As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Ditadura relativa e negacionismos: Brasil, 1964 (2016, 2018…)

Hans Hofmann, Laburnum, 1954
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por GILBERTO MARINGONI*

Comentário sobre o livro recém-lançado de Marcos Silva

As interpretações sobre a ditadura militar brasileira seguem em aberto. Não se trata apenas de julgar responsabilidades de operadores e mandantes de crimes cometidos pelo regime encerrado em 1985 – tarefa não enfrentada por nenhum governo de lá para cá –, mas de constatar que o ciclo iniciado pelo golpe de 2016 representa a repetição da História como chanchada. O chamado “mito”, eleito dois anos depois, esforça-se por criar uma mitologia heroica dos 21 anos de chumbo através do esculacho da memória coletiva.

Reinterpretar e redefinir o que foram aqueles tempos significa mexer em camadas entrelaçadas do tempo histórico. Apesar de trabalhos respeitáveis, as quase quatro décadas que nos separam do último general a usurpar a chefia do Executivo foram férteis também na criação de narrativas enviesadas, que saltam da “ditabranda” para a hagiografia de personagens em busca de lavar a própria biografia com tinturas civilizadas.

Diante de tais atores, Marcos Silva é implacável nesse Ditadura relativa e negacionismos: Brasil, 1964 (2016, 2018…). Sua borduna intelectual começa no título, clara paráfrase do inesquecível conceito de ditadura relativa com que nos brindou o general Ernesto Geisel, semanas após fechar o Congresso, em abril de 1977.

Relativa, para Marcos, é boa parte da historiografia sobre o regime fardado, tida como canônica por parte da mídia e da academia.

A partir de sólida bagagem intelectual e cultural, o historiador passa a lupa em obras de Elio Gaspari e Marcos Napolitano e assinala que embora se paute pelo distanciamento interpretativo, o fazer História não pode ser ambíguo em situações limite. Pisar na democracia, rasgar a Constituição e tingir a vida política com sangue são gestos diante dos quais toda tergiversação é cúmplice.

Marcos Silva honra o ofício de historiador num livro escrito com métrica e paixão.

*Gilberto Maringoni é professor da Universidade Federal do ABC.

Referência


Marcos Silva. Ditadura relativa e negacionismos: Brasil, 1964 (2016, 2018…). São Paulo, Maria Antônia Edições, 2021.

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Salem Nasser Thomas Piketty Armando Boito Luiz Costa Lima Marcelo Módolo João Carlos Loebens Daniel Afonso da Silva Carlos Tautz Luiz Bernardo Pericás Manchetômetro Alexandre Aragão de Albuquerque Rodrigo de Faria Daniel Costa Eduardo Borges José Dirceu Antonio Martins Flávio R. Kothe Gerson Almeida Maria Rita Kehl Paulo Nogueira Batista Jr Ladislau Dowbor Ricardo Antunes Vladimir Safatle Kátia Gerab Baggio Chico Alencar Lucas Fiaschetti Estevez Valerio Arcary Tadeu Valadares Denilson Cordeiro Luiz Eduardo Soares Vinício Carrilho Martinez Luiz Renato Martins Luiz Roberto Alves Tales Ab'Sáber Henri Acselrad André Singer Paulo Capel Narvai Luís Fernando Vitagliano Dênis de Moraes Sandra Bitencourt Chico Whitaker Leonardo Sacramento Antônio Sales Rios Neto João Feres Júnior Boaventura de Sousa Santos Osvaldo Coggiola Elias Jabbour José Raimundo Trindade Paulo Fernandes Silveira Marcus Ianoni Claudio Katz Leda Maria Paulani Luis Felipe Miguel Fábio Konder Comparato Slavoj Žižek Marilena Chauí Ari Marcelo Solon Ricardo Musse Berenice Bento Marcos Aurélio da Silva Sergio Amadeu da Silveira Jean Marc Von Der Weid Anselm Jappe Yuri Martins-Fontes Jorge Luiz Souto Maior Francisco Fernandes Ladeira Julian Rodrigues Priscila Figueiredo Juarez Guimarães Fernando Nogueira da Costa Paulo Martins Valério Arcary José Costa Júnior João Carlos Salles Igor Felippe Santos Caio Bugiato Michael Löwy Liszt Vieira Michael Roberts José Micaelson Lacerda Morais Atilio A. Boron Henry Burnett Ricardo Fabbrini Lorenzo Vitral Marjorie C. Marona João Paulo Ayub Fonseca Jean Pierre Chauvin Flávio Aguiar Leonardo Avritzer Leonardo Boff Jorge Branco Luciano Nascimento Roberto Bueno Bruno Machado Everaldo de Oliveira Andrade Fernão Pessoa Ramos Alexandre de Freitas Barbosa Otaviano Helene José Geraldo Couto Marcos Silva Ricardo Abramovay Benicio Viero Schmidt Bruno Fabricio Alcebino da Silva Celso Favaretto Érico Andrade João Sette Whitaker Ferreira Luiz Carlos Bresser-Pereira Ronald Rocha Eliziário Andrade Remy José Fontana Milton Pinheiro José Machado Moita Neto José Luís Fiori Rafael R. Ioris Alysson Leandro Mascaro Ronaldo Tadeu de Souza Eleutério F. S. Prado Gilberto Maringoni Bento Prado Jr. Francisco Pereira de Farias Andrew Korybko Vanderlei Tenório Eleonora Albano Roberto Noritomi João Adolfo Hansen Marilia Pacheco Fiorillo Celso Frederico Mário Maestri Samuel Kilsztajn Antonino Infranca Manuel Domingos Neto Plínio de Arruda Sampaio Jr. Gilberto Lopes Carla Teixeira Mariarosaria Fabris Afrânio Catani Alexandre de Lima Castro Tranjan André Márcio Neves Soares Gabriel Cohn Ronald León Núñez Bernardo Ricupero Luiz Werneck Vianna Eugênio Bucci Annateresa Fabris Luiz Marques Dennis Oliveira Daniel Brazil Eugênio Trivinho Francisco de Oliveira Barros Júnior Airton Paschoa Renato Dagnino Lincoln Secco Tarso Genro Heraldo Campos Paulo Sérgio Pinheiro Walnice Nogueira Galvão Marcelo Guimarães Lima João Lanari Bo Anderson Alves Esteves Rubens Pinto Lyra

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada