As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Muito mais que liberdade de expressão

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por EUGÊNIO BUCCI*

Conversas que repórteres mantiveram com suas fontes e resolveram não levar a público devem ser protegidas, não expostas pela Justiça

Na semana passada, aconteceu de novo. Um pequeno incidente veio mostrar, mais uma vez, que a cultura política e a cultura jurídica brasileiras ainda não compreendem bem a substância da liberdade de imprensa. Desta vez, o episódio ocorreu no âmbito do Supremo Tribunal Federal (STF).

O despacho em que o ministro Alexandre de Moraes solicitou a empresas jornalísticas que entregassem a íntegra dos áudios de entrevistas concedidas pelo senador Marcos do Val (Podemos-ES) tropeçou numa hesitação inicial reveladora, que deveria nos servir de alerta. Conforme noticiado amplamente, a primeira versão da ordem judicial estabelecia multa para quem não a cumprisse e – ainda mais preocupante – não deixava claro se o magistrado exigia a apresentação de todos os diálogos gravados com o senador ou apenas daqueles que tivessem sido efetivamente publicados pelos órgãos de imprensa.

Em seguida, numa benfazeja correção de curso, as coisas se acertaram: além de retirar a previsão de multa, o ministro explicitou que estava se referindo apenas aos conteúdos, nos termos dele, “já publicizados”. Ficou melhor assim. Ficou direito, como deve ser. Marcos Do Val, você sabe, é aquele que vem falando de propostas golpistas que teria ouvido do tal que era presidente da República até o ano passado. A denúncia precisa ser apurada, é lógico.

O problema é que, em declarações dispersas e diversas, o parlamentar deu versões distintas das falas presidenciais que teria presenciado. Diante das inconsistências, o Supremo acerta em procurar reunir todos os pronunciamentos possíveis na tentativa de reconstituir a verdade factual. O esforço é necessário e bem-vindo. Quanto a isso, é preciso registrar o mérito indiscutível do STF em conter as nefastas, embora “tabajáricas”, tentativas de golpe de Estado. Nesse trabalho institucional – que se mostrou decisivo para garantir a estabilidade da democracia –, o ministro Moraes ocupou e ocupa lugar de honra. Portanto, não vai aqui nenhum ataque à conduta dos membros do Supremo Tribunal Federal.

O episódio em questão, no entanto, descortina um problema de fundo: quando se trata de liberdade de imprensa, o poder, infelizmente, hesita, titubeia, deixando ver que desconhece o que deveria proteger com firmeza racional. São inúmeros os casos. Estão aí, frescas na memória, medidas de censura que tiveram de ser revertidas – ainda bem – a toque de caixa.

Somos uma sociedade que não entendeu direito que a liberdade de imprensa é mais, muito mais, do que a simples liberdade de expressão. Por certo, o jornalismo dá curso à livre circulação das ideias, que é um direito de todas as pessoas. Sim, a imprensa é uma forma especializada da liberdade de expressão. Mas sua substância é maior do que a mera liberdade de expressão. Para que se realize como prática social, a atividade jornalística requer direitos que não se resumem a manifestar ideias. Mais do que uma liberdade de dizer, é uma liberdade de fazer.

O ofício de repórteres e editores se define muito mais por aquilo que eles fazem do que por aquilo que eles enunciam ou propiciam que outros enunciem. Para começar, esses profissionais se reúnem todos os dias para criticar o poder. Depois, saem às ruas, entrevistam pessoas, consultam documentos, testemunham fatos e dirigem aos poderosos perguntas que os incomodam. Em suas tarefas cotidianas, exercem direitos que a democracia lhes assegura – e cumprem seu dever, que é essencial para a mesma democracia.

Mais que um hábito, uma ética e um discurso, a imprensa é um método que inclui uma escola própria para fiscalizar o poder, para promover investigação independente e para moderar o debate público. Essa liberdade de fazer inclui, não por acaso, o direito de não dizer. Quem edita uma publicação séria lida diariamente com uma grande quantidade de informações. Nem tudo é publicado. É verdade que, de vez em quando, lamentavelmente, alguma sandice escapa, o que gera noites de insônia para os profissionais, mas o método jornalístico tem sempre o ideal de desenvolver critérios para selecionar o que merece ser publicado. O que não é publicado permanece guardado em reserva.

O direito de não publicar parte das informações é parte da liberdade de imprensa. Disso decorre que as autoridades não deveriam exigir que o jornalista conte para a polícia o que resolveu não publicar. Tal pretensão expõe a risco fundamentos basilares, como o do sigilo da fonte. Conversas que repórteres mantiveram com suas fontes e resolveram não levar a público devem ser protegidas, não expostas pela Justiça.

É claro que uma empresa, isoladamente e espontaneamente, pode resolver mostrar todos os seus arquivos para as autoridades que conduzem um inquérito. Decisões privadas autônomas não criam jurisprudência. Como regra geral, contudo, o juiz age bem quando se limita a conhecer o “já publicizado”. A liberdade de imprensa requer que o jornalista tenha o direito de não expressar o que não quer. No caso presente, para sorte do País, prevaleceu o bom senso democrático.

*Eugênio Bucci é professor titular na Escola de Comunicações e Artes da USP. Autor, entre outros livros, de A superindústria do imaginário (Autêntica).

Publicado originalmente no jornal O Estado de S. Paulo.

 

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
José Raimundo Trindade Samuel Kilsztajn Michael Löwy João Feres Júnior Manuel Domingos Neto Manchetômetro Mário Maestri Vinício Carrilho Martinez Marcos Silva Francisco de Oliveira Barros Júnior Claudio Katz Fernando Nogueira da Costa Osvaldo Coggiola Érico Andrade Eliziário Andrade Rafael R. Ioris Daniel Costa Luiz Costa Lima João Paulo Ayub Fonseca Gilberto Maringoni Heraldo Campos Ricardo Abramovay Walnice Nogueira Galvão Lincoln Secco Yuri Martins-Fontes Francisco Pereira de Farias Atilio A. Boron Marcos Aurélio da Silva Alexandre de Lima Castro Tranjan Luiz Bernardo Pericás Sandra Bitencourt Ronald León Núñez Ronaldo Tadeu de Souza Luiz Carlos Bresser-Pereira Eleutério F. S. Prado Tadeu Valadares Ricardo Musse Slavoj Žižek Valério Arcary Antonio Martins Carla Teixeira Flávio R. Kothe Luiz Renato Martins Berenice Bento Ricardo Antunes Marilena Chauí Paulo Martins André Márcio Neves Soares Afrânio Catani Juarez Guimarães Vladimir Safatle José Geraldo Couto Gilberto Lopes Marjorie C. Marona Anselm Jappe Maria Rita Kehl Dênis de Moraes Ladislau Dowbor Francisco Fernandes Ladeira Bruno Machado Luciano Nascimento Boaventura de Sousa Santos Dennis Oliveira Chico Alencar Rubens Pinto Lyra Liszt Vieira Armando Boito Leonardo Boff Jean Marc Von Der Weid Luiz Eduardo Soares Gerson Almeida Ari Marcelo Solon Celso Frederico Lucas Fiaschetti Estevez Everaldo de Oliveira Andrade Paulo Nogueira Batista Jr Mariarosaria Fabris Roberto Noritomi Luiz Marques Priscila Figueiredo Carlos Tautz Bernardo Ricupero Thomas Piketty Henri Acselrad Rodrigo de Faria Leonardo Sacramento Vanderlei Tenório Caio Bugiato Chico Whitaker João Sette Whitaker Ferreira José Dirceu Luís Fernando Vitagliano Kátia Gerab Baggio Paulo Capel Narvai Antônio Sales Rios Neto Anderson Alves Esteves José Machado Moita Neto Antonino Infranca Ricardo Fabbrini Fernão Pessoa Ramos Benicio Viero Schmidt Denilson Cordeiro José Micaelson Lacerda Morais Eleonora Albano Jorge Luiz Souto Maior Renato Dagnino João Carlos Loebens Fábio Konder Comparato Remy José Fontana Ronald Rocha Luiz Werneck Vianna Igor Felippe Santos Lorenzo Vitral João Adolfo Hansen Jean Pierre Chauvin Michael Roberts Celso Favaretto José Luís Fiori Andrew Korybko Annateresa Fabris Bruno Fabricio Alcebino da Silva Milton Pinheiro André Singer Marilia Pacheco Fiorillo João Carlos Salles Airton Paschoa Henry Burnett Alexandre de Freitas Barbosa Salem Nasser Alexandre Aragão de Albuquerque Otaviano Helene Jorge Branco Leda Maria Paulani Marcus Ianoni Sergio Amadeu da Silveira Julian Rodrigues Tales Ab'Sáber Bento Prado Jr. Luis Felipe Miguel Flávio Aguiar Paulo Sérgio Pinheiro Daniel Afonso da Silva Alysson Leandro Mascaro Elias Jabbour Eduardo Borges Valerio Arcary Roberto Bueno Paulo Fernandes Silveira Tarso Genro Eugênio Bucci Leonardo Avritzer Eugênio Trivinho Daniel Brazil João Lanari Bo Plínio de Arruda Sampaio Jr. Marcelo Guimarães Lima Marcelo Módolo José Costa Júnior Gabriel Cohn Luiz Roberto Alves

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada