As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Dois anos de desgoverno – rumo ao caos

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por PAULO MARTINS*

Temos reflexos indeléveis e provas irrefutáveis de sua ação deletéria, vendida como inovadora

Há dois anos fomos colocados à prova de um novo governo. Jair M. Bolsonaro foi eleito, levando a defesa do liberalismo econômico às últimas consequências e o enaltecimento de pautas de viés moral que flertam com o pentecostalismo. Seu mote muito inovador: ser o representante da nova política, ou melhor, da direita mais virulenta.

Diante desse plano mínimo de ação, não sem o amparo “astrofilosófico” do mago da Virgínia olavista, Jair bombardeou impiedosamente o Estado e as instituições republicanas. Ninguém pode dizer que não fez nada em dois anos, ao contrário, fez muito, muito mesmo, de sorte que temos reflexos indeléveis e provas irrefutáveis de sua ação deletéria, vendida como inovadora.

O primeiro alvo do desgoverno: o Ministério da Educação. Ricardo Vélez Rodrigues assume o ministério, declarando que sua proposta era de cunho liberal-conservador. Suas relações com o ensino privado e com “certa religiosidade” ameaçaram a educação pública e sua laicização. Mas esse durou pouco.

Algo pior estava por vir: Abraham Weintraub. Talvez, na história da República, não tenhamos uma personagem tão escatológica – o nosso primeiro cavaleiro do negacionismo. Sua “carteira” de asneiras e danos é variada: o ataque as universidades federais; a perseguição às humanidades; a filmagem de professores em aula; as declarações descabidas contra estadistas, países, ex-presidentes; ataques racistas à China e aos povos indígenas; o “Future-se”, mais conhecido como “Passade-se” e as ofensas ao STF, tudo isso incrementado com pérolas de seu repertório iletrado e sua sanha midiática.

A famigerada reunião ministerial de 22 de abril de 2020 e o inquérito sobre as manifestações antidemocráticas no Supremo colocaram sua “segurança em perigo” e em 18 de junho pede demissão e fugido para os EUA, vale-se de passaporte diplomático para entrar no país sem visto.

A importância dada à educação é tão grande que logo em seguida à exoneração de Weintraub, quase tivemos um ministro não muito afeito às legalidades, Carlos Decotelli. Ele se apresentava como doutor sem ter defendido o doutoramento na Argentina, além de possuir denúncias de irregularidades em sua gestão do FNDE. E hoje temos Milton Ribeiro que até agora nada de bom fez, mas seguramente também não deve estar imune à política educacional de Bolsonaro.

Por sua vez, o meio-ambiente sempre foi uma grande preocupação do presidente, a começar pelo seu ministro, o resistente ex-estudante de Yale que nunca foi reconhecido pela instituição, Ricardo Salles, o nosso segundo cavaleiro do negacionismo. Sua função é prover o presidente de munição anti-ambiental. Afinal, nada daquilo que nos últimos 30 anos foi feito ou referendado pelo Estado brasileiro em relação ao meio ambiente, a partir da Conferência Rio 92, do Protocolo de Kyoto (1997) e da Emenda Doha (2012); da Rio +20 (2002); da COP 21 (2012) e do acordo de Paris (2015) é assumido pelo planalto na voz de seu ministro do Meio-ambiente.

Mais ainda, assistimos à ação deletéria dele contra instituições importantíssimas como o INPE, o ICMBio e o IBAMA que, em certa medida, poderiam ter tido uma ação mais efetiva combatendo o desmatamento e as queimadas, como faziam há anos. O governo preferiu estar ao lado de grileiros, latifundiários, grandes empresas transnacionais, mineradoras e madeireiras a defender os povos indígenas, o extrativismo sustentável, logo, a natureza. Preferiu perder Alemanha e Noruega como parceiros do Fundo Amazônia a garantir níveis mínimos de sustentabilidade.

As ações contra o meio-ambiente nos afetam nacional e internacionalmente, elas prejudicam a nossa economia e nossa política externa, aquela massacrada por Guedes, esta combalida pelo terceiro cavaleiro do negacionismo, Ernesto Araújo. Sua pregação, esta, sim, dogmática – vale a leitura de “Sequestrar e perverter” de sua lavra – avalia que a causa ambiental a que ele dá o nome de “climatismo” foi tomada pelas esquerdas a fim de que os Estados Nacionais sejam subjugados pelos organismos multilaterais – que vergonha! – o que explica muito das posições do presidente em relação à OMS, ONU, UNICEF, etc.

O ministro retira da pauta ambiental qualquer critério científico. Nega-o. Afora isso, Araújo com ajuda do ex-futuro embaixador nos EUA, Eduardo Bolsonaro, também provê o presidente de “escopo intelectual” na demarcação de posições brasileiras de subserviência a Donald Trump. Apenas depois de 38 dias passados da eleição de Biden e Harris, a presidência os reconhece como eleitos.

Mas como não falarmos das ações de Bolsonaro na área da saúde? Comecemos com um inventário: em dois anos, 3 ministros e em 10 meses de pandemia, os mesmos 3. Ainda que vejamos Mandetta como alguém razoável, muitas de suas posições à frente do Ministério da Saúde foram positivas e por isso mesmo colidiam com as de Jair, nunca nutriu amores pelo Mais Médicos ou pelo SUS, este sem o qual as mortes na pandemia seriam muitos mais preocupantes.

Contudo, em meio a crise, se posicionou bem a ponto de em entrevista à rádio Jovem Pan o tolo mandatário declarar: “O Mandetta quer fazer muito a vontade dele”. Mandetta, em seguida, sucumbiu àqueles da direita furiosa já que ele mesmo se autodeclara conservador. Nelson Teich, que o sucedeu, pouco ou quase nada pode fazer em quase trinta dias como ministro da Saúde.

Por fim, o quarto cavaleiro do negacionismo, Eduardo Pazuello não é médico, não é sanitarista, biomédico, enfermeiro ou biólogo: é general. O fato por si não é problemático, José Serra, entre 1998 e 2002, foi ministro da Saúde e, justamente nesse cargo, implantou o programa de combate à AIDS, tido como exemplar para ONU; teve a coragem de quebrar patentes em nome do interesse de saúde pública e contribuir com uma luta firme contra o tabagismo.

Mas acreditar que a área de formação possa ajudar é um caminho prudente. O governo defende que o ministro seja um estrategista, que cuida de logística, vai ver que é por isso que quase perdemos 6.8 milhões de testes; por isso confirma a intenção de compra da Coronavac do Butantã/Sinovac e depois volta atrás; por isso vai ver que conseguiu licitar apenas 2.4 % das seringas necessárias à vacinação; por isso fecha os olhos às aglomerações; por isso não liga para uso de máscara e por isso tudo seja apenas um irresponsável e cínico.

Os conservadores – hoje eufemismo para uma direita furiosa – se veem numa cruzada político-moral e religiosa. Esquecem que é função do governo regrar a sociedade política, exercendo sua autoridade com vistas ao bem-comum. A direita furiosa – os conservadores – confunde política de Governo com política de Estado. Este é composto por uma sociedade heterogênea, a qual não se pode discriminar ideológica ou politicamente. As diferenças religiosas, culturais, étnicas, de gênero e de orientação sexual devem ser respeitadas. A função desse fundamento é garantir indistintamente a igualdade, eliminando a discriminação e levando a harmonia entre todos.

Estes dois anos de desgoverno nos levam a entender que independentemente do setor, Bolsonaro e seus cavaleiros irão nos levar ao caos por irresponsabilidade e por absoluta tacanhez diante das reais necessidades da Nação.

*Paulo Martins é professor de Letras Clássicas e Diretor da FFLCH-USP. Autor, entre outros livros, de Imagem e Poder (Edusp).

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Antonio Martins Marcus Ianoni Érico Andrade Anselm Jappe Tarso Genro Marcos Aurélio da Silva Jorge Branco Eliziário Andrade Remy José Fontana Celso Frederico Atilio A. Boron Leonardo Boff Paulo Nogueira Batista Jr Priscila Figueiredo Paulo Martins João Carlos Loebens Jorge Luiz Souto Maior Valerio Arcary Rubens Pinto Lyra Yuri Martins-Fontes Fábio Konder Comparato Alexandre Aragão de Albuquerque Carlos Tautz Paulo Fernandes Silveira Ricardo Musse Marilia Pacheco Fiorillo Francisco Pereira de Farias Lincoln Secco Daniel Costa Daniel Afonso da Silva Elias Jabbour Eleutério F. S. Prado José Machado Moita Neto Ladislau Dowbor Roberto Bueno Samuel Kilsztajn Jean Pierre Chauvin Tales Ab'Sáber Chico Whitaker Gabriel Cohn Sergio Amadeu da Silveira Rodrigo de Faria Ronaldo Tadeu de Souza José Geraldo Couto Carla Teixeira Maria Rita Kehl Alysson Leandro Mascaro Ricardo Fabbrini Plínio de Arruda Sampaio Jr. Fernando Nogueira da Costa Kátia Gerab Baggio Marcelo Módolo Luiz Costa Lima Ricardo Abramovay Mariarosaria Fabris Jean Marc Von Der Weid Dennis Oliveira Luís Fernando Vitagliano Gilberto Lopes Marilena Chauí Caio Bugiato José Dirceu Henri Acselrad José Luís Fiori Eleonora Albano Francisco Fernandes Ladeira Claudio Katz Bernardo Ricupero Afrânio Catani Lucas Fiaschetti Estevez Chico Alencar Armando Boito Marjorie C. Marona Dênis de Moraes Lorenzo Vitral Alexandre de Lima Castro Tranjan Paulo Capel Narvai Rafael R. Ioris Salem Nasser José Micaelson Lacerda Morais Milton Pinheiro Michael Roberts Andrew Korybko Luiz Eduardo Soares Bruno Machado Eugênio Trivinho Francisco de Oliveira Barros Júnior João Sette Whitaker Ferreira Osvaldo Coggiola André Singer João Adolfo Hansen Berenice Bento João Paulo Ayub Fonseca Luiz Roberto Alves Valério Arcary Luis Felipe Miguel André Márcio Neves Soares Bruno Fabricio Alcebino da Silva Everaldo de Oliveira Andrade Sandra Bitencourt Manchetômetro Renato Dagnino Vanderlei Tenório Manuel Domingos Neto Otaviano Helene João Carlos Salles Luiz Renato Martins Eduardo Borges Ricardo Antunes Leda Maria Paulani Julian Rodrigues Daniel Brazil Juarez Guimarães Antônio Sales Rios Neto Gerson Almeida Marcos Silva Alexandre de Freitas Barbosa Flávio Aguiar João Feres Júnior Eugênio Bucci Mário Maestri Anderson Alves Esteves Annateresa Fabris Celso Favaretto Leonardo Avritzer José Raimundo Trindade Airton Paschoa Flávio R. Kothe Bento Prado Jr. Ronald León Núñez Walnice Nogueira Galvão Luiz Werneck Vianna Liszt Vieira José Costa Júnior João Lanari Bo Denilson Cordeiro Tadeu Valadares Thomas Piketty Leonardo Sacramento Gilberto Maringoni Boaventura de Sousa Santos Luiz Carlos Bresser-Pereira Ari Marcelo Solon Henry Burnett Luciano Nascimento Marcelo Guimarães Lima Vladimir Safatle Michael Löwy Luiz Marques Antonino Infranca Paulo Sérgio Pinheiro Benicio Viero Schmidt Slavoj Žižek Ronald Rocha Heraldo Campos Roberto Noritomi Vinício Carrilho Martinez Luiz Bernardo Pericás Igor Felippe Santos Fernão Pessoa Ramos

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada