Do anticomunismo ao antipetismo

Imagem: Hamilton Grimaldi
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por CARLA TEIXEIRA*

A história nos mostra que cedo ou tarde, no Brasil, o golpe contra os governos trabalhistas sempre vem

No Brasil, o desenvolvimento industrial e urbano foi acompanhado pelo crescimento e a organização das classes populares. Os anos 1960 marcaram o ponto de inflexão no conflito instalado entre suas demandas, que pediam a ampliação de direitos (de votar, de ser eleito, educação, saúde, reforma agrária, urbana, política etc.), e os setores conservadores que buscavam a manutenção de sua hegemonia política, econômica e social. A Guerra Fria inflou o velho discurso anticomunista e avolumou os ânimos, alargando uma cultura política disseminada e internalizada junto à sociedade brasileira ao longo de décadas. Atribuiu-se aos comunistas uma posição de força muito maior que a real.

À época, os conservadores sabiam que o Partido Comunista Brasileiro (PCB), cassado em 1947, era força política minoritária, mas o temor ao comunismo era algo efetivo na sociedade que sempre recebeu uma impressão aterrorizante dos comunistas. O intuito era levantar a indignação popular, como a “Marcha da Família com Deus pela Liberdade” que apoiou o golpe de 1964 e abriu espaço para classificar toda a esquerda como “comunista”. A imprensa e a União Democrática Nacional (UDN) fizeram coro ao discurso de ruptura, exigindo que os militares reagissem contra o “perigo vermelho”.

O golpe de 1964 contou com o entusiasmo e o apoio das classes médias e das elites empresariais, militares, políticas e religiosas. O combate à corrupção foi acionado como bandeira de luta contra o governo Jango, que apoiava as reformas. O Anticomunismo, argumento central do golpe, foi uma manobra utilizada para acobertar os planos de ruptura dos setores da direita, barrar as reformas e tornar legítimo o processo autoritário que se instalaria e se aprofundaria nas décadas seguintes.

Após a queda do muro de Berlim e a desintegração da União Soviética, o discurso anticomunista perdeu fôlego. Todavia, o crescimento e a ampliação do Partido dos Trabalhadores (PT) mostrava a força política de um novo vermelho representando as classes populares. A agenda neoliberal empregada a partir dos anos 1990, que privilegia o setor financeiro improdutivo e penaliza a população com arrochos, jamais seria aprovada num escrutínio eleitoral depois dos anos 2000. As sucessivas vitórias do PT nas eleições presidenciais fizeram a direita perceber que não haveria caminho outro para retornar ao poder que não fosse a ruptura institucional. A história nos mostra que cedo ou tarde, no Brasil, o golpe contra os governos trabalhistas sempre vem.

O ano de 2016 marcou o fim de muitos arranjos que originaram a Nova República, mas também fez surgir dos esgotos o sentimento anticomunista revisitado e ressignificado em antipetismo. A mesma retórica de combate à corrupção foi acionada e direcionada contra o PT, em geral, e contra Lula, em específico. O objetivo era inviabilizar política e moralmente o principal representante das classes populares e, assim, barrar a agenda de desenvolvimento e inclusão social que estava sendo praticada no país.

A desqualificação da política e as sucessivas denúncias de corrupção associadas aos governos petistas (“Mensalão”, “Petrolão”), ampliaram na população o sentimento antissistema que rapidamente foi capitalizado pelo antipetismo. Retirar o partido do poder e impedir seu retorno era questão essencial. Corroídas pelo processo de impeachment que capitanearam, as Direitas ditas liberais se viram, em 2018, sem candidato competitivo e tendo de socorrer-se junto ao bote salva-vidas bolsonarista para ter sua agenda econômica neoliberal vitoriosa no crivo eleitoral. Assim, formou-se a aliança estrutural entre o neoliberalismo e o neofascismo que hoje (des) governa o Brasil.

A retórica anticomunista se renovou em tempos de antipetismo, ancorada em antigas bandeiras como “o Brasil não será uma nova Cuba”, mas também com Fake News que tratavam sobre a “mamadeira de piroca”, o “Kit Gay” e a “legalização da pedofilia”, questões que atentavam diretamente contra valores superficialmente defendidos pela extrema direita bolsonarista: Deus, Pátria e Família. Os agentes envolvidos nas ações de 2016 e 2018 são correspondentes aos de 1964: as classes médias, as elites empresariais, militares, políticas e religiosas, com o apoio da mídia, do Judiciário e do Ministério Público Federal. Tudo a mesma sopa, sempre a mesma estória.

As Elites brasileiras são desprovidas de cultura política cívica e sempre mostraram desprezo pela democracia, cuja vinculação ocasional foi casuística e conjuntural. A manutenção de Bolsonaro no poder, a despeito do genocídio da população brasileira provocado pela péssima condução de seu governo na pandemia, sob o beneplácito da mídia e da direita liberal, é sintoma do mal que atormenta nossa República desde a sua fundação. Apenas a população organizada e consciente de suas demandas e direitos será capaz de aprofundar e consolidar a democracia em nosso país, impedindo rupturas e violações institucionais que atentem contra os interesses do povo e da nação.

*Carla Teixeira é doutoranda em história na UFMG.

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
João Carlos Salles Eleutério F. S. Prado Vanderlei Tenório Henry Burnett Marcus Ianoni Chico Alencar Tadeu Valadares Ricardo Abramovay Flávio Aguiar Flávio R. Kothe Marcelo Módolo Andrew Korybko Matheus Silveira de Souza Dennis Oliveira Marcos Aurélio da Silva Igor Felippe Santos Airton Paschoa Valerio Arcary Paulo Capel Narvai Antonino Infranca Tarso Genro Paulo Sérgio Pinheiro Lucas Fiaschetti Estevez Gerson Almeida Jean Marc Von Der Weid Mário Maestri Alexandre de Freitas Barbosa Francisco Pereira de Farias João Feres Júnior Otaviano Helene Thomas Piketty Celso Frederico Lincoln Secco Priscila Figueiredo Daniel Brazil Daniel Afonso da Silva Juarez Guimarães Manuel Domingos Neto Gabriel Cohn Kátia Gerab Baggio Ronald Rocha Berenice Bento Ronald León Núñez José Luís Fiori Afrânio Catani João Carlos Loebens Mariarosaria Fabris Eliziário Andrade Armando Boito Daniel Costa Denilson Cordeiro Ronaldo Tadeu de Souza Leonardo Boff Lorenzo Vitral Michael Löwy Michael Roberts Gilberto Lopes Plínio de Arruda Sampaio Jr. Luiz Roberto Alves Antônio Sales Rios Neto João Lanari Bo Annateresa Fabris Michel Goulart da Silva Claudio Katz Liszt Vieira Gilberto Maringoni Elias Jabbour Yuri Martins-Fontes André Singer Marilena Chauí Carlos Tautz Osvaldo Coggiola Leda Maria Paulani Anderson Alves Esteves Vladimir Safatle Jorge Branco Jorge Luiz Souto Maior Luiz Marques João Sette Whitaker Ferreira Ari Marcelo Solon Luiz Bernardo Pericás Maria Rita Kehl Caio Bugiato Bruno Fabricio Alcebino da Silva José Machado Moita Neto Milton Pinheiro Francisco Fernandes Ladeira Samuel Kilsztajn Leonardo Avritzer Marilia Pacheco Fiorillo Luciano Nascimento Remy José Fontana José Raimundo Trindade Henri Acselrad Tales Ab'Sáber José Micaelson Lacerda Morais Leonardo Sacramento Sergio Amadeu da Silveira José Geraldo Couto Anselm Jappe José Costa Júnior Érico Andrade Luís Fernando Vitagliano Antonio Martins Andrés del Río Carla Teixeira Luiz Eduardo Soares Francisco de Oliveira Barros Júnior Luis Felipe Miguel Luiz Renato Martins Slavoj Žižek Dênis de Moraes Luiz Werneck Vianna Alysson Leandro Mascaro Alexandre Aragão de Albuquerque Eleonora Albano Julian Rodrigues Marcos Silva Eugênio Trivinho Renato Dagnino Eugênio Bucci Alexandre de Lima Castro Tranjan Eduardo Borges Chico Whitaker Celso Favaretto Marjorie C. Marona Rodrigo de Faria Sandra Bitencourt Paulo Fernandes Silveira Salem Nasser Valerio Arcary Paulo Nogueira Batista Jr Fernando Nogueira da Costa Manchetômetro Boaventura de Sousa Santos Ricardo Fabbrini Bruno Machado Paulo Martins Ricardo Musse Atilio A. Boron Bento Prado Jr. Ladislau Dowbor Everaldo de Oliveira Andrade Rubens Pinto Lyra Bernardo Ricupero Fábio Konder Comparato Jean Pierre Chauvin Fernão Pessoa Ramos Vinício Carrilho Martinez Ricardo Antunes Luiz Carlos Bresser-Pereira André Márcio Neves Soares José Dirceu Heraldo Campos Rafael R. Ioris João Adolfo Hansen Benicio Viero Schmidt João Paulo Ayub Fonseca Walnice Nogueira Galvão Marcelo Guimarães Lima

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada