As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Sobre a Ku Klux Klan

Käthe Kollwitz, Mulher e criança morta, 1903.
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JOÃO VICTOR UZER*

A Klan, o nazismo e o fascismo não estão estáticos no tempo, são instituições que estão vivas e atuantes como atesta o professor desfilando com a roupa da KKK em escola de Santo André

No dia 21 de dezembro começou a circular na internet a imagem de um professor de história em Santo André, São Paulo, desfilando no pátio da escola com uma roupa da Ku Klux Klan. A atitude do professor foi repudiada, mas a Ku Klux Klan entrou nos assuntos mais falados daquela manha. Um dos debates dizia que a Klan era, na verdade, uma instituição de esquerda. De fato a Klan nasceu na metade final do século XIX como uma resposta democrata sulista aos “republicanos radicais” que adotavam estratégias políticas de proteção legal e concessão de cidadania a escravos recém-libertos a fim de criar um corpo eleitoral. Mas isso é o suficiente para dizer que a Klan é (ou ao menos foi) uma “instituição de esquerda”?

 

A Klan na história

No pós-guerra de secessão (1861-1865), para os democratas (e racistas) sulistas, a emancipação escravocrata e o plano republicano de transformá-los em eleitorado, significava a mudança de um governo virtuoso e patriótico para um governo corrupto, ignorante e estúpido. Para combater os republicanos e a entrada de negros em seus estados (e ao mesmo tempo, para expulsá-los), os agentes democratas reavivaram a tradição das milícias “reguladoras” e patrulhas de escravos, “associações”, “sociedades” e “clubes de cavalheiros” que vieram a se tornar a Klan.

Esses homens da Klan acreditavam e promoviam a ideia de que os negros eram incitados a estuprar as mulheres nas reuniões republicanas. Acreditavam que os sindicatos republicanos estimulavam assaltos, incêndios e assassinatos. Acreditavam e promoviam em seus jornais que o sul estava em decadência porque juízes republicanos livravam criminosos. A violência da Klan e sua propaganda conseguiu atrasar o voto dos negros em oito estados. Governos estaduais sulistas que não adotaram a segregação entraram em colapso diante de intimidação nas urnas por parte de grupos paramilitares. A Klan havia cumprido seu papel. Pois então, está dito. A Klan nasceu de partidários democratas.

A segunda onda da Klan é marcada em 1915. Inspirado pelo filme Birth of a Nation (que retrata a Klan como protetora dos valores americanos, defensor das mulheres contra os negros burros, brutos e sexualmente agressivos), William Simmons, reunindo amigos e conhecidos, reviveu a KKK. A “nova Klan” não expressava exatamente os mesmos princípios reacionários do início. Não advogava direta e abertamente contra avanços sociais, nem contra os republicanos. Os homens da “nova Klan” tomaram uma postura mais moralista e social que diretamente política. Exigiam um governo aberto e honesto, estruturas de base como saneamento básico e estradas modernas. A ala religiosa, brigava pela aplicação da moralidade protestante conservadora, pela Lei Seca (que proibia o consumo e produção de bebida alcoólica).

Assim, o principal inimigo mudou. Não mais os republicanos e seu plano de construir uma república negra no sul, mas qualquer grupo que representasse alguma ameaça aos valores americanos sulistas (que incluiu os católicos, os judeus, os negros, comunistas e imigrantes). A “nova Klan” passou a promover a ideia de que havia um plano em ação para “catolizar” os Estados Unidos, que o número de católicos havia subido consideravelmente. Lojas católicas foram boicotadas, católicos foram demitidos de escolas. Os judeus foram acusados de tentar tirar a Bíblia das escolas. Entre 1915 e 1940 a Klan teve mais de quatro milhões de membros. Foi nesta época que, em defesa da moral e bons costumes, surgiu o jornal “Cidadão de Bem”.

Durante a crise dos anos 1930, com a miséria e o desemprego, a resposta do governo democrata de intervenção estatal na economia (o New Deal) foi reconhecido pelos Republicanos como uma guinada em direção ao comunismo. Na Klan, o discurso racista e anticomunista foi fundido aos discursos contra as ações intervencionistas do governo federal, associando um poder central ao comunismo. Enquanto o governo redefinia o tradicional liberalismo estadunidense num novo liberalismo keynesiano, a Klan acusou essa mudança como uma violência contra os direitos fundamentais dos Estados Unidos. Mas vale ressaltar que “comunista”, no auge da Guerra Fria, tornou-se no sul um termo genérico para descrever quase qualquer um que não compactuasse com a “ortodoxia racial” da Klan. Qualquer um que defendesse direitos civis, liberdades sexuais ou mesmo casamento “inter-racial”, era um “comunista” que queria destruir a família tradicional.

Ao longo dos anos 1940 e 50, o anti-semitismo voltou a primeira linha dos inimigos da Klan. Nos anos 1960 e 70, o negaciosismo do holocausto e a teoria de que tudo não passava de uma conspiração judaica ganhou notoriedade entre os membros. Mas, apesar disso, a Klan não nutriu nenhuma afeição ao nazismo alemão. Com exceção de um pequeno grupo no norte que se filiou ao Partido Nazista de George Lincoln Rockwell (fundado em 1959), a maioria dos homens da Klan – muitos dos quais chegaram a lutar na Europa – repudiava o nazismo por ser uma forma totalitária e não cristã de tirania.

Mas entre os anos 1960 e 70, o Comitê de atividades Americanas da Câmara declarou que as atividades da Klan eram anti-americanas e terroristas. O FBI, por sua vez, acelerou o programa COINTELPRO – White Hate Group e foi contra a Klan. Em 1972 a United Klans of America declarou em seu jornal: “O governo dos Estados Unidos] foi transformado [em] em uma monstruosidade corrupta, antinatural e degenerada… precisamos colocar uma bala em seu cérebro e martelar uma estaca em seu coração. Se isso significa sangue e caos e lutar contra o inimigo estrangeiro de casa em casa em cidades em chamas por todo o país, então por Deus é melhor continuarmos com isso agora do que mais tarde”.

Foi o início do período que veio a ser reconhecido como a “nazificação da Klan”, em que o grupo tornou-se ainda mais radical. Sustentando a visão de que professores judeus reprimiam a fé cristã de seus alunos; que mulheres judias promoviam o feminismo e o homossexualismo; e que havia uma conspiração judaica envolvendo o governo, a mídia e os bancos, para acabar com a raça branca através de ações afirmativas, casamento inter-racial, promoção da homossexualidade, aborto e mais. Na década de 1980, a Klan descentralizou-se. A ação do FBI fez com que os militantes racistas rejeitassem a organização hierárquica tradicional da Klan e se organizasse em células menores.

Mas o que há mais a ser dito? A Klan foi criada pelos democratas, logo é de esquerda. Bem, essa é uma das afirmações que são ao mesmo tempo tecnicamente corretas e extremamente erradas. A Klan foi sim criada por partidários democratas, mas isso nem de longe faz dela (nem nunca fez) “De esquerda”. A começar pelo fato de que o que entendemos “de esquerda” (ou “liberal” nos Estados Unidos, como o partido democrata é comumente denominado) é uma terminologia do início do século XX, justamente da época do New Deal (de governo democrata) que a Klan foi abertamente contra. Ou seja, quando o Partido Democrata tornou-se “a esquerda” como entendemos, a Klan foi contra.

Por outro lado, além do racismo (como se fosse possível dissociar a KKK do racismo) o que a Klan defendeu e defende até hoje são valores nacionalistas, religiosos (protestante cristã) e morais. Advogando não só contra negros e minorias em geral, mas contra a imigração, ações afirmativas, políticos de esquerda, comunismo e além. A última grande ação da Klan foi em 2017, protestando contra a retirada de uma estátua do general confederado Robert E. Lee, em um parque público em Charlottesville, Virgínia.

Em 2015, no estado da Carolina do Sul, Dylann Roof invadiu a Emanuel African Methodist Episcopal Church, a mais antiga do gênero no sul dos Estados Unidos, e deixou nove mortos num ato de terrorismo domésticos. Autodeclarado supremacista branco e neonazista, Roof exibia a bandeira confederada em diversas fotos. Em 2017, o conselho da cidade de Charlottesville, na Virgínia, decidiu remover uma estátua do general confederado Robert E. Lee. A primeira reação foi da Ku Klux Klan que fez uma manifestação em protesto a decisão. Mas meses depois, com a liderança de Jason Kessler, que se reconhece como uma “nacionalista branco” e alt-right, foi organizado a manifestação que viria a ser denominada como Right United. O movimento foi reconhecido como uma tentativa de unir diferentes grupos da extrema direita a fim de construir uma unidade em torno do presidente Trump. John Spencer (um dos fundadores do que hoje reconhecemos como a Alt-right), durante a marcha, exclamou “Viva Trump, viva nossa gente, viva a vitória”. Os participantes variavam de neo-confederados, neonazistas, Ku Klux Klan (incluindo o ex-Grande Dragão David Duke), alt-rights e mais.

O discurso predominante era de preservação da “história branca” e da “cultura europeia” que estaria sendo atacada pela esquerda cosmopolita e multicultural, pela “grande mídia”, e lideranças do Partido Democrata. Proliferam-se teorias de que a “elite branca” facilita a imigração ilegal pois se beneficia da mão de obra barata.

 

Onde querem chegar?

Sim, a Ku Klux Klan nasceu de uma resposta democrata às políticas abolicionistas republicanas; Sim, o partido nazista denominava-se Nacional-Socialista; e sim, Zumbi viveu numa sociedade escravocrata. Daí fazer afirmações como a Klan foi de esquerda, Nazismo é de esquerda e Zumbi tinha escravos, é levar para o passado visões do presente, é a mais básica forma de anacronismo. Afirmações vazias que em nada contribuem para o debate histórico.

Sobre o professor que se vestiu como um membro da Klan, o profissional foi afastado. Mas, mais importante (e adequado) de se questionar do episódio, não é a discussão sobre o espectro político da Klan, mas sim o quanto objetos históricos (digamos, controversos) podem ser materializados em sala de aula para fins educacionais. Não foi o caso, o professor estava fantasiado numa ocasião festiva, não tinha finalidade educativa, mas fica o questionamento.

Em 2018, no Espírito Santo, um professor de história fantasiou-se com uma farda nazista numa aula temática. Em 2017, no Recife, um professor causou polêmica ao ornamentar a sala de aula com bandeiras nazistas ao lecionar sobre totalitarismo. Esses professores sofrem punições e foram criticados nas redes sociais, mas defendidos por seus alunos. O professor que se vestiu no Espirito Santo foi apoiado pelos num abaixo-assinado, afirmando que não houve apologia ou romantização dos crimes nazistas, mas sim a aplicação de uma didática.

O caso de Dylann Roof, nos Estados Unidos, por si já demonstra os perigos de empunhar símbolos que representam entidades que professam o ódio. Mas não precisamos ir muito longe para ver esse efeito. Em 2021, em Santa Catarina, um homem invadiu uma creche deixando cinco mortos. As investigações revelaram a existência de células neonazistas atuantes no Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná e mais. Segundo a estimativa, o número de células neonazistas no Brasil cresceu de 75 em 2015 para 530 em 2021. Evidente que existem múltiplas explicações para esse fenômeno. Mas isso só demonstra como é precisamos ser cada vez mais sensíveis ao chamarmos atenção para símbolos de ódio. Mesmo que seja com teor didático.

A Klan, o nazismo e o fascismo não estão estáticos no tempo (seja no século XIX ou XX), são fenômenos e instituições metamórficas que se adéquam aos tempos (e, não que isso importe, mas não são de esquerda!). São instituições que estão vivas e atuantes, não mais queimando cruzes, mas atacando creches, atirando em igrejas e atropelando pessoas. Mais que nunca, na história recente, é preciso ter cuidado com seus símbolos.

*João Victor Uzer é mestre em história social pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ).

 

Referências


Sobre a Klan e o fascismo racial nos Estados Unidos, utilizei principalmente os trabalhos de Tattiana Poggi e o verbete Ku Klux Klan de John Drabble do livro Conspiracy Theories in American History. No mais foram consultados as reportagens abaixo:

JARDINA, Ashley. White identity politics isn’t just about white supremacy. It’s much bigger.. Washington Post. August 16, 2017. Disponível em: <https://www.washingtonpost.com/news/monkey-cage/wp/2017/08/16/white-identity-politics-isnt-just-about-white-supremacy-its-much-bigger/>

LEMOS, Vinícius. ‘Um ídolo para eles’: investigação sobre neonazistas revela admiração a autor de massacre em Suzano. BBC. 22/12/2021.. Disponível em: <https://www.bbc.com/portuguese/brasil-59733205>

MELLO. Igor. Investigação de massacre em creche de SC revelou células nazistas no Rio. Uol. 16/12/2021. Disponível em: <https://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2021/12/16/investigacao-de-massacre-em-creche-de-sc-revelou-celulas-nazistas-no-rio.htm>

PALMEIRA, Fran. Professor do Recife causa polêmica ao decorar sala com bandeiras nazistas.  Folha de Pernambuco. 11/04/17: Disponível em: <https://www.folhape.com.br/noticias/professor-do-recife-causa-polemica-ao-decorar-sala-com-bandeiras-nazis/24050/>

QUEIROGA, Lius. Professor de História se veste de nazista para dar aula no Espírito Santo. O Globo. 25/09/2018: Disponível em: <https://oglobo.globo.com/brasil/professor-de-historia-se-veste-de-nazista-para-dar-aula-no-espirito-santo-23096443>

REUTERS. Klan members rally against removal of General Lee statue in Virginia. Reuters. July 8, 2017: Disponível em: <https://www.reuters.com/article/us-virginia-klan-idUSKBN19T142>

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
João Carlos Salles Luiz Bernardo Pericás Atilio A. Boron Ricardo Musse Gilberto Maringoni Manuel Domingos Neto Francisco de Oliveira Barros Júnior Renato Dagnino Everaldo de Oliveira Andrade Daniel Afonso da Silva Chico Whitaker Luciano Nascimento Gilberto Lopes Osvaldo Coggiola Airton Paschoa Elias Jabbour Leda Maria Paulani Luiz Renato Martins Leonardo Boff José Costa Júnior João Feres Júnior José Geraldo Couto Anderson Alves Esteves Sergio Amadeu da Silveira Celso Frederico Mário Maestri Flávio R. Kothe Vinício Carrilho Martinez Gabriel Cohn Ronald Rocha Benicio Viero Schmidt Luiz Werneck Vianna Carlos Tautz Marcos Aurélio da Silva José Luís Fiori Ladislau Dowbor Tadeu Valadares José Micaelson Lacerda Morais Roberto Bueno Alexandre Aragão de Albuquerque Marcos Silva Yuri Martins-Fontes Bernardo Ricupero Ronaldo Tadeu de Souza Roberto Noritomi Afrânio Catani Eugênio Bucci Alexandre de Lima Castro Tranjan Caio Bugiato Gerson Almeida Luiz Marques Denilson Cordeiro José Raimundo Trindade Flávio Aguiar Andrew Korybko Julian Rodrigues Samuel Kilsztajn Thomas Piketty Berenice Bento Jorge Luiz Souto Maior Tarso Genro Ricardo Abramovay Francisco Fernandes Ladeira Salem Nasser João Paulo Ayub Fonseca Heraldo Campos Valério Arcary Michael Löwy Eleutério F. S. Prado Eliziário Andrade Luiz Eduardo Soares Boaventura de Sousa Santos Luiz Costa Lima Sandra Bitencourt Leonardo Avritzer Rodrigo de Faria Plínio de Arruda Sampaio Jr. João Adolfo Hansen Igor Felippe Santos Jorge Branco André Singer Bruno Machado Paulo Fernandes Silveira Paulo Capel Narvai Valerio Arcary Kátia Gerab Baggio Alexandre de Freitas Barbosa Rafael R. Ioris Alysson Leandro Mascaro Fernando Nogueira da Costa Luis Felipe Miguel Eduardo Borges Dênis de Moraes José Dirceu Priscila Figueiredo Marcelo Guimarães Lima Maria Rita Kehl José Machado Moita Neto Michael Roberts Armando Boito Ronald León Núñez Antônio Sales Rios Neto Francisco Pereira de Farias Luiz Carlos Bresser-Pereira João Sette Whitaker Ferreira Bruno Fabricio Alcebino da Silva Marilena Chauí Henry Burnett Chico Alencar Paulo Sérgio Pinheiro Marjorie C. Marona Leonardo Sacramento Lincoln Secco Tales Ab'Sáber Eleonora Albano Fábio Konder Comparato João Lanari Bo Anselm Jappe Henri Acselrad Walnice Nogueira Galvão Luís Fernando Vitagliano Slavoj Žižek Milton Pinheiro Marilia Pacheco Fiorillo Carla Teixeira Daniel Costa Fernão Pessoa Ramos Mariarosaria Fabris Annateresa Fabris Claudio Katz Daniel Brazil Ricardo Fabbrini Lucas Fiaschetti Estevez Vladimir Safatle Remy José Fontana Celso Favaretto Vanderlei Tenório Paulo Nogueira Batista Jr Ricardo Antunes Otaviano Helene Antonio Martins Érico Andrade Dennis Oliveira Marcelo Módolo Antonino Infranca Liszt Vieira Eugênio Trivinho Manchetômetro Marcus Ianoni Bento Prado Jr. Paulo Martins Jean Pierre Chauvin João Carlos Loebens Juarez Guimarães Lorenzo Vitral Rubens Pinto Lyra Jean Marc Von Der Weid Ari Marcelo Solon Luiz Roberto Alves André Márcio Neves Soares

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada