As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Economia política da indústria 4.0

Imagem: Alotrobo
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por BRUNO MACHADO*

As características da Indústria 4.0 podem aprofundar a crise sistemática do capitalismo periférico

Os recentes parques industriais de pequeno porte que utilizam automação e internet das coisas em seus modelos de produção demonstram que a nova revolução industrial já está se aproximando do Brasil. Porém, com a globalização e a divisão internacional do trabalho já em pleno curso no mundo, restará ao Brasil o papel de receber a indústria 4.0 por intermédio de empresas estrangeiras.

Uma das características da indústria 4.0 é a menor necessidade de empregados qualificados, o que a coloca na contramão do desenvolvimento da indústria até o atual estágio de desenvolvimento tecnológico do mundo. Com a redução da qualificação exigida dos funcionários, a tendência é haver uma queda nos salários do setor produtivo da economia. A consequência imediata desse problema é a queda dos salários também no comércio e serviços, pois é o aumento da produtividade do trabalhador do setor produtivo da economia que possibilita a negociação coletiva de salários mais altos. Como o comércio e os serviços precisam de trabalhadores tanto quanto o setor produtivo da economia, haverá uma equalização relativa de salários no mercado de trabalho como um todo.

Uma menor renda total da classe trabalhadora leva a uma menor demanda na economia, que tem como consequência uma retração econômica. Essa crise de demanda pela redução dos salários acompanhada de um aumento na produtividade geral da produção pode ser amenizada via impostos sobre lucros acompanhada de distribuição de renda por programas governamentais.

Acontece que, apenas nos países centrais do capitalismo tal medida corretiva é possível, visto que esses países são as sedes das empresas que estão na fronteira tecnológica do mundo. Nos países periféricos a indústria 4.0 e sua regressão na qualificação dos trabalhadores levará a uma migração dos parques industriais existentes em países como o Brasil para países mais pobres e mais atrasados tecnologicamente.

A chamada indústria 4.0 também tem como característica a verticalização do processo produtivo, sendo também uma contratendência ao movimento de especialização e horizontalização da produção da indústria que vinha ocorrendo nas últimas décadas. Tal característica reduz a necessidade de grande infraestrutura local para a implantação de parques industriais e favorece essa nova etapa da globalização levando as indústrias dos países pobres e de renda média para países ainda mais atrasados economicamente no mundo.

Se esse processo ocorrer, haverá no Brasil uma queda da renda do trabalho e consequentemente uma crise de demanda. Entretanto, diferentemente do centro do capitalismo, no Brasil e nos países periféricos a perda de suas indústrias tradicionais reduzirá não somente os salários, mas também a produtividade geral da economia nacional, o que impossibilita uma correção da crise de demanda pela via de substituição dos salários por renda de programas sociais que se financiam de impostos sobre lucros.

A taxa de lucro aumentada pela indústria 4.0 só será adquirida pelas empresas de países centrais, que detém as patentes e o know how tecnológico e pela classe proprietária dos países mais pobres que serão introduzidos no capitalismo industrial com essa provável mudança dos parques industriais que hoje estão em países periféricos e de renda média como o Brasil.

A única solução que surgirá nos países periféricos será a reindustrialização via empresas nacionais. Os países periféricos que detém um parque industrial como o Brasil, terão que adotar estratégias desenvolvimentistas para retomarem a produtividade do trabalho na economia nacional como era antes da perda dos seus parques industriais. Esse processo político certamente não ocorrerá através dos partidos neoliberais e social-liberais que dominam a maior parte da política parlamentar dos países periféricos. Já que a elite nacional jamais abandonará seu modelo lucrativo de economia fundado no agro e nos bancos. Além disso, a crise social advinda dessa nova desindustrialização levará ao poder programas políticos mais extremos e radicais, dando espaço tanto para o fascismo como para o socialismo.

No caso brasileiro, a reduzida consciência de classe da população acompanhada de sua baixa politização, em grande medida proveniente das propagandas ideológicas nas mídias de massa que dominam o país a décadas, coloca em xeque a possibilidade do crescimento do socialismo no Brasil, e abre as portas para um novo governo neofascista brasileiro. Entretanto, diferente do último, tal suposto governo fascista colocará o desenvolvimento produtivo da economia a frente das finanças, e com isso, poderá conseguir forte apoio popular. Contudo, vale lembrar que um governo fascista que governe de forma contrária aos interesses econômicos da atrasada elite nacional só poderá se manter no poder com forte adesão popular nas ruas e o apoio declarado das Forças Armadas.

Por outro lado, uma crise sistemática do capitalismo brasileiro certamente seria um forte impulso ao movimento socialista no Brasil. Não somente a defesa da indústria, mas a pauta da defesa da classe trabalhadora frente a elite econômica nacional e, principalmente, a pauta do combate às desigualdades e a exploração do trabalho podem levar a uma adesão dos brasileiros às ideias socialistas. Entretanto, é necessário ter-se em mente que hoje em dia estamos mais pertos de elegermos outro governo neofascista do que um governo socialista.

*Bruno Machado é engenheiro.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Jorge Luiz Souto Maior Daniel Afonso da Silva Tarso Genro José Machado Moita Neto Thomas Piketty Érico Andrade Leonardo Boff Claudio Katz José Costa Júnior Tadeu Valadares Luiz Eduardo Soares Heraldo Campos Renato Dagnino Roberto Noritomi Celso Favaretto Denilson Cordeiro Ronaldo Tadeu de Souza Marilena Chauí José Raimundo Trindade Vinício Carrilho Martinez João Paulo Ayub Fonseca Henry Burnett Francisco de Oliveira Barros Júnior Ricardo Musse Mariarosaria Fabris Eduardo Borges Manchetômetro Eugênio Trivinho Samuel Kilsztajn Antônio Sales Rios Neto Vladimir Safatle Fernão Pessoa Ramos Antonino Infranca Mário Maestri Alexandre de Freitas Barbosa Jorge Branco Paulo Nogueira Batista Jr Luiz Roberto Alves Fábio Konder Comparato Airton Paschoa Boaventura de Sousa Santos Bento Prado Jr. Michael Roberts Luis Felipe Miguel Paulo Capel Narvai Yuri Martins-Fontes José Luís Fiori Gilberto Lopes Gerson Almeida Everaldo de Oliveira Andrade Luiz Carlos Bresser-Pereira Manuel Domingos Neto Tales Ab'Sáber Slavoj Žižek Otaviano Helene Leda Maria Paulani Bernardo Ricupero Antonio Martins Kátia Gerab Baggio Alysson Leandro Mascaro João Feres Júnior Alexandre Aragão de Albuquerque Chico Whitaker Roberto Bueno Henri Acselrad Lincoln Secco Bruno Machado Rubens Pinto Lyra Caio Bugiato Maria Rita Kehl Michael Löwy Francisco Pereira de Farias Daniel Brazil Igor Felippe Santos Valério Arcary Dennis Oliveira Luiz Renato Martins João Carlos Salles Francisco Fernandes Ladeira João Sette Whitaker Ferreira André Márcio Neves Soares Ronald Rocha José Geraldo Couto Rodrigo de Faria Rafael R. Ioris Dênis de Moraes Luiz Marques Marcos Silva Lucas Fiaschetti Estevez Flávio R. Kothe Luiz Costa Lima Leonardo Sacramento Luís Fernando Vitagliano Berenice Bento Bruno Fabricio Alcebino da Silva Ari Marcelo Solon Benicio Viero Schmidt Eugênio Bucci Celso Frederico Marcelo Módolo Liszt Vieira Julian Rodrigues Sergio Amadeu da Silveira Milton Pinheiro Luiz Bernardo Pericás André Singer Paulo Sérgio Pinheiro Juarez Guimarães Flávio Aguiar Atilio A. Boron Marjorie C. Marona Gabriel Cohn Eliziário Andrade Salem Nasser Afrânio Catani Jean Pierre Chauvin Paulo Fernandes Silveira Elias Jabbour Valerio Arcary Anselm Jappe Ricardo Fabbrini Vanderlei Tenório Ricardo Abramovay Lorenzo Vitral Andrew Korybko Marilia Pacheco Fiorillo Daniel Costa Alexandre de Lima Castro Tranjan Carla Teixeira Luiz Werneck Vianna Osvaldo Coggiola José Dirceu Ladislau Dowbor Plínio de Arruda Sampaio Jr. Eleonora Albano Gilberto Maringoni Leonardo Avritzer João Lanari Bo Marcus Ianoni Ronald León Núñez João Adolfo Hansen Paulo Martins Marcelo Guimarães Lima Anderson Alves Esteves Jean Marc Von Der Weid Sandra Bitencourt Luciano Nascimento Chico Alencar Annateresa Fabris Priscila Figueiredo João Carlos Loebens Remy José Fontana Armando Boito Walnice Nogueira Galvão Marcos Aurélio da Silva Carlos Tautz Ricardo Antunes José Micaelson Lacerda Morais Fernando Nogueira da Costa Eleutério F. S. Prado

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada