Manipulações midiáticas sobre a geopolítica palestina

Torcedores do Celtic fazem protesto pró-Palestina / Reprodução Telegram
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por FRANCISCO FERNANDES LADEIRA*

É importante desvelar a ideologia dos noticiários internacionais, seus mecanismos manipuladores e armadilhas discursivas

Nas coberturas internacionais da grande imprensa brasileira, a linha editorial predominante sempre será aquela que esteja em acordo com os interesses das agendas externas das potências imperialistas. Não há exceção.

Nesse sentido, para tentar atrair a adesão do público, os discursos geopolíticos da mídia recorrem a determinados atalhos cognitivos (recursos linguísticos para tornar inteligível para o cidadão comum a caótica configuração das relações internacionais) e utilizam estratégias de manipulação como enquadramentos, fragmentação dos fatos, ocultação de condicionantes históricos e escolha de certas fontes em detrimento de outras.

No último sábado (7 de outubro), a manchete dos noticiários internacionais dos principais veículos de comunicação do país (com poucas variações) foi a seguinte: “Ataque do grupo terrorista palestino Hamas surpreende Israel”.

Para o leitor/telespectador/ouvinte que não está familiarizado com a geopolítica palestina, a impressão é a de que o Estado de Israel foi “vítima” de um “ataque gratuito” dos “terroristas do Hamas”. No entanto, se trata de pura manipulação midiática.

Conforme afirmou o professor Reginaldo Nasser, em entrevista à Fórum, o rótulo de “terrorista” ao Hamas é completamente inadequado, haja vista que o grupo, atualmente, é uma organização política que, na verdade, deflagrou uma operação militar contra o cerco ao seu território (Faixa de Gaza). Ou seja, não houve um “ataque à Israel”, mas uma “reação legítima” à ocupação israelense exercida sobre o território que pertencente, por direito, ao povo palestino.

Mas as manipulações midiáticas não pararam por aí. Como já bem apontou Perseu Abramo, uma das principais estratégias de manipulação da grande imprensa brasileira é o chamado “padrão de ocultação”, que se refere à ausência e à presença dos fatos reais na produção jornalística. Não se trata, evidentemente, de fruto do desconhecimento, e nem mesmo de mera omissão diante do real. É, ao contrário, um deliberado silêncio militante sobre a realidade.

Desse modo, é ocultado nos noticiários a informação de que Gaza – cercada por terra, mar e ar pelo Estado de Israel – apresenta uma das piores situações humanitárias no mundo (onde a insegurança alimentar é extremamente alta, chegando a 75-80% e, ainda por cima, há um controle rigoroso sobre a entrada de alimentos).

Além disso, é importante lembrar do silêncio midiático sobre a recente onda de ações do governo de extrema direita de Benjamin Netanyahu contra os palestinos, sobretudo em locais sagrados para o Islã, como a Mesquita de Al-Aqsa. Trata-se do motivo alegado pelo Hamas para a ofensiva contra Israel. Qualquer jornalismo minimamente plural, que ouve os dois lados de um conflito, teria mencionado esta questão.

Consequentemente, na grande mídia, as investidas do grupo palestino contra o Estado Sionista não tiveram causas; somente consequências. Desse modo, ocultando os fatos citados acima, é possível construir a narrativa de “ataque terrorista surpresa contra Israel”.

Mas não basta rotular o Hamas como “terrorista” e Israel como “vítima”, constituindo o atalho cognitivo maniqueísta de dividir o mundo entre “bem” e o “mal”. É preciso gerar aquilo que o linguista francês, especialista em análise do discurso, Patrick Charaudeau, chama de “efeito patêmico”, cujo objetivo é o engajamento/envolvimento da instância da recepção, por meio de performance no mundo dos afetos, despertando no público sentimentos como ódio, compaixão, tristeza e/ou solidariedade.

Assim, são incessantemente mostradas imagens das vítimas israelenses dos “ataques do Hamas”. As perdas do outro lado, diga-se de passagem, em número muito maior, são estrategicamente negligenciadas. Não por acaso, as reportagens em Israel privilegiam as perdas humanas; enquanto as notícias sobre Gaza enfatizam as perdas materiais.

Também nessa linha, é construído o discurso de que o exército de Israel visa somente “instalações militares” e o Hamas “ataca, sobretudo, a população civil; logo, é terrorismo”.

Felizmente, essa manipulação foi desmentida pela professora Isabela Agostinelli dos Santos, em plena Globonews, no programa “Edição das 17hs”, ao afirmar que, qualquer pesquisa rápida, é suficiente para se constatar que os bombardeios de Israel atingiram civis e hospitais em Gaza. Portanto, segundo a professora, “os palestinos têm o direito de se defender, da forma como puder”.

No entanto, ao contrário de Isabela Agostinelli dos Santos, a maioria dos “especialistas” ouvidos pela mídia sobre o conflito Israel-Hamas se limitaram a repetir os mesmos chavões, maniqueísmos e lugares-comuns presentes nas “análises” de articulistas “isentos”, como Demétrio Magnoli, Jorge Pontual e Guga Chacra. “A comunidade internacional condena os ataques terroristas do regime do Hamas a Israel”, foi o que mais se ouviu/leu nos noticiários nos últimos dias.

Aqui, os discursos geopolíticos da mídia recorrem a um recurso metonímico, que visa difundir os interesses das grandes potências como se também fossem os interesses de todo o planeta. A expressão “comunidade internacional” não está relacionada a um possível consenso entre as diferentes nações sobre uma questão geopolítica. Ela geralmente reflete tacitamente os posicionamentos dos Estados Unidos e seus aliados.

Países como China, Rússia, Noruega e Suíça, membros da “comunidade internacional”, não rotulam o Hamas como uma “organização terrorista”.

Já o termo “regime” está associado a autoritarismo, desrespeito aos direitos humanos ou ausência de liberdades individuais. Nessa lógica, não vemos nos noticiários referências como “o regime de Israel” ou “o regime dos Estados Unidos”.

Por fim, remetendo à memória geopolítica do público, a mídia hegemônica está tentando emplacar a narrativa de que o “ataque terrorista do Hamas” é o “11 de setembro israelense”.

Isso não é por acaso. O “11 de setembro” talvez seja o maior exemplo de como o “evento midiático” substituiu o “acontecimento histórico” no imaginário coletivo. A maioria das pessoas não lembra do “11 de setembro” em toda sua complexidade, como uma “resposta” dos povos muçulmanos a anos de humilhações impostas pelos Estados Unidos (o “acontecimento histórico”); mas a partir das imagens de indivíduos se jogando desesperadamente das Torres Gêmeas do World Trade Center (o “evento midiático”). Ou seja, lembram da “forma” em detrimento do “conteúdo”.

Assim, os ataques de Al Qaeda e Hamas – contra Estados Unidos e Israel, respectivamente – podem ser percebidos como algo que “aconteceu do nada”, por meio das ações de “fanáticos muçulmanos”.

No entanto, ao contrário de duas décadas atrás, quando os grandes grupos de comunicação reinavam praticamente soberanos no tocante à difusão de informações sobre os principais acontecimentos planetários; atualmente, com as redes sociais, temos acesso a visões alternativas sobre a geopolítica global, o que torna mais difícil para a mídia hegemônica transformar sua construção discursiva em “versão oficial” de um determinado acontecimento (naquilo que Noam Chomsky designava como “consenso fabricado”).

Por isso, mais do que nunca, é importante desvelar a ideologia dos noticiários internacionais, seus mecanismos manipuladores e armadilhas discursivas.

Receptores críticos, que checam informações e comparam diferentes tipos de fontes dificilmente serão alvos vulneráveis às narrativas da grande mídia.

Assim, ao compreendermos a linguagem utilizada pelos veículos de comunicação, não ficamos reféns de uma linha editorial que busca explicações simplórias e tendenciosas para os mais complexos temas da atualidade. Significa, sobretudo, não se tornar um “analfabeto geopolítico”.

*Francisco Fernandes Ladeira é doutorando em geografia pela Unicamp. Autor, entre outros livros, de A ideologia dos noticiários internacionais (CRV). [ https://amzn.to/3ZL4TAD ]


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Tadeu Valadares Ronald Rocha José Costa Júnior Francisco de Oliveira Barros Júnior Marilena Chauí Everaldo de Oliveira Andrade Carlos Tautz Paulo Nogueira Batista Jr Sergio Amadeu da Silveira Antonio Martins Thomas Piketty Ricardo Abramovay Celso Frederico Marcos Silva Francisco Pereira de Farias Armando Boito Paulo Martins Elias Jabbour Jorge Branco Chico Alencar Vladimir Safatle Caio Bugiato Priscila Figueiredo João Sette Whitaker Ferreira Ladislau Dowbor Tales Ab'Sáber Manchetômetro Ricardo Antunes Mariarosaria Fabris André Márcio Neves Soares Valerio Arcary Bruno Fabricio Alcebino da Silva Luciano Nascimento Marcelo Guimarães Lima Leda Maria Paulani João Paulo Ayub Fonseca Liszt Vieira José Machado Moita Neto Mário Maestri José Raimundo Trindade Berenice Bento Renato Dagnino Marcos Aurélio da Silva Luiz Eduardo Soares Leonardo Boff Alexandre de Freitas Barbosa Bruno Machado Plínio de Arruda Sampaio Jr. José Geraldo Couto Luiz Werneck Vianna Salem Nasser Eugênio Bucci Atilio A. Boron André Singer Otaviano Helene Walnice Nogueira Galvão Rodrigo de Faria Rafael R. Ioris Slavoj Žižek Flávio R. Kothe Lincoln Secco Michael Löwy Luiz Marques Fábio Konder Comparato Igor Felippe Santos Andrew Korybko Alysson Leandro Mascaro Vinício Carrilho Martinez Maria Rita Kehl Annateresa Fabris Paulo Fernandes Silveira Airton Paschoa João Adolfo Hansen José Micaelson Lacerda Morais Marcelo Módolo Dennis Oliveira Daniel Costa Alexandre de Lima Castro Tranjan Denilson Cordeiro Paulo Sérgio Pinheiro Eleutério F. S. Prado Michel Goulart da Silva Lucas Fiaschetti Estevez Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Ronaldo Tadeu de Souza Eliziário Andrade Tarso Genro Heraldo Campos Sandra Bitencourt Eduardo Borges Marcus Ianoni José Luís Fiori Marilia Pacheco Fiorillo João Feres Júnior Jorge Luiz Souto Maior Gilberto Lopes Gilberto Maringoni Eugênio Trivinho Paulo Capel Narvai Alexandre Aragão de Albuquerque Daniel Afonso da Silva João Carlos Salles Michael Roberts Bernardo Ricupero Bento Prado Jr. Ricardo Musse Matheus Silveira de Souza Dênis de Moraes Luiz Bernardo Pericás Ricardo Fabbrini Jean Pierre Chauvin Leonardo Sacramento Fernando Nogueira da Costa Afrânio Catani Julian Rodrigues Flávio Aguiar Osvaldo Coggiola João Carlos Loebens Antônio Sales Rios Neto Gerson Almeida Valerio Arcary Remy José Fontana Ari Marcelo Solon Ronald León Núñez Daniel Brazil Vanderlei Tenório Benicio Viero Schmidt Francisco Fernandes Ladeira Antonino Infranca Samuel Kilsztajn Eleonora Albano Henry Burnett Fernão Pessoa Ramos Érico Andrade Luiz Carlos Bresser-Pereira Jean Marc Von Der Weid Milton Pinheiro Leonardo Avritzer Henri Acselrad Rubens Pinto Lyra Luis Felipe Miguel Luiz Roberto Alves José Dirceu Luís Fernando Vitagliano Kátia Gerab Baggio Chico Whitaker Marjorie C. Marona Luiz Renato Martins Manuel Domingos Neto Boaventura de Sousa Santos Carla Teixeira Juarez Guimarães Celso Favaretto Gabriel Cohn Andrés del Río Lorenzo Vitral João Lanari Bo Yuri Martins-Fontes Claudio Katz Anselm Jappe

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada