As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

As laranjas de França Júnior

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por AFRÂNIO CATANI*

Comentário sobre o livro de microcontos “As laranjas iguais”

Dia 10 de janeiro de 1989 foi um dia terrível: um acidente na estrada Belo Horizonte – João Monlevade ceifou a vida, aos 52 anos, de Oswaldo França Júnior (1936-1989) – ele que ingressara na Aeronáutica aos 17 anos e teve a carreira bruscamente interrompida pelo golpe militar de 1964.

Oswaldo França Júnior, a partir desse trauma, começou a escrever para sobreviver. Sua carreira de escritor deu certo: recebeu prêmios, teve livros traduzidos para a Alemanha, Estados Unidos, França, Tchecoslováquia e para a então União Soviética. Foram 14 livros entre 1965 e 1989, sendo que Jorge, um brasileiro (1967) foi adaptado para o cinema com direção de Paulo Thiago (1988).

Confesso que não havia lido nada de Oswaldo França Júnior até novembro de 2021, quando meu amigo Alessandro de Lima Francisco, que acaba de ser nomeado diretor de programa no exterior do Collège International de Philosophie de Paris, me presenteou com os microcontos de As laranjas iguais, reunindo 62 narrativas. Após o sumário, como se fosse uma epígrafe, aparece o primeiro deles, que justifica, a meu ver, o título do pequeno volume: “Aqueles que andam pelo campo e vêem as duas laranjas maduras e iguais, como podem saber que uma é boa e outra é ruim? Somente levando-as à boca?”

O conjunto de contos dedica-se ao cotidiano das pessoas, histórias simples, relatando dor, angústia, limitações, medo, solidão. São desiguais, mas preciosos e, vários deles, magníficos. Transcrevo, a seguir, 4 deles.

 

A espera

“A pessoa mais íntima que eu conheço é minha mulher. Deito-me com ela, comemos na mesma mesa, trocamos de roupa no mesmo quarto e meus filhos são filhos dela. Eu trabalho na rua e ela sai apenas comigo. A pessoa mais íntima que eu conheço é minha mulher. Ela vive num mundo e eu vivo em outro. A linguagem que eu falo ela não fala, e ela vive comigo e é a dona de minha casa”.

 

Cinco dias de sol

“Durante cinco dias me deixaram ao sol. Não me deram água e ficaram esperando que eu me desidratasse. Mas não conseguiram porque a mulher que eu tenho me trouxe saliva em sua boca. Eu, que já havia desistido de amar profundamente, fui salvo pela saliva que esta mulher querida me trouxe em seus lábios. Deixaram-me cinco dias ao sol e durante cinco dias eu me queimei e senti medo. Mas a mulher que eu tenho me salvou. Salvou-me com a doce saliva da sua boca”.

 

Os homens do subúrbio

“Os que moram nos subúrbios trabalham no centro da cidade e recebem o pagamento no fim do dia. Pela manhã, quando chegam na praça, vêem sobre as bancas de madeira os peixes frescos e grandes que os caminhões trouxeram pela madrugada. Mas pela manhã ainda não trabalharam e não têm dinheiro. E eles passam o dia pensando nos peixes frescos e grandes estendidos sobre as bancas de madeira. À tarde, voltam com dinheiro e, quando se aproximam das bancas, sentem o mau cheiro: os peixes ficaram todo o dia ao sol e estragaram-se. Os homens dos subúrbios, então, levam para suas famílias outras coisas em vez de peixe fresco”.

 

Miríades

“Em torno de mim voam pequenos bichos que estão sempre a colidir com meu corpo. São tão pequenos e voam com tanta energia que a cada colisão me atravessam lado a lado. E sinto um constante cruzar desses pequenos bichos dentro de mim. Meu corpo vai adquirindo pequenos furos até o dia em que se decomporá. Nesse dia os pequenos bichos passarão a colidir entre si, e em pouco tempo restará apenas o meu espírito sem corpo e sem o incômodo dessas constantes colisões”.

 

Desconcertantes, inesperados, bruscos, cortantes, os contos raramente ultrapassam uma página. Leitura prazerosa e cativante, que pode ser encontrada, ainda, em mais alguns dos mini escritos, como são os casos de, entre outros, “O roubo do sol”, “Eu não o conheci”, “O caçador de ídolos”, “O jegue cego”, “O nome”, “As cruzes do caminho”, “O haraquiri”.

*Afrânio Catani é professor titular aposentado da Faculdade de Educação da USP e atualmente é professor sênior na mesma instituição. Professor visitante na faculdade de Educação da UERJ, campus de Duque de Caxias.

 

Referência


Oswaldo França Júnior. As laranjas iguais: contos. Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 2a. ed. 1996, 96 págs.

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Alysson Leandro Mascaro Rodrigo de Faria Chico Whitaker Atilio A. Boron Gilberto Maringoni Luís Fernando Vitagliano Bruno Machado Luis Felipe Miguel Érico Andrade Luiz Bernardo Pericás Paulo Nogueira Batista Jr Anderson Alves Esteves Benicio Viero Schmidt Luciano Nascimento João Lanari Bo André Singer Gerson Almeida Armando Boito Salem Nasser Eleutério F. S. Prado Samuel Kilsztajn Berenice Bento Liszt Vieira Eugênio Bucci José Machado Moita Neto Lincoln Secco Sergio Amadeu da Silveira Francisco Pereira de Farias Paulo Sérgio Pinheiro Yuri Martins-Fontes Milton Pinheiro Ronald León Núñez Michael Löwy Ricardo Musse José Dirceu Gabriel Cohn Chico Alencar Bento Prado Jr. Tarso Genro Thomas Piketty Maria Rita Kehl Bernardo Ricupero Antonio Martins João Sette Whitaker Ferreira Flávio R. Kothe Marcelo Módolo Leonardo Boff Claudio Katz Luiz Roberto Alves Manchetômetro Daniel Costa Tadeu Valadares Lucas Fiaschetti Estevez Fernão Pessoa Ramos Eleonora Albano Eduardo Borges Henri Acselrad André Márcio Neves Soares Valério Arcary João Carlos Salles Alexandre de Freitas Barbosa Alexandre Aragão de Albuquerque Luiz Costa Lima Paulo Fernandes Silveira Tales Ab'Sáber Remy José Fontana Mário Maestri José Micaelson Lacerda Morais Michael Roberts Priscila Figueiredo Airton Paschoa Boaventura de Sousa Santos Jean Marc Von Der Weid Antonino Infranca João Adolfo Hansen Jorge Luiz Souto Maior Marjorie C. Marona Jorge Branco Leonardo Avritzer Paulo Martins Ricardo Antunes Heraldo Campos Renato Dagnino Walnice Nogueira Galvão Caio Bugiato Marcelo Guimarães Lima Elias Jabbour Mariarosaria Fabris Juarez Guimarães João Feres Júnior Dennis Oliveira Ladislau Dowbor Vladimir Safatle Vanderlei Tenório Plínio de Arruda Sampaio Jr. Bruno Fabricio Alcebino da Silva Ronald Rocha Ari Marcelo Solon Flávio Aguiar Luiz Renato Martins Fábio Konder Comparato Rafael R. Ioris Francisco Fernandes Ladeira Roberto Bueno José Raimundo Trindade Lorenzo Vitral Kátia Gerab Baggio Gilberto Lopes Luiz Eduardo Soares Antônio Sales Rios Neto Marilena Chauí Daniel Brazil Leda Maria Paulani Francisco de Oliveira Barros Júnior Ricardo Abramovay Fernando Nogueira da Costa Everaldo de Oliveira Andrade Denilson Cordeiro Igor Felippe Santos Rubens Pinto Lyra Paulo Capel Narvai Luiz Werneck Vianna Marcos Silva Otaviano Helene Celso Favaretto Daniel Afonso da Silva Eliziário Andrade Annateresa Fabris Valerio Arcary José Luís Fiori Afrânio Catani Marcus Ianoni João Carlos Loebens Carlos Tautz Luiz Marques Carla Teixeira Henry Burnett Leonardo Sacramento Osvaldo Coggiola Julian Rodrigues Anselm Jappe José Costa Júnior Manuel Domingos Neto José Geraldo Couto Roberto Noritomi Jean Pierre Chauvin Ricardo Fabbrini Sandra Bitencourt Dênis de Moraes Marcos Aurélio da Silva João Paulo Ayub Fonseca Ronaldo Tadeu de Souza Luiz Carlos Bresser-Pereira Slavoj Žižek Marilia Pacheco Fiorillo Vinício Carrilho Martinez Andrew Korybko Eugênio Trivinho Alexandre de Lima Castro Tranjan Celso Frederico

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada