As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Dismorfia financeira

Imagem: Vijay Sadasivuni
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por FERNANDO NOGUEIRA DA COSTA*

As implicações que o dinheiro tem na vida prática e psíquica do brasileiro

Sou também professor de Finanças comportamentais para planejamento da vida financeira. Meu objetivo nesse curso é propiciar educação financeira para universitários. Outro dia me deparei com uma expressão nova referente à essa especialização: “dismorfia financeira”. Era o título de uma pesquisa do will Bank, executada pelos institutos de pesquisa Skim e Flor de Marcas, para investigar como uma relação conflituosa com dinheiro pode impactar diferentes aspectos de nossa vida.

Buscava o entendimento da situação financeira do brasileiro – um arquétipo questionável do agente representativo de todos os distintos habitantes deste território –, desde suas fontes de renda, seus comportamentos em compras, até questões sobre identificação, autoestima e percepção comparativa com a realidade financeira dos outros habitantes do país. Focalizou o gasto (ou não) de dinheiro.

Tal como sugerem os estudos de psicologia dos investidores (ou dos gastadores consumistas), a pesquisa detectou a pressão emocional em decisões sobre como usar o dinheiro tão exigente de esforço para se ganhar. Registrou os efeitos psicológicos negativos como a sensação de inadequação ou a comparação frequente – e “quem compara, perde!”.

Cerca de 70% dos entrevistados não usaram palavras positivas para descrever sua vida financeira atual. Para 47%, quando nela pensava, a ideia vinda à mente era negativa.

No entanto, a amostra da pesquisa parece ser enviesada porque só considerou a faixa de idade entre 18 e 40 anos. Essa idolatria pela juventude, baseada na ilusão do jovem ter o monopólio de todas as boas coisas da vida, talvez seja por constituir o público-alvo do banco digital patrocinador da pesquisa.

Jung, ao contrário de Freud, via a vida como uma contínua série de metamorfoses. A realização de uma meta de vida é tanto um ideal pelo qual lutar quanto uma tarefa a ser feita com esforço e força de vontade. Os 40 anos com a esperada “crise da meia-idade”, devido à não realização de sonhos juvenis, mesmo em casos bem-sucedidos profissionalmente, são descritos por Jung como uma fase de “crise do desenvolvimento” (psicológico) para obter maior expansão. A entrada na segunda metade da vida é, por conta dessa crise, dolorosa.

A primeira metade da vida, segundo Jung, seria devotada em marcar nossa presença no mundo ao acumular dinheiro, ampliar as conquistas sociais e educar os filhos. Porém, no início da segunda metade da vida, haveria uma espécie de fim no avanço anterior, com o sujeito paralisado psicologicamente ao explorar seu ego. Muitas neuroses têm raízes no trabalho árduo enfrentado diariamente pela pessoa. As dificuldades dos quarentões são causadas pelo medo e sua resistência a enfrentar a crise do desenvolvimento psicológico e a consequente mudança para o amadurecimento.

Sintomas vistos como patológicos por freudianos são encarados por junguianos como saudáveis sinais de crescimento. Implicam em colocar um fim à tendência de auto repressão no sentido de assumir uma maior realização da personalidade, possível de conduzir o ser humano a um tipo diferente de vida com outras atividades ou mesmo experimentações de novos relacionamentos sexuais e/ou afetivos.

Na primeira crise de desenvolvimento psicológico, a da adolescência entre os 12 e 18 anos, há uma confusão de identidade. Nessa fase, adquire-se uma noção mais coerente de “quem sou eu”, levando em conta o passado, o presente e o futuro esperado.

Em termos de consumo, refere-se à passagem dos bens da moda, típico da mentalidade infantil “eu quero porque os outros têm”, para a mentalidade juvenil dos bens esnobes, inversamente, “eu quero porque os outros não têm”. Expressa o desejo de individualização, ou seja, ser reconhecido na sua particularidade dentre a multidão. Pior é a mentalidade senil de “eu quero porque é caro”. Refere-se à busca desenfreada de status social com a comparação da posse de bens de luxos.

Em geral, os modelos de ciclos de vida financeira consideram os indivíduos apenas a partir do estágio entre 18 e 35 anos, quando se busca intimidade em lugar de isolamento. Nessa fase jovem, seduzimos, e se construímos vínculos fortes, amamos.

Essa sedução custa caro, mas os planejamentos financeiros, de acordo com os ciclos de vida, propõem essa ser, contraditoriamente, a fase de acumulação de patrimônio financeiro e/ou imobiliário. Sugere aí determinar os objetivos na vida, poupar o máximo, aprender a investir melhor, assumir riscos até construir uma família própria.

Então, na meia-idade, inicia-se a busca de manutenção do poder aquisitivo do patrimônio com investimentos conservadores sem risco em bolsa de valores ou dólar. Finalmente, na terceira-idade, libera-se o gasto do patrimônio na aposentadoria, provavelmente, mais com a saúde e os cuidadores na fase de doença mental.

Na vida real, costuma ser o inverso dessa sugestão ao assumir uma atitude conservadora do dinheiro, após os 50 anos, quando seria justamente a fase para aproveitar o acumulado, principalmente, após a aposentadoria aos 65 anos. “Aperta o cinto” aí – e não na fase da acumulação de riqueza, quando se torna jovem adulto, por causa do instinto de reprodução sem o autocontrole propiciado por educação financeira.

Daí muitos não acumulam até os rendimentos dos investimentos financeiros em juros superarem a renda do trabalho, indicando uma independência financeira. Aos 65 anos, dispondo de reserva financeira equivalente à nove vezes a sua renda anual, é possível aposentar e sacar durante vinte anos (com taxa de juro de poupança 0,5% ao mês) de modo a manter o padrão de vida alcançado antes. Se trabalhar até os 75 anos e tiver esperança de vida até os 95 anos, acumule doze vezes a renda anual. Só. É suficiente.

De acordo com a citada pesquisa, 90% dos brasileiros não conseguem comprar tudo necessário para sua satisfação, tampouco contam com reservas financeiras para o futuro. Só suprem o básico e pouco sobra para eventuais imprevistos como a pandemia.

Originalmente, dismorfia, também conhecida como Transtorno Dismórfico Corporal (TDC) ou dismorfofobia, é um transtorno psicológico no qual a pessoa possui uma preocupação excessiva e distorcida em relação à sua aparência física. Causa sofrimento emocional e impacta negativamente a vida diária, os relacionamentos e a autoestima. Leva à ansiedade, depressão, isolamento social e até mesmo pensamentos suicidas.

Dismorfia financeira se refere à condição capaz de afetar a forma como diferentes pessoas percebem a própria realidade financeira, ou seja, de quanto dinheiro tem. Ela se baseia na falta de pertencimento a um padrão criado por quem já tem muito dinheiro. O autojulgamento a compara diante de quem já está no topo da pirâmide da riqueza.

O sarrafo a saltar é móvel porque a riqueza é relativa – e não absoluta. O padrão do topo é inalcançável inclusive porque ele se altera de acordo com a especulação com ações predominante em um mercado de rumores ou boatos. Renda variável flutua…

A pesquisa indicou: homens brancos da classe AB1 costumam mais descrever a sua situação financeira como estável. Nesse grupo, 58,1% deram respostas positivas quando, na amostra geral, foram apenas 28,7%. Além deles, 22,5% consideraram-na neutra. Só para 19,4% falar de dinheiro era sinônimo de problema diante de 47,3% no geral.

Dinheiro se compra algo mais além de coisas, mas hoje é muito difícil se adquirir uma condição cultural de classe sem dispor de educação. Escolaridade, experiência de mundo e conexões impactam na intelectualidade, conhecimento e cultura pessoal.

A estética do ‘bom gosto’ se impõe e leva ao maior distanciamento da dismorfia. A definição de consumo, estética, cultura e autoimagem colocam barreiras psicológicas invisíveis por razão de ser imaginada como construída apenas em cima do dinheiro.

A “vitimização” costuma considerar inalcançáveis as distâncias sociais. Em vez de se conformar com a dismorfia, melhor seria cultivar a cultura através do estudo contínuo e esforçado. Ao longo da vida, com a aquisição possível de capacitação profissional necessária e suficiente, é aprendido até lidar com a insaciável busca pela ascensão social.

Muitos adultos, tendo passado dificuldades durante a infância, tentam, depois, curar os traumas do passado por meio do consumismo. Por isso, 79% dos entrevistados disseram ter desejo de consumir muitas coisas desejadas na infância e adolescência.

Não se adquire a sensação de pertencimento com comportamento de turista, ou seja, aproveitar as coisas apenas de passagem. Permanece o sentimento de outros ganharem mais facilmente coisas só possíveis de ser conquistadas com muito esforço.

“Ser rico”, definido como pertencer a outros grupos distantes da sua realidade, imobiliza em lugar de buscar a educação e a cultura propícias aos empreendimentos ou à carreira profissional desejada. Prefiro a definição de “ser rico” como a sensação de trabalhar com o qual gosta, de maneira criativa (ou não alienada), e ainda pagarem bem por isso…

*Fernando Nogueira da Costa é professor titular do Instituto de Economia da Unicamp. Autor, entre outros livros, de Brasil dos bancos (EDUSP).

A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Jorge Luiz Souto Maior Celso Favaretto Gilberto Maringoni Vanderlei Tenório José Raimundo Trindade Juarez Guimarães José Luís Fiori Rafael R. Ioris Ronald León Núñez Anderson Alves Esteves Marcos Silva Henry Burnett Armando Boito Chico Alencar Marilia Pacheco Fiorillo Luiz Renato Martins Antônio Sales Rios Neto Otaviano Helene Leda Maria Paulani Marilena Chauí Luiz Eduardo Soares Yuri Martins-Fontes Sergio Amadeu da Silveira Alexandre de Lima Castro Tranjan João Sette Whitaker Ferreira Luiz Carlos Bresser-Pereira Alexandre de Freitas Barbosa Igor Felippe Santos Remy José Fontana Bento Prado Jr. Thomas Piketty João Lanari Bo Vladimir Safatle Everaldo de Oliveira Andrade André Singer Daniel Brazil José Geraldo Couto Tadeu Valadares Annateresa Fabris Leonardo Sacramento Ronaldo Tadeu de Souza Henri Acselrad João Adolfo Hansen Marcelo Módolo Dennis Oliveira Salem Nasser Jean Marc Von Der Weid Lincoln Secco Priscila Figueiredo Lucas Fiaschetti Estevez Jorge Branco Sandra Bitencourt Fernão Pessoa Ramos Paulo Martins Leonardo Avritzer João Carlos Salles Fernando Nogueira da Costa Carlos Tautz Boaventura de Sousa Santos Daniel Costa Mário Maestri Walnice Nogueira Galvão Kátia Gerab Baggio Flávio Aguiar Rodrigo de Faria Paulo Capel Narvai Érico Andrade Tarso Genro Eugênio Trivinho Fábio Konder Comparato Eleonora Albano Mariarosaria Fabris Osvaldo Coggiola Luiz Bernardo Pericás Luís Fernando Vitagliano Plínio de Arruda Sampaio Jr. Luiz Marques Elias Jabbour Celso Frederico Flávio R. Kothe Valério Arcary Marcos Aurélio da Silva Caio Bugiato Andrew Korybko Ronald Rocha Eduardo Borges Dênis de Moraes José Costa Júnior Luciano Nascimento Milton Pinheiro Marjorie C. Marona Marcus Ianoni Ricardo Musse Ricardo Abramovay Michael Roberts Anselm Jappe Luis Felipe Miguel Roberto Noritomi Roberto Bueno Manchetômetro José Micaelson Lacerda Morais Luiz Costa Lima Eugênio Bucci Antonino Infranca André Márcio Neves Soares Ricardo Fabbrini Paulo Sérgio Pinheiro Paulo Nogueira Batista Jr Leonardo Boff João Paulo Ayub Fonseca Afrânio Catani Denilson Cordeiro Airton Paschoa Samuel Kilsztajn Michael Löwy Alexandre Aragão de Albuquerque Marcelo Guimarães Lima José Machado Moita Neto Gilberto Lopes Maria Rita Kehl Eliziário Andrade Bruno Fabricio Alcebino da Silva Alysson Leandro Mascaro Valerio Arcary Julian Rodrigues Francisco Pereira de Farias João Feres Júnior Paulo Fernandes Silveira Liszt Vieira Berenice Bento Bernardo Ricupero Gerson Almeida Bruno Machado Ricardo Antunes Carla Teixeira Antonio Martins Manuel Domingos Neto Francisco Fernandes Ladeira Slavoj Žižek Chico Whitaker Gabriel Cohn Jean Pierre Chauvin Renato Dagnino Luiz Roberto Alves Ladislau Dowbor Claudio Katz Rubens Pinto Lyra Daniel Afonso da Silva José Dirceu Lorenzo Vitral Francisco de Oliveira Barros Júnior Benicio Viero Schmidt João Carlos Loebens Eleutério F. S. Prado Vinício Carrilho Martinez Heraldo Campos Atilio A. Boron Luiz Werneck Vianna Tales Ab'Sáber Ari Marcelo Solon

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada