A burguesia e o genocídio sanitário

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por PLÍNIO DE ARRUDA SAMPAIO JR.*

O neoliberalismo sanitário é um projeto político de uma burguesia em franco processo de reversão neocolonial.

Após um ano de pandemia de coronavírus, o neoliberalismo sanitário, baseado no “salve-se quem puder”, acumula mais de 270 mil mortos oficiais no Brasil – o segundo maior número de vítimas da Covid-19 no mundo. Provavelmente, a quantidade efetiva de vidas perdidas seja bem maior – chegando a pelo menos 390 mil.[i]

A dimensão da tragédia brasileira fica patente quando comparada com o que ocorreu nas regiões que adotaram rígida política de isolamento social.

Com o número de fatalidades em crescimento desde o início de novembro, uma média de mortes diárias há seis semanas acima de mil pessoas e uma taxa de transmissão (Rt)persistentemente acima de um, a Covid-19 avança descontrolada em todas as regiões do país. O poço não tem fundo. A Fiocruz adverte para a iminência de um colapso sincronizado do sistema de saúde público e privado no fim do verão, em poucas semanas, quando a circulação do vírus usualmente é potencializada.[iii]

A expectativa de que o desenvolvimento de vacinas contra a Covid-19 resolveria a pandemia rapidamente foi frustrada. Para além da incompetência colossal do general intendente que preside o Ministério da Saúde como pau-mandado de Bolsonaro, que sequer foi capaz de encomendar as vacinas já previstas em seu tacanho plano de imunização –que contempla apenas 25% da população –, a ausência de soberania sanitária deixou o país à mercê da ganância das grandes indústrias farmacêuticas e das potências imperialistas.

Salvo raríssimas exceções, a imunização coletiva contra a pandemia de coronavírus avança em marcha lenta no mundo inteiro.[iv] A fim de maximizar lucros, as vacinas são vendidas, a conta-gotas, a preço de ouro. Sua distribuição respeita a hierarquia de poder econômico, político e militar que rege o sistema capitalista mundial. Primeiro, as vacinas serão disponibilizadas para o centro principal – Estados Unidos, Reino Unido. Em seguida, caberá imunizar o centro secundário – União Europeia. A periferia fica para o fim da fila. A expectativa da OMS é que a imunização da população mundial se arraste pelo menos até 2023.[v]

Se o desenvolvimento de novas cepas comprometer a eficácia dos imunizantes – e já são seis as mutações mais infecciosas identificadas –, o combate à pandemia tornar-se-á uma verdadeira tarefa de Sísifo. Do ponto de vista do complexo farmacêutico, que não tem nenhum compromisso com a saúde da população, o prolongamento da doença é uma excelente oportunidade de negócio. Quanto mais tempo durar a emergência sanitária, maior a rentabilidade dos investimentos.

Na falta de vacina para todos os brasileiros, o acesso à vacina será racionado. O plano de vacinação do governo federal prevê a imunização apenas de trabalhadores essenciais, idosos e população com problemas de comorbidade – cerca de 54 milhões pessoas. O restante da população – 160 milhões de mortais – ficará largado à própria sorte.

No entanto, na maior desfaçatez, a plutocracia rapidamente encontrou um meio de sobreviver ao caos sanitário que ela mesma fomenta. A lei que prevê a compra de vacina contra o coronavírus pelo setor privado, aprovada na surdina pelo Senado Federal –PL 534/2021 –, como apoio entusiasmado do PT e demais partidos que compõem a oposição parlamentar de esquerda, radicaliza o neoliberalismo sanitário.[vi] Feita sob encomenda das empresas farmacêuticas e do grande capital, a mercantilização da vacina enfraquece o SUS e afasta ainda mais os brasileiros pobres da imunização contra o coronavírus.[vii] Institucionaliza-se a segregação social no acesso à vacina.

No governo Bolsonaro, o genocídio sanitário é assumido sem mediação. Em alguns governos estaduais e municipais, é disfarçado com um simulacro de políticas de saúde pública. No entanto, mais do que uma sequência de erros, incompetência, irresponsabilidade e descaso dos agentes políticos, dados objetivos da realidade que, sem dúvida, existem em profusão, o genocídio sanitário é um projeto político de uma burguesia em franco processo de reversão neocolonial, destituída de qualquer nexo moral com os trabalhadores e sem qualquer veleidade nacionalista. A verdade é que os governantes de todas as colorações deixam a circulação do vírus correr solta.

Por mais paradoxal que pareça, a naturalização da pandemia é funcional para o capital. Ela cumpre um duplo objetivo. De um lado, coloca a razão econômica acima da razão sanitária. Os interesses imediatistas do capital sobrepõem-se a tudo, submetendo o trabalho à lógica da exploração em condições impossíveis. De outro, deixa a vanguarda da classe trabalhadora intimidada e fragmentada, criando condições subjetivas para que o capital lhe imponha derrotas estratégicas.

O espectro do desemprego em condições particularmente adversas e o toque de recolher gerado pela necessidade de isolamento social comprometem a capacidade de mobilização dos trabalhadores. O estranhamento entre os trabalhadores que têm condições de se proteger do vírus e os que não as têm – a grande maioria – joga um segmento da classe contra o outro. A contraposição do medo do vírus ao medo da fome bloqueia a unidade do trabalho contra o capital.

Dar um basta ao genocídio sanitário é o principal desafio do momento. As medidas práticas necessárias para interromper a marcha macabra dos acontecimentos são conhecidas: lockdown nacional – único meio de interromper a circulação do vírus; aprovação de um auxílio emergencial digno para que todos os trabalhadores tenham condições efetivas de aderir ao isolamento social; quebra unilateral de patente das vacinas e esforço de guerra para sua produção em massa para que não faltem imunizantes; e, finalmente, campanha de vacinação para uma célere imunização coletiva. São todas perfeitamente exequíveis. Não são realizadas simplesmente porque, para além da retórica hipócrita, convém aos donos do poder prolongar a pandemia. O genocídio sanitário só cessará quando os trabalhadores entrarem em cena e impuserem à força seus interesses à burguesia.

*Plínio de Arruda Sampaio Jr. é professor aposentado do Instituto de Economia da Unicamp e editor do site Contrapoder. Autor, entre outros livros, de Entre a nação e a barbárie – dilemas do capitalismo dependente (Vozes).

Notas

[i] https://www.worldometers.info/coronavirus/

[ii] https://portal.fiocruz.br/sites/portal.fiocruz.br/files/documentos/boletim_covid_2021-semanas_05-07.pdf

[iii] https://pages.eiu.com/rs/753-RIQ-438/images/report%20q1-global-forecast-2021.pdf?mkt_tok=NzUzLVJJUS00MzgAAAF7iK1LFumN8YmjEOeXJViahPpXwyR05CiNB_x4xtX5ckSl_Hl3mkOwEF_1AtD3i08eZiE5ZGzONf1cLlwBXuvXFwOyWlXtJQMMSwGhMAv7kvcHYQ

[iv] https://www.irishtimes.com/news/health/covid-19-warning-poorer-countries-will-not-be-vaccinated-until-2023-or-later-1.4480376

[v] https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2021/02/24/senado-aprova-que-estados-municipios-e-setor-privado-comprem-vacinas-contra-a-covid-19

[vi] https://paranaportal.uol.com.br/coronavirus/empresarios-fazem-encontro-virtual-com-o-governo-e-discutem-doacao-de-vacinas-ao-sus/Ver também: https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2021/02/22/pacheco-e-randolfe-articulam-para-que-brasil-tenha-vacinas-da-pfizer-e-da-janssen

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Mário Maestri Paulo Nogueira Batista Jr Eliziário Andrade Berenice Bento João Sette Whitaker Ferreira Bruno Machado Ari Marcelo Solon Ricardo Musse Kátia Gerab Baggio Lincoln Secco Fábio Konder Comparato José Costa Júnior Érico Andrade Fernando Nogueira da Costa Henri Acselrad Carlos Tautz Annateresa Fabris Ladislau Dowbor Fernão Pessoa Ramos Everaldo de Oliveira Andrade Igor Felippe Santos Luiz Marques Marcos Aurélio da Silva Marcelo Guimarães Lima Marcos Silva Leda Maria Paulani Otaviano Helene Jean Pierre Chauvin Luiz Roberto Alves Francisco Pereira de Farias João Carlos Salles Valerio Arcary Dennis Oliveira Jorge Branco Vladimir Safatle Rubens Pinto Lyra Walnice Nogueira Galvão Antônio Sales Rios Neto Valerio Arcary Dênis de Moraes Antonio Martins Flávio R. Kothe José Luís Fiori João Carlos Loebens Daniel Afonso da Silva Andrew Korybko Rodrigo de Faria Liszt Vieira Andrés del Río Remy José Fontana João Feres Júnior Alexandre de Freitas Barbosa Michael Löwy Luís Fernando Vitagliano João Paulo Ayub Fonseca Ronaldo Tadeu de Souza Ricardo Fabbrini Julian Rodrigues Osvaldo Coggiola Jorge Luiz Souto Maior Marilena Chauí José Machado Moita Neto Denilson Cordeiro Eduardo Borges Luiz Eduardo Soares Vanderlei Tenório Claudio Katz Vinício Carrilho Martinez Alysson Leandro Mascaro Leonardo Boff Marilia Pacheco Fiorillo Luiz Werneck Vianna Francisco de Oliveira Barros Júnior Paulo Martins Ricardo Antunes José Micaelson Lacerda Morais Slavoj Žižek Henry Burnett Jean Marc Von Der Weid Paulo Capel Narvai Marjorie C. Marona Lorenzo Vitral Eugênio Bucci Bruno Fabricio Alcebino da Silva Antonino Infranca Heraldo Campos Paulo Sérgio Pinheiro Bernardo Ricupero Michel Goulart da Silva Caio Bugiato Thomas Piketty Rafael R. Ioris José Raimundo Trindade Alexandre de Lima Castro Tranjan Carla Teixeira Luciano Nascimento Matheus Silveira de Souza Michael Roberts André Márcio Neves Soares Celso Frederico Samuel Kilsztajn Lucas Fiaschetti Estevez Tales Ab'Sáber Eugênio Trivinho Benicio Viero Schmidt Manuel Domingos Neto Mariarosaria Fabris Chico Whitaker Marcus Ianoni Ricardo Abramovay Luiz Bernardo Pericás André Singer José Dirceu Sergio Amadeu da Silveira João Lanari Bo Marcelo Módolo Gerson Almeida Alexandre Aragão de Albuquerque Ronald León Núñez Chico Alencar Anselm Jappe Gilberto Lopes Luis Felipe Miguel Priscila Figueiredo Eleutério F. S. Prado Afrânio Catani Gabriel Cohn Salem Nasser Yuri Martins-Fontes Anderson Alves Esteves Paulo Fernandes Silveira Tadeu Valadares Eleonora Albano Luiz Carlos Bresser-Pereira Leonardo Sacramento Gilberto Maringoni Ronald Rocha Daniel Brazil Renato Dagnino Flávio Aguiar Bento Prado Jr. Celso Favaretto Airton Paschoa Leonardo Avritzer Luiz Renato Martins Sandra Bitencourt José Geraldo Couto Milton Pinheiro Francisco Fernandes Ladeira Armando Boito João Adolfo Hansen Juarez Guimarães Manchetômetro Elias Jabbour Daniel Costa Plínio de Arruda Sampaio Jr. Boaventura de Sousa Santos Tarso Genro Atilio A. Boron Maria Rita Kehl

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada