson Lacerda Morais João Paulo Ayub Fonseca Marcelo Módolo Leda Maria Paulani Andrew Korybko Lucas Fiaschetti Estevez Luiz Werneck Vianna Celso Frederico Mário Maestri Osvaldo Coggiola Marcos Aurélio da Silva Thomas Piketty Boaventura de Sousa Santos Alexandre Aragão de Albuquerque Rubens Pinto Lyra Chico Alencar Annateresa Fabris Gerson Almeida Fernão Pessoa Ramos Manuel Domingos Neto Sandra Bitencourt Paulo Fernandes Silveira Jorge Luiz Souto Maior Slavoj Žižek Michel Goulart da Silva Valerio Arcary Antônio Sales Rios Neto Ari Marcelo Solon José Luís Fiori Yuri Martins-Fontes Leonardo Sacramento Berenice Bento Eleutério F. S. Prado Vladimir Safatle Rodrigo de Faria Carla Teixeira Bruno Fabricio Alcebino da Silva Bruno Machado João Feres Júnior Eliziário Andrade Ronald Rocha Remy José Fontana Daniel Costa Henry Burnett Celso Favaretto Antonino Infranca Eugênio Trivinho Airton Paschoa Elias Jabbour Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Bernardo Ricupero Dênis de Moraes Érico Andrade Vanderlei Tenório Salem Nasser Luiz Marques José Geraldo Couto Luiz Renato Martins Alexandre de Lima Castro Tranjan Otaviano Helene Luiz Roberto Alves Valerio Arcary Ladislau Dowbor Gilberto Lopes

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada