Esquerda de ruptura e esquerda de coalizão

Imagem Bayram Er
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LUÍS FELIPE MIGUEL*

Comentário sobre o artigo de Mathias Alencastro

O artigo de Mathias Alencastro publicado na edição impressa do jornal Folha de S. Paulo, saudando a chapa Lula-Alckmin, é – para usar a expressão de E. P. Thompson – “um planetário de erros”.

Ele parte da dicotomia entre uma “esquerda de ruptura” e uma “esquerda de coalizão”. A primeira seria inspirada nas teorias de Ernesto Laclau e teria o Podemos como maior ícone. A segunda teria surgido em oposição a ela.

Parece que a história da esquerda começa por volta de 2010. A possibilidade de uma esquerda classista é simplesmente apagada. A longa trajetória da social-democracia desaparece e vira uma reação ao “radicalismo” de Pablo Iglesias ou Jean-Luc Mélenchon.

O Die Linke alemão é apresentado como “predecessor do Podemos“, o que é completamente desprovido de sentido. O artigo chega afirmar que o Die Linke “nem conseguiu entrar no parlamento”, o que é factualmente errado – ele não alcançou a cláusula de barreira, mas garantiu ainda assim 39 cadeiras, graças às peculiaridades do sistema eleitoral alemão.

O artigo trata a democracia como abstração, logo é incapaz de se interrogar sobre as dinâmicas da desdemocratização; reduz “esquerda” a um rótulo desprovido de conteúdo; aplaina as diferenças entre o Norte e o Sul globais. Inclui alegremente Alckmin entre “os democratas”, apagando o golpe de 2016 e a Lava Jato de nossa história.

Ele é significativo sobretudo pelo uso típico do adjetivo “republicano” – o ensopado com chuchu seria nada menos que “uma revolução republicana”.

“Republicano” é, em muitos discursos, o eufemismo para acomodação e capitulação. É “republicana” a esquerda que abre mão de seu programa – e a direita que aceita a existência da esquerda, desde que assim, diluída e inofensiva.

Na verdade, os valores republicanos se afirmam quando é possível que todos os interesses sociais participem da disputa política, nas condições mais igualitárias possíveis, sem a imposição de vetos.

Para chegarmos lá, precisamos de uma esquerda disposta a enfrentamentos.

PS.: E o texto ainda sai no dia em que comemoramos a vitória, no Chile, de uma esquerda que ilustra tudo o que o articulista diz que está condenado ao fracasso. Péssimo timing!

*Luis Felipe Miguel é professor do Instituto de Ciência Política da UnB. Autor, entre outros livros, de O colapso da democracia no Brasil (Expressão Popular).

 

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • Razões para o fim da greve nas Universidade Federaisbancos 16/05/2024 Por TADEU ALENCAR ARRAIS: A nova proposta do Governo Federal anunciada dia 15 de maio merece debate sobre continuar ou não a greve
  • O negacionismo ambiental e a inundação de Porto Alegreporto alegre aeroporto alagado 14/05/2024 Por CARLOS ATÍLIO TODESCHINI: Porto Alegre tem o melhor sistema de proteção contra cheias do Brasil. É considerado um “minissistema holandês”. Por que esse sistema falhou em sua função de evitar que a cidade fosse alagada?
  • A universidade operacionalMarilena Chauí 2 13/05/2024 Por MARILENA CHAUI: A universidade operacional, em termos universitários, é a expressão mais alta do neoliberalismo
  • A mão de OzaJoao_Carlos_Salles 14/05/2024 Por JOÃO CARLOS SALLES: O dever do Estado brasileiro e a universidade contratada
  • Como mentir com estatísticascadeira 51 18/05/2024 Por AQUILES MELO: Os números apresentados pelo governo federal aos servidores da educação em greve mais confundem do que explicam, demonstrando, assim, desinteresse na resolução do problema
  • A “multipolaridade” e o declínio crônico do OcidenteJosé Luís Fiori 17/05/2024 Por JOSÉ LUÍS FIORI: A defesa da multipolaridade será cada vez mais a bandeira dos países e dos povos que se insurgem neste momento contra o imperium militar global exercido pelo Ocidente
  • O cavalo Caramelocavalo caramelo 15/05/2024 Por LEONARDO BOFF: Há que se admitir que nós não temos respeitado os direitos da natureza com seu valor intrínseco, nem posto sob controle nossa voracidade de devastá-la
  • A greve nas universidades e institutos federais não…caminho tempo 17/05/2024 Por GRAÇA DRUCK & LUIZ FILGUEIRAS: As forças de esquerda e democráticas precisam sair da passividade, como que esperando que Lula e o seu governo, bem como o STF resolvam os impasses políticos
  • Pensar após GazaVladimir Safatle 08/05/2024 Por VLADIMIR SAFATLE: Desumanização, trauma e a filosofia como freio de emergência
  • SUS, 36 anos – consolidação e incertezasPaulo Capel Narvai 15/05/2024 Por PAULO CAPEL NARVAI: O SUS não foi o “natimorto” que muitos anteviram. Quase quatro décadas depois, o SUS está institucionalmente consolidado e desenvolveu um notável processo de governança republicana

AUTORES

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES