Balas de Washington

George Grosz, Air Attack (Fliegerbombe), 1915
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por EVO MORALES AYMA*

Prefácio do livro recém-editado de Vijay Prashad

Este é um livro sobre balas, diz o seu autor. Balas que assassinaram processos democráticos, que assassinaram revoluções e que assassinaram esperanças.

O bravo historiador e jornalista indiano Vijay Prashad emprega toda a sua vontade para explicar e ordenar de forma compreensível e totalizadora o obscuro interesse com que o imperialismo intervém nos países que tentam construir seu próprio destino.

Nas páginas deste livro se documenta a participação dos Estados Unidos do assassinato de lideranças sociais da África, Ásia e da América Latina e nos massacres massivos dos povos que se opõem a pagar com sua própria pobreza os negócios delirantes das corporações multinacionais.

Prashad diz que essas balas de Washington têm um preço: “O preço mais alto é pago pelas pessoas. Porque nestes assassinatos, nesta intimidação violenta, são as pessoas as que perdem suas lideranças em seus locais, um líder camponês, um líder sindical, um líder dos pobres”.

Prashad nos relata de maneira documentada a participação da CIA no golpe de Estado de 1954 contra Jacobo Arbenz Guzmán, presidente da Guatemala democraticamente eleito. Arbenz tivera a intolerável audácia de se opor aos interesses da United Fruit Company.

No Chile, o autor mostra como o governo estadunidense, por meio da CIA, financia, com 8 milhões de dólares, greves e protestos contra Allende.

O que aconteceu no Brasil, no golpe parlamentar que terminou com a destituição da presidenta Dilma Roussef, em agosto de 2016, é um exemplo completo da prática perversa do lawfare, isto é, “o uso da lei como arma de guerra”. O mesmo instrumento foi utilizado contra o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que sofreu 580 dias de prisão como resultado de um julgamento em que a promotoria não apresentou provas concretas, mas apenas “convicções”.

Os tempos mudaram e mudaram os negócios, mas as formas e as respostas do imperialismo apenas se modificaram.

Nós, bolivianos, conhecemos muito bem esta política perversa. Inclusive muito antes dos quase 14 anos de nossa administração do Estado plurinacional da Bolívia, tivemos que enfrentar operações, amedrontamentos e represálias que vinham dos Estados Unidos.

Em 2008, tive que expulsar do país o embaixador estadunidense Philip Goldberg, que estava conspirando com líderes separatistas para lhes dar instruções e recursos para dividir a Bolívia. Naquele momento, o Departamento de Estado estadunidense disse que minhas denúncias eram infundadas. Não sei o que dirão agora, quando é tão evidente a participação da embaixada estadunidense no golpe de Estado que nos derrubou em fins de 2019. O que dirão os futuros pesquisadores que se dedicarem a ler os documentos, hoje secretos, da CIA?

As chamadas doutrinas Monroe e de “Segurança Nacional” tentam converter a América Latina em seu quintal e tentam criminalizar qualquer organização que se oponha a seus interesses e tente construir um modelo alternativo político, econômico e social.

Ao longo das décadas, inventaram uma série de pretextos e construíram uma narrativa para tentar justificar suas criminosas intervenções políticas e militares. Primeiro era a desculpa da luta se soma a desculpa da luta contra o terrorismo.

Este livro traz à memória uma infinidade de ocasiões em que as balas de Washington destroçaram esperanças. O colonialismo utilizou sempre a ideia de progresso de acordo com seus próprios parâmetros e sua realidade. Esse mesmo colonialismo que hoje coloca em crise nosso planeta, que devora os recursos naturais e que concentra a riqueza surgida da devastação diz que nossas leis do Bem Viver são utopias.

Mas se nossos sonhos de equilíbrio com a Pachamama, de liberdade e de justiça social ainda não são realidade ou se viram bloqueadas, isso ocorre principalmente pela intervenção do imperialismo para bloquear nossas revoluções políticas, culturais e econômicas que hasteiam a soberania, a dignidade, a paz e a fraternidade com todos os povos.

Se a salvação da humanidade está longe é porque Washington persiste em utilizar suas balas contra os povos.

Escrevemos estas linhas e lemos estes textos em momentos muito tensos para nosso planeta. Um vírus está colocando a economia mundial em quarentena, e o capitalismo, com sua habitual voracidade e sua necessidade de concentrar riquezas, está mostrando seus limites.

É provável que o mundo que surja deste conturbado ano de 2020 já não seja o que conhecemos. Cada dia se impõe o dever de continuar nossa luta contra o imperialismo, contra o capitalismo e contra o colonialismo. Devemos trabalhar juntos por um mundo em que seja possível mais respeito pelas pessoas e pela Mãe Terra. Para isso, é importante a intervenção dos Estados em favor das maiorias e dos oprimidos. Temos a convicção de que somos a maioria. E que as maiorias, ao fim, vencerão.

*Evo Morales Ayma é ex-presidente da Bolívia.

Referência


Vijay Prashad. Balas de Washington: uma história da CIA, golpes e assassinatos. Tradução: Rafael Tatemoto. São Paulo, Expressão Popular, 2020, 168 págs.

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Claudio Katz Marilia Pacheco Fiorillo Manuel Domingos Neto Valerio Arcary José Costa Júnior Luciano Nascimento Chico Whitaker Rodrigo de Faria Carla Teixeira Celso Favaretto Luis Felipe Miguel Boaventura de Sousa Santos Lincoln Secco Jean Pierre Chauvin Celso Frederico Juarez Guimarães Jean Marc Von Der Weid Rafael R. Ioris Gerson Almeida Igor Felippe Santos João Adolfo Hansen Atilio A. Boron Salem Nasser Ricardo Musse Bento Prado Jr. Andrew Korybko Fernão Pessoa Ramos Walnice Nogueira Galvão Marjorie C. Marona Jorge Branco Alexandre de Freitas Barbosa Eduardo Borges Renato Dagnino Eleonora Albano Ronald León Núñez Yuri Martins-Fontes Érico Andrade Valerio Arcary Armando Boito Ricardo Abramovay Bernardo Ricupero Alysson Leandro Mascaro Vladimir Safatle Paulo Martins Gabriel Cohn Anselm Jappe José Micaelson Lacerda Morais Slavoj Žižek João Sette Whitaker Ferreira Vanderlei Tenório José Dirceu Afrânio Catani João Feres Júnior Julian Rodrigues Leonardo Avritzer Tales Ab'Sáber Priscila Figueiredo Remy José Fontana Gilberto Lopes José Machado Moita Neto Luiz Carlos Bresser-Pereira Kátia Gerab Baggio Alexandre Aragão de Albuquerque Eleutério F. S. Prado Leda Maria Paulani Francisco Fernandes Ladeira Gilberto Maringoni Marcelo Módolo Luís Fernando Vitagliano Chico Alencar Bruno Fabricio Alcebino da Silva Marcos Aurélio da Silva Eugênio Trivinho Dênis de Moraes Maria Rita Kehl João Lanari Bo Leonardo Sacramento Ricardo Antunes Benicio Viero Schmidt Rubens Pinto Lyra Francisco Pereira de Farias Ladislau Dowbor Alexandre de Lima Castro Tranjan João Paulo Ayub Fonseca Paulo Sérgio Pinheiro Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Michael Roberts Henri Acselrad José Geraldo Couto André Singer Everaldo de Oliveira Andrade Francisco de Oliveira Barros Júnior Thomas Piketty Luiz Werneck Vianna André Márcio Neves Soares Luiz Roberto Alves Paulo Nogueira Batista Jr Marcus Ianoni Sergio Amadeu da Silveira Daniel Brazil Andrés del Río Antônio Sales Rios Neto Plínio de Arruda Sampaio Jr. Tadeu Valadares Elias Jabbour João Carlos Salles João Carlos Loebens Annateresa Fabris Mário Maestri Eugênio Bucci Denilson Cordeiro Liszt Vieira Luiz Renato Martins Luiz Bernardo Pericás Milton Pinheiro Manchetômetro Lorenzo Vitral Heraldo Campos Marcos Silva Luiz Eduardo Soares Flávio Aguiar Matheus Silveira de Souza Ronald Rocha Antonio Martins Airton Paschoa Ronaldo Tadeu de Souza Marcelo Guimarães Lima Eliziário Andrade Antonino Infranca Paulo Capel Narvai Paulo Fernandes Silveira Vinício Carrilho Martinez José Raimundo Trindade Michael Löwy Fábio Konder Comparato Daniel Costa Berenice Bento Samuel Kilsztajn Mariarosaria Fabris Sandra Bitencourt Carlos Tautz Flávio R. Kothe Ricardo Fabbrini Marilena Chauí Daniel Afonso da Silva Michel Goulart da Silva José Luís Fiori Leonardo Boff Dennis Oliveira Jorge Luiz Souto Maior Caio Bugiato Osvaldo Coggiola Luiz Marques Ari Marcelo Solon Tarso Genro Otaviano Helene Lucas Fiaschetti Estevez Fernando Nogueira da Costa Henry Burnett Bruno Machado

NOVAS PUBLICAÇÕES