As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Polímatas

John Latham, Cinco irmãs bing, 1976
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por WALNICE NOGUEIRA GALVÃO*

O ideal do intelectual que abrangia o maior número possível de saberes, foi sendo aos poucos erodido e suplantado pelo de especialista

Conforme livro recente de Peter Burke, historiador da cultura da Universidade de Cambridge, intitulado O polímata (junção de muito com saber), o ideal do intelectual no Renascimento era abranger o maior número possível de saberes, ou disciplinas, ou matérias. Pensem em Leonardo da Vinci, que pintava, desenhava, imaginava e construía engenhocas precursoras do avião, do helicóptero, do tanque de guerra, e assim por diante, além de se interessar por química, por botânica, por física, por medicina e anatomia etc. Esse ideal foi sendo aos poucos erodido e suplantado pelo de especialista (ou expert),que se concentra numa única disciplina.O ideal da Modernidade é esse.

Até aí, estamos de acordo. Mas, diz Peter Burke, com a passagem dos séculos o polímata está dando sinais de ressurreição.

Um polímata moderno é o crítico literário Edward W. Said, com sua obra-prima que é Orientalismo, um dos pilares dos estudos pós-coloniais e da descolonização. E cuja leitura desorganiza o universo do saber de quem achava que já sabia. Em sua erudição, ambição e abrangência, lembra a Estilística Alemã dos anos 1930 e 1940, quando os livros de crítica literária eram tratados enciclopédicos ou monumentos de civilização.

Como Mimesis, de Auerbach, que percorre toda a literatura ocidental, começando pela Bíblia e Homero, e terminando por Proust e Virginia Woolf. Ou então A literatura europeia e a Idade Média latina, de Curtius, que estuda a metamorfose dos topoi repetidos nas obras literárias pelos milênios afora, desde o latim até as línguas vernáculas.  Ou ainda  a envergadura que assumem os trabalhos de Spitzer, reunidos em Estudos de estilo. Mais um exemplo, de outra tradição que não a Estilística Alemã, é o livro do russo Bakhtin sobre o humor da praça pública. Ao estudar a carnavalização que o populacho opera, recupera para a literatura vastos painéis de práticas discursivas com base na oralidade.

Ou, fora da literatura, nas artes visuais, os trabalhos de Aby Warburg e seu Atlas Mnemosyne, com a classificação das principais imagens desde a Antiguidade até o presente. E ainda o livro de Jakob Burckhardt, A civilização do Renascimento na Itália. Este tem a reputação de ter “inventado” o Renascimento com suas evocações e seu poder de síntese. E mais alguns outros.

Mas há vários de ambição semelhante, em campos diversos  como Sociologia, História etc. Um deles é O outono da Idade Média de Huizinga, cuja interpretação do fenômeno da dança macabra ajuda-nos a entender melhor as alucinações infernais de Bosch e Brueghel. Mais um é O processo civilizatório, de Norbert Elias, ao analisar, entre outros tópicos, a importância que assumiu a etiqueta das maneiras à mesa. Ou o de Ernst Bloch, Princípio esperança, que precisou de 3 volumes para dar conta de todo e qualquer movimento insurrecional messiânico.

Walter Benjamin era alemão e crítico literário, mas nada lhe escapava, desde brinquedos de criança e os efeitos do haxixe, ou a função da galeria na definição da cidade moderna, até um assunto pesado e desgracioso como a dramaturgia barroca. 

Huizinga é holandês, Burckhardt é suíço… Mas por muito tempo o catatau erudito ficaria associado a uma espécie de fatalidade do espírito germânico. Isso até nos lembrarmos de nomes como Michelet, que não só é autor de uma História da França e uma História da Revolução Francesa, ambas em dezenas de volumes, como ainda abordou a história das mulheres e A bruxa, textos que até hoje são referência do feminismo. Fruto do republicanismo laico da Grande Revolução, insistiu em seus trabalhos que o povo é que é o agente da transformação histórica, e jamais reis ou generais. Entre outros, influenciou Victor Hugo, que levou seus ensinamentos à prática, e especialmente ao escrever a mais popular de todas as suas obras, Os miseráveis.

A Michelet podemos acrescentar Foucault – cujo interesse vai de Velázquez às prisões e aos cuidados de si – e Lévi-Strauss Ambos redimem a espécie ameaçada do polímata da acusação de germanismo. Este último, para analisar os mitos indígenas, convoca a música clássica, a Astronomia e a bilateralidade da representação gráfica e escultórica. A estes dois, acrescentam-se muitos outros.

E viva o polímata!.

*Walnice Nogueira Galvão é professora Emérita da FFLCH da USP. Autora, entre outros livros, de Lendo e relendo (Sesc\Ouro sobre Azul). [amzn.to/3ZboOZj]


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Rafael R. Ioris Luís Fernando Vitagliano Luiz Costa Lima Rubens Pinto Lyra Marcelo Módolo Annateresa Fabris Marjorie C. Marona Carlos Tautz Roberto Noritomi Carla Teixeira Leda Maria Paulani Antonio Martins Dennis Oliveira Walnice Nogueira Galvão Remy José Fontana Leonardo Boff Yuri Martins-Fontes Vanderlei Tenório Bento Prado Jr. Eugênio Trivinho Henry Burnett Jorge Branco Renato Dagnino Alysson Leandro Mascaro Bruno Fabricio Alcebino da Silva Anderson Alves Esteves Anselm Jappe Airton Paschoa Lincoln Secco Lorenzo Vitral Luiz Carlos Bresser-Pereira Francisco Fernandes Ladeira Bruno Machado Slavoj Žižek Ricardo Abramovay Alexandre Aragão de Albuquerque Ricardo Antunes Juarez Guimarães Luiz Renato Martins Alexandre de Lima Castro Tranjan Mário Maestri Marcos Aurélio da Silva José Geraldo Couto Marcus Ianoni Rodrigo de Faria Chico Whitaker José Machado Moita Neto Luciano Nascimento Francisco Pereira de Farias João Paulo Ayub Fonseca José Raimundo Trindade Érico Andrade Antonino Infranca João Lanari Bo Paulo Martins Sandra Bitencourt Paulo Nogueira Batista Jr Eleutério F. S. Prado José Dirceu Marilena Chauí Luis Felipe Miguel Vladimir Safatle Bernardo Ricupero Lucas Fiaschetti Estevez Caio Bugiato Ronaldo Tadeu de Souza Andrew Korybko Julian Rodrigues José Costa Júnior João Carlos Loebens Jean Marc Von Der Weid Fábio Konder Comparato Salem Nasser Daniel Afonso da Silva Jean Pierre Chauvin Ricardo Fabbrini Gerson Almeida Gilberto Maringoni Celso Frederico Ari Marcelo Solon Kátia Gerab Baggio João Adolfo Hansen Paulo Sérgio Pinheiro André Márcio Neves Soares Boaventura de Sousa Santos Ladislau Dowbor Plínio de Arruda Sampaio Jr. Michael Roberts Osvaldo Coggiola Flávio R. Kothe Everaldo de Oliveira Andrade Ronald Rocha Claudio Katz Alexandre de Freitas Barbosa Luiz Werneck Vianna Gilberto Lopes Leonardo Avritzer Luiz Roberto Alves Luiz Bernardo Pericás Armando Boito Tarso Genro Fernão Pessoa Ramos José Luís Fiori Dênis de Moraes Luiz Marques Manuel Domingos Neto Paulo Fernandes Silveira Atilio A. Boron Jorge Luiz Souto Maior Daniel Brazil Eduardo Borges Michael Löwy Berenice Bento Paulo Capel Narvai João Carlos Salles Francisco de Oliveira Barros Júnior Henri Acselrad Fernando Nogueira da Costa Flávio Aguiar Ricardo Musse Manchetômetro Sergio Amadeu da Silveira Priscila Figueiredo Marcelo Guimarães Lima Samuel Kilsztajn Tales Ab'Sáber Valério Arcary Maria Rita Kehl Eliziário Andrade Elias Jabbour Luiz Eduardo Soares Heraldo Campos Benicio Viero Schmidt Vinício Carrilho Martinez Eugênio Bucci Igor Felippe Santos Tadeu Valadares José Micaelson Lacerda Morais Denilson Cordeiro Celso Favaretto Marcos Silva Liszt Vieira Leonardo Sacramento Valerio Arcary Roberto Bueno Otaviano Helene Daniel Costa Eleonora Albano João Feres Júnior Afrânio Catani Milton Pinheiro Thomas Piketty Ronald León Núñez Mariarosaria Fabris João Sette Whitaker Ferreira Antônio Sales Rios Neto Chico Alencar Gabriel Cohn André Singer Marilia Pacheco Fiorillo

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada