Salvador, verão de 2024

Imagem: Leonardo Dourado
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ÉRICO ANDRADE*

Um transe numa triste Bahia

Entro no carro de aplicativo de transporte em direção ao aeroporto. Saindo de Santo Antônio Além do Carmo meus olhos percorrem a cidade histórica para abraçarem o louvor a Deus, que tocava no carro na altura necessária daquilo que precisa gritar, com a imagem de mais uma igreja evangélica. Elas igual ao meu olhar, percorrem Salvador. Algumas são maiores do que tudo que as cerca. Afinal, o Deus dos evangélicos é maior do que qualquer outra coisa. Para voltar a imergir na Salvador que se apagava coloquei a barreira protetora dos fones de ouvido para em transe escutar Transa. Eu sempre preferi a triste Bahia da música.

No meu transe mastigava vagarosamente a experiência de viver Caetano e o seu gesto tanto delicado quanto generoso de chamar ao palco a composição original de sua banda, responsável por dar ao transe o formato musical mais intenso. Ouvia Transa como se fosse a minha casa em Salvador, mas me assaltava naquela minha imersão a imagem dos corpos negros vendendo cerveja, água, pipoca no festival de verão. Alguns corpos que davam a rasteira, tão propalada por Lélia Gonzalez, e se divertiam ao som de outros pretos que ocupavam os palcos. Por outro lado, corpos negros que também cansavam e me faziam lembrar que para eles o ano não começa depois do carnaval, mas bem antes, em todas as festas precarnavalescas lá estão aqueles corpos trabalhando à sua exaustão.

Claro que tantas pessoas negras circulavam pelos espaços se servindo de uma festa bonita, mas quando penso que Salvador é uma das cidades mais negras do Brasil, dou-me conta do que Patricia Hill Collins chamava atenção com o seu conceito de proporcionalidade. A quantidade de pessoas negras servindo era inversamente proporcional àquelas que estavam apenas e unicamente se divertindo. Essa dessemelhança me abatia como um torpedo. Não seria Salvador o meu refúgio, o meu quilombo?

Várias imagens de orixás tentavam me convencer de que sim. Da entrada da lagoa do Abaeté à roda que se formava em outra lagoa, passando por algumas imagens de outdoors tudo era um convite para a ancestralidade. Até mesmo a propaganda da prefeitura. Percebi, ainda sob o efeito do som de Caetano, que tudo isso é comércio, “tanto negócio quanto negociante” onde quem menos lucra sãos a pessoas negras que nas festas quanto não estão servindo, estão recolhendo os excessos, próprios do carnaval ou do verão, para se manterem na resiliência daquilo que é reciclo. E tudo parece que é um mesmo ciclo na Bahia. Tudo volta para onde começamos: a exploração. Não, não quero essa Bahia. Voltava a escutar Transa, mas algo em mim fenecia. Seria a imagem de Salvador desaparecendo “nas casas que me viam passar nos dois lados da janela”?

A resposta poderia e deveria ser sim, mas eu lembrava da imagem daquele senhor, de cabelos maduros e pele não tão clara, que se dirigia a mim para pedir o cardápio, anunciando, com o seu pedido, a minha cor que é a cor de Salvador. A Salvador, porém, mais que serve do que é servida. Somos tão fortes lá, pensava eu que queria me agarrar à esperança de estar num lugar mais acolhedor do que Recife. Lembrava que Salvador é o Brasil que raramente elege pessoas negras para o cargo majoritário e principal da cidade. Foi na hora que tocou o refrão “It’s a long way”.

Não obstante, eu não deveria rimar amor e dor. Logo eu que moro na filosofia. Deveria me resignar a minha Salvador idílica e para não cair naquela fossa deveria ouvir “Celly Campelo”. Pensava. Afinal, o que deveria me acompanhar era a cor, o sol e o mar da Bahia. Tanta coisa linda por lá! É, mas como diria outra música: “a vida é real e de viés”. E a cilada que meu amor por Salvador me armou respondia pelo nome contradição.

*Érico Andrade é psicanalista e professor de filosofia na Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Autor do livro Negritude sem identidade (n-1 edições) [https://amzn.to/3SZWiYS].


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Claudio Katz Dennis Oliveira Flávio R. Kothe Gabriel Cohn Fernão Pessoa Ramos Paulo Fernandes Silveira Slavoj Žižek Tales Ab'Sáber Vanderlei Tenório Alexandre de Lima Castro Tranjan Érico Andrade Luis Felipe Miguel Tadeu Valadares Ricardo Abramovay André Singer Andrés del Río Heraldo Campos Everaldo de Oliveira Andrade Ricardo Fabbrini Michel Goulart da Silva Juarez Guimarães Alexandre de Freitas Barbosa Samuel Kilsztajn Eleonora Albano João Lanari Bo Yuri Martins-Fontes Marilia Pacheco Fiorillo José Costa Júnior Luís Fernando Vitagliano Luciano Nascimento Maria Rita Kehl Luiz Renato Martins Leonardo Avritzer Eleutério F. S. Prado Ricardo Antunes Liszt Vieira Chico Whitaker Walnice Nogueira Galvão Mariarosaria Fabris Manuel Domingos Neto Michael Roberts Milton Pinheiro Sandra Bitencourt José Micaelson Lacerda Morais Marcos Aurélio da Silva João Carlos Loebens Ronald Rocha Denilson Cordeiro Paulo Sérgio Pinheiro Sergio Amadeu da Silveira Bento Prado Jr. Carla Teixeira Eduardo Borges Atilio A. Boron Fernando Nogueira da Costa Ari Marcelo Solon Lucas Fiaschetti Estevez Julian Rodrigues Plínio de Arruda Sampaio Jr. Daniel Afonso da Silva Renato Dagnino Ronald León Núñez Luiz Eduardo Soares Paulo Martins Elias Jabbour Armando Boito Henry Burnett Chico Alencar Anderson Alves Esteves Antonino Infranca Rafael R. Ioris Luiz Werneck Vianna Gilberto Lopes Kátia Gerab Baggio Leonardo Boff Francisco Fernandes Ladeira João Adolfo Hansen Antônio Sales Rios Neto Rubens Pinto Lyra Boaventura de Sousa Santos Annateresa Fabris José Raimundo Trindade Alexandre Aragão de Albuquerque Luiz Roberto Alves José Dirceu Manchetômetro Ronaldo Tadeu de Souza Thomas Piketty Carlos Tautz Vladimir Safatle Marcos Silva Caio Bugiato Francisco de Oliveira Barros Júnior Francisco Pereira de Farias Tarso Genro Flávio Aguiar João Carlos Salles João Sette Whitaker Ferreira José Geraldo Couto Lorenzo Vitral Vinício Carrilho Martinez Marcus Ianoni Anselm Jappe Marcelo Guimarães Lima Celso Favaretto Marcelo Módolo José Luís Fiori Eliziário Andrade Berenice Bento Lincoln Secco Luiz Marques Antonio Martins Jean Marc Von Der Weid Bruno Machado Valerio Arcary Henri Acselrad Fábio Konder Comparato Ricardo Musse Dênis de Moraes João Feres Júnior Osvaldo Coggiola Gilberto Maringoni Afrânio Catani Mário Maestri João Paulo Ayub Fonseca Jorge Branco Benicio Viero Schmidt Airton Paschoa Alysson Leandro Mascaro Salem Nasser Luiz Carlos Bresser-Pereira Otaviano Helene Gerson Almeida Remy José Fontana Priscila Figueiredo Eugênio Bucci Valerio Arcary Jorge Luiz Souto Maior José Machado Moita Neto Rodrigo de Faria Celso Frederico André Márcio Neves Soares Michael Löwy Andrew Korybko Daniel Costa Igor Felippe Santos Bruno Fabricio Alcebino da Silva Luiz Bernardo Pericás Jean Pierre Chauvin Leda Maria Paulani Leonardo Sacramento Paulo Capel Narvai Paulo Nogueira Batista Jr Eugênio Trivinho Marilena Chauí Bernardo Ricupero Daniel Brazil Ladislau Dowbor Matheus Silveira de Souza Marjorie C. Marona

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada