As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

O colapso

Imagem_Elyeser Szturm
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

A gravidade desta crise da sociedade capitalista mundial não é a consequência direta e proporcional da grandeza da doença. Mais do que isso, ela é a consequência da extrema fragilidade desta sociedade e um revelador de seu estado real. A economia capitalista é insana nas suas próprias bases

Por Anselm Jappe*

A crise do coronavírus anunciará a morte do capitalismo? Ela levará a sociedade industrial e consumista ao fim? Alguns o temem, outros o desejam. Ainda é cedo demais para dizer. A “reconstrução” econômica e social poderá se revelar tão difícil quanto o momento da epidemia, sob outros aspectos.

O que é certo é que vivemos, ao menos na Europa, o que se aproxima cada vez mais, desde 1945, de um “colapso” – o colapso tão evocado no cinema e na literatura dita “pós-apocalíptica”, mas também pela crítica radical da sociedade capitalista e industrial.

No entanto, a gravidade desta crise da sociedade capitalista mundial não é a consequência direta e proporcional da grandeza da doença. Mais do que isso, ela é a consequência da extrema fragilidade desta sociedade e um revelador de seu estado real. A economia capitalista é insana nas suas próprias bases – e não apenas em sua versão neoliberal. Sua única finalidade é multiplicar o “valor” criado pela simples quantidade de trabalho (“trabalho abstrato”, como nomeia Marx) e representado no dinheiro, sem a menor consideração pelas necessidades e desejos reais dos seres humanos e pelas consequências disso sobre a natureza.

O capitalismo industrial devasta o mundo há mais de dois séculos. Ele é minado por contradições internas, dentre as quais a primeira é o uso de tecnologias que, substituindo os trabalhadores, aumentam os lucros no curto prazo, mas fazem secar a fonte última de todo lucro: a exploração da força de trabalho. Há cinquenta anos, o capitalismo sobrevive essencialmente graças ao endividamento que tomou dimensões astronômicas. As finanças não constituem a causa da crise do capitalismo, ao contrário, elas o ajudam a esconder sua falta de rentabilidade real – mas ao preço da construção de um castelo de cartas cada vez mais vacilante. Podíamos, então, nos perguntar se o colapso deste castelo adviria por causas “econômicas”, como em 2008, ou então ecológicas.

Com a epidemia, um fator de crise inesperado apareceu – o essencial não é, porém, o vírus, mas a sociedade que o recebe. Seja a insuficiência das estruturas de saúde atingidas pelos cortes orçamentários ou o papel da agricultura industrializada na gênese de novos vírus de origem alimentar, seja o incrível darwinismo social que propõe (e não apenas nos países anglo-saxões) sacrificar os “inúteis” à economia ou a tentação dos Estados de estenderem seus arsenais de vigilância: o vírus joga um feixe de luz cruel sobre os becos escuros da sociedade.

Em todo lugar, também, os efeitos do vírus mostram como a situação da classe sustentada pelo lucro, em que se constitui a burguesia mundial, será menos pior do que aquela dos milhões de habitantes das favelas, dos Estados falidos, das periferias ou das classes mais pobres largadas à própria sorte nos centros capitalistas. O vírus favorecerá um processo de aprendizado coletivo?

Ninguém sabe. Entretanto, vários são aqueles que já experimentam o fato de que há muitas coisas sem as quais podemos continuar vivendo sem perder o essencial. Menos trabalho, menos consumo, menos deslocamentos frenéticos, menos poluição, menos barulho… Que possamos conservar o que esta crise tem de positivo! Escutamos muitas propostas razoáveis nestes dias, em todos os domínios. Veremos se elas são como as resoluções do capitão Haddock quando ele promete nunca mais beber uísque se escapar do perigo presente.

*Anselm Jappe é professor na Academia de Belas Artes de Sassari, na Itália, e autor entre outros livros de Crédito à morte: A decomposição do capitalismo e suas críticas (Hedra).

Tradução: Daniel Pavan

Artigo publicado originalmente em no site da Radio France, FranceCulture

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Chico Whitaker Luís Fernando Vitagliano Ricardo Fabbrini João Lanari Bo José Dirceu Lucas Fiaschetti Estevez Luciano Nascimento Marilena Chauí Francisco Fernandes Ladeira Leda Maria Paulani Jorge Luiz Souto Maior Paulo Fernandes Silveira Henri Acselrad Denilson Cordeiro Valério Arcary Carlos Tautz Paulo Nogueira Batista Jr Renato Dagnino Caio Bugiato João Adolfo Hansen Ladislau Dowbor Marjorie C. Marona Luiz Roberto Alves Roberto Noritomi Ricardo Abramovay Daniel Costa Bruno Machado Afrânio Catani Francisco Pereira de Farias Dênis de Moraes Francisco de Oliveira Barros Júnior Michael Roberts Roberto Bueno João Feres Júnior Luiz Marques Remy José Fontana Celso Frederico Bruno Fabricio Alcebino da Silva Maria Rita Kehl Plínio de Arruda Sampaio Jr. Daniel Afonso da Silva Luiz Werneck Vianna Alexandre Aragão de Albuquerque Samuel Kilsztajn Ricardo Musse José Luís Fiori Eugênio Bucci Tarso Genro Ricardo Antunes Jean Marc Von Der Weid Boaventura de Sousa Santos Rodrigo de Faria Manuel Domingos Neto Antônio Sales Rios Neto José Geraldo Couto Eliziário Andrade Luiz Renato Martins Tadeu Valadares Carla Teixeira Ronaldo Tadeu de Souza João Paulo Ayub Fonseca Ronald León Núñez Slavoj Žižek Celso Favaretto Liszt Vieira Sandra Bitencourt Vinício Carrilho Martinez Marcos Aurélio da Silva Luiz Bernardo Pericás Flávio R. Kothe Anderson Alves Esteves Antonino Infranca Vladimir Safatle Ari Marcelo Solon Gabriel Cohn Leonardo Avritzer Chico Alencar Valerio Arcary Flávio Aguiar João Sette Whitaker Ferreira Luiz Costa Lima Vanderlei Tenório João Carlos Salles Walnice Nogueira Galvão Marilia Pacheco Fiorillo Gilberto Maringoni Marcos Silva André Márcio Neves Soares Marcelo Módolo Berenice Bento Atilio A. Boron Alysson Leandro Mascaro João Carlos Loebens Mário Maestri Ronald Rocha Marcelo Guimarães Lima José Costa Júnior Anselm Jappe Fábio Konder Comparato Otaviano Helene Sergio Amadeu da Silveira Antonio Martins Armando Boito Bento Prado Jr. Airton Paschoa Priscila Figueiredo Juarez Guimarães José Machado Moita Neto Dennis Oliveira José Micaelson Lacerda Morais Igor Felippe Santos Julian Rodrigues Bernardo Ricupero Paulo Capel Narvai Leonardo Boff Rafael R. Ioris Leonardo Sacramento Gerson Almeida Everaldo de Oliveira Andrade Osvaldo Coggiola Kátia Gerab Baggio Thomas Piketty Salem Nasser Luiz Eduardo Soares Lorenzo Vitral Alexandre de Lima Castro Tranjan Eleutério F. S. Prado Jean Pierre Chauvin Milton Pinheiro Andrew Korybko Eugênio Trivinho Annateresa Fabris Luiz Carlos Bresser-Pereira Heraldo Campos Henry Burnett Paulo Martins Rubens Pinto Lyra Jorge Branco Luis Felipe Miguel Daniel Brazil Érico Andrade Manchetômetro Michael Löwy Tales Ab'Sáber Marcus Ianoni André Singer Fernão Pessoa Ramos Elias Jabbour Lincoln Secco Fernando Nogueira da Costa Yuri Martins-Fontes Mariarosaria Fabris Paulo Sérgio Pinheiro Benicio Viero Schmidt Eduardo Borges Eleonora Albano Claudio Katz Alexandre de Freitas Barbosa José Raimundo Trindade Gilberto Lopes

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada