Eleições na Colômbia

Foto: Danilo Arenas
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por CARLOS EDUARDO BELLINI BORENSTEIN*

O campo progressista está avançando na América do Sul não apenas em resultados eleitorais. Na Colômbia tem chances reais de vencer

O resultado das eleições legislativas na Colômbia trouxe novos sinais sobre a existência de uma onda progressista na América do Sul. A coalizão Pacto Histórico, liderada por Gustavo Petro, que foi escolhido como o candidato da esquerda à presidência colombiana, no pleito que ocorrerá em 29 de maio, obteve uma importante vitória. A coalizão de Petro elegeu 16 senadores, conquistando a maior bancada da Casa ao lado do Partido Conservador. Na Câmara dos Deputados, o Pacto Histórico obteve 25 assentos, mesmo número de cadeiras dos conservadores.

No ano passado, Gabriel Boric, do partido Convergência Social, de esquerda, se elegeu presidente do Chile, também indicando o fortalecimento da onda progressista na região, iniciada em 2019, quando Alberto Fernández conquistou à Presidência da Argentina.

Depois de Fernández, Luis Arce, do Movimento ao Socialismo (MAS), venceu, em 2020, a eleição presidencial na Bolívia, e Pedro Castillo, do Peru Livre, foi eleito presidente do Peru no ano passado. Das últimas seis eleições presidenciais realizadas na região (Argentina, Uruguai, Bolívia, Peru, Equador e Chile), apenas no Uruguai – com Luis Lacalle Pou – e no Equador – através de Guilherme Lasso – a direita acabou prevalecendo.

Vale recordar que, de 2017 a 2019, tínhamos uma tendência inversa. Nesse período, quatro eleições presidenciais foram vencidas pela direita: Jair Bolsonaro (Brasil em 2018), Sebastián Piñera (Chile em 2017), Ivan Duque (Colômbia em 2018) e Mario Abdo (Paraguai em 2018). E na Venezuela, a vitória foi da esquerda: Nicolás Maduro, do Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV), foi reeleito.

Nesta onda progressista iniciada em 2019, que no passado foi batizada de “onda rosa” ou “pós-neoliberalismo”, chama atenção os resultados eleitorais no Chile e Peru. Os dois países, que eram considerados exemplos de modelos liberais na economia, elegeram presidentes adeptos do protagonismo estatal. No caso do Chile, a mudança foi ainda mais profunda, pois antes da eleição de Boric, houve gigantescos protestos que desembocaram na convocação de um plebiscito, e de uma Assembleia Nacional Constituinte, que está reformulando a Constituição herdada da ditadura de Augusto Pinochet.

Conforme podemos observar, o campo progressista está avançando na América do Sul não apenas em resultados eleitorais – quatro vitórias nas últimas seis eleições presidenciais – mas também ganhando terreno em países (Chile e Peru) que até recentemente tinham o livre mercado balizando inclusive suas constituições.

Com a mudança na correlação de forças iniciada em 2019, cinco países da região estão agora sob controle progressista (Argentina, Bolívia, Chile, Peru e Venezuela). Outras seis nações (Brasil, Colômbia, Equador, Paraguai e Uruguai) estão nas mãos de forças políticas liberais/conservadores. Apesar de numericamente os governos de direita ainda serem em maior número na América do Sul, todas as eleições presidenciais vencidas por esse campo na região, com exceção do Uruguai (2019) e Equador (2021), ocorreram até 2018.

Além da eleição de maio na Colômbia, onde a disputa deve ser polarizada entre Gustavo Petro e o candidato da direita, Federico Gutierrez, do Movimento Acreditamos, o palco central da disputa neste jogo de poder sul-americano será a eleição presidencial no Brasil, que hoje projeta um embate do ex-presidente Lula (PT) contra o presidente Jair Bolsonaro (PL). Ou seja, assim como vem ocorrendo nos demais países da América do Sul, esquerda e direita travarão um novo embate na Colômbia e no Brasil.

Assim, as possíveis vitórias de Gustavo Petro e Lula confirmariam os sinais sobre a existência dessa onda progressista na América do Sul, já que a esquerda ampliaria suas vitórias de quatro para seis eleições presidenciais em oito disputas desde 2019. Diante do cenário de crise econômica, sobretudo o alto desemprego e a perda do poder aquisitivo de parcelas expressivas da população da região, essa nova “onda rosa” pode frear a condução econômica mais fiscalista em favor de uma agenda em que o Estado e a distribuição de renda passariam a ser uma agenda comum em muitos desses países.

*Carlos Eduardo Bellini Borenstein é graduado em ciência política na ULBRA-RS.

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Annateresa Fabris Daniel Brazil Remy José Fontana Denilson Cordeiro Leonardo Avritzer Bruno Fabricio Alcebino da Silva Igor Felippe Santos Luiz Werneck Vianna José Dirceu Daniel Costa Everaldo de Oliveira Andrade Tadeu Valadares Kátia Gerab Baggio Flávio Aguiar Alexandre de Freitas Barbosa Michael Roberts Paulo Martins Liszt Vieira Mariarosaria Fabris Leda Maria Paulani Andrew Korybko Luis Felipe Miguel Marcelo Guimarães Lima Anderson Alves Esteves Antonino Infranca Antonio Martins Mário Maestri Milton Pinheiro Carla Teixeira Alexandre Aragão de Albuquerque Luiz Carlos Bresser-Pereira Vladimir Safatle Boaventura de Sousa Santos Rafael R. Ioris Flávio R. Kothe Thomas Piketty Luiz Roberto Alves Afrânio Catani João Carlos Loebens Sandra Bitencourt Francisco de Oliveira Barros Júnior Celso Favaretto Berenice Bento Jean Pierre Chauvin Priscila Figueiredo Heraldo Campos Osvaldo Coggiola Paulo Nogueira Batista Jr Leonardo Boff Paulo Capel Narvai Anselm Jappe Celso Frederico Lorenzo Vitral Eugênio Trivinho Ronald León Núñez Marcos Aurélio da Silva Renato Dagnino Eugênio Bucci Ari Marcelo Solon Vinício Carrilho Martinez Jean Marc Von Der Weid Luiz Bernardo Pericás Luiz Marques Henri Acselrad Caio Bugiato Eleutério F. S. Prado Dênis de Moraes Bruno Machado Chico Whitaker Marcelo Módolo Lincoln Secco Chico Alencar José Machado Moita Neto Elias Jabbour Maria Rita Kehl Leonardo Sacramento Plínio de Arruda Sampaio Jr. Samuel Kilsztajn Dennis Oliveira Marjorie C. Marona Alysson Leandro Mascaro André Márcio Neves Soares Rubens Pinto Lyra Luiz Eduardo Soares Ricardo Abramovay Andrés del Río José Micaelson Lacerda Morais Paulo Fernandes Silveira Marcos Silva Eleonora Albano Ronaldo Tadeu de Souza Francisco Fernandes Ladeira Marilena Chauí João Carlos Salles Valerio Arcary Tarso Genro Ricardo Fabbrini Paulo Sérgio Pinheiro Ricardo Musse José Geraldo Couto Gilberto Lopes Atilio A. Boron Yuri Martins-Fontes Jorge Branco Otaviano Helene Armando Boito Ricardo Antunes Carlos Tautz Salem Nasser Francisco Pereira de Farias Luciano Nascimento João Adolfo Hansen Claudio Katz José Luís Fiori Manchetômetro Fernando Nogueira da Costa Walnice Nogueira Galvão Eliziário Andrade André Singer Daniel Afonso da Silva José Raimundo Trindade Fábio Konder Comparato Bento Prado Jr. Juarez Guimarães Gerson Almeida Tales Ab'Sáber Matheus Silveira de Souza Slavoj Žižek Michael Löwy Ladislau Dowbor Valerio Arcary Julian Rodrigues Lucas Fiaschetti Estevez Benicio Viero Schmidt Antônio Sales Rios Neto Rodrigo de Faria Fernão Pessoa Ramos Alexandre de Lima Castro Tranjan Érico Andrade José Costa Júnior Michel Goulart da Silva Marilia Pacheco Fiorillo Henry Burnett Bernardo Ricupero Vanderlei Tenório Luís Fernando Vitagliano Ronald Rocha Eduardo Borges João Paulo Ayub Fonseca João Feres Júnior Marcus Ianoni Gabriel Cohn João Lanari Bo Sergio Amadeu da Silveira Manuel Domingos Neto Jorge Luiz Souto Maior João Sette Whitaker Ferreira Luiz Renato Martins Airton Paschoa Gilberto Maringoni

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada