As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Dicotomias dos pensamentos binários

Imagem: Bespectacled Beauty
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por FERNANDO NOGUEIRA DA COSTA*

O “terceiro incluído” implica, em vez de dividir o mundo em apenas duas categorias, reconhecer a presença de um terceiro elemento ou nível capaz de integrar e transcender essas categorias

O dualismo cartesiano, método desenvolvido por René Descartes (1596-1650), é uma abordagem com separação do mundo em duas categorias distintas e independentes: a mente (ou o pensamento) e o corpo (ou a matéria). Esse binarismo é reducionista.

Simplifica a complexidade do mundo ao dividir tudo em apenas duas categorias: racionalismo ou materialismo – dialético ou histórico avant la lettre. É simplificação excessiva da realidade porque muitos fenômenos e aspectos da experiência humana não podem ser adequadamente explicados por uma divisão binária.

O dualismo cartesiano limita nossa compreensão de fenômenos complexos emergentes de interações entre racionalidades e circunstâncias histórica diversas. Por exemplo, questões relacionadas à mente, como a consciência, a emoção e a cognição, estão intrinsecamente ligadas às funções cerebrais e corporais.

Questionamos como pensamentos econômicos e decisões práticas com considerações financeiras interagem, caso sejam considerados categorias independentes. Essa abordagem dualista é desafiadora para a investigação científica, especialmente, em áreas de conhecimento como a Ciência Econômica e as Finanças, onde a compreensão de distintas racionalidades e da psicologia dos investidores/rentistas, estudada em Finanças Comportamentais, é fundamental.

O “terceiro incluído” implica, em vez de dividir o mundo em apenas duas categorias, reconhecer a presença de um terceiro elemento ou nível capaz de integrar e transcender essas categorias. Por exemplo: (i) o pensamento marxista adota o “nós contra eles”, cujo “terceiro incluído” compõe-se de “remediados” entre pobres e ricos; (ii) a alternativa ao conflito entre trabalhadores e capitalistas é lembrar da classe média ou da mais antiga estratificação social entre diversas castas e párias; (iii) o pensamento neoliberal contrapõe Estado ou mercado – e a crítica apela para a existência da comunidade, ou seja, a predominância da sociedade; (iv) contrapõe-se ao reducionismo “público não-bancário” versus “banqueiros” ao salientar todos serem participantes do sistema bancário (clientes PF e PJ, bancos públicos, privados nacionais e estrangeiros, digitais, fintechs etc.); (v) do mesmo modo, contra a opção binária entre economia de endividamento ou economia de mercado de capitais se constata a economia possuir crédito com recursos livres, direcionados e repasses externos, debêntures e ações etc.

A abordagem do “terceiro incluído” busca integrar elementos aparentemente opostos ou separados em uma compreensão mais abrangente. Enxerga como eles interagem e se influenciam, mutuamente, em vez de vê-los como entidades separadas.

Reconhece a complexidade da realidade não ser adequadamente explicada por um simples binarismo. A ciência econômica deve superar as limitações do pensamento dualista e se abrir para uma compreensão mais holística e integrada da realidade.

A inovação disruptiva do pensamento econômico no século XX – a macroeconomia keynesiana/kaleckiana – enfrentou a dicotomia neoclássica, na qual os aspectos “reais” e “monetários” da economia são analisados separadamente uns dos outros. O problema foi os keynesianos bastardos terem feito uma ligação entre a despesa total e o nível de atividade interna e deixado o nível geral de preços no “outro lado” da dicotomia.

Sobre a política macroeconômica, no contexto da dicotomia keynesiana, surgiram dois corolários. O primeiro é o nível de despesa total, em determinado momento não corresponder a um nível de atividade desejável, dado pelo nível de produção, relativo à tendência de crescimento, ou pelo nível de desemprego, registrado para a economia como um todo. O segundo é a taxa de variação ao longo do tempo de custos não corresponder à desejável taxa de variação ao longo do tempo do índice de preços.

Por isso, não é à toa os defensores de uma abordagem keynesiana para as finanças públicas também serem a favor da política de preços e rendimentos como meio de combater a inflação. A dicotomia keynesiana divide-se entre a produção ser determinada pela demanda agregada e os preços serem determinados pelos custos.

Para os keynesianos, o nível de preços é governado principalmente pelo nível dos salários nominais. A pressão da demanda não faria qualquer diferença no nível de preços.

