As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Solidariedade – num israelense bate um coração palestino

Imagem: VH S
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LEONARDO BOFF*

Dois exemplos que são a expressão de nossa humanidade num dos momentos mais sombrios de nossa história atual

Em meio a uma guerra profundamente desproporcional entre Israel e o Hamas, com atos de terrorismo em Israel por um grupo do Hamas em 7 de outubro e consequentemente uma retaliação por parte do governo de Israel, chefiada por Benjamin Netanyahu, tão violenta que se chegou a denunciar como um genocídio. São 3345 crianças mortas e 2060 mulheres, até 31 de outubro, mais de 8 mil civis mortos e milhares de feridos. Depois de tapetes de bombardeios que arrasaram os principais centros e centenas moradias de palestinos, se iniciou uma perigosa invasão israelense da Faixa de Gaza. Como é notório em tais casos, ocoerre um número incalculável de vítimas de ambos os lados. Há os que se desperam em sua fé num Deus justo e bom (“Senhor, onde estás? Por que permites tanta destruição?”) e na própria humanidade, agora negada inequivocamente.

Mesmo assim continuamos a crer que pode haver surpreendente humanidade entre palestinos e judeus. Vejamos dois testemunhos, um de um palestino e outro de um israelense. O primeiro foi relatado pelo jornalista espanhol Ferran Sale no El Pais no dia 7 de junho de 2001 e o segundo testemunhado por mim mesmo.

Eis o primeiro, do palestino: Mazen Julani era um farmacêutico palestino, de 32 anos, pai de três filhos, que vivia na parte árabe de Jerusalém. Certo dia quando estava tomando café com amigos num bar foi vítima de um disparo fatal vindo de um colono judeu. Era vingança contra o grupo palestino do Hamas que, quarenta e cinco minutos antes, em 5 de junho de 2000, havia matado numa discoteca de Tel Aviv inúmeras pessoas mediante um atentado feito por um homem bomba. O projétil entrou pelo pescoço de Mazen e lhe estourou o cérebro. Levado imediatamente para o hospital israelense Hadassa chegou já morto.

O clã dos Julani decidiu aí mesmo nos corredores do hospital de entregar todos os órgãos do filho morto, o coração, o fígado, os rins e o pâncreas para transplantes a doentes judeus. O chefe do clã esclareceu em nome de todos que este gesto não possuía nenhuma conotação política. Era um gesto estritatamente humanitário.

Segundo a religião muçulmana, dizia, todos formamos uma única família humana e somos todos iguais, israelenses e palestinos. Não importa em quem os órgãos vão ser transplantados. Com tanto que ajudem a salvar vidas. Mas achamos os órgãos bem empregados com nossos vizinhos israelenses. Com efeito, no isralense Yigal Cohen pulsa agora um coração palestino.

A mulher de Mazen Julani tinha dificuldades em explicar à filha de quatro anos a morte do pai. Ela apenas lhe dizia que o pai fora viajar para longe e que na volta lhe traria um belo presente. Aos que estavam próximo, sussurrou com os olhos marejados de lágrimas: daqui a algum tempo eu meus filhos vamos visitar a Yigal Cohen na parte israelense de Jerusalém.

Ele vive com o coração de meu marido e do pai de meus filhos. Será grande consolo para nós escutar o coração daquele que tanto nos amou e que, de certa forma, ainda está pulsando por nós.

Este gesto generoso é carregado de significação simbólica. No meio de um ambiente altamente tenso e carregado de ódios, como atualmente, surge uma flor de esperança e de paz. A convicção de que somos todos membros da mesma família humana alimenta atitudes de perdão, de reconciliação e de incondicional solidariedade. No fundo, aqui irrompe o amor que supera os limites de religião, de raça e de ideologia política. São tais virtudes que nos fazem crer numa possível cultura da paz.

Na imaginação de um dos mais perspicazes intérpretes da cultura brasileira, Gilberto Freyre, nosso ensaio civilizatório, não obstante as muitas contradições, consistiu em ter criado um povo capaz de conviver com as positividades de cada cultura e com uma enorme potencialidade de lidar com conflitos (Casa Grande e Senzala).

Eis o segundo, de um israelense, assistido por mim pessoalmente em Estocolmo na Suécia. Por ocasião da concessão do título The Rigth Livelihood Award, considerado o Nobel Alternativo da Paz nos começos de dezembro de 2001 quando entre outros, eu mesmo fui contemplado. Mas um dos galardoados impressionou a todos. Foi o testemunho de um alto oficial israelense, encarregado da repressão aos palestinos. Num enfrentamento foi ferido. Um palestinense o socorreu, prontamente em seu jipe, levando-o para o hospital palestino. Acompanhou-o até ficar são.

De volta a Israel este oficial criou uma ONG de diálogo entre israelenses e palestinos. Tal iniciativa foi considerada como alta traição, levado ao tribunal militar, pois se tratava de estabelecer um diálogo com o inimigo. Mas acabou sendo absolvido e continuou com seu diálogo e foi, por fim, contemplado com o prêmio por suas persistência na busca da paz entre judeus e palestinos.

Aqui se mostra, uma vez mais, a capacidade humana de socorrer o um ferido que o reprimia, como um bom samaritano, na parábola de Jesus. Reconheceu nele um ser humano a ser prontamente acudido.

Já dissemos repetidas vezes em nossas intervenções que o amor e a solidariedade pertencem à essência do humano e estão inscritas até em nosso DNA. Por ser assim, não nos é concedido desesperar face à crueldade e à barbárie que estamos assistindo nas guerras atuais. Elas também são possibilidade do negativo de nossa condition humaine. Mas não podemos deixar que prevaleçam, caso contrário nos devoraremos uns aos outros.

Estes dois exemplos são expressão de nossa humanidade num momento dos mais sombrios de nossa história atual. Eles nos atualizam o esperançar, quer dizer, a invenção das condições reais que garantam o amor e a solidariedade, presentes em cada um de nós. São elas que nos salvarão.

Leonardo Boff é teólogo, filósofo e escritor. Autor, entre outros livros, de Fundamentalismo, terrorismo, religião e paz (Vozes).


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Bruno Fabricio Alcebino da Silva Rubens Pinto Lyra Chico Alencar João Sette Whitaker Ferreira Gabriel Cohn Otaviano Helene João Carlos Salles João Adolfo Hansen Yuri Martins-Fontes Paulo Fernandes Silveira Celso Frederico Claudio Katz Roberto Bueno Luiz Marques Tarso Genro João Paulo Ayub Fonseca José Dirceu Carlos Tautz Caio Bugiato Jean Pierre Chauvin Ari Marcelo Solon Ricardo Fabbrini Eleutério F. S. Prado Luis Felipe Miguel Renato Dagnino Chico Whitaker Ronald León Núñez Michael Löwy Francisco Fernandes Ladeira Juarez Guimarães Osvaldo Coggiola Mário Maestri Milton Pinheiro Antonio Martins Henri Acselrad Manchetômetro Sergio Amadeu da Silveira Gilberto Maringoni Alexandre de Lima Castro Tranjan Tales Ab'Sáber José Machado Moita Neto Lucas Fiaschetti Estevez Daniel Brazil Paulo Martins Carla Teixeira Vinício Carrilho Martinez Rodrigo de Faria Antonino Infranca Julian Rodrigues Gerson Almeida Gilberto Lopes Samuel Kilsztajn Marcelo Guimarães Lima Ricardo Abramovay Anselm Jappe Leonardo Sacramento Flávio Aguiar Francisco de Oliveira Barros Júnior Eleonora Albano Liszt Vieira Bernardo Ricupero Walnice Nogueira Galvão Denilson Cordeiro Celso Favaretto Igor Felippe Santos Remy José Fontana Luís Fernando Vitagliano André Singer Marjorie C. Marona Mariarosaria Fabris Luiz Carlos Bresser-Pereira Plínio de Arruda Sampaio Jr. Fernando Nogueira da Costa Everaldo de Oliveira Andrade Eduardo Borges José Costa Júnior Salem Nasser Leonardo Avritzer Luiz Werneck Vianna José Raimundo Trindade Eugênio Trivinho Francisco Pereira de Farias Bento Prado Jr. Jorge Branco Atilio A. Boron Antônio Sales Rios Neto Andrew Korybko Jean Marc Von Der Weid Paulo Capel Narvai Benicio Viero Schmidt Ladislau Dowbor Ronaldo Tadeu de Souza Rafael R. Ioris Eliziário Andrade Marcelo Módolo Thomas Piketty Sandra Bitencourt Ricardo Antunes Vladimir Safatle Airton Paschoa Luiz Renato Martins Jorge Luiz Souto Maior Roberto Noritomi Marcos Aurélio da Silva Annateresa Fabris Flávio R. Kothe Luiz Roberto Alves Alysson Leandro Mascaro Luiz Bernardo Pericás André Márcio Neves Soares Lincoln Secco Armando Boito Paulo Sérgio Pinheiro Alexandre de Freitas Barbosa Tadeu Valadares Luciano Nascimento Eugênio Bucci Marilia Pacheco Fiorillo Valério Arcary Daniel Afonso da Silva Leda Maria Paulani Dênis de Moraes Slavoj Žižek Boaventura de Sousa Santos Marcus Ianoni João Feres Júnior José Luís Fiori Ricardo Musse José Micaelson Lacerda Morais Alexandre Aragão de Albuquerque Paulo Nogueira Batista Jr Leonardo Boff Anderson Alves Esteves Luiz Eduardo Soares Luiz Costa Lima Marilena Chauí Marcos Silva Elias Jabbour Henry Burnett Dennis Oliveira João Lanari Bo Lorenzo Vitral Fábio Konder Comparato Valerio Arcary Daniel Costa Érico Andrade Heraldo Campos Kátia Gerab Baggio João Carlos Loebens José Geraldo Couto Afrânio Catani Manuel Domingos Neto Vanderlei Tenório Maria Rita Kehl Priscila Figueiredo Michael Roberts Fernão Pessoa Ramos Bruno Machado Berenice Bento Ronald Rocha

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada