Polonaise nº. 2

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JOÃO QUARTIM DE MORAES

De Brest-Litovski à guerra polaco-ucraniana.

Consagrado no senso-comum, o adágio “os inimigos de meus inimigos são meus amigos” pode relativizar-se em situações intrincadas. Os grandes amigos dos governos de extrema direita da Polônia e da Ucrânia são os Estados que controlam a máquina de guerra da OTAN, à qual aqueles dois governos mantêm-se subalternamente vinculados. O principal inimigo dos dois é a Rússia. Nessa medida, os dois são amigos.

Bem sabemos, entretanto, que o presente está carregado de história. São antigos e persistentes os ressentimentos recíprocos entre a Polônia e a Ucrânia, alimentados por disputas territoriais recorrentes ao longo dos séculos. Esses ressentimentos foram reativados e exacerbados pelo complexo de consequências da catástrofe bélica desencadeada em 1914, a mais decisiva das quais foi a conquista do poder político na Rússia pelos operários, marinheiros e soldados dos “soviets”, abrindo a perspectiva de estender a Revolução proletária às principais potências imperialistas da Europa.

Cumprindo a consigna “paz e terra”, que mobilizara o povo russo para a Revolução de Outubro 1917, os dirigentes bolcheviques declararam o cessar fogo em todas as frentes de combate, abrindo negociações em Brest-Litovski com o II Reich alemão e o império austro-húngaro. Enfrentando desde o nascedouro a guerra civil promovida pelos generais czaristas, ditos “brancos”, a Rússia soviética teve de aceitar em 3 de março de 1918 um tratado de paz extremamente oneroso com os dois “impérios centrais”.

Cedeu territórios onde vivia cerca de um terço da população russa, de metade de suas instalações industriais e de 90% de suas jazidas de carvão. Lênin, que não era dado a eufemismos, classificou o tratado de “paz vergonhosa”, mas aceitou-o, porque o essencial a salvar era a Revolução de Outubro. O II Reich assumiu o controle da grande maioria desses territórios, mas não por muito tempo.

Na Ucrânia o contexto da revolução de Outubro, nacionalistas de direita e bolcheviques entraram em luta. Aqueles proclamaram em 20 de novembro de 1917 a República Nacional ou Popular (o termo eslavo Narodna comporta as duas traduções) Ucraniana. Lá havia, porém, muitos simpatizantes da revolução e do poder dos soviets. Eles foram tratados como inimigos pela direita nacionalista, que tratou de expulsar para a Rússia as unidades militares estacionadas no front durante as negociações de Brest-Litovski.

A ordem de expulsão não foi obedecida. Com o apoio dos socialistas ucranianos, os soldados bolcheviques resistiram com armas na mão, promovendo um levante em Kiev no início de dezembro. Foram derrotados e deportados. O Conselho de Comissários do Povo de Petrogrado reagiu, exigindo que cessassem as deportações. Mas elas prosseguiram. Os bolcheviques replicaram, em 26 de dezembro, proclamando a República Soviética da Ucrânia e mobilizando, para apoiá-la, um corpo de 30.000 combatentes da Guarda Vermelha, sob o comando de Vladimir Antonov-Ovsiienko e de Mikhail Muravyov.

As duas formações armadas de que dispunham os nacionalistas de direita, a casta militar dos cossacos e os Sich Riflemen, ex-combatentes do império austro-húngaro, não conseguiram conter o ímpeto dos operários revolucionários ucranianos e da Guarda Vermelha. Em 9 de fevereiro de 1918, após mais de quarenta dias de combate, os bolcheviques assumiram o controle de Kiev.

A nova ameaça à Revolução veio da Polônia, cujo comandante militar supremo e chefe de Estado era Josef Pilsudski, já mencionado na Polonaise nº.1. Nacionalista tenaz e radical, ele combateu entre 1914 e 1917 contra o Império Russo, à frente das “legiões polonesas” e ao lado dos exércitos alemães e austro-húngaros.

Quando o regime do Czar, seu inimigo principal, foi derrubado pela revolução de fevereiro 1917, ele mostrou-se estrategista lúcido, parando de colaborar com os impérios centrais por avaliar que a despeito do cessar fogo na frente leste, a “Entente” franco-britânica estava em melhores condições para ganhar a guerra e que a conturbada situação da Rússia abria espaço para seu projeto de formar, sob a hegemonia de sua nação, uma grande federação que incluiria a Ucrânia, a Bielarus, a Lituânia e os demais países bálticos.

A primeira guerra que Josef Pilsudski travou nessa ambiciosa perspectiva ocorreu na Galícia, província que o império austro-húngaro anexara em 1772, na primeira partilha da Polônia entre ele, a Prússia e o Império russo. Na parte ocidental da Galícia, a população era majoritariamente polonesa; na parte oriental, majoritariamente ucraniana. Os poloneses recusavam-se a aceitar a autonomia administrativa ucraniana na Galícia oriental, a despeito do caráter multinacional do império austro-húngaro, mas Carlos I, o último Kaiser de Viena, decidira atender à demanda dos ucranianos, prometendo promovê-la quando terminasse a guerra desencadeada em 1914. A derrota de 1918 impediu-o de cumprir a promessa, mesmo porque seu império foi desmantelado.

O reconhecimento da independência da Polônia e da Ucrânia pela “Entente” franco-britânica vitoriosa precipitou o acerto de contas entre as duas nacionalidades que disputavam o controle da província. Em 1º de novembro de 1918, foi proclamada a República nacional (ou popular “narodna”) da Ucrânia Ocidental, com Lwow por capital. Os poloneses reagiram, apoderando-se de Lwow em 21 de novembro. Dando livre curso a seu ódio xenófobo, eles comemoraram a conquista com um pogrom nos bairros judeus (que foram incendiados), massacrando centenas de civis desarmados, judeus e ucranianos.

Mais bem armadas, as tropas polonesas prevaleceram no terreno, sobretudo a partir de maio de 1919, quando entrou em ação o “exército azul”, treinado, equipado e enquadrado por oficiais franceses. Em princípio, a missão desse exército, comandado pelo general Jozef Haller, era defender a ordem burguesa ameaçada pelos bolcheviques, enfrentando-os na Ucrânia Oriental. Mas Josef Pilsudski, pragmático audacioso, enviou-o para aniquilar as forças nacionalistas da Ucrânia Ocidental, que eram tão anticomunistas quanto ele.

Os governos da “Entente” reclamaram “pro forma” desse desvio de função, mas o comando polonês ignorou a reclamação e prosseguiu na ofensiva. No final do mês, enfim, após ter rompido as defesas ucranianas, Jozef Haller atendeu aos franco-britânicos, estacionando na linha de frente. Em junho, os ucranianos voltaram a avançar com certo êxito, mas faltavam-lhes munições. Josef Pilsudski assumiu no final de junho o comando das forças polonesas. Duas semanas de intensos combates bastaram-lhe para se apoderar de toda a Galícia, jogando uma pá de cal em cima da República nacional da Ucrânia Ocidental, cujo governo refugiou-se em Viena, de onde preconizou em vão a formação de uma República abrigando ucranianos, poloneses e judeus.

Em novembro de 1919, reunido em Paris, de onde ditava a política dos vencedores, o Alto Conselho da Conferência de Paz conferiu um verniz de legalidade à conquista polonesa da Galícia. Fixou “pro forma”, um plebiscito para um quarto de século depois e reconheceu o direito dos ucranianos à autonomia na região oriental onde eram majoritários. A Polônia sabia que esse afago dos impérios liberais no povo que ela tinha vencido não era para ser levado a sério. Josef Pilsudski, entrementes, dera início, desta vez com pleno apoio dos governantes de Paris e de Londres, a uma nova e decisiva etapa de seu projeto expansionista: a invasão da Ucrânia oriental e da Bielarus.

*João Quartim de Moraes é professor titular aposentado do Departamento de Filosofia da Unicamp. Autor, entre outros livros, de A esquerda militar no Brasil (Expressão Popular)(https://amzn.to/3snSrKg).

Para acessar o primeiro artigo dessa série clique em
https://aterraeredonda.com.br/polonaise-no-1/


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Marcus Ianoni Valerio Arcary Carlos Tautz Ricardo Musse Luiz Eduardo Soares André Márcio Neves Soares Celso Frederico Fábio Konder Comparato Thomas Piketty Rodrigo de Faria João Paulo Ayub Fonseca Fernando Nogueira da Costa Ronaldo Tadeu de Souza Armando Boito Alysson Leandro Mascaro Daniel Costa Ricardo Antunes Annateresa Fabris Ladislau Dowbor Bruno Fabricio Alcebino da Silva Michel Goulart da Silva Ronald León Núñez Gerson Almeida Alexandre de Lima Castro Tranjan Luiz Renato Martins Berenice Bento André Singer Gilberto Lopes Tadeu Valadares Caio Bugiato Marcos Silva Plínio de Arruda Sampaio Jr. José Dirceu Salem Nasser Anselm Jappe Tarso Genro Gabriel Cohn Kátia Gerab Baggio Andrés del Río Sandra Bitencourt Leonardo Boff Francisco de Oliveira Barros Júnior Henry Burnett Henri Acselrad Igor Felippe Santos Mário Maestri Luis Felipe Miguel Airton Paschoa Érico Andrade Paulo Capel Narvai Renato Dagnino João Adolfo Hansen Alexandre Aragão de Albuquerque José Micaelson Lacerda Morais Maria Rita Kehl Marjorie C. Marona Luiz Roberto Alves Marilia Pacheco Fiorillo José Raimundo Trindade Michael Löwy Ricardo Fabbrini Leonardo Avritzer Antonino Infranca Boaventura de Sousa Santos Yuri Martins-Fontes Tales Ab'Sáber Jean Pierre Chauvin Otaviano Helene Marilena Chauí Paulo Sérgio Pinheiro Heraldo Campos Paulo Nogueira Batista Jr Rubens Pinto Lyra Julian Rodrigues Bento Prado Jr. Bernardo Ricupero Manuel Domingos Neto Eugênio Bucci Remy José Fontana Chico Whitaker Eduardo Borges Daniel Afonso da Silva Jean Marc Von Der Weid Manchetômetro Liszt Vieira Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Luiz Bernardo Pericás Flávio R. Kothe João Sette Whitaker Ferreira Atilio A. Boron Ari Marcelo Solon Celso Favaretto Benicio Viero Schmidt Chico Alencar José Machado Moita Neto João Feres Júnior João Lanari Bo Francisco Pereira de Farias Marcelo Módolo Matheus Silveira de Souza Marcelo Guimarães Lima Vladimir Safatle Francisco Fernandes Ladeira Priscila Figueiredo Eleutério F. S. Prado Bruno Machado Antônio Sales Rios Neto Walnice Nogueira Galvão Michael Roberts Leda Maria Paulani Vinício Carrilho Martinez Eleonora Albano Denilson Cordeiro Lincoln Secco Luiz Marques Elias Jabbour Valerio Arcary Fernão Pessoa Ramos Everaldo de Oliveira Andrade Ronald Rocha Alexandre de Freitas Barbosa Flávio Aguiar Ricardo Abramovay Jorge Branco Luís Fernando Vitagliano José Costa Júnior Marcos Aurélio da Silva Sergio Amadeu da Silveira José Geraldo Couto Lucas Fiaschetti Estevez Luiz Werneck Vianna Gilberto Maringoni Samuel Kilsztajn Vanderlei Tenório Afrânio Catani Lorenzo Vitral Juarez Guimarães Paulo Fernandes Silveira Claudio Katz Slavoj Žižek Jorge Luiz Souto Maior Luiz Carlos Bresser-Pereira Leonardo Sacramento José Luís Fiori Milton Pinheiro Mariarosaria Fabris Eugênio Trivinho Osvaldo Coggiola Dênis de Moraes Carla Teixeira Andrew Korybko Rafael R. Ioris João Carlos Loebens Luciano Nascimento Paulo Martins Eliziário Andrade João Carlos Salles Antonio Martins Dennis Oliveira Daniel Brazil

NOVAS PUBLICAÇÕES