A violência dos sionistas

Imagem: Cottonbro
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por SAMUEL KILSZTAJN*

A violência dos sionistas começou com o moderno sionismo político, na passagem dos séculos XIX ao XX

A violência dos sionistas em relação aos palestinos não começou em 7 de outubro de 2023, não começou com a direita e o Benjamin Netanyahu no poder, não começou em 1967, não começou em 1947-8, não começou em 1933 e não começou em 1920. A violência dos sionistas começou com o moderno sionismo político, na passagem dos séculos XIX ao XX.

Em O Estado judeu, Theodor Herzl escreveu que, para a Europa, os judeus na Palestina constituiriam uma fortaleza contra a Ásia, um posto avançado da civilização contra a barbárie. E os sionistas estão cumprindo este papel com arrojada eficiência. Este é o motivo para os países ocidentais estarem sempre apoiando o terrorista Estado de Israel.

O moderno sionismo político

No final do século XIX, em decorrência da onda de pogroms no Leste Europeu e do Caso Dreyfus na França, Theodor Herzl, o fundador do moderno sionismo político, se empenhou na criação de um Estado Judeu na Palestina, então sob o domínio do Império Otomano. Theodor Herzl considerava que o antissemitismo, manifesto ou latente, estava arraigado à cultura europeia cristã; e que os judeus eram odiados tanto pelos seus defeitos como pelas suas qualidades.

Apesar da emancipação dos judeus, de seu desempenho como leais patriotas e de sua contribuição para o desenvolvimento da ciência e das artes no seio de cada uma das nações europeias, os judeus continuariam sempre sendo tratados como estrangeiros, desprezados e perseguidos. Em O Estado judeu, Theodor Herzl escreveu que, para a Europa, os judeus na Palestina constituiriam uma fortaleza contra a Ásia, um posto avançado da civilização contra a barbárie.

Contudo, apesar do moderno sionismo político, a imigração para a Palestina era muito pouco expressiva até a ascensão dos nazistas ao poder na Alemanha em 1933. Parte significativa dos judeus europeus aderira ao ideário socialista; e parte significativa imigrava para a Europa Ocidental e, mais propriamente, para os Estados Unidos. Jerusalém, para a grande maioria dos judeus, permanecia sendo a Jerusalém celeste, espiritual, messiânica, a terra prometida, o paraíso.

O Mandato Britânico e a ascensão dos nazistas ao poder

Durante a Primeira Guerra Mundial, a Inglaterra havia prometido a Palestina tanto para os árabes como para os judeus. Em 1917, através de uma declaração de seu secretário para Assuntos Estrangeiros, Arthur Balfour, o Reino Unido se comprometeu a apoiar o estabelecimento de um lar nacional judeu na Palestina, o posto avançado da civilização contra a barbárie. Em 1920, a Liga das Nações estabeleceu o Mandato Britânico da Palestina, que compreendia a Palestina (27 mil km2) e o Emirado da Transjordânia (89 mil km2). Na ocasião, a população da Palestina propriamente dita era composta de 80% de muçulmanos, 11% de cristãos e 9% de judeus. Sob a administração da Inglaterra, tiveram início os primeiros conflitos entre árabes e judeus. E assim foi inaugurado o “antissemitimo” dos muçulmanos, que até então viviam em harmonia com os judeus.

A imigração de judeus para a Palestina aumentou significativamente com a ascensão dos nazistas ao poder em 1933 e principalmente em 1935, com as Leis de Nuremberg (deve-se também levar em consideração que os Estados Unidos haviam restringido a imigração em meados dos anos 1920). Entre 1933 e 1939, quase 300 mil judeus imigraram para a Palestina, triplicando o número de judeus na Terra Prometida.

A partição da Palestina

O moderno sionismo político e os esforços para a criação de um Estado Judeu em território palestino ganharam nova dimensão após o Holocausto da Segunda Guerra Mundial, como uma alternativa para o assentamento dos judeus sobreviventes ameaçados de serem exterminados em suas pátrias perdidas.

Com a independência da Transjordânia em 1946, o Mandato Britânico passou a se restringir à Palestina. Dada a dificuldade de administrar a imigração judaica na Palestina, o Reino Unido anunciou, no início de 1947, sua intenção de renunciar ao mandato e entregar a Palestina para a administração das Nações Unidas.

Os países membros das Nações Unidas, não querendo absorver os sobreviventes judeus, aprovaram o Plano de partição da Palestina em 29 de novembro de 1947, apesar dos protestos dos palestinos e dos países árabes. E, assim, foi criado o posto avançado da civilização contra a barbárie.

Por ocasião da criação do Estado de Israel em maio de 1948, 650 mil judeus e 1,3 milhão de árabes muçulmanos viviam na Palestina. O território que veio a constituir efetivamente o Estado de Israel (21 mil km2, 35% maior que o designado pelo Plano de Partição das Nações Unidas) abrigava 900 mil palestinos; e a Cisjordânia e Gaza (6 mil km2) abrigavam os demais 400 mil palestinos.

Enquanto os israelenses assinavam a Declaração de Independência garantindo igualdade de direitos a judeus e não judeus, cerca de 700 mil palestinos foram expulsos do território ocupado por Israel ou fugiram da zona de combate, para a sua proteção. Os palestinos, que habitavam a região há séculos, não puderam retornar a Israel, tiveram suas propriedades tomadas e expropriadas e foram alojados em Campos de Refugiados na Cisjordânia (administrada pela Jordânia), na Faixa de Gaza (administrada pelo Egito) e nas fronteiras com o Líbano e a Síria.

A expulsão e fuga destes 700 mil palestinos de Israel para os Campos de refugiados garantiram uma maioria judia em Israel, que contava com 650 mil judeus quando o Estado foi criado e passou a contar tão-somente com 200 mil palestinos que foram autorizados a permanecer dentro de suas fronteiras. E, assim, os judeus, que constituíam uma pequena minoria no início do século, passaram o título de minoria para os palestinos.

A ocupação da Cisjordânia e da Faixa de Gaza

A guerra de 1967, a ocupação e os primeiros assentamentos de judeus na Cisjordânia e em Gaza ocorreram durante os governos trabalhistas “de esquerda”, muito antes da direita e de Benjamin Netanyahu ascenderem ao poder. Até 7 de outubro de 2023, os israelenses, assim como os judeus da diáspora, estavam divididos entre sionistas de direita e sionistas de esquerda. Hoje, a grande maioria dos israelenses e dos judeus da diáspora estão umbilicalmente unidos.

Benjamin Netanyahu compara o Hamas aos nazistas. Em sua narrativa, Benjamin Netanyahu esclarece que, depois de derrotar o nazismo, os aliados tomaram a Alemanha para desnazificá-la pela raiz. Israel vai fazer o mesmo, vai ocupar Gaza e não vai entregá-la à OLP (que também é contra o Estado de Israel); Gaza vai ser administrada por algum poder que vai deshamasnizá-la pela raiz. Dá até para adivinhar o próximo passo na agenda de Benjamin Netanyahu, Israel vai ocupar a Cisjordânia, que também será administrada por algum poder que vai desopelezá-la pela raiz.

O posto avançado da civilização contra a barbárie

Embora haja associações de judeus antissionistas, tanto os israelenses como os judeus da diáspora, em sua grande maioria, são sionistas de direita ou “de esquerda”, defendem a existência do Estado de Israel e negam o direito ao retorno dos palestinos às suas casas e cidades. E, com o apoio do mundo ocidental “civilizado”, os israelenses, em seu cotidiano, violentam e desumanizam os “bárbaros” palestinos, de modo a justificar o seu extermínio.

Entre as manifestações palestinas contra o genocídio palestino, uma das mais poderosas, por décadas, tem sido o trabalho da cineasta Mai Masri, que enaltece a sensibilidade e humanidade do povo palestino, mesmo forçado a viver em condições deploráveis há mais de sete décadas.

Cresce atualmente em todo o mundo, principalmente entre jovens judeus e não judeus, os protestos contra o genocídio palestino. Apesar dos sionistas se empenharem em qualificar os antissionitas de antissemitas, entre as muitas organizações de judeus antissionistas, encontram-se os judeus ortodoxos Satmar e os Neturei Karta. O símbolo dos Neturei Karta é o mapa da Palestina com as cores da bandeira palestina do rio ao mar, à esquerda, e a bandeira de Israel cortada por um X à direita. Seria possível identificar esses judeus ortodoxos antissionistas como judeus antissemitas?

*Samuel Kilsztajn é professor titular em economia política da PUC-SP. Autor, entre outros livros, de Returnees.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Luiz Marques Marjorie C. Marona Paulo Capel Narvai José Raimundo Trindade Sergio Amadeu da Silveira Jorge Luiz Souto Maior Bento Prado Jr. Celso Favaretto Elias Jabbour Bruno Machado Annateresa Fabris Francisco de Oliveira Barros Júnior Anselm Jappe Fernando Nogueira da Costa Lucas Fiaschetti Estevez Caio Bugiato Andrés del Río Atilio A. Boron Marcos Aurélio da Silva João Adolfo Hansen Leonardo Sacramento Paulo Nogueira Batista Jr Ronald Rocha Marcus Ianoni Benicio Viero Schmidt Airton Paschoa Leonardo Boff Ari Marcelo Solon Celso Frederico Tadeu Valadares Leda Maria Paulani Dennis Oliveira Michael Roberts Priscila Figueiredo Paulo Fernandes Silveira Rodrigo de Faria Chico Whitaker Matheus Silveira de Souza Marcelo Guimarães Lima Otaviano Helene Luiz Eduardo Soares Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Mariarosaria Fabris Daniel Costa Julian Rodrigues Henri Acselrad Michael Löwy João Feres Júnior André Márcio Neves Soares Leonardo Avritzer José Dirceu Tales Ab'Sáber Francisco Pereira de Farias Marilia Pacheco Fiorillo Slavoj Žižek Andrew Korybko Vanderlei Tenório Boaventura de Sousa Santos Henry Burnett Luiz Renato Martins Flávio R. Kothe Rubens Pinto Lyra Claudio Katz João Sette Whitaker Ferreira Érico Andrade Flávio Aguiar Alexandre de Freitas Barbosa Luiz Carlos Bresser-Pereira Dênis de Moraes Gerson Almeida João Carlos Loebens Gabriel Cohn Ricardo Abramovay Ricardo Antunes Luiz Werneck Vianna Samuel Kilsztajn Lincoln Secco Bernardo Ricupero Milton Pinheiro Ladislau Dowbor Jean Marc Von Der Weid Michel Goulart da Silva Eliziário Andrade Paulo Martins Marcelo Módolo Antonio Martins João Lanari Bo Valerio Arcary André Singer Carla Teixeira Yuri Martins-Fontes Jorge Branco Osvaldo Coggiola Ricardo Musse Luciano Nascimento Manuel Domingos Neto Daniel Afonso da Silva Eugênio Trivinho Marcos Silva Juarez Guimarães Tarso Genro Salem Nasser Igor Felippe Santos Mário Maestri Remy José Fontana Alexandre Aragão de Albuquerque Luiz Bernardo Pericás Thomas Piketty Walnice Nogueira Galvão Everaldo de Oliveira Andrade Eduardo Borges Armando Boito José Micaelson Lacerda Morais José Costa Júnior Antonino Infranca Daniel Brazil Alysson Leandro Mascaro Luis Felipe Miguel Jean Pierre Chauvin Renato Dagnino João Paulo Ayub Fonseca Maria Rita Kehl Afrânio Catani Alexandre de Lima Castro Tranjan Sandra Bitencourt Ricardo Fabbrini Antônio Sales Rios Neto Eugênio Bucci Fábio Konder Comparato Rafael R. Ioris José Geraldo Couto Paulo Sérgio Pinheiro José Machado Moita Neto Liszt Vieira Vinício Carrilho Martinez João Carlos Salles Ronaldo Tadeu de Souza Berenice Bento Luiz Roberto Alves José Luís Fiori Chico Alencar Eleonora Albano Marilena Chauí Kátia Gerab Baggio Ronald León Núñez Gilberto Lopes Heraldo Campos Manchetômetro Valerio Arcary Francisco Fernandes Ladeira Eleutério F. S. Prado Vladimir Safatle Denilson Cordeiro Plínio de Arruda Sampaio Jr. Lorenzo Vitral Fernão Pessoa Ramos Gilberto Maringoni Carlos Tautz Luís Fernando Vitagliano Bruno Fabricio Alcebino da Silva

NOVAS PUBLICAÇÕES