O “princípio hidráulico” se encontra incorporado no modelo keynesiano IS-LM-BP. O “princípio do mark-up” (inclusive margem de lucro) se encontra incorporado nas teorias da inflação à base de “pressão de custos”, em particular, de “pressão dos salários”.

A âncora da moeda no sistema keynesiano tradicional é o salário monetário, pois o valor da moeda está ancorado no nível geral de preços. Este, em termos absolutos, é dado pelo peso do salário nominal agregado.

Variação nesse salário nominal provocará mudanças nos custos e na função demanda dos consumidores, e então em diversos preços e no índice geral de preços. Por ser praticamente o único elemento de custo cujas variações afetam diretamente todos os custos, e por explicar a maior parte do poder de compra, o aumento dos salários pode constituir tanto um choque de custos quanto uma pressão de demanda.

Porém, o salário nominal é considerado uma variável exógena, no modelo keynesiano tradicional, porque é estabelecido não por via de “forças de mercado”, mas sim nas “mesas de negociação” ou por decreto governamental. Sua rigidez à baixa, em termos nominais, implica qualquer alteração de preços relativos transformar-se em alta do nível geral de preços. O índice de preços é uma média ponderada de todos os preços básicos.

Na verdade, portanto, não só a expansão do custo é a causa de inflação. Sem aumento do poder aquisitivo e da demanda, o aumento do custo levaria ao desemprego e à recessão, mas não à inflação. Enfim, salário é custo e massa salarial é demanda agregada.

Tudo isto, porém, é insatisfatório porque não faz menção a dinheiro ou finanças. Criar dicotomias como procedimentos analíticos só facilita ao limitado cérebro humano adaptado ao binarismo, mas não condiz com a análise do complexo sistema capitalista.

Sem a oferta endógena (criada pelas forças do mercado) de moeda sancionar, não haveria aumento contínuo de preços, devido ao risco de perda de mercado. A taxa de juro fixada pelo Banco Central atua como “freio” monetário.

A função analítica das “dicotomias”, em geral, é simplificar drasticamente. Para tanto, o complexo sistema capitalista costuma ser decomposto, isto é, pensado como dois subsistemas, cada qual com certo grau de autonomia: o produtivo e o financeiro.

A análise das interações dentro de cada subsistema costuma ser realizado separadamente da análise de interações entre os dois subsistemas. Os procedimentos analíticos envolvem a escala de tempo sobre o qual se acredita os vários modos de interação operarem, distinguindo “efeitos em curto prazo” – talvez explicáveis – e “efeitos em longo prazo” – não importam porque todos estaremos mortos…

Focar distante passou a ser visto como equivocado e obsoleto, porque teria sido ultrapassado pelo close-up. Narcisistas da self não entendem um sistema complexo…

Integrar a análise produtiva (subsistema “real”) e a análise financeira (subsistema “monetário”) é essencial para uma compreensão abrangente do desempenho de um sistema econômico-financeiro. Visa melhorar a eficiência operacional, otimizar o uso de recursos, maximizar o lucro etc.

Os dados relevantes, atualizados e relacionados ao mesmo período de análise, para ambas as análises, envolvem informações sobre produção, custos de produção, vendas, receitas, despesas, fluxo de caixa, investimentos, entre outros. É necessário identificar relações causais nas conexões entre os dados de produção e os dados financeiros. Por exemplo, como variações na produção afetam a receita ou os custos e daí como as operações produtivas afetam o ambiente financeiro, inclusive as cotações.

Indicadores de desempenho para avaliar a eficiência operacional incluem métricas como a produtividade da mão de obra, a utilização de recursos, taxa de utilização da capacidade etc. Com eles, avalia-se a rentabilidade das operações com cálculos das margens de lucro, retorno sobre o investimento (ROI) e outras métricas financeiras.

Com base na análise integrada, é possível desenvolver estratégias e planos para melhorar a eficiência produtiva e o desempenho financeiro. Isso inclui decisões sobre alocação de recursos, investimentos em produção, precificação de produtos etc.

Com um monitoramento contínuo e integrado, ajustam-se as estratégias, se as condições mudam. O compartilhamento de informações e a colaboração Interdisciplinar dos responsáveis por produção e finanças facilitam a compreensão dos impactos mútuos.

Enfim, a integração da análise produtiva e financeira requer uma abordagem holística e permite uma compreensão profunda das operações de todas as organizações – e da macroeconomia! Supera o binarismo simplório tão assumido por mentes preguiçosas.

*Fernando Nogueira da Costa é professor titular do Instituto de Economia da Unicamp. Autor, entre outros livros, de Brasil dos bancos (EDUSP). [https://amzn.to/3r9xVNh]

Trecho do livro – disponível para download Fernando Nogueira da Costa – Macroeconomistas Comparados Keynes X Kalecki.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
José Micaelson Lacerda Morais Priscila Figueiredo Milton Pinheiro Francisco de Oliveira Barros Júnior Boaventura de Sousa Santos Paulo Martins Eugênio Bucci Luiz Eduardo Soares João Adolfo Hansen Remy José Fontana Valerio Arcary Maria Rita Kehl Liszt Vieira Lincoln Secco Armando Boito Rodrigo de Faria Henri Acselrad Jorge Luiz Souto Maior João Sette Whitaker Ferreira José Geraldo Couto Valério Arcary Paulo Fernandes Silveira Vanderlei Tenório Yuri Martins-Fontes Tarso Genro Afrânio Catani Vladimir Safatle Antônio Sales Rios Neto Renato Dagnino Celso Favaretto Ronald León Núñez Eleutério F. S. Prado Marcus Ianoni Ronaldo Tadeu de Souza Osvaldo Coggiola Vinício Carrilho Martinez Marcelo Módolo Luiz Roberto Alves Ricardo Abramovay Gabriel Cohn Fernão Pessoa Ramos Ricardo Fabbrini Gilberto Lopes Roberto Bueno Paulo Capel Narvai Lorenzo Vitral João Lanari Bo Marcos Aurélio da Silva Ronald Rocha Luiz Marques Mário Maestri Rafael R. Ioris Julian Rodrigues Henry Burnett Salem Nasser Eleonora Albano Mariarosaria Fabris João Carlos Salles Lucas Fiaschetti Estevez Fábio Konder Comparato Andrew Korybko Juarez Guimarães Bernardo Ricupero Francisco Fernandes Ladeira Luis Felipe Miguel Francisco Pereira de Farias Marcos Silva Dennis Oliveira Jorge Branco Luiz Werneck Vianna Dênis de Moraes Bento Prado Jr. José Raimundo Trindade Ladislau Dowbor Eliziário Andrade João Feres Júnior Alysson Leandro Mascaro Otaviano Helene Samuel Kilsztajn Leda Maria Paulani Igor Felippe Santos Benicio Viero Schmidt Paulo Sérgio Pinheiro Luciano Nascimento Airton Paschoa João Carlos Loebens Rubens Pinto Lyra Carlos Tautz Elias Jabbour Flávio Aguiar Daniel Afonso da Silva Carla Teixeira João Paulo Ayub Fonseca Luís Fernando Vitagliano Bruno Fabricio Alcebino da Silva Berenice Bento Walnice Nogueira Galvão Luiz Renato Martins Sergio Amadeu da Silveira Flávio R. Kothe Luiz Costa Lima Atilio A. Boron Michael Löwy Jean Pierre Chauvin Sandra Bitencourt José Machado Moita Neto Leonardo Boff Plínio de Arruda Sampaio Jr. Chico Alencar Eduardo Borges Antonino Infranca Anselm Jappe José Dirceu Fernando Nogueira da Costa Kátia Gerab Baggio Marilena Chauí Alexandre de Lima Castro Tranjan Marcelo Guimarães Lima José Costa Júnior Érico Andrade Slavoj Žižek Gilberto Maringoni Claudio Katz Chico Whitaker Luiz Carlos Bresser-Pereira Celso Frederico Marjorie C. Marona Michael Roberts Everaldo de Oliveira Andrade Manuel Domingos Neto Alexandre de Freitas Barbosa Ricardo Antunes Alexandre Aragão de Albuquerque André Singer Marilia Pacheco Fiorillo Heraldo Campos Leonardo Sacramento Tadeu Valadares André Márcio Neves Soares Daniel Costa Ricardo Musse Annateresa Fabris Daniel Brazil Manchetômetro Leonardo Avritzer Caio Bugiato Eugênio Trivinho Antonio Martins Gerson Almeida Anderson Alves Esteves Thomas Piketty José Luís Fiori Ari Marcelo Solon Bruno Machado Tales Ab'Sáber Jean Marc Von Der Weid Luiz Bernardo Pericás Roberto Noritomi Paulo Nogueira Batista Jr Denilson Cordeiro

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